Se Obama tivesse prestado mais atenção no povo, Clinton não precisaria entrar em cena para tentar salvá-lo

Paulo Nogueira (Diário do Centro do Mundo)

Clinton vai salvar Obama? Esta é a grande questão que domina o mundo político americano depois do discurso de 50 minutos em que Bill Clinton anunciou formalmente, na convenção do Partido Democrata, que Barack Obama é o nome para as eleições de novembro. “Clinton deveria ser o Ministro das Explicações”, alguém comentou no Twitter com um número excepcional de retuítes.

 Dando uma força…

Clinton fez uma defesa brilhante do primeiro mandato de Obama e uma exortação igualmente notável para que os eleitores lhe concedam um segundo. Dez quilos mais magro graças à adesão ao vegetarianismo, Clinton fez, com a elegância própria dos bons oradores, aquilo que você e eu estamos acostumados a ouvir na política brasileira quando existe troca de partido no poder.

A saber: 1) atribuiu os problemas da administração Obama à herança – pesada, maldita, como você preferir — recebida do republicano George W. Bush; 2) se mais não foi feito, disse Clinton, foi porque a oposição republicana sistematicamente boicotou os projetos de Obama no Congresso.

Sobre o primeiro ponto, não há muito o que discutir. Os Estados Unidos foram absurdamente malgeridos por Bush. Sobre o segundo, também não: em seu discurso, Clinton citou uma frase do senador Paul Ryan, agora vice de Mit Romney. Ryan disse certa vez que a prioridade dos republicanos não era ajudar a recuperar a economia americana – mas impedir um segundo mandato de Obama.

###
UM FALSO OBAMA

Mas a esses dois pontos ligados aos republicanos soma-se um terceiro: Obama também foi vítima também de si próprio. O entusiasmo do eleitorado ávido por mudanças em 2008 se esmaeceu. Obama nos sonhos dos eleitores era muito melhor do que o Obama de verdade. Os Estados Unidos sob ele são lamentavelmente parecidos com os Estados Unidos sob Bush, a despeito das tonitruantes promessas de mudança.

Os eleitores progressistas americanos têm que escolher o candidato menos ruim em 2012. É Obama, muito mais pelos defeitos de Romney do que por suas próprias virtudes, tão sublinhadas por Clinton em 50 minutos.

Caso tivesse dado mais atenção aos chamados 99%, aos quase 50 milhões de americanos que vivem na linha da pobreza, e à classe média em geral,Obama não precisaria que Clinton se esforçasse tanto por salvá-lo. Os eleitores fariam isso.

Basta olhar para o chamado quintal americano: nos países em que os 99% entendem que estão sendo bem tratados, a resposta tem sido dada nas urnas. Lula se reelegeu e depois colocou Dilma no Planalto, Chavez tem uma vantagem folgada sobre seu opositor na Venezuela e Rafael Correa goza de enorme popularidade no Equador — isso tudo sob cerrado fogo da mídia tradicional, cuja influência sobre os eleitores tem se revelado insignificante na Era Digital.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *