Se o PSDB não se conectar com os 99%, vai morrer

Paulo Nogueira (Diário do Centro do Mundo)

LONDRES – Ri sozinho ao ler no “Sensacionalista”, o site de gozação jornalística: “Rejeição a Serra cresce e pode ganhar no primeiro turno”. Ah, as virtudes do bom humor.

Fui me inteirar e vi que uma pesquisa do Datafolha mostrava aquilo, e trazia o encurtamento da distância entre Serra e Haddad na segunda colocação, atrás de Russomano, um franco-atirador que está muito aquém da grandeza de São Paulo.

Falo aqui como alguém que votou muitas vezes no PSDB e, algumas, em Serra.

Primeiro: para o PSDB, é bom, paradoxalmente, que Serra perca, de preferência sem sequer chegar ao segundo turno. Isso forçará uma renovação.

Segundo: a renovação tem que se dar também no campo das ideias. Há um consenso, no mundo moderno, de que o problema número 1 da humanidade, hoje, é a iniquidade social. No Fórum Econômico de Davos, em janeiro, isso foi expresso de maneira clara por líderes políticos e empresariais de todas as partes.

Que o PSDB tem a dizer sobre isso?

Nada. Mesmo quem não gosta do PT terá dificuldade em negar que o partido tem uma política consistente em relação à diminuição do abismo que separa ricos e pobres no Brasil. Dilma disse uma vez, depois que uma tempestade matou centenas de pessoas num morro do Rio: enquanto houver tanta miséria, o Brasil não será uma potência.

Na ditadura militar, escrevi sobre isso aqui, a defesa da desigualdade estava numa tese do homem-forte da economia, Delfim Netto. Delfim dizia que você só podia distribuir o bolo depois que ele crescesse.

É uma estupidez. Foi provavelmente sob essa lógica perniciosa que Luís 16 perdeu a cabeça em 1789. Também ele esperava que o bolo crescesse, mas a população não teve tanta paciência assim para esperar.

###
MELHORES IDÉIAS

Se quiser ter relevância na cena política brasileira, o PSDB tem que se reinventar – e disputar com o PT no campo das melhores idéias para reduzir a desigualdade. É uma bandeira que não tem dono. Melhor: que pode e deve ter vários donos.

Os tucanos parecem alheados do mundo novo, em que os 99% estão se movimentando contra os privilégios abusivos do 1%. É preciso ação, é preciso gritar que não é aceitável tanta miséria no Brasil. Não basta, para o futuro do PSDB, FHC falar platitudes em variadas línguas em simpósios internacionais.

Serra sair vai ser o primeiro passo, e provavelmente o eleitorado paulistano cuidará disso. Os demais demandam, essencialmente, um comprometimento com o combate à chocante iniquidade social brasileira. Mas, como disse o sábio chinês Lao-Tzu há mais de 2 mil anos, toda caminhada começa exatamente no primeiro passo.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *