Riquezas minerais de Roraima despertam a cobiça internacional

Carlos Newton

Este texto circula na internet como uma advertência aos brasileiros. Explica por que grande número de ONGs estrangeiros se oferecem para dar assistência às tribos brasileiras que vivem na reserva Raposa/Serra do Sol, em Roraima, o Estado potencialmente mais rico em jazidas minerais, fazendo fronteira com a Guiana Inglesa e a Venezuela. Na região existe nióbio, metal leve empregado na siderurgia, aeronáutica, indústria petrolífera (poços submarinos ultra-profundos), espacial e nuclear.

Lá estão localizadas também jazidas de ouro, cassiterita, diamante, zinco, caulim, pedras preciosas, cobre, diatomito, barita, molibdênio, titânio, calcário, um verdadeiro festival.

Há extensas reservas de urânio e titânio, usado para fabricação de destiladores e dessalinizadores para produção de água potável a partir da água do mar, na fabricação de equipamentos submarinos na indústria de petróleo, na industria aeronáutica e para fabricação de equipamentos na indústria química e em aplicações cirúrgicas. O irídio é um metal super nobre, de alto valor, muito leve usado na fabricação de peças e componentes para aviões, indústria espacial e aplicações cirúrgicas.

Roraima e a Amazônia, como um tudo, têm uma riqueza incalculável, que está sendo desperdiçada pelo Brasil.

###
AS ONGS ESTRANGEIRAS EM RORAIMA

Deu no Estadão

Seis anos depois da decisão do Supremo Tribunal Federal de retirar fazendeiros das terras indígenas da reserva Raposa Serra do Sol, o perfil de Roraima mudou e o Estado tem atraído a atenção de ONGs brasileiras e estrangeiras que atuam pela causa indígena. “Somos um movimento global de apoio aos indígenas”, afirma Sarah Shenker, representante da ONG Survival, que tem sede em Londres, uma das principais organizações internacionais de apoio a tribos brasileiras envolvidas na mais polêmica disputa fundiária nacional das últimas três décadas.

“Nosso trabalho é gerar atenção para as ameaças contra os índios e pressionar o governo por soluções e proteção”, diz Sarah. A Survival, que acompanhou o processo judicial da demarcação de terras contínuas da Raposa Serra do Sol, não é a única ONG internacional interessada na empreitada. Entre as organizações mais presentes em Roraima há fundações estrangeiras e agências de governos nacionais.

Os principais exemplos de ONGs com trabalho forte no Estado são a Cafod, entidade ligada à Igreja Católica da Inglaterra; a Fundação Tebtebba, ligada à militante indígena filipina Victoria Tauli-Corpuz, consultora da ONU para direitos dos nativos; além de representações dos governos da Noruega, Alemanha e Estados Unidos, assim como outras fundações, como a americana Ford Foundation, estabelecida no Brasil desde 1962, e a Rainforest Foundation Noruega, atuante no País desde 1989.

DIVULGANDO PELO MUNDO…

Segundo a porta-voz da Survival em Londres, a situação de insegurança dos indígenas brasileiros e a ausência de políticas claras de proteção dos povos pelo governo federal são prioridade na agenda de vigilância da ONG sobre o Brasil. A Survival tem programas de acompanhamento das realidades nas aldeias e reservas de povos como ianomâmi e macuxi, em Roraima, mas também atua com a população guarani de Mato Grosso do Sul, e os awá-guajá, do Pará e Maranhão, além de trabalhar em outros continentes.

De acordo com a ONG, que defende abertamente a causa indígena, o trabalho não envolve repasses diretos de dinheiro. A ONG britânica funciona como uma plataforma de divulgação internacional das demandas. Para Sarah, quando um povo indígena começa a ser integrado aos não índios, ocorre um processo desigual. “Eles vão viver em periferias, em situação precária, e são vistos como seres inferiores”, afirma. Ela acredita que o primeiro passo para melhorar a situação dos índios “é o respeito”. Em segundo lugar, os não índios devem, segundo Sarah, se habituar a ouvir dos índios qual o modo de vida eles preferem para suas comunidades.

DINHEIRO EUROPEU

Mas se a Survival não mexe diretamente com dinheiro, outras organizações se encarregam de garantir verbas para as comunidades. “A Noruega vem firmando parcerias de longa duração com várias associações indígenas e organizações não governamentais indigenistas no Brasil. O foco tem sido o apoio institucional, muitas vezes em conjunto com atividades de monitoramento, planejamento e capacitação”, diz Aud Marit Wiig, embaixadora da Noruega.

A situação dos índios brasileiros e sua cultura de selva despertam atenções até na Casa Real da Noruega. Na Fundação Rainforest, entidade daquele país que também é conhecida na região, a ideia de ampliar direitos dos índios recebe garantias do próprio rei Haroldo V. “Trabalhamos para reconhecer novas terras indígenas e proteger as existentes”, afirma documento da Rainforest.

Em 2013, o rei da Noruega visitou a aldeia do chefe ianomâmi Davi Kopenawa; recebeu presentes da comunidade e, segundo a ONG, achou a viagem uma maravilha.

MINERAÇÃO

De acordo com levantamento de 2014 da Fundação Nacional do Índio (Funai), oficialmente o Brasil tem 53 autorizações de projetos de pesquisas em execução em áreas indígenas, nos quais há 71 brasileiros e 10 estrangeiros em operação. Segundo a Funai, em Roraima há quatro projetos em terra indígena.

Moradores de Boa Vista costumam contar que é comum na cidade o trânsito de “gringos” interessados no acesso às riquezas naturais preservadas nos milhares de hectares de florestas e cerrados, que no Estado é chamado de “lavrado”. Somente na Raposa/Serra do Sol há cerca de 10 milhões de hectares sob ocupação indígena.

17 thoughts on “Riquezas minerais de Roraima despertam a cobiça internacional

  1. Uma pena, a meu ver, o governo do PT precisava ser mais patriótico, patriético, nacionalista, brasileirista, tupinambista (dos tupinambás), e assim impedir estas ONGs que, há muito, já mapearam o solo pátrio. Isso mesmo, impedir e expulsá-las, mas vejo um governo fraco e medroso equilibrando-se na corda bamba, só pensando em reeleição e Poderes.

  2. Tenho reiteradamente escrito que o PT é apátrida, que não se interessa pelo Brasil, que não se preocupa com o povo e esta terra!
    O desprezo ao solo, às nossas riquezas minerais, a sua proteção não interessa aos petistas, salvo a manutenção do poder e, em consequência, a liberalidade e permissividade para assaltar e roubar o erário e o povo.
    A natureza do PT é desonesta, desde a sua fundação.
    Confirma o que escrevo, a renúncia de dezenas de fundadores do PT quando constataram que o uso do partido seria para uso pessoal, para interesses de meia dúzia de ladrões, para enganar e iludir incultos e incautos.
    Basta um rápido olhar na situação política, econômica e social do Brasil para que se constate de forma irrefutável o descaso com a Nação e os cidadãos brasileiros, enquanto os petistas vão muito bem, obrigado.
    Ricos, dinheiro no exterior, patrimônio sólido, emprego público garantido, afora aposentadorias imorais como a de Zé Dirceu, que ganhou de presente de Cardozo o teto máximo da Previdência, em claro deboche e escárnio ao legítimo trabalhador, e não um vagabundo e ladrão como o ex-chefe da Casa Civil do governo Lula, os petistas gozam e se beneficiam do parque de diversões que transformaram este País, desgraçadamente.
    Quanto ao que é nosso, os petistas estão se lixando, pois alegam que a pátria que cultuam é a América do Sul e bolivariana, então que as nossas riquezas sejam exploradas pelos mais espertos ou íntimos do PT, um partido especializado em roubos e dilapidações de patrimônios alheios!
    Ladrões safados!

  3. Ótimo artigo, em que demonstra o perigo que está correndo o Brasil em
    ser obrigado no futuro a aceitar um outro país dentro do nosso, o qual já tem até nome: Nação Ianomami.
    Existe um processo para tal: no governo Lula, o Brasil aceitou na ONU dar às tribos
    indígenas a autonomia política, administrativa e cultural, como se fossem pequenos
    países dentro do nosso território, mas se tornaram grandes com aprovação das áreas contínuas,
    diga-se de passagem que o Gal. Heleno foi contra, a retirada dos arrozeiros da Reserva Raposa Serra
    do Sol, a permissão das 100.000 ONGs só no Amazonas. Essas ONGs são apenas a cabeça que penetraram no Amazonas e, lentamente para não haver gritaria irão penetrar o resto.
    Um governo nacionalista criaria uma lei dizendo: Não é mais permitido a existência de ONGs no Brasil,
    o que as ONGs fazem é obrigação do governo fazer. Acabaria com as ONGs nacionais (que só servem para receber dinheiro e agir partidariamente) e expulsaria as estrangeiras.
    Acorda Brasil.

  4. Jacob, meu caro,
    TODAS as Ongs deveriam ser extintas, todas!
    Há muita pilantragem e desonestidade com a maior parte delas, que estão usando o nosso dinheiro para vender o território nacional em fatias para estrangeiros.
    No entanto, como o PT é apátrida, traidor desta terra, é claro que não se preocupa com a dilapidação que estão fazendo do nosso solo, ao contrário, se houver uma investigação rigorosa é bem possível que existam petistas envolvidos na venda do solo brasileiro para essas organizações, que escondem seus verdadeiros objetivos.
    Às vezes não quero sequer pensar como receberemos o País de volta quando terminar esta via crucis, que foram os governos de Lula e Dilma, e contabilizarmos não só os prejuízos morais e materiais, mas o que sobrou deste Brasil, se é que sobrará algo após dezesseis anos de roubos e assaltos ao erário e povo praticados pelo PT!

    • Prezado Bendl, Correto seu raciocínio, digo mais: para completar o processo de entrega
      do Amazonas, no governo Lula foi concedido grandes glebas da Amazônia
      Legal a qualquer um: pessoa física ou jurídica, nacional ou estrangeira a
      título de “remanejamento de floresta” podendo ser explorado por 40 anos
      e prorrogado por mais 40 anos, o abandono da via que liga o Centro do País ao amazonas está abandonada Junte-se a isso o que disse no comentário anterior é ou não é um processo de entrega do Amazonas.
      Saudações e um bom domingo, amigo Bendl

  5. Oxe, quem aqui se interessa pela região Norte? Quem quer ir morar lá, explorar, construir o Brasil também naqueles lado? Quem conhece a história daqueles povos? Quem conhece aqui as tribos, os nomes, os que índios desejam? Mas os europeus conhecem tudo. O rei da Noruega sabe quem é o cacique da aldeia fulano de tal. Eles têm interesse, sabem o valor da coisa. Não adianta nem reclamação. O Brasil que sempre interessou a todos foi o Brasil litoral, sobretudo litoral do sul da Bahia pra baixo. Querem mais uma vez que os cearenses deem a vida pra morrer de malária na Amazônia como em outros tempos? Não, não. Ninguém vai mais não. Quem não valoriza perde. A Amazônia nunca foi do Brasil. Até hoje quase ninguém teve interesse naquela região. Se lá tem tanta riqueza, se o ouro e o diamante reluzem no solo, então por que não vão lá pegar pra si ao invés de reclamações aqui? Os europeus estão é certo. Amazônia sempre foi terra de ninguém. A Amazônia sempre foi desprezada. Nada fugiu ao controle, simplesmente nunca tivemos controle de nada ali. Os europeus sabem disso. Os americanos sabem disso. Sabem da nossa idiotice, da nossa mesmice, da nossa preguiça, da nossa ignorância. Quantas vezes um presidente saiu da sua casa pra ir dar uma passeada na casa de um cacique. E nem tem a obrigação de ir não. Deixe isso pros europeus. Deixai tudo pros europeus.

    • Caro Francisco,

      Interessante o teu ponto de vista. Deve ser por isso que o “Rio Roosevelt” e talvez a maior jazida de diamantes do Brasil (e uma das maiores do mundo) com o mesmo nome, em Rondônia, não sejam chamados de “Getúlio Vargas”.
      Talvez por isso aquela planta aquática seja chamada de “Vitória Régia” e não de “Isabel Régia”…

      Os nossos governantes só pensam em roubar – o próprio povo!

  6. Senhores

    Estamos abrindo mão dos recursos nacionais e guardando a nossa riqueza para os outros! Não conheço nenhum outro país do mundo que faça isso. Vejam este artigo do CPRM:

    “Nos nossos dias a maior parte das regiões mais dinâmicas e de maior desenvolvimento sócio-econômico da Amazônia estão diretamente ligadas à mineração, como são exemplos: no Pará, Carajás (Fe, Mn, Cu, Au), Barcarena (Bauxita/Alumínio), Trombetas (Bauxita/Alumínio), Tapajós (Ouro), Rio Capim (Caulim); no Amazonas, Pitinga (Sn) e Urucu (Petróleo); em Rondônia, Igarapé Preto (Sn), Bom Futuro (Sn), Massangana (Sn), Santa Bárbara (Sn), Rio Roosevelt (Diamante); no Amapá (Serra do Navio-Mn).
    O mesmo ocorre nos estados do Centro-Oeste brasileiro.
    A importância sócio-econômica dos bens minerais para o bem-estar da sociedade moderna é detalhada na previsão de consumo de minerais e combustíveis de cada americano ao nascer, estimada em 6.500 milhões de quilogramas por pessoa, distribuídas entre sete minerais/rochas (Argila, Sal, Pedra, Areia, Cascalho, Cimento, Fosfato), seis metais (Zinco, Ferro, Chumbo, Alumínio, Ouro, Cobre) e três combustíveis (Petróleo, Gás, Carvão) principais, entre outros vários.
    Quanto maior o desenvolvimento de um país, mais sofisticado e intenso é o consumo “per capita” de bens minerais/rochas. Nos países subdesenvolvidos o consumo é bem inferior, no entanto todos almejam o desenvolvimento.
    O consumo comparativo “per capita” em aço, cobre e fertilizantes entre brasileiros americanos, cada americano consome cerca de oito vezes mais que um brasileiro. Caso compararmos as regiões mais desenvolvidas do Brasil, situação a que todas as demais gostariam de chegar, ver-se-á que a diferença de consumo entre seus habitantes e os americanos não é grande. SEM A DISPONIBILIZAÇÃO ABUNDANTE DE BENS MINERAIS NÃO É POSSÍVEL ALMEJAR-SE O NÍVEL DE VIDA SIMILAR AO DE PAÍSES DESENVOLVIDOS.”

    PS: E então? Vamos continuar guardando os nossos recursos minerais para os outros se desenvolverem no futuro?

  7. Temos riquezas suficientes para deixar todos os brasileiros bem de vida!

    “CPRM mapeia os principais recursos minerais de Roraima:
    DIAMANTE: Vales dos rios Suapí, Quinô, Cotingo e Maú; Serra do Tepequen
    OURO: Generalizado em muitas regiões do Estado, principalmente em áreas de desagregação de rochas vulcânicas da formação Surumu e metassedimentos do Grupo Roraima.
    COLUMBITA TANTALITA: Bacias do Médio Rio Uraricoera, Rio Mucajaí, Rio Jatapú e Rio Anauá.
    CASSITERITA: Bacias dos rios Anauá, Mucajaí, Catrimani e Demini; Serras Surucucus e Parima
    MANGANÊS: Bacia do Rio Mucajaí e Serra do Tepequen
    BAUXITA: Serras do Arai, Tocobiren e Serra da Lua; Região do Ourinduque
    MOLIBDÊNIO: Serras do Mel, Banco e Perdiz.
    COBRE NÍQUEL: Bacia do médio Uraricoera e Rio Ajarani
    MINERAIS RADIOATIVOS: Serra dos Surucucus e outras áreas com ocorrências do Grupo Roraima
    CALCARIO: Serra Nova Olinda – Boa Vista, Serra do Tucano
    (Fonte: Radam Brasil 1995)

  8. Finalizando:

    “CPRM MAPEIA RESERVAS MINERAIS DE RORAIMA

    Boa Vista – RR. Terça, 27 de janeiro de 2009
    Marco Oliveira diz que ouro, diamante e cassiterita são os minérios com maior incidência no estado. O superintendente da Companhia de Pesquisa e Recursos Minerais (CPRM), o geólogo Marco Oliveira, disse em entrevista à Folha que Roraima é rico em recursos minerais. Ouro, diamante e cassiterita são algumas das pedras encontradas com grande incidência na formação geológica do estado.
    Em um mapa feito pela CPRM a pedido da Folha, ele apontou a localização dos principais recursos, divididos em bens metálicos, gemas e fertilizantes, totalizando 290 OCORRÊNCIAS. Não foram investigados, neste momento, os minerais utilizados na construção civil nem rochas ornamentais.

    Para os minerais metálicos, destaca-se no mapa o OURO, com mais de 150 OCORRÊNCIAS cadastradas, principalmente na região Oeste, na Serra do Parima, INSERIDA NA TERRA INDÍGENA YANOMAMI, no divisor de águas entre os rios Uraricoera e Catrimani. “É a área com maior potencial para a produção de ouro”, enfatizou o geólogo. Na porção Nordeste, entre os rios Cotingo e Maú, na TERRA INDÍGENA RAPOSA SERRA DO SOL, Oliveira apontou os locais que foram explorados por garimpeiros para extração de DIAMANTES e, em menor escala, o OURO.
    Parima: Em termos de ambientes geológicos – idade das rochas e jazidas de ouro – o geólogo Marco Oliveira disse que a serra do Parima é considerada como similar aos terrenos do Tapajós, no Pará, onde estima-se que tenha sido produzido MAIS DE MIL TONELADAS DE OURO desde a década de 50, nos mais de 600 garimpos existentes nesta província. “A região do Parima é composta por rochas com idade de dois bilhões de anos, denominadas de ‘greenstone belts’ ou cinturão de rochas verdes, formadas por derrames de lavas, sob o mar, e que constitui uma das mais promissoras para hospedarem DEPÓSITOS DE OURO DE CLASSE MUNDIAL. Onde tem essa rocha, tem ouro”, explicou.”

    PESQUISAS PARALISADAS DESDE 1988
    “Dos títulos minerários, 4.297 requerimentos de pesquisas no DNPM, em Terras Indígenas, estão paralisados desde a promulgação da Constituição Federal de 1988. Substitutivo do Executivo que regulamentará o Artigo 231 da Constituição Federal em análise no Congresso, abrirá a possibilidade de mineração em Terras Indígenas por meio de oferta pública. Os”royalties” que advirão da mineração organiza contribuirão sobremaneira para o bem-estar das populações indígenas. Há nove anos estas áreas acham-se bloqueadas para mineração. Nelas atuam, sem controle algum, porém, garimpos ilegais com todas suas mazelas.

    LICENCIAMENTOS AMBIENTAIS DEMORADÍSSIMOS E/OU PARALISADOS
    A lentidão com que são concedidos os licenciamentos ambientais federais (IBAMA) e estaduais constitui-se, no momento, no o maior entrave à exploração mineral na Amazônia, sendo motivo de grande preocupação por parte das empresas concessionárias de direitos minerários junto ao Departamento Nacional da Produção Mineral – DNPM. Não obstante terem obtido autorização para pesquisas no DNPM/MME, não conseguem iniciar seus trabalhos no campo em virtude de impedimento por parte dos órgãos ambientais. MUITAS EMPRESAS JÁ PERDERAM DEZENAS DE MILHÕES DE DÓLARES POR ESTA RAZÃO E MUITAS DELAS DESISTIRAM DE INVESTIR NO BRASIL. Faz-se urgentíssimo o equacionamento legal da questão, bem como a ampliação da qualidade das análises e da velocidade de decisão por parte dos órgãos ambientais. A esses não deve ser facultado superpor-se com poder de veto aos demais interesses nacionais, engessar e paralisar o País, impedindo o seu desenvolvimento.” (Adimb 2007 – 59ª Reunião Anual da SBPC– Amazônia: Desafio Nacional)

    Abraços.
    O Brasil é um país de pobre apenas por ser governado por bandidos.

  9. Prezados:

    Saindo do campo da política, na qual cada um de nós exerce sua paixão, assim como no futebol, o assalto as nossas riquezas minerais é antigo e remonta aos tempos do Império.

    Todos os governos do Império e da República negligenciaram e entregaram para países estrangeiros as nossas riquezas minerais, principalmente as denominadas terras raras.

    Hélio Fernandes, que completa 95 anos merecendo todos os aplausos e parabéns pela data, pois bem, o emérito jornalista cansou de escrever magnificamente sobre o tema, que agora passa pela lavra de Carlos Newton. Hélio já dizia, que a privatização da Vale do Rio Doce iria acelerar a entrega desse patrimônio nacional escondido no subsolo, principalmente o concentrado na Região Norte. É incrível a capacidade dos dirigentes nacionais na prática de destruição do país. Não é só o PT , caro BENDL, o Partido atual no PODER seguiu a cartilha de todos os outros que vieram antes dele. Por mais que comentaristas e repórteres tenham ódio ao Partido que veio para mudar e que infelizmente não mudou, nesse assunto particular e importantíssimo para a nação, o PT não está sozinho. Podem apostar, senhores, no futuro teremos que importar o nióbio que estão levando para a Europa e EUA a preço de banana para depois comprarmos a preço de ouro. Para nós ficará as crateras, que não servirão para nada.

    Alea jacta est.

    • Roberto Nascimento,
      Sou obrigado a concordar contigo com relação à culpa de governos anteriores nesta questão de nossas riquezas minerais.
      Mas, em minha defesa, que tanto tenho criticado o PT, a verdade é que este partido está no poder há quase 14 anos, e nada tem feito para preservar o nosso solo, proteger o território nacional, exercer uma fiscalização a contento diante das atuações de Ongs que escondem suas reais intenções.
      Na razão direta que acusar FHC, Collor, Sarney, Lula, é inócuo nessas alturas, pois não governam mais, restam-me os petistas, apátridas, traidores do Brasil e do povo.
      Por outro lado, não posso deixar de salientar a omissão da imprensa quanto à disposição do que temos para ser explorado por estrangeiros sem qualquer controle, e sem que a mídia alerte à população e ao próprio governo e parlamentares, a forma como estamos sendo lesados e o perigo que corremos de nos exaurirem de riquezas que deveriam estar sendo defendidas pelo Exército, e não da maneira absolutamente menosprezadas como se encontram pelo governo do PT!
      Inegavelmente que a concentração da mídia em cima da política, como se não tivéssemos outros assuntos tão ou mais importantes que os desfalques e falcatruas praticadas pelo Executivo e Legislativo, também contribui para que esqueçamos os problemas que nos afetam no mesmo nível dos assaltos e roubos praticados contra as estatais e erário público por esses dois poderes carcomidos pela podridão.
      Quando este tipo de tema é abordado, exatamente como faz o nosso Mediador, que não é a primeira vez que veicula essas notícias neste blog incomparável, deveríamos nos preocupar que a grande imprensa também as publicassem, e que as autoridades – será que ainda existem?! – tratassem de exercer as suas funções neste particular, e não omissas e irresponsáveis como sabemos que assim se caracterizam.
      Outro abraço.

  10. Bendl, você está coberto de razão. A primeira ação de um cidadão comprometido com a sociedade é criticar o governante até as últimas consequências. Diuturnamente os poderosos têm que ser combatidos a exaustão, caso contrário, se tornam ditadores e donos da vontade do povo.

    O PT fracassou rotundamente. O projeto do partido acabou melancolicamente. Dá pena ver seus dirigentes de cabeça baixa, assim como envergonhados pelos atos que praticaram. O partido da “ETICA” ficou igualzinho aos outros que eram chamados pelo seu líder de picaretas. Tinha que viver para compreender, que a “esquerda” do meu país, no poder se transformaria em cópia trágica da direita. O sistema se prepara com suas garras para empalmar o poder em 2018 visando retomar a política neoliberal e restritivas de direitos trabalhistas.

    Não acredito, sinceramente, em agremiações políticas, tanto as tradicionais quanto as heterodoxas, que se autoproclamam de esquerdas. No final, tudo é a mesma coisa. E esse sentimento é o pior possível para um ser político, que sonha com a utopia de um mundo mais justo e equilibrado, onde as oportunidades iguais para todos seria a regra que nos levaria ao nirvana. O inconsciente coletivo está descrente da política e do sistema representativo, que não representa o povo e sim a elite produtiva.

    Não há bons ventos no horizonte do Brasil, pois a crise acirra os ânimos das classes, que tendem a se digladiar em busca da sobrevivência. Os exemplos da Venezuela indicam que a tempestade tem que ser interrompida para evitar um sofrimento ainda maior para o povo, além do desemprego, que tira a dignidade das famílias desagregando pais e filhos.

    Mas, poucos estão preocupados com os destinos da nação e de seu povo. Alea jacta est.

  11. Se nas escolas ensinassem ética, amor à pátria, geografia brasileira, talvez não seríamos um povo tão sem noção, aculturado e desconectado com a realidade brasileira. Vários países valorizam sua cultura e defendem a sua terra como ninguém, entretando nós como povo brasileiro não valorizamos o que é nosso . Com essa situação degradante, onde esses canalhas que assumuram o poder fazem o que bem entendem, deboxhando de nossa cara, em outro país, o povo já estaria nas ruas e obrigando essa camarilha a deixarem o poder. Se estamos assim, infelizmente, é por nossa própria culpa.

  12. fica aqui minha indignação pois sou nascido em boa vista (RR) e vejo o desperdício das riquezas naturais do potencial do nosso estado em mineração o brasil poderia ser uma potencia mundial com a venda do nióbio e outros minerais aqui existentes políticos safados que só querem engorda seus saldos bancários por isso meu voto em 2018 sera em bolsonaro .

Deixe um comentário para Néllio Jacob Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *