Reunião de Bolsonaro e Moraes demonstra que este país é uma incrível esculhambação

Ⓜ️arcel Lavajatista🔰#BrasilConsciente's tweet - "Michel Temer mandou Bolsonaro ligar para o Alexandre de Moraes e pedir desculpas. E o gado ainda defende esse traidor arregão. 🤡 #BolsonaroTraidor " - Trendsmap

Charge do Iotti (Gaúcha/Zero Hora)

Carlos Newton

O Brasil é um país tão apodrecido institucionalmente que em Brasília foi considerado normal que o presidente da Câmara dos Deputados (Arthur Lira), tenha convidado o presidente da República (Jair Bolsonaro) para homenagear um ministro do Supremo (Gilmar Mendes). e neste festivo jantar o chefe do governo tenha aceitado manter uma reunião a portas fechadas com outro ministro do STF (Alexandre de Moraes), para juntos discutirem importantíssimos processos judiciais em fase de pré-julgamento.

Em qualquer outro país, isso significaria uma promiscuidade absolutamente inaceitável, mas aqui no Brasil ninguém critica o apodrecimento das instituições, e tudo passa a ser considerado “novo normal”.

ENTENDIMENTO? – No domingo, dia 26, Bolsonaro deu entrevista e até tocou no assunto. Disse que o ministro Moraes “falou 90% do tempo” e ele, apenas 10%. “Mais ou menos cinco minutos de conversa. Falei para ele: vamos conversar na próxima semana com mais tempo. E pode ser em qualquer lugar”, afirmou. O objetivo, segundo o chefe do Executivo, é que cheguem a um “entendimento”.

Mas como? Entendimento sobre processos judiciais? Mas o que é isso, companheiro?, perguntaria Fernando Gabeira. Como admitir que presidente da República e ministro do Supremo se reúnam a porta fechadas para chegar a entendimento sobre processos judiciais?

E o pior de tudo foi a informação do próprio presidente sobre o objetivo da conversa: “É para ver se consigo entendê-lo e ele me entender também, porque, pelo que ele falou ali, não me entende. Falou certas coisas que não procediam, não vou revelar o que é. Eu fiquei mais quieto, ouvindo ele falar. E pretendo conversar com ele sim, pretendo ver o que está acontecendo, porque no fundo eu quero diálogo e respeito à Constituição”, disse.

EXEMPLO DINAMARQUÊS – Essa esculhambação não é comum a todos os países, é claro, como se pode perceber ao assistir na TV â extraordinária série política “Borgen”, criada pelo  produtor e roteirista dinamarquês Adam Price.

O enredo dá uma inveja danada aos brasileiros. Os ministros dinamarqueses, inclusive o premier, só têm direito de contratar exclusivamente um assessor de imprensa. Os demais auxiliares, que são poucos (chefe de gabinete e três ou quatro assessores, são todos servidores públicos, que permanecem no cargo quando muda o governo, uma prática que proporciona equilíbrio administrativo e respeito à ética política.

Em outros países europeus é a mesma realidade, que possibilitou à Bélgica ficar sem governo por 650 dias, entre 2018 e 2020, sem atravessar maiores crises, porque nos países mais evoluídos não existe essa prática de os três poderes maquinarem entendimentos espúrios, como se vê no Brasil.

###
P.S.
O magnífico Olavo Bilac, criador do serviço militar obrigatório, inicia seu famoso poema “A Pátria”, com esta firmada convicção: “Ama, com fé e orgulho, a terra em que nasceste! Criança! Não verás nenhum país como este!”. O poeta realmente tinha razão: não há país como este. No entanto, não custava nada organizar um pouquinho essa absurda esculhambação… (C.N.)

8 thoughts on “Reunião de Bolsonaro e Moraes demonstra que este país é uma incrível esculhambação

  1. Ou, chamem o Vasily!
    “Ex-oficial do serviço secreto da Ucrânia denuncia crimes do regime de Kiev
    – “Ao longo de oito anos após o golpe da Praça Maidan, milhares de crimes de guerra foram cometidos pelas forças de segurança ucranianas contra civis”, afirma o tenente-coronel Vasily Prozorov.
    Vassily Prozorov
    entrevistado por Hora do Povo
    Vassily Prozorov.
    Em entrevista exclusiva à Hora do Povo, Vasily Prozorov, tenente-coronel do Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU) – onde atuou de 1999 até o final de 2017 –, falou sobre o que o governo da Ucrânia e os media subordinados a Washington escondem: o caráter antidemocrático do regime de Kiev, com perseguições políticas, assassinatos, crimes de guerra e bombardeios a alvos civis, e a ascensão de grupos neonazistas

    Enquanto oficial do serviço secreto ucraniano, foi testemunha da interferência dos Estados Unidos no golpe de estado de 2014, da ajuda do novo governo para a formação de milícias neonazistas e da perseguição e assassinatos contra jornalistas e políticos da oposição.

    Atualmente, Vasily Prozorov mantém o site Ukraine Leaks ( ukr-leaks.com) onde divulga documentos secretos do governo ucraniano e do SBU que comprovam os crimes que ele denuncia. O ex-agente escreveu e publicou dezenas de artigos sobre a formação e a atuação de grupos neonazistas na Ucrânia, que podem ser encontrados em seu site.”

  2. O Bozo continua a tentar fazer um acordo por trás dos bastidores para não ser preso. Mas não vai adiantar nada Bozo!
    A cadeia te espera ano que vem, Bozo otário!

  3. Ah…. eu já há algum tempo vinha avisando da esculhambação que eram estes encontros entre membros do legislativo e executivo e ministros do STF e da forma esdrúxula que a maior parte da mídia tratava o assunto.

    Quantas vezes vi “analistas” dizendo que bom os ministros se reunirem com políticos para discutir processos? Algo absolutamente bizarro e que deveria ser fortemente criticado e não elogiado.

    Onde já se viu juízes se reunirem com “as partes interessadas” para discutir as futuras decisões judiciais? Fica claro que as decisões do STF são politicas e baseadas em acordos e conchavos negociados com políticos que muitas vezes seriam réus dos processos.

    Não interessa o que sairá desta reunião entre um ministro do STF e o presidente, por que pode ter certeza, o resultado será podre de nascença.

    • Carlos Newton, me desculpa pela minha indiscrição, mas você só agora percebeu o apodrecimento das instituições do Brasil?
      Desde o verdadeiro golpe em 1964 o Brasil vem vendo suas instituições serem desmanteladas e desrespeitadas de forma tão acelerada que quando os militares quiseram se ver livres da encrenca que se meteram tiveram que arrumar um apedeuta, via estratégia do Golbery, para não parecer que o que eles fizeram não foi de todo ruim. E foi, e.muito.
      Os governos de Sarney, Collor, Itamar, FHC, Luiz Inácio, Dilma, Temer e Bolsonaro somente se diferem pelos mínimos detalhes.
      Não temos, há muito tempo, rumo para pensar um país como uma nação que se perdeu com tantas senvergonhices de dirigentes que chegaram ao poder para enricarem e nada mais.
      Se esses pau mandados são pessoas danosas ao Brasil, imagina quem são os que organizaram e deram o aval para que as estruturas fossem colocadas a serviço deles.
      Só não está tudo perdido porque a última palavra é a de Deus e a Esse ninguém engana, e somente Nele temos que ter fé, e colocar todas as nossas esperanças, o resto é do diabo.
      Até Brizola, pouco antes de morrer, comentou publicamente que estava desiludido com a vida pública porque, segundo seu entendimento, só havia traição encima de traição.
      Veja bem: até Brizola, o último dos verdadeiros políticos estava desencantado com a vida pública.
      Aliás, atualmente, na vida pública se faz tudo, menos política, embora muitos jornalistas ainda acham que estão fazendo coberturas políticas, mas que não passam de comentários recorrentes sobre as desonras que assistimos desde 1964.
      E o PT com a farsa do “gope” de 2016 se sustenta em meio à canalhice que nem a Lava-jato foi capaz de destruir.
      Só Deus é a nossa salvação, e assim será, pois Cristo morreu por nós e não será qualquer salafrario de Brasília que nos derrotará.

  4. O desgoverno ( Bolsonaro) é em síntese, o Conto da Carochinha.
    Quem quer se apegar e apoiar a Carochinha?
    Vários moucarrão, estrabão e aldrabão.
    Fazer o quê ?
    Uma revista cientifica alemã, chamada The Momento, explica perfeitamente o fenômeno em um de seus artigos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.