Sarita Dvila Mello colocou o parente, comandante do II Exrcito, na cena do crime e da tortura. Mas ele j havia sido advertido pelo presidente Geisel. Nilo Batista, grande advogado, defende um cliente e contesta o Supremo. Tombini insiste que controla a inflao.

Helio Fernandes

O depoimento de Sarita Dvila Mello coloca o general seu parente no andar de baixo, o mais alto em matria de criminalidade, tortura, desumanidade. E estaria inapelavelmente no banco dos rus (e numa cela igual de Rafael Videla), se no tivesse morrido.

E se o depoimento de Sarita foi importante, o do pai foi importantssimo. H 40 anos sem falar com o general Ednardo, abandonouas convices por um momento fugaz, para tentar salva a vida da filha. Foi um ato e um gesto de alta nobreza, desprezava o parente, mas se submeteu a falar com ele, pela desesperada sobrevivncia da filha.

Sarah descreveu com detalhes o clima do territrio da tortura, mostrou a familiaridade e intimidade do general com o local e os torturadores, nenhum constrangimento. Ele no mostrou qualquer sentimento ou remorso em relao ao queestava acontecendo, pelo fato de uma parente prxima estar sendo torturada e ele ter descido ao local impuro e indigno.

O presidente Geisel soube do episdio, j soubera de outros, advertira Ednardo vrias vezes, tinha conhecimento do que se passava naqueles pores devassos e indevassveis. Geisel ficou atento, mas sabia desde antes que o comandante do IIExrcito tinha grande cobertura militar, nenhum comandante de Exrcito (eram 4, todos poderosos) jamais havia sido atingido, demitido nem pensar.

Mais uma advertncia verbal a Ednardo e mais ateno ao que se passava em So Paulo. Determinou vigilncia absoluta sobre o Estado, quero saber de tudo na mesma hora.

O SUICDIO DE HERZOG
ACELEROU TUDO

Quando chegou Presidncia o que acontecera em So Paulo, Geisel decidira na hora, se preparou para ir ao II Exrcito. Foi aconselhado a esperar, ningum acreditava no suicdio, mas era a verso do II Exrcito. Foi a nica ponderao que o presidente aceitou, resolveu esperar as investigaes, mesmo preliminares.

Concordou, mas j se decidira. Iria demitir Ednardo de qualquer maneira, isso era to certo que telefonou para o general Dilermando Monteiro,convidando-o para o Comando do II Exrcito, mas pediu que esperasse no Rio. Enquanto se decidia, chegou a notcia do assassinato (a sem qualquer dvida) do operrio Manoel Fiel Filho, preso h tempos e sobre o qual Geisel j advertira Ednardo.

Seu assassinato foi tido por Geisel como verdadeiro desafio ou provocao. Ento era hora de decidir quem mandava mesmo, e que subvertia, desafiava, torturava e assassinava.

Mandou preparar o avio, o chefe da Casa Militar queria ir, Geisel foi taxativo, vou sozinho, era uma questo de sobrevivncia do Poder. Sem seguranas, sem ajudantes de ordens, s com a autoridade que queria preservar, chegou ao II Exrcito, Ednardo foi logo cumpriment-lo todo afvel, recebeu como resposta fulminante: Voc est demitido. Telefonou para o general Dilermando, deu ordem para que voasse imediatamente para So Paulo.

Ele viajou, foi empossado, a notcia correu o pas, poucos acreditavam: general de 4 estrelas, comandante de um exrcito poderosocomo o de So Paulo, demitido sem qualquer considerao? As coisas estariam mudando?

PS Geisel ficou alguns dias em So Paulo, acompanhou as investigaes que concluram pelo assassinato de Herzog, nenhumadvida sobre Manoel Fiel Filho.

PS2 As coisas se acalmaram, ningum se solidarizou com Ednardo. De tal maneira que o novo comandante resolveu conceder entrevista a intelectuais num programa de televiso, aberto, sem gravao, sem censura, desconstrudo.

PS3 E aconteceu um fato que emocionou o pas. A grande atriz Dina Sfat, convidada para o programa Canal Livre, foi, mas ficou o tempo todo silenciosa.

PS4 A ponto do general, amvel e simptico, ter perguntado: E voc, no tem nada a perguntar?. Dina Sfat, autntica e comovente, e respondeu simplesmente: Tenho medo de generais!

PS5 Ningum esperava aquela resposta autntica e verdadeira, e mais do que isso, a reao compreensiva do general Dilermando, aceitando como a coisa mais natural do mundo o que disse a grande atriz.

PS6 Era a constatao de que a opinio pblica estava cansada e at revoltada com os rumos do golpe de 1964. O que no incio aparentemente ganhara o apoio de uma parte da populao, pelo fato de ter sido apresentado como um movimento anticomunista, que ameaa dominar o Brasil, atingira propores inimaginveis e inaceitveis.

PS7 Para terminar por hoje, por hoje, basta ver o comportamento do notvel advogado Sobral Pinto. To anticomunista quanto adepto do catolicismo, apoiou o golpe de 1964, seduzido pela promoo de que defendia o Brasil da ameaa do comunismo. Difundida e divulgada pelos americanos e apoiada aqui pela omisso e silncio da grande mdia.

PS8 Castelo Branco tomou posse em 9 de abril de 64, chantageando Juscelino, de quem exigiu o referendo para que fosse eleitopresidente pelo Congresso, dominado pelo PSD e PTB, os dois fundados por Vargas em 1945.

PS9 Juscelino no podia fazer outra coisa a no ser recomendar o pedido, perdo, exigncia, de Castelo Branco. Que logo logo mandaria prender e humilhar o ex-presidente, que teve que comparecer vrias vezes a um IPM, dirigido pelo coronel Fernando de Carvalho.

PS10 No dia 29 desse mesmo abril, 20 dias depois da posse de Castelo, Sobral Pinto mandava uma de suas famosas cartas a Castelo Branco. Textual: O Senhor comandante do Estado Maior do Exrcito, no pode agir como presidente da Repblica.

PS11 As coisas estavam mudando em 1975, levariam ainda 10 anos para serem liquidadas, mas eram anos de espera e no mais de tortura e perseguio.

PS12 A Comisso da Verdade no tem poderes para inocentar ningum. Se no tem poderes para condenar, tem que conquist-los. Embora quase todos os grandes responsveis estejam mortos. Uma pena.

NILO BATISTA: ELOGIADO PELO
SUPREMO, CONTESTA A DECISO

O brilhante advogado (e governador quando Brizola se desincompatibilizou) Nilo Batista defende Valdemar Costa Neto. Muito citado e elogiado no julgamento do mensalo, agora compara o que o Supremo decidiu sobre seu cliente e sobre Duda Mendona.

A contradio gritante e j fora anotada aqui, quando surpreendentemente Duda foi absolvido. E o prprio Joaquim Barbosa parecia duvidar da absolvio, pois no liberou seus bens. Nilo Batista irrepreensvel: Um credor, publicitrio, absolvido. Outro credor, por ser deputado, condenado.

JUROS: FICAM COMO
ESTO OU VO PARA 8%

O presidente do BC confunde cada vez mais analistas e consultores econmicos. Enquanto s falava em inflao, Tombini provocava dvida e confuso. Agora no trata s de inflao, suas expectativas revelam estratgia para a volta de recursos para o pas.

Diante dessa dualidade de propsitos, surge uma concluso, tambm identificada como dualidade. Seria o seguinte: na prxima semana, no haveria espao de aumento de 0,25, elevando a taxa a 7.75%. Ou ficaria como est ou iria para 8 cravados, numa acelerao que incrementaria a velocidade dos aumentos.

PS A ida de Neymar para a Europa (e para o Barcelona), assunto dirio, aqui e l, parece que complicou. O Bara, que oferecia mais de 100 milhes, no passa agora de 47.

PS2 Para amenizar, Messi (o melhor jogador do mundo 3 vezes seguidas) abre as portas para Neymar jogar com algum que tem o seu talento individual, um prazer.

PS3 Ningum falou nisso at hoje: contratando Neymar no momento, o Bara estar comprando um jogador praticamente ausente.

PS4 Agora, Neymar j est disposio da Copa das Confederaes, que comea praticamente em 20 dias. Neymar estar disposio para essa competio.

PS5 Depois, estar disponvel para a Copa do Mundo. Para jogar a Copa propriamente dita e os amistosos obrigatrios, para o Brasil e o resto do mundo.

PS6 Horrvel essa possibilidade. E se algum correr o risco e comprar o Neymar agora? Guardiola, tcnico do rico e importante Bayern de Munich, j afirmou: O time est pronto, s falta o Neymar. No disse nas entrelinhas, falou com nome e sobrenome.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

26 thoughts on “Sarita Dvila Mello colocou o parente, comandante do II Exrcito, na cena do crime e da tortura. Mas ele j havia sido advertido pelo presidente Geisel. Nilo Batista, grande advogado, defende um cliente e contesta o Supremo. Tombini insiste que controla a inflao.

  1. Grande economia brasileira comandada pelo senhor Tombini. Grande governo brasileiro comandado pela gerentona Dilma. Pobre Povo Brasileiro que vai pagar um preo alto e j est pagando. Quem sobreviver ver. Pobre Brasil comandado por gente incompetente mas que faz de tudo para parecer grandes administradores. Bota propaganda nisto. Vendem o Pas, atravs da propaganda, como o Pas das Maravilhas e o povo oh……….. vivendo ou melhor sobrevivendo.

  2. Alguem tem o e-mail do Lobo para enviar este belo texto de Hlio Fernandes? At o Geisel desmentiria o cantor, que afirmou que no havia tortura na ditadura militar.

    Como fez Eisenhower, que mandou fotografar os campos de concentrao nazistas, para que no futuro, no viesse algum idiota negar a existncia do holocausto, textos como este de HF, refora a importncia de conhecermos a histria de um pas, para que um dia, ele tenha sentido de nao.

  3. Helio, sabe porque no tenho medo de generais?
    Porque quem deve temer fuzil marginal
    .
    No se deve deixar a instituio Foras Armadas nas mos dos polticos, mas da lei.
    Parto do postulado de que o poder se manifesta no Estado pela conjugao e uso da: Fora, Moeda e Direito. E de que poltica a par de suas vrias acepes …entenderemos to-somente a direo do agrupamento poltico hoje denominado Estado ou a influncia que se exerce nesse sentido. E Weber continua: O Estado no se deixa definir por seu fins…a no ser pelo especfico meio que lhe peculiar, da forma como , a todo outro agrupamento poltico, a saber, o uso da coao fsica.
    .
    Vivi intensa e extensamente a instituio militar. Na condio, mpar de civil, profissionalmente e por opo por bem mais de trs dcadas. H um decnio, sem as amarras profissionais, tenho refletido sobre o significado e importncia dela.
    O elevado custo econmico (determinante, no exclusivo, da vida); circunstancial desprezo e nova concepo do Direito pouco relacionado com o legtimo em sua produo e aplicao, salvo na fachada, pressiona e faz aproximar o momento, inevitvel, de uma reavaliao da necessidade, natureza, objetivo e aplicao das FFAA. Disso, depende o Estado que queremos.
    .
    O que ocorre na vizinha Venezuela (com animados comparsas no continente) por ter precedentes no mundo em passado no muito longnquo e as terrveis consequncias que proporcionaram, precisa ser, responsavelmente pensado para que no tenha que ser enfrentado s pressas com pesados sofrimentos j em curso.
    .
    O nvel alcanado pelo conhecimento tecnolgico blico potencial e reservas efetivas alterou o rumo das Foras Armadas do mundo. O objetivo no mais a guerra. Fim de ambos os contendores ou de todos. Arroubos individuais (ex.:Coreia do Norte) no passam de inevitveis, criminosos e suicidas comportamentos de mentes insanas.
    .
    A poltica dissuasria sria o campo para os conflitos de qualquer ordem onde o respeito mtuo fundamentado em fatos e no em discursos vazios, cnicos e hipcritas caracterstica e via nica possvel.
    .
    A guerra ainda faz parte do dicionrio humano no por um secreto desejo de morte da espcie humana, nem (por) um instinto irreprimvel de agresso ou tampouco e por fim, de forma mais plausvel, (pelos) srios perigos econmicos e sociais inerentes ao desarmamento, mas o simples fato de que NENHUM SUBSTITUTO PARA ESSE RBITRO LTIMO DOS NEGCIOS INTERNACIONAIS APARECEU NA CENA POLTICA H. Arendt
    Por outro lado, no se trata de especulao ou conjectura, porm de experincia prpria, que:
    Quanto mais a violncia se tornou instrumento dbio e incerto nas relaes internacionais, tanto mais adquiriu REPUTAO E APELO EM QUESTES DOMSTICAS, ESPECIALMENTE NO QUE SE REFERE AO TEMA REVOLUO tambm de Arendt em Sobre a Violncia
    .
    Assim, um Estado Constitucional que se pretende democrtico, republicano e de Direito, que, por natureza se sustenta na independncia entre os Poderes, no pode ficar ao alvedrio da inerente tentao poltica de moldar o Estado, a cada governo, de modo perpetuao de grupos no poder pela cooptao, desmoralizao ou uso abusivo da fora. Uma, ou todas estas opes, em andamento.

  4. Coerente a anlise, Sr. Helio.

    Vai se confirmando a tendncia de queda da inflao, no por conta da taxa Selic e do BC, mas, sim pelo mecanismo de oferta e demanda de certos produtos alimentcios que no incio do ano se demonstraram escassos.

    Tambm de outros grupos como habitao, educao, sade e transporte que deixam para o incio do ano a prtica do reajuste. Ou seja, no depende da taxa Selic e do BC para variar.

    Como a inflao consolida a tendncia de queda independentemente da Selic, o aumento desta deixou de ser motivada pela inflao.

    Agora, Tombini diz que pode aumentar a taxa para atrair capital externo? Isso j no era necessrio l atrs?

    Os juros externos esto baixssimos, sendo motivo de crtica at pelo Financial Times o fato de a Dilma no estar tomando emprstimo para promover investimentos pesados em infra-estrutura. H uma janela de oportunidade e a presidente Dilma, “gerentona”, no toma nenhuma atitude.

    Para que mexer na Selic se o governo pode tomar emprstimo diretamente no mercado externo?

    A hora esta, a janela est aberta e logo mais pode ser fechada. Por que no aproveitar isso logo, meu Deus do cu?

    Os juros esto baixssimos e sobra recursos financeiros!

  5. Se o melhor ttulo do mundo – o americano T-Bond (30 anos) – est remunerando a 3,22% a.a., o que impede a presidente Dilma de emitir ttulos da dvida externa remunerando, por exemplo, a 3,50% (menos da metade da emisso da Selic), um pouco maior que os ttulos do tesouro americano?

    Teria mais que o dobro de vantagem econmica trocarmos a dvida interna pela externa, e ainda usarmos vastos recursos para a recuperao e construo de estradas e ferrovias. Esto sobrando dlares no mercado externo.

    A repercusso poltica que est sendo observada e no a econmica!

    O PT est destruindo as nossas chances de avanarmos assustadoramente em nossa infraestrutura. E isso imperdovel!

  6. Por falar em cotas:

    – Lei cria cotas para empreiteiras que no esto no esquema do Lulla e do PT….

    – Lei cria cotas para artistas no petistas, junto ao Ministrio da Cultura.

    – Lei cria cotas para jornalistas no petistas, junto ao Ministrio da Propaganda, Petrobrs e Caixa Economica Federal..

    – Lei cria cotas para ladres de galinha terem o direito a advogados como os tem os petistas acusados de corrupo.

    – Lei cria cotas para a Verdade poder aparecer na TV Lulla e na TV Globo…

    – Lei cria cotas para os descamisados poderem ser tratados no Sirio-Libans

    – Lei cria cotas para pequenas empresas poderem pegar dinheiro emprestado com o mesmo juro que o Eike paga(?) ao BNDES…

  7. O Presidente Geisel foi uma referencia moral, administrativa, tica e competente, na administrao do Pais. Alm desses atributos todos era um homem de coragem impar, que fazia Generais covardes como eram Medice, Silvio Frota e Enardo teme-lo em qualquer situao.
    Faltou mais Geisel no Exercito na poca, para evitar que os Ednardos pusessem suas garras de fora.

  8. Crucificar Neymar facil, talvez hoje o unico talento do futebol brasileiro, os remanescente da ditadura , felipo, coronel parreira, e o atual “presidente” da cbf, nem quero saber o nome dele, armaram uma arapuca , no chamando KaKa nem Ronaldinho Gaucho, jogaram toda responsabilidade da seleo pra cima do garoto, facil o mesmo que o talentoso murici faz no santos, joga a bola no Neymar ele ganha muito, palhaada , se o jogador se negar a atender a convocao ant-patriota e outras besteiras mais, toro por ele, sei que nossa seleo um time de empresrios , todos com muita fome de vitrine de grana, coisas do brasil , no futebol no diuferente. fanando em brasil , sempre critiquei e nunca tinha solicitado o atendimento de qualquer uma ag. desreguladoras pra mim cabide de empregos, hoje ao tentar sem sucesso uma comunicao com a amil, liguei para a famosa ans, PQP, nunca mais, fui atendido com mil e uma pergunta pela atendente Ana Carla, me passou um protocolo2367678, [vou jogar no bicho]falei o motivo da minha reclamao , ai ela resolveu me solicitar o numero da carteira do plano, passei o numero a moa falou q estava errado , procurei outro numero na carteira , no tinha s aquele kct, a moa no aceitou estava errado tinha que ser um numero com 6 digitos, porra fui ficando nervoso, ai ela pensou em perguntar a cor dos olhos do meu cachorro de estimao, desisti , lembrei do grande Chico Xavier , enchi a boca d’agua mas no mandei ela e a agen. pra lugar nenhum juro. Ki pasinho esse?

  9. Impossvel no se emocionar com o relato do Helio Fernandes sobre aquelas coisas todas que ocorreram durante a ditadura no Brasil.
    Meu pai … foi atingido pelo ento ministro Delfim Netto … e veio a falecer. Sim, meu pai foi assassinado por aquele canalha, que o afastou do ministrio da Fazenda, sem qualquer motivo, e colocou-o em disponibilidade. Meu pai perdeu seu salrio quase todo, em decorrncia. O piauiense Altino Vieira Nunes veio para o Rio de Janeiro rfo de pai e me, analfabeto. Lutou e conseguiu aprovao num concurso para o ministrio. Delfim Netto matou-o. Delfim Netto um assassino cruel, foi igualmente um torturador. Papai escondeu o quanto pode sua real situao de ns; vendeu seu telefone, as joias que mame tinha, recorreu a agiotas. Se tivesse sido um ladro e crpula como Delfim Netto teria enriquecido, em funo do cargo: no popular, “Fiscal da Alfndega”. O momento em que papai lia no Dirio Oficial a lista dos afastados pelo ministro Delfim Netto, narrada pela mame, foi terrvel. “Olhe, o fulano est na lista! Olhe, o fulano tambm! Olhe este meu amigo, homem corretssimo, o nome dele est aqui na lista dos afastados!!!” At que … papai parou. Olhou para a mame e disse, arrasado: ” Merinda, meu nome tambm est aqui” … No dia seguinte, saiu no DO que os afastados que fossem descobertos exercendo qualquer outra funo, seriam demitidos “a bem do servio pblico”. Era a crueldade nua e crua, uma atrocidade que nem podemos adjetivar. Foram trs, os colegas do papai que se suicidaram na ocasio.
    Quem diz que uma ditadura tem o seu lado bom … tenhamos piedade desta pessoa … Minha famlia foi atingido da pior maneira possvel, perdemos nosso pai(cncer no pncreas) … Mas, um dia, cruzando na rua (N Sra de Copacabana com Repblica do Per) s vsperas do Natal, com o general Aurlio Lyra Tavares, gritei bem dentro da orelha dele: “VIVA O NATAL! VIVA JESUS CRISTO! QUE MORRAM OS ASSASSINOS COMO VOC, SEU FILHO DA PUTA!” Diante da aproximao de algumas pessoas, sa correndo.
    PS: meu pai era primo legtimo de Petrnio Portela Nunes, poltico de poder, na poca: havia sido prefeito de Teresina, governador do Piau, senador, presidente da ARENA, ministro da Justia no governo Joo Figueiredo. Insistiamos com papai para que conversasse sobre tudo com Petrnio. ” No, Petrnio no pode saber de nada. No quero que ele resolva nada, melhor deix-lo fora disso. Se meu pas me trata desta forma, ento melhor no ter mais nada, mesmo”.
    PS2: Papai voltou ativa, mas nada recebeu como indenizao pelos onze anos em que ficou afastado. Roubaram tudo, vergonhosamente. Papai voltou graas uma carta que enviei ao presidente Figueiredo, contando tudo. Figueiredo leu e me fez saber da sua deciso atravs de uma secretria do ministrio da Fazenda. Guardo a carta … e a deciso do Figueiredo.
    A carta comea assim: “Senhor Joo Baptista de Oliveira Figueiredo. No, no estou escrevendo para o presidente da Repblica do meu pas. Estou escrevendo para aquele menino cujo pai Euclides e irmos … foi perseguido para ser morto pela ditadura de Vargas. Pois o meu pai est sendo perseguido pela ditadura da qual o senhor faz parte. O senhor no pode ficar sem fazer nada” etc QUEM DIZ QUE AS DITADURAS TM SEM LADO BOM … NO SABE MESMO … O QUE EST DIZENDO.

  10. Neymar, um jeito menino de ser que querem envelhecer.
    .
    A indisfarvel e emptica angustia de Neymar bem autoriza lembrar estes clebres versos de Fernando Pessoa:
    Tudo vale a pena se a alma no pequena. Quem quer passar alm do Bojador tem que passar alm da dor
    A tcnica no futebol se o explica, desfigura. Somente pela arte que o embeleza, envolve, arrebata e enleva que se o compreende e sente. A tcnica objeto dos comentaristas; a arte, do torcedor que se apaixona e o tempo o torna incolor pelo amadurecido amor.
    Se Neymar fica ou se vai para mim menos importa que a covardia da imprensa especializada.
    A imprensa, sabido, comete covardias quando faz de palavras fatos por transformar o universo no inverso de suas pessoais opinies e pretenses. No caso Neymar a imprensa se excede, vai alm do ridculo.
    Neymar no pode ser avaliado sob a gide de paixes clubistas, corriqueiras, financeiras. mais, o jovial esprito do futebol brasileiro que est em campo, ressuscitado. , e ainda tem gente que quer v-lo morto ou deportado pelo simples nimo de um suposto furo.
    Triste, acabo de tuitar Neymar estimulando-o, concitando-o a vender tudo, menos a alegria dele e do futebol que pratica. Ainda que isto venha a sacrificar meu especial prazer e esforo inaudito para assisti-lo na insanidade contraditria de madrugadas nada prprias para o mais apaixonante dos esportes. E jubiloso esse esforo, justamente pelo que o Neymar faz: irreverncia, impreviso; consagrao da arte, do original, do indito. Tudo diferente da mesmice que consagra a maioria majoritria e medocre.
    Compensa a expectativa, s vezes no concretizada, de uma nica inesquecvel jogada; de um gol com requintes de bela e humilhante crueldade, do marcador enganado, esbaforido e ao cho. O que, tambm verdade, nem sempre os defensivos esquemas feios contrrios a alma do futebol; virilidade cada vez mais atenta dos zagueiros; e desconfivel deciso das arbitragens, perversamente permitem.
    Neymar, menino, querem te fazer homem antes da hora. Olha, no h quem saiba melhor onde est tua felicidade que voc mesmo. E que no te esqueas de lembrar onde a colocastes. Sem ela, a felicidade que de mais peculiar existe em ti, o teu futebol desparecer levando com ela a exteriorizao esttica, a alegria que compartilhas e multiplicas e que, por isto mesmo, mais ainda te faz feliz como fonte inesgotvel: teu solo ptrio, teu cho, teu povo, tua orgulhosa e incomparvel origem.
    Por favor, no permitas que a fatuidade do flash da moeda altere tua face; pois, no ser a que vejo e a que o Brasil, jovem (a par da idade) e amante da loucura chamada futebol, enxerga
    ..
    Neymar, desde logo bom ouvir E. Rotterdam:

    S a loucura prolonga a juventude e retarda a malfadada velhice
    Que sejas feliz, louco ou no.

  11. Violncia.
    .
    Nenhuma violncia boa, seja de direita ou esquerda; da tortura ou do terror; por parte do Estado ou contra ele. Mas, infelizmente, a nica forma de assegurar que a moderao seja ouvida.
    .
    Alguns pensamentos:

    A violncia sempre pode destruir o poder; do cano de uma arma emerge o comando mais efetivo, resultando na mais perfeita e instantnea obedincia. O que nunca emergir da poder H. Arendt

    .

    Substituir o poder pela violncia pode trazer a vitria ,mas o preo muito alto; pois ele no apenas pago pelo vencido mas tambm pelo vencedor, em termos de seu prprio poder – Arendt
    .
    No de novas partilhas pela violncia, mas de transformaes graduais das idias que se necessita: necessrio que em todos a justia se torne mais forte e o instinto de violncia mais fraco – NIETZSCH”
    Sds.

  12. impressionante como o PMDB quer a volta de LULA, eu acharia um retrocesso, mesmo votando nele. O Pas melhorou muito, mas o fisiologismo do PMDB, e agora com o Dep. Eduardo Cunha, baixou ainda mais o nivel. Acreditar neste deputado que foi a causa da derrota da CPMF, que recebe patrocionio de Daniel Dantas demais.

  13. Almeiro meu pai foi perseguido politicamente, em meu estado metal, foi funcionrio da Secretaria da Fazenda, e sofreu as agruras que a falta de dinheiro nos fez passar, ficou tempos sem receber, mas a perseguio comeou em 63, um ano antes do inicio do golpe, que os Mesquitas tanto apoiaram.Mas na ditadura a perseguio ficou mais forte, pois os detentores do poder do estado, estavam com o governo militar e a fora deles quadruplicou. no defendo ditaduras, defendo homens como Geisel, que lutou dentro do sistema contra os bandidos de fardas e sem fardas. se o Regime Militar nada fez de bom para voc, no o que entendi, com a resposta e a deciso de Figueiredo, como voc diz. De toda a forma sou solidario ao sofrimento de sua famlia pela perseguio poltica, pois conheci e sofri junto com meus irmos e meus pais, tudo isso.

  14. Hlio, parabns pelo artigo. Voc faz justia ao Geisel que, apesar de todos os defeitos, fez duas coisas importantssimas: enfrentou e venceu os torturadores da extrema direita das Foras Armadas, liderados pelo Slvio Frota, e revogou o AI 5, em novembro de 78. Hlio, um abrao pr voc do Carlos Frederico Rubino Alverga.

  15. O sculo XX foi rico em golpes ou revolues, que so a mesma coisa. Dois tipos distintos estavam define esses eventos: um advindo do positivismo comandado por militares e outro, da religio marxista-leninista.
    O primeiro, no se importava com o povo sentimentalmente, mas apenas em consertar o pas pela baderna em que se se encontrava. A segunda, a comunista, procurava se ligar ao povo sentimentalmente com a demagogia de sua salvao com o misticismo ideolgico que prometia justia aos desvalidos.
    No fim das contas nenhum dos dois atingia o objetivo que propunham seus lderes. O poder os corrompiam e no fim, a degenerao dos princpios que diziam defender, ia por gua abaixo.
    Como as ditaduras militares, geralmente produzidas pela intempestividade de seus comandantes, elas no tinham o aspecto religioso ou ideolgico como mais uma arma para se perpetuarem no poder. E, diga-se de passagem, a religio ou ideologia a arma mais poderosa criadas pela mente humana. Praticamente infalvel.
    Por essas e outras, as ditaduras do cone-sul, todas militares, graas a Deus acabaram, mas a de Fidel est a at hoje, matando e torturando como todas elas.

  16. Prezado Helio,
    Permita-me um pequeno reparo no seu,como sempre,brilhante texto.
    O nome do coronel do IPM,do presidente Juscelino Ferdinando de Carvalho e no Fernando de Carvalho.
    Grande abrao,
    Werneck

  17. A infmia dos torturadores

    Procura-se, vivo ou morto. Assim era os cartazes distribudos nos tempos do velho faroeste. Caso a Comisso da Verdade, j tivesse fazendo uso inteligente da delao premiada, a essa altura, todo o Brasil j saberia quem foram os torturadores. Principalmente, onde esto os desparecidos e assassinados pela covarde e cruel ditadura militar. Dependendo da grana oferecida e das condies de sigilo ofertadas, em pouco tempo, tudo estaria desvendado.

    Num balano final, o preo de semelhante campanha, no seria muito alto. Somando os custos da proteo aos delatores e suas famlias, mais o total de dinheiro pago a essa turma, pela delao, no ficaria muito caro, tendo em conta os bons resultados obtidos, em curto tempo. Desse modo, o Brasil estaria virando, definitivamente, uma vergonhosa e ultrajante pgina de nossa recente histria.

Deixe um comentário para Luiz Carlos Feidman Feidman Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.