Saída de Janot não prejudicará a ação da Lava Jato para incriminar Michel Temer

Resultado de imagem para raquel dodge charges

Charge do Duke (dukechargista.com.br)

Carlos Newton

Michel Temer não será derrubado da Presidência e somente irá prestar contas à Justiça após entregar o cargo, em janeiro de 2019. Esta realidade não será modificada pela nova denúncia incriminando o chefe do governo, a ser apresentada ainda esta semana. Há consenso no Congresso de que é melhor deixar Temer apodrecer no Planalto, junto com os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco, ao invés de afastá-los, convocar uma eleição indireta, para ser logo seguida por uma eleição direta, numa confusão institucional realmente desnecessária e até ameaçadora.

Mesmo assim, Temer não terá um só dia de tranquilidade. Pelo contrário, seus problemas continuarão aumentando sem parar, como se ele estivesse submetido à tortura chinesa, que vai aumentando aos poucos o sofrimento da vítima. Daqui para frente, serão revelados todos os detalhes do envolvimento de Temer com a chamada quadrilha do PMDB e também em atos isolados de corrupção, como os acertos com a empresa Rodrimar no Porto de Santos, que também tiveram a participação de seu então amigo e assessor Rocha Loures.

QUESTÃO DE TEMPO – Não adiantou nada nomear Raquel Dodge para a Procuradoria da Justiça e tentar difamar Rodrigo Janot, numa campanha implacável que teve apoio de veículos da grande mídia. Não adiantou nada reduzir as verbas da Polícia Federal, assim como também vai adiantar nada a próxima substituição do delegado Leandro Daiello na direção da PF. Tudo é só uma ilusão à toa, como diria Johnny Alf. Na vida real, a Lava Jato está aumentando cada vez mais o cerco a Temer e à quadrilha que se apossou do governo. É só uma questão de tempo.

A sorte do país é que não haverá nova crise. Desde 17 de maio, quando o jornalista Lauro Jardim divulgou em O Globo a gravação de Joelsey com Temer e a Bolsa despencou, a economia descolou totalmente da política, passaram a ser compartimentos estanques. A Bolsa já ultrapassou os 70 mil pontos, está de bom tamanho, se continuar subindo sem parar é melhor internar logo os corretores, deu a louca no mundo.

DOMÍNIO DO FATO – O maior problema para Temer e o resto dos corruptos é que estão sempre a reboque dos acontecimentos. Sua postura, portanto, é reativa. A força-tarefa da Lava Jato e o relator Edson Fachin têm postura pró-ativa, porque tomam conhecimento antecipado das delações, possuem o domínio do fato, podem brincar de gato e rato com os corruptos. Agora, por exemplo, Janot e Fachin sabem tudo o que Funaro e Cunha já revelaram, enquanto Temer e a quadrilha do PMDB ainda não sabem nada.

Sem alternativa de defesa, pois Temer é mais sujo do que pau de galinheiro, a estratégia do advogado Antonio Cláudio Mariz é ridicularizar os delatores e o procurador Rodrigo Janot, mas sem atacar diretamente o relator Edson Fachin, é uma questão de dosimetria, digamos assim.

MEMÓRIAS DE JANOT – No dia 17 o procurador Janot deixa o cargo e vai se divertir escrevendo suas memórias, com  Dilma Rousseff e Michel Temer nos papéis principais e Lula, Cunha e os demais caciques do PMDB como atores coadjuvantes.

O mais curioso é que Temer e seus comparsas do PMDB vão sentir falta de Janot, porque não poderão atacar a honra da substituta Raquel Dodge, a quem caberá a obrigação de continuar acusando quem for incriminado pela Lava Jato. Não poderá protegê-los, porque quem está à frente da Procuradoria-Geral não elabora pareceres, sempre recebe os textos prontos, redigidos pela assessoria técnica, apenas dá seguimento a eles. É assim que transcorre a prática republicana, em que todos são iguais perante a lei, embora saibamos que na Carnavália uns ainda são mais iguais do que outros.

Por fim, vamos torcer para que a economia continue descolada da política. Como diria o capitão Nascimento da “Tropa de Elite”, é claro que “vai dar merda…”.

8 thoughts on “Saída de Janot não prejudicará a ação da Lava Jato para incriminar Michel Temer

  1. Tirar o Temer neste momento, convocar eleiçõe
    eleição indireta, para ser logo seguida por uma eleição direta, numa conclusão institucional realmente desnecessária e até ameaçadora.
    É um análise sensata, qualquer medida tomada para tirar o Temer agora, só servirá para tumultuar e aumentar a crise. Devemos primeiro pensar no Brasil. Com certeza, ao final desse governo os investigado e denunciados serão julgados e se culpados, punidos. Isto é certo.

    • Daonde tiraram esse de eleição indireta ?!
      Quem assume é o Presidente da Câmara.
      A Constituição é claríssima !!!

      Espera-se que se faça justiça agora, depois do fatiamento do impeachment e do absurdo julgamento do TSE.

      Que Temer seja afastado e se resolva com a justiça !

  2. ‘Dilma Rousseff e Michel Temer nos papéis principais”

    A tentativa de equiparar Temer a Dilma é pífia, de uma simplicidade sem tamanho. O contraste entre Dilma e Temer é enorme. Sobre todos os aspectos.

    Não é possível deixar de perceber que as acusações contra Dilma tem caído uma após a outra, com o avançar das investigações. Enquanto as acusações contra Temer se avolumam.

    Ao mesmo tempo, a dimensão política de Dilma é muito maior do que a de Temer. Enquanto Dilma é recebida por enormes plateias em ambientes lotados, o Temeroso decorativo se esconde no palácio.

    Temer nunca deixará de ser decorativo, na história da república.

  3. Deveríamos defender o afastamento do presidente Temer sem temer a alegada instabilidade institucional. Isso é lorota, é desculpa para manter no poder uma pessoa sem qualificação moral.
    É uma vergonha para todos brasileiros sermos representados no exterior por um líder fraco. Isso é degradante e não tem preço.
    Se a economia está descolada da política e é sabido que o povo está passando por maus bocados, por que temer reviravolta política?
    Do jeito que vai, vamos precisar mudar o nome do país para sermos respeitados no exterior.

  4. ” É claro que vai dar merda.” Se fosse no teatro até que seria uma boa para os protagonistas e figurantes, até porque “merda” para o teatro é sintoma de casa cheia, sucesso financeiro, mas na vida real “merda” é merda mesmo, e o pior é ser obrigado a comer a merda produzida por vagabundos, 171.

  5. Então existe o consenso de que o que fazem em matéria de leis não presta mesmo? Ou será preguiça? Para que tiraram a Dilma? Qual foi a razão mesmo? Ela era petista? Se fosse PMDBista não precisaria sair até o término de seu mandato. O problema é ter algum candidato do PMDB que consiga chegar até o momento de ser votado. Manter Temer até o final de 2018 é mantermos o jeitinho, o arranjadinho como forma de se administrar o país. Ninguém espere qualquer respeito internacional, quem não se dá ao respeito. Se isso é o mais inteligente que pudemos ter, nem precisavam se dar ao trabaho de tirar Dilma de onde estava.

  6. Parece sempre o Jeitinho brasileiro. Não há que se temer crise institucional quando estamos comandados por ladrões. Em caso de afastamento, salvo engano Rodrigo Maia assumiria por 180 dias e haveria eleição indireta para presidente. Que é uma temeridade, com um Congresso como esse, isso não há dúvida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *