Ruy Barbosa e o interminável processo da Tribuna

Christian Cardoso

“Que justiça é essa?”

Já disse Ruy Barbosa, justiça tardia é INJUSTIÇA qualificada e manifesta.

Como não fosse suficiente o calvário pelo qual a TI tem passado com esse processo, o qual já dura DÉCADAS, agora, vem esse acórdão…

É vergonha para o judiciário brasileiro agravar, aviltar, vilipendiar, POR SEUS PRÓPRIOS MEIOS, a situação de um órgão o qual, no último ciclo ditatorial, tanto lutou (e sofreu) pelo retorno ao Estado Democrático de Direito. E que, portanto, lutou pela INDEPENDÊNCIA do próprio judiciário…

O Estado existe para servir à sociedade, não é um fim em si mesmo. O judiciário, parcela do Estado, tem como função (virtude, diria Platão) precípua “dar a cada um o que é seu”.

O ministro Celso de Mello foi feliz ao fulminar a letargia da Justiça. Já o referido desembargador…

Conforme reiterado pelo mestre Helio Fernandes, a esperança para o cidadão-contribuinte-eleitor é a ressalva de que “ainda há juízes em Berlim”.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *