Roberto Marinho tentou fazer Brizola abortar o projeto dos CIEPs

Brizola se enganou ao pensar que Marinho apoiaria os CIEPs

Luiz Augusto Erthal

Não poderia publicar uma matéria sobre os CIEPs sem dar um depoimento pessoal, por mais que me doam algumas das lembranças hoje sopesadas na distância desses 30 anos. Tive o privilégio de ver esse programa nascer e acompanhar cada passo da sua implantação. Talvez seja o jornalista que mais colocou os pés dentro dessas escolas, em muitas delas quando ainda se encontravam na fundação.

Estive no Palácio Guanabara, como jornalista e assessor de imprensa, nos dois governos Brizola (1983-1987 e 1991-1995). Cheguei em 1984 para participar de um projeto jornalístico, cujo objetivo era criar um caderno noticioso dentro do Diário Oficial do Estado, o D.O. Notícias, como ficou conhecido, uma estratégia para tentar enfrentar o cerco da mídia contra o governo. Fui designado pelo editor, Fernando Brito, mais tarde assessor-chefe de imprensa do governador, para cobrir as áreas de educação e esportes.

Passávamos os dias como combatentes às vésperas de uma grande batalha naqueles primeiros meses. Brizola conquistara o governo fluminense superando grandes obstáculos, desde atentados à sua vida até a fraude da Proconsult, uma tentativa desesperada de impedir sua chegada ao governo fluminense.

QUEDA DA BASTILHA

Havia uma enorme expectativa em torno dele desde a posse no Palácio Guanabara, que mais pareceu a queda da Bastilha, com o povo ocupando de forma descontrolada aquele símbolo de poder. Afinal, nos estertores da ditadura, cada naco de poder reconquistado pelo povo era valioso. Vigiado de perto pelos militares, que permaneciam ainda no controle, bombardeado pela mídia conservadora e sufocado economicamente, Brizola tinha pouco espaço de manobra. Até que algo aconteceu.

“Agora esse governo começou!”, lembro bem da exultação do Brito ao voltarmos da apresentação do projeto dos CIEPs, com a presença de Brizola, Darcy Ribeiro e Oscar Niemeyer, no Salão Verde do Palácio Guanabara. Uma revolução havia sido colocada em marcha. Estava claro para todos nós.

Brizola não tinha condições políticas de retomar naquele momento, como nunca mais teve, a reforma agrária e as outras reformas de base preconizadas por ele e por Jango em 64. No entanto, cria como ninguém no poder transformador da educação. Órfão de pai, que morreu emboscado ao retornar da última revolução farroupilha, em 1922, ano do seu nascimento, Brizola e seus irmãos foram alfabetizados pela mãe em Carazinho, interior do Rio Grande do Sul. Calçou os primeiros sapatos e usou a primeira escova de dentes aos 12 anos, na casa de um reverendo metodista, cuja família o adotou. Pode, então, estudar até formar-se em engenheiro. Fora salvo pela educação.

UMA REALIDADE DIFERENTE

Quando governador do Rio Grande do Sul (1958-1962), construiu nada medos do que 6.300 escolas. “Nenhum município sem escola”, era o lema. Mas a realidade do Rio de Janeiro nos anos 80 era bem diferente. Ao retornarem do exílio, após 15 anos, Brizola e Darcy se depararam com a obra macabra da ditadura: o inchaço das grandes cidades, a favelização, a desestruturação familiar e o surgimento do crime organizado, que separavam, como bem sabemos hoje, nossos jovens de seu futuro. Aquelas escolinhas alfabetizadoras e formadoras de mão-de-obra técnica e rural do Rio Grande do Sul não resolveriam o problema do Rio de Janeiro pós-golpe.

A solução: uma escola integral em turno único, ofertando educação, cultura e cidadania; mantendo os jovens durante todo o dia longe das ruas e da sedução do crime organizado; dando alimentação, assistência médica, esportes e muito mais. Tudo isso, porém, tinha um custo e exigiria a ruptura de um velho paradigma da política brasileira – de que os recursos públicos sejam colocados à disposição das nossas elites e não do povo. A inobservância desse princípio levou o presidente Getúlio Vargas ao desespero e suicídio; o presidente João Goulart à morte no exílio e a presidente Dilma, agora, a um completo isolamento político, culpados, todos eles, por fazerem transferência direta dos recursos públicos para o povo e não para as elites.

COM ROBERTO MARINHO

Logo após o lançamento do programa dos CIEPs, Brizola ainda tentou estoicamente obter o apoio do então presidente das Organizações Globo, Roberto Marinho. Sabia o quanto ele seria capaz de influenciar, para o bem ou para o mal. Apresentou-lhe pessoalmente o projeto e nos relatou depois:

“Ele olhou, olhou, olhou e não disse uma palavra. Em uma segunda oportunidade em que nos encontramos, eu cobrei: ‘Então, doutor Roberto, o que achou do nosso projeto’. Então ele disse: ‘Olha, governador, se o senhor quer construir escolas, está muito bem. Mas não precisa disso tudo. Faça umas escolinhas… Pode até fazê-las bonitinhas, tipo uns chalezinhos…’.” Depois disso não houve mais diálogo entre eles.

Os CIEPs começaram a brotar do chão com a arquitetura inconfundível de Oscar Niemeyer. Eu fazia sobrevoos de helicóptero para fotografar as obras e, vistas do alto, indisfarçáveis, pareciam pragas que irrompiam da terra árida dos subúrbios e das cidades da Baixada Fluminense. Era a praga rogada pelo povo esquecido que, enfim, tomava sua forma visível e ameaçadora, pois apontava para uma nova ordem.

“As gerações formadas pelos CIEPs farão por este País aquilo que nós não pudemos ou não tivemos a coragem de fazer”, afirmava Brizola. Esta, e só esta, é a razão do ódio e do horror que essas escolas incutem até hoje em nossas elites.

ESTÃO AÍ, DEGRADADOS

Eles ainda estão aí. Descaracterizados, desconstruídos, desativados, degradados. Mas cada um desses 508 Cieps ainda traz consigo a semente da grande revolução sonhada por Brizola e Darcy. São quinhentas “toras guarda-fogo” feitas de concreto armado, uma imagem dos pampas gaúchos com que Brizola gostava de ilustrar o futuro do nosso povo:

“Às vezes a fogueira do gaúcho parece ter-se apagado à noite, mas existe sempre a tora guarda-fogo, que esconde aquela centelha interior. Pela manhã, basta assoprá-la para a chama ressurgir.”

(artigo enviado pelo comentarista Mário Assis Causanilhas)

33 thoughts on “Roberto Marinho tentou fazer Brizola abortar o projeto dos CIEPs

  1. O ideal de um dos maiores filhos deste país, erguido, mostrado e abandonado.
    Prova de que não basta a ideia ser boa, ótima. É preciso que seja assumida pela sociedade.
    No Brasil fata tudo ou quase tudo. Mas a maior falta é de um povo, de uma sociedade.
    Brizola fincou, em dois estados, as bases que garantiriam o desenvolvimento do povo e do país.
    Quando olho o meu Rio Grande, em queda livre e com lideranças de araque, e ainda dizem que é um dos melhores (???!!!), e o resto do país, vejo o erro cometido. A maioria escolheu Collor, Lulla, FHC e outros, esquecendo e desprezando Leonel Brizola.
    E hoje, podem reclamar do que?
    A escola é a maior e mais sólida instituição que um país deve plantar. Sem ela, colhemos os furtos que ai estão.

  2. Deve-se tirar lições e aprender com a história. Até mesmo com as mais recentes. Foram as últimas eleçoes que votei no Rio. Minto. Ainda votei no molequinho (garotinho), uma vez ainda antes dele trair o grande líder Sr. Brizola. Moro aqui há mais de 30 anos. Estive em várias reuniões em que esteve presente o Sr. Brizola. E ele já fora do governo, eu junto com outros dois rapazes o acompanhamos até o seu carro que estava estacionado numa rua transversal da Av. Rio Branco. A reunião tinha acontecido no sindicato dos engenheiros na Rio Branco. O molusco de nove dedos não teria se criado tanto se Brizola estivesse vivo. Não, com certeza não teria se criado.

  3. Lembro-me, bem, de um “tijolaço, em que o grande brasileiro Leonel Brizola afirmou que a grave altercação que teve com o imoral Roberto Marinho, seria uma luta de Davi X Golias, mas que a levaria ao fim e ao cabo, em respeito ao direito do povo brasileiro em tomar conhecimento sobre um dos maiores engôdos brasileiros, justamente ROBERTO MARINHO, que fez e desfez por longos anos, em prejuízo dos melhores interesses da cidadania. Certamente que Brizola, bem por isso, pagou altíssimo preço. Viva Brizola, este sim, um autêntico guerreiro do povo brasileiro !

  4. Outro grande brasileiro que teve “peito” de enfrentar Roberto Marinho, foi o grande deputado deste Estado, Paulo Ramos, enquanto outros sedizentes, botaram, literalmente, “o galho dentro”.

  5. Em terra que não tem escola que presta, também tem CIEPS que não presta!!! Socialistas de merda, nunca fizeram nada que funcionasse. A começar por Brasília, feita por comunistas, o equivoco cruel de Juscelino!!!! A corja de funcionários públicos estão todas lá, fazendo nada e recebendo muito por nada.

    • Mais um fascista autoritário que só pensa em educação de qualidade para uma minoria enquanto que a maioria do povo viva
      na ignorância e “estude” em péssimas escolas.
      Vai estudar nos chalezinhos da família Marinho!!

  6. Agora temos mais um “aborto”, mas n ão com o marinho, neoditadordemocrático do Estado Africano de São Paulo do Congo Belga.
    gerardo efeagace com sua “grande ideia”, um gênio em administração quer fechar mais de 100 escolas e colocar 2 milhões de estudantes amontoados em outras escolas.
    Um gênio.
    Merece um Oscar.
    Ou um Prêmio daqueles que os franceses “se dão” em benefício prórprio como o Prêmio da Crise Hídrica…
    VIVE LA FRANCE.!!!!!!!

    • Armando
      Infelizmente não tenho tido muito tempo para “atacar” todos os temas aqui tratados.
      Apenas para ajudar no debate, se amanhã decidirmos enfrentar o tema das escolas paulistas, aqui vão algumas informações.
      No RS, enfrentamos a mesma situação; fechamento de escolas. Também ocorreu rebelião, dos mesmos: professores e alunos. Neste período, ocupava eu cadeira no Conselho estadual de Educação, representante dos pais das escolas públicas.
      Sindicato e entidades estudantis usavam dados e informações truncadas, deturpadas e muita politicagem. No nosso caso, eram “escolinhas”, com pequeno número de alunos e professores mal aproveitados = desperdício de dinheiro público. Os alunos queriam estudar nas escolinhas e os professores manter seu “status quo” – benefícios e tudo mais.
      Na dita área de “educação”, antes de defender ou atacar propostas e ações, é importante analisar um pequeno/grande jogo de afirmações. A maioria afirma que faltam recursos. Poucos dizem que recursos são desperdiçados. Em ambos os casos faltam informações e, principalmente, vontade de analisar os dados verdadeiros. Se o caso de São Paulo for semelhante ao que aqui aconteceu, lamento informar ao amigo: a administração está só tentando evitar gastos desnecessários e perda de qualidade.
      Não sei se é o mesmo caso em São Paulo. Vou averiguar. Em outros estados, o fenômeno também está ocorrendo ou ocorrerá em breve.
      Espero estar ajudando.
      Abraço.

      Abaixo matéria com o tema.
      23/09/2015 08h33 – Atualizado em 23/09/2015 17h30
      Mais de 1 milhão de alunos da rede estadual de SP serão transferidos
      Escolas do Estado passarão a atender alunos de apenas um dos ciclos.
      Governo diz que transferidos vão estudar até 1,5 km de suas casas.
      Mais de 1 milhão de alunos da rede estadual de São Paulo terão de mudar de escola a partir do ano que vem. O governo vai fazer uma reestruturação e as escolas passarão a atender os alunos somente de um dos ciclos da educação.
      O anúncio da redistribuição das matrículas será em novembro. Até lá, a secretaria pede que os pais atualizem seus cadastros no ‘O Diário de Anne Frank’ é livro favorito de alunos em São Paulo
      A medida vai reorganizar a distribuição dos alunos em unidades que atenderão cada um dos três ciclos de ensino: o primeiro abrange os alunos do 1º ao 5º ano do ensino fundamental; o segundo, dos alunos do 6º ao 9º ano do fundamental, e o terceiro reúne os três anos do ensino médio.
      São Paulo passa de 6 milhões para 4 milhões de estudantes em menos de 20 anos. Isso ocasionou carteiras, cadeiras e, principalmente, salas vazias em muitas escolas. É a oportunidade para que a rede de ensino dê um salto de qualidade e possa oferecer às crianças, pré-adolescentes e adolescentes uma escola focada em uma segmentação de ensino”
      A secretaria afirma que escolas com ciclo único têm alunos com rendimento 10% superior às unidades com três ciclos de ensino. Em entrevista ao Bom Dia São Paulo, o secretário de Estado da Educação, Herman Voorwald, também afirmou que concentrar alunos da mesma faixa etária em uma mesma unidade vai dar mais tranquilidade aos pais.
      Segundo o secretário, o Estado recebe agora menos alunos e que, com espaço ocioso, há possibilidade de reorganizar o atendimento.
      “São Paulo passa de 6 milhões para 4 milhões de estudantes em menos de 20 anos. Isso ocasionou carteiras, cadeiras e, principalmente, salas vazias em muitas escolas. É a oportunidade para que a rede de ensino dê um salto de qualidade e possa oferecer às crianças, pré-adolescentes e adolescentes uma escola focada em uma segmentação de ensino”, afirmou o secretário.
      Atualmente, algumas escolas da rede estadual atendem alunos de mais de um dos ciclos. A ideia, da Secretaria Estadual da Educação, é que a partir do ano que vem as escolas recebam apenas estudantes de um dos ciclos, e dessa forma, estejam mais focadas no aprendizado da faixa etária que atende.
      A expectativa do governo é de que até mil escolas sejam atingidas com a mudança. Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria Estadual da Educação, os alunos que vão precisar ser transferidos serão matriculados em escolas que ficam até no máximo 1,5 quilômetro de suas casas. Eles serão informados sobre o endereço da nova unidade até o mês de novembro.
      Hoje a rede estadual de São Paulo possui 5.108 mil escolas e 3,8 milhões de alunos.

  7. Tirando a Dilma concordo com o resto
    A Frebaban agradece ao PT.
    Quando a PF mostrou os ‘ elogios ‘ do Brahma ao Delcidio ele se descontrolou de tal forma que tiveram de suspender o depoimento……

  8. Eu acho que Brizola errou, errou em ter ao lado dele mercenários aproveitadores como, Marcelo Alencar, César Maia, Garotinho e outros, agora há uma grande diferença entre Brizola e Dilma Rousseff, não devemos misturar, Brizola tinha um projeto de educação bastante significativo, fazer com que os jovens não fossem adotados pelo crime, os mercenários que o sucederam destruíram este grande projeto dos CIEPS, ajudado pela mídia criminosa, leniente, corporativista deste país, não querem um país igualitário, querem que esta grande diferença entre ricos e pobres continuem, a grande adversária de Brizola foi justamente a rede globo, tudo fez para que seu governo fracassasse, com a ajuda do ex-presidente José Sarney, íntimo do Roberto Marinho, o Rio de Janeiro governado por Brizola, conseguiu governador apenas com recursos dos contribuintes do Rio de Janeiro e isto incomodava as elites, pois não seria estes obstáculos que faria abandonar este projeto de Darcy Ribeiro e Brizola, uma escola de tempo integral, mas deixou um legado que Dilma Rousseff nunca irá deixar.

  9. Excelente artigo, apenas com uma observação: não se pode incluir a Presidente Dilma no mesmo patamar de Brizola e Jango e Getúlio Vargas por fazer transferência direta dos recursos públicos para o povo e não para as elites, Haja vista que nesse governo do PT quem mais se beneficiou foram os banqueiros e as elites, enquanto a educação foi totalmente abandonada.
    Brizola, durante seu governo era bombardeado de todas as formas, com a mídia espalhando boatos falsos
    para denigrir a sua imagem, acusavam que o Sambódromo era uma obra mal feita que poderia desabar,
    que os CIEPS era uma obra muito cara etc. Como não bastasse o governo FHC deixou de enviar a verba que era
    obrigação da União pra o andamento da linha Vermelha, que teve que ficar paralisada 6 meses. Brizola teve que ir
    a Brasília reunir a bancada para pressionar FHC a liberar a verba ( 40 %) que era devido para o andamento da Linha Vermelha. Nunca a mídia e políticos elitista molestaram tanto um político como molestaram o Brizola.

  10. Lula, antes de assumir o poder e o “podrer” era idolatrado por todos, como o salvador do Brasil!! O operário que derrubaria as elites burguesas e opressoras. Resultado: Tái a merda que tá, não preciso nem explicar. Se Lula tivesse morrido antes de tomar o poder, seria um Mártir tal qual Padre Cícero, Jesus, Ghandi, etc…. Agora Lula se apóia na Rede Globo (tão odiada pela esquerda e pela direita também) e vice-versa. Que contradição! Brizola é outro. Como morreu antes da esquerda tomar o poder, então ficou aquela idéia imortal de que Brizola é um Mártir do Brasil! Se estivesse vivo, certamente estaria com algum cargão como Ministro, ou quem sabe algo maior, talvez conseguisse até ser Presidente e, então , faria o que o Lula fez e faz ainda! Quanto à Rede Globo, ele estaria hoje lambendo as botas de joelhos!

  11. A quantidade de desinformador escrevendo por aqui é proporcional à quantidade de desinformados no Brasil.
    O artigo é quase ótimo. Só não podia é misturar os feitos de Brizola com os malfeitos de Dilma.

    Mas, pior, muito pior, é os que não conhecem ou reconhecem as ações de Brizola. Um aí em cima chegou a escrever que se Brizola estivesse vivo teria um cargão… Brizola não precisava dessas “recompensas”, nem nunca as almejou.

    E, para o governo de muitos, especialmente dos incautos e desconhecedores de nossa história, Brizola rompeu com Lula logo após a posse dele como presidente, por ver e prever seus métodos.

  12. Se ninguém ainda percebeu, tudo que é feito ou promovido pela Plutocracia ou por seus representantes, lobistas, testas-de-ferro, nomeados, financiados etc. visa diretamente ou através de hipocrisia, ao atraso das sociedades.
    Roberto Marinho e seus descendentes, são alinhados com o projeto de poder da Nova Ordem Global, que, muito ao contrário dos interesses de crescimento social e melhoria da qualidade de vida e cultural da população, investem na sua alienação e emburrecimento! É uma das principais estratégias que impedem a efetiva ocupação e defesa territorial do espaço que elas ocupam!
    Isso se tornou tão notório que até figuras expressivas dos seus quadros, chegam a manifestar isso abertamente e espontaneamente, sem qualquer pudor! Esse foi o caso de Pedro Bial quando ao se preparar para a gravação de um de seus infindáveis e apodrecidos quadros de Big Brother Brasil, anunciou: “Vamos lá pessoal, vamos emburrecer o Brasil!”

  13. “…. e a presidente Dilma, agora, a um completo isolamento político, culpados, todos eles, por fazerem transferência direta dos recursos públicos para o povo e não para as elites.”

    ACHO QUE O AUTOR COMETEU UM “ERRINHO”…

  14. O autor do texto, certamente animado com as suas próprias palavras a respeito da presidente, faltou defini-la como:
    NOSSA SENHORA DILMA!
    Por favor, Luiz Augusto tem o desplante, a insolência de ofender a todos nós ao publicar uma frase absurda com relação Dilma estar em “completo isolamento político”, por fazer transferência direta dos recursos públicos para o povo e não para as elites! Entretanto, omite criminosamente que tem sido nas gestões do PT, Lula e Dilma, que a elite mais perniciosa e nociva que temos, o sistema financeiro, tem a sua era de ouro!
    Jamais os bancos lucraram tanto em tão pouco tempo!
    Jamais ganharam tanto dinheiro!
    Jamais o povo brasileiro foi tão explorado por juros em níveis de estelionato explícito!
    Acho que tem gente muito mal intencionada com o cidadão brasileiro na defesa desse desgoverno, em querer proteger a corrupção, a desonestidade, a imoralidade e a falta de ética.
    Que artigo deplorável!

    • Boa bendl.
      Se Dilma distribuiu recursos ao povo, foi na forma de esmola e pequeninhaaaaaaaaaa. As sobras, as migalhas.
      Já aos banqueiros, NUNCA NA HISTÓRIA DESTE PAIS, BANQUEIROS LUCRARAM TANTO.
      E foi tanto que três compraram os demais.
      Abraço e saúde.

  15. Prezados:

    O grande Centauro dos Pampas viverá sempre no coração daqueles que o conheceram e a seus ideais nacionalistas e patrióticos. Hoje, as lideranças políticas são de outro naipe.
    E la nave va. Abraços fraternos

  16. Eu gostaria muito que o articulista voltasse a escrever outro artigo, citando a medida do governo de Dilma, aquela que se preocupa com os pobres, na visão obtusa do autor, e comentasse sobre a prorrogação do reajuste do SALÁRIO MÍNIMO, o dos pobres, da maioria dos aposentados, de janeiro para maio!
    Se tal atitude vai ao encontro do que falsamente escrevera ou DE ENCONTRO às necessidades do pobre, esse mesmo cidadão cantado em prosa e verso pelo bando de criminosos conhecido como PT, que alega dar-lhe atenção e cuidados.
    Se é desta forma a preocupação com os pobres, volto a frisar:
    O EI é mero aprendiz do Estado Petista em termos de crueldade, sadismo e falsidade!

  17. “Eu gostaria muito que o articulista voltasse a escrever outro artigo, citando a medida do governo de Dilma, aquela que se preocupa com os pobres, na visão obtusa do autor, e comentasse sobre a prorrogação do reajuste do SALÁRIO MÍNIMO, o dos pobres, da maioria dos aposentados, de janeiro para maio!
    Se tal atitude vai ao encontro do que falsamente escrevera ou DE ENCONTRO às necessidades do pobre, esse mesmo cidadão cantado em prosa e verso pelo bando de criminosos conhecido como PT, que alega dar-lhe atenção e cuidados.
    Se é desta forma a preocupação com os pobres, volto a frisar:
    O EI é mero aprendiz do Estado Petista em termos de crueldade, sadismo e falsidade!”

    Francisco Bendl,
    Mais um comentário BRILHANTE! Isto sem falar no veto de Dilma para que o reajuste dos aposentados acompanhasse o reajuste do Salário Mínimo.
    Assino em baixo do seu MAGNÍFICO comentário.
    Grande abraço,
    Werneck.

  18. O pilantrão está aí. Ainda vou te botar nas grades. Tu lembras de 2008 e sabes do que estou falando. Usa nome trocado mas por ato falho diz seu próprio nome. Não sabe de nada. Saiu para não ser expulso.

  19. Erthal fez uma abordagem muito fraca de momentos importantes de nossa história. HISTÓRIA É COISA SÉRIA. Senão vejamos: 1 – Brizola não podia pensar em reforma agrária. Isso é para governo federal; ele era governador. 2 – Erthal fala em última revolução farroupilha de 1922. Errado: Revolução Federalista (maragatos) de 1923. 3 – Brizola usou o primeiro sapato e escova de dentes aos 12 anos: Errado: A história registra 10 anos. 4 – Brizola quando governador do Rio Grande do Sul construiu 6.300 escolas: Errado foram 6.304 escolas conforme registro na história. 5 – Brizola ao falar com Marinho, coisa que não tenho em meus registros (mas acredito). Considerava que um grande empresário da comunicação fazendo apenas um registro da conversa seria o bastante para neutralizar os conservadores, os adversário políticos, e os inimigos gratuitos. Não foi perguntar se podia e muito menos pedir ajuda. 6 – O suicídio de Vargas não teve nada que se comparace com o problema dos CIEPS. Faço um comentário a parte sobre os CIEPS.

  20. A verdade sobre os CIEPS. Quando triunfou o golpe de 1964, a primeira coisa que os adversários de Brizola/Jango fizeram no Rio Grade do Sul foi incendiar a casa de Brizola, invadir as fazendas de Jango depedrando tudo e roubando 40.00 cabeças de gado. De sobremesa queimaram quase todas as escolas construidas por Brizola. As que sobraram, muito poucas, ficaram servindo de “aprisco” de ovelhas. Voltando do exílio Brizola diz a Darcy: Darcy estamos ficando velhos e devemos construir escola boas, seguras com material de primeira. Porque se morremos amanhã” eles” terão vergonha de destrui-las. Darcy absorveu a idéia e baseando-se também na idéia de Anísio Teixeira com quem trabalhara. Procurou Niemeyer e entã surgiram as belas escolas chamadas “brizolões”. Lamentavelmente o ódio político fez que Moreira Franco abandonasse os CIEPS ao Deus dará. Depois voltou Brizola e tentou terminar todos deixando muitos prontos. Cezar Maia e Garotinho abandonaram tudo. Alguns ainda permanecem magestosos. Mas faltou-lhes como Brizola previra a coragem para demoli-las. Tempo virá que não demora, e tudo voltará ao seu lugar. Eu pressinto isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *