Se Srgio Moro deixar o governo, o desgaste de Bolsonaro crescer ainda mais

Pedro do Coutto

A situao poltica do ministro Srgio Moro piorou nos ltimos dias na proporo em que o presidente Jair Bolsonaro decidiu substituir o diretor geral da Polcia Federal, sequer dando uma oportunidade ao titular da Justia de indicar o sucessor de Maurcio Valeixo. Evidentemente a tenso grande, sobretudo na medida em que a mudana na PF dada como certa inclusive por integrantes do prprio setor.

Reportagem de Camila Mattoso, Folha de So Paulo de quinta-feira, ilumina fortemente a batalha que est se travando na Esplanada de Braslia entre o Ministrio da Justia e o Palcio do Planalto.

MORO IRRITADO – O tema tornou-se um problema grave para Srgio Moro. Tanto assim que na quarta-feira durante encontro com jornalistas, Srgio Moro perdeu a calma e encerrou o encontro exatamente trs minutos depois da abertura dos dilogos.

Como era esperado, e devia ter sido esperado pelo prprio Moro, choveram perguntas dos reprteres a respeito da Polcia Federal. As perguntas refluram para um tema s: exatamente a questo da Polcia Federal e da intromisso do presidente da Repblica desejando ele prprio tornar-se o autor exclusivo da deciso.

Srgio Moro, a rigor, no pode abrir mo de indicar o diretor geral. Isso porque ele titular do Ministrio da Justia e Segurana, a quem, portanto, o chefe da PF subordinado.

CHOQUE IRRECUPERVEL – Se o desfecho for esse, Moro na minha opinio, ter sofrido um choque irrecupervel. Sobretudo porque ele fora o autor da nomeao de Maurcio Valeixo, e se tornou, no sei por qu, antagonista no processo Fabrcio Queiros. Vale lembrar sempre que as investigaes que convergiram para o ex-assessor Fabrcio Queiroz foram sustadas por determinao de Dias Tofolli, presidente do STF.

Inclusive, de forma surpreendente porque quem requereu o ato no foi Queiroz, mas sim o advogado de Flvio Bolsonaro, filho do presidente da Repblica, mas que no era acusado de coisa alguma. O despacho do Ministro Tofolli estendeu-se at o antigo COAF, que mudou de nome transformando-se em Inteligncia Financeira.

MELHOR AVALIADO – Para que se possa ter uma ideia do peso da perda de pontos para o governo, no caso de Srgio Moro sair da Justia, bom destacar que a mais recente pesquisa do Datafolha analisada por Flvia Faria, tambm da Folha, Srgio Moro o membro do governo melhor avaliado pela populao. Alcana 54% no campo positivo. Enquanto isso a aprovao de Bolsonaro fica contida no percentual de 29 pontos. Pelos nmeros e pela atmosfera poltica do pas, pode-se deduzir a dimenso do estrago que atingir o Palcio do Planalto.

Afinal de contas, qual o motivo que leva o presidente Jair Bolsonaro a insistir tanto na nomeao do diretor geral da PF, no levando em considerao a caneta de Srgio Moro em todo este episdio. Some-se esse desgaste perda causada pelo choque com o governo chileno. As coisas vo mal.

19 thoughts on “Se Srgio Moro deixar o governo, o desgaste de Bolsonaro crescer ainda mais

  1. Brasil, o pas atrasado, enquanto a ndia est lanando uma sonda lua, o Brasil sempre manchete de corrupo e doenas que j estariam dizimadas, no velo progresso neste pas, t mais para continuar a ser Colnia de pases ricos, o povo trabalha para dar boa vida aos filhos de pases ricos, Brasil sofre nas mos destes incompetentes.

  2. Srgio Abranches: Bolsonaro nasceu no extremo, sempre foi o que hoje

    Para cientista poltico, presidente no tem sido capaz de buscar a conciliao em um ambiente de crise poltica iniciada em 2014

    Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

    Em um cenrio de crise poltica, que no acabou com a eleio, o presidente Jair Bolsonaro no tem sido capaz de buscar uma conciliao e dialogar com demais setores da sociedade. A anlise do socilogo e cientista poltico Srgio Abranches, autor de, entre outros livros, Presidencialismo de Coalizo Razes e Evoluo do Modelo Poltico Brasileiro.

    Ele nasceu no extremo. Sempre foi o que . Est na direita, bem l na ponta, disse em entrevista ao Estado. Segundo Abranches, a perda de popularidade de Bolsonaro preocupante. Qualquer fagulha pode pegar fogo. O socilogo afirmou ainda que a polarizao minou a centro-esquerda e empurrou o PT, principal partido de oposio, para uma esquerda de posies que j deveria ter abandonado, enquanto PSDB e DEM foram puxados para a direita.

    Est vazia uma centro-esquerda e at um centro mais moderado, com uma viso mais social, um posicionamento contemporneo, reformista, que tenha conscincia da crise dos empregos, dessa nova economia, que entenda que a globalizao inevitvel e que o mundo hoje mais cosmopolita. conscincia da crise dos empregos, dessa nova economia, que entenda que a globalizao inevitvel e que o mundo hoje mais cosmopolita.

    Abaixo, a entrevista completa.

    Por que, com apenas oito meses de um novo governo, j se fala em cenrios para 2022?

    O Brasil est em uma crise poltica desde o incio do segundo mandato de Dilma Rousseff. A crise no foi superada. O impeachment agravou a crise e aguou a polarizao. Michel Temer tambm no conseguiu superar a crise, que, depois, virou paralisia de governo no momento em que ele precisou obter o veto para impedir que fosse processado no Supremo. A polarizao que continuou no governo Temer desaguou nas eleies de 2018, que foram disruptivas, mas pouco construtivas.

    Pesquisa divulgada na segunda-feira mostrou que a desaprovao pessoal do presidente Bolsonaro subiu de 28% para 53%. Isso motivo de preocupao?

    H razes para ficar preocupado. A crise no acabou com o fim da eleio. Continua sendo um governo no contexto de uma crise poltica, que se agravou porque o presidente tem uma atitude de confrontao. Ele no capaz de um movimento de conciliao, de uma abertura para setores da sociedade e do mundo. muito fechado. Em geral, quando o presidente perde rapidamente popularidade, temos um quadro de instabilidade da prpria governana. Isso pode produzir um tipo de conflito que no seria positivo para o momento atual.

    Temos a continuao da crise econmica, uma situao social que no boa, um contexto como o Cerrado na seca. Qualquer fagulha pode pegar fogo. um quadro preocupante.

    E o que, na sua avaliao, tem mitigado a crise?

    o desempenho do Congresso, que tem conseguido manter um ritmo de produo legislativa relevante. Isso cria um espao de normalidade poltica que ajuda. Imagine se estivssemos em um processo de paralisia do Legislativo, sem a aprovao da reforma da Previdncia, se nada passasse? A sim estaramos em um quadro mais grave.

    Mas se olharmos no detalhe, h claramente uma tenso entre Executivo e Legislativo. O governo tem perdido muitas decises, toda hora h atritos. uma relao ciclotmica por causa dessa atitude mais acintosa do presidente, que decidiu ser um presidente minoritrio e no formar coalizo.

    H uma discusso em torno da fuso de partidos, notadamente entre DEM, hoje representado pela figura do presidente da Cmara, Rodrigo Maia, e pelo PSDB, liderado pelo governador Joo Doria. Como avalia essa possibilidade?

    muito provvel que haja esse processo de fuso de partidos medida que vamos nos aproximando de 2020, a no ser que o Congresso revogue a proibio de coligaes proporcionais, o que seria muito ruim. O movimento natural que aqueles com certa afinidade de valores e comportamentos se fundem. O PSDB se moveu para a direita, natural que se funda com o DEM. So partidos de centro-direita. Joo Doria, Alexandre Frota (expulso do PSL), as novas relaes foram movendo o partido mais para a direita, ainda que haja uma faco mais esquerda, claramente minoritria, e candidata a buscar outra legenda.

    O sr. entende que Bolsonaro foi empurrado para o extremo?

    No, ele nasceu no extremo. Sempre foi o que . Ele at andou tentando maquiar a posio dele, dizendo que de centro-direita, mas ele de direita mesmo, l na ponta.

    E quem vai ocupar o espao do centro na poltica nacional?

    O espao que est ficando vazio na poltica hoje a centro-esquerda. O PT est na sua prpria crise e no consegue formular uma nova posio, mais contempornea e alinhada com os desafios do sculo 21. H uma parte importante da centro-esquerda sem representao. Com a polarizao, o PT foi empurrado para uma esquerda de posies que j deveria ter abandonado, retrgradas. J outros partidos foram sendo puxados para a direita.

    Est vazia uma centro-esquerda e at um centro mais moderado, com uma viso mais social, um posicionamento contemporneo, reformista, que tenha conscincia da crise do emprego, dessa nova economia, que entenda que a globalizao inevitvel e que o mundo hoje mais cosmopolita. H uma demanda para lideranas progressistas que pensem sadas para a frente, e no sadas para trs.

    O apresentador de TV Luciano Huck e o ex-governador do Esprito Santo Paulo Hartung tm mostrado disposio de entrar no jogo poltico. Eles poderiam ocupar esse espao?

    Conheo a trajetria do Paulo Hartung. um candidato claro a ser um protagonista na formao de um pensamento social-democrata. Comeou na prefeitura de Vitria com uma aliana PSDB-PT pouco provvel. Ele tem uma viso que permite isso. O Luciano Huck no sei como pensa. Mas, claramente, Paulo Hartung um poltico que tenta gravitar e construir uma alternativa nesse permetro entre a centro-esquerda e o centro.

    Onde v o ministro Srgio Moro em um cenrio eleitoral?

    Politicamente, hoje no consigo ver. Ele tomou uma deciso muito custosa, abandonou uma carreira de juiz segura, estvel, previsvel, por um cargo muito incerto, sujeito a chuvas e trovoadas. O Ministrio da Justia sempre foi um espao de muito conflito. Todo ministro demissvel a qualquer momento. um cargo muito precrio. Foi uma escolha de muito risco e, para tomar esse risco, ele deve ter algum mecanismo de proteo, um acordo para voltar para a magistratura em um cargo de nomeao, ou mesmo uma perspectiva de entrar na vida poltica. O que vejo que foi uma troca do certo pelo incerto.

    Como as disputas locais de 2020 ajudaro a definir as nacionais?

    As lgicas so muito diferentes, so sistemas partidrios distintos. Partidos importantes no Rio no necessariamente tm fora em capitais do Nordeste ou do Sul. A qualidade de vida das cidades muito prxima do cidado, os temas locais predominam. Mas, ciclicamente, tem havido momentos em que as eleies municipais coincidem com o debate nacional.

    O discurso se repete quando o quadro est muito polarizado, em uma crise como a de agora. Se o discurso no mudar, teremos um debate, sobretudo nas capitais, muito mais nacionalizado. Mas entendo que a escolha do eleitor continuar sendo baseada em questes locais.

    Como v o Supremo Tribunal Federal no cenrio poltico, cujo presidente, ministro Dias Toffoli, chegou a participar em maio de um pacto proposto pelos chefes dos Trs Poderes?

    A ideia de que o presidente do STF participe de reunies polticas e se envolva numa espcie de pacto entre Poderes um desvirtuamento da funo jurisdicional, sobretudo num momento de muita judicializao da poltica. A Corte deveria se manter razoavelmente impermevel a presses polticas. Claro que no existe despolitizao completa, mas h um limite a partir do qual a politizao se torna danosa para a iseno do processo jurisdicional.

    O STF a ltima palavra, a ltima instncia. Houve um avano excessivo de decises autocrticas que minam o esprito do colegiado, que um mecanismo de freio e contrapeso significativo. Ter a participao de juzes de geraes diferentes, nomeados por fontes polticas diferentes e com vises doutrinrias diferentes d um certo equilbrio ao processo. Quanto menos colegiado e quanto mais autocracia houver, pior o papel do Supremo como um ponto de equilbrio.

    Como avalia que a interferncia do presidente da Repblica na autonomia de instituies como a Polcia Federal, a Receita Federal e o Coaf impacte a qualidade da democracia brasileira?

    um risco importante. O que a sustenta a democracia um equilbrio entre os Poderes. Esse desmonte das instituies de fiscalizao e controle coloca em xeque boa parte da estrutura dos mecanismos de freios e contrapesos. A investida mais danosa contra o Ministrio Pblico Federal.

    O Executivo e o Legislativo so muito permeveis a presses, ento preciso uma regulao independente para coibir abusos. No momento em que vivemos, de sociedade e economia digitalizadas mas poltica ainda analgica, preciso comear a pensar em freios e contrapesos para fazer a passagem do analgico para o digital. A lavagem de dinheiro, hoje, claramente digital.

    Nas ltimas semanas o Brasil se viu em uma crise diplomtica e no centro das atenes com o aumento dos incndios da Amaznia. Paralelamente, o presidente deseja nomear o filho, deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para a embaixada em Washington. Um levantamento do Estado mostra que o Senado resiste. H risco de ele ser barrado?

    Quando a votao secreta, sempre h risco. Para o bem e para o mal. O mais importante o fato de que essa polmica ambiental incendiou as relaes diplomticas do Brasil com a Frana e com a Unio Europeia. J a questo da nomeao de um filho para uma embaixada to importante representa o desmonte da diplomacia brasileira. A diplomacia funciona como um amortecedor das paixes pessoais, colocando as razes de Estado em primeiro plano, que so permanentes. O Brasil tem tradio de uma diplomacia profissional muito significativa, que fez com que o Pas, sem grandes poderes econmicos e militares, sempre tivesse protagonismo. Toda essa qualidade colocada em xeque (com essa escolha).

  3. A escolha de um diretor geral para a PF prerrogativa presidencial. Mas o que fica evidente que tendo um homem como Dr. Moro a frente do ministrio da justia, que tem a confiana de quase 100% dos eleitores de Bolsonaro, inclusive com ndices de aprovao superiores ao do prprio presidente, est havendo um desprestgio e boicote aos planos do Senhor Ministro. Bolsonaro deveria, sem sombra de dvida, escolher algum indicado pelo Dr. Moro, alinhado ao seu projeto. o que esperam os brasileiros, lembrando que “a fila anda”, na esperana de que o pas sobreviva at l.

  4. Mestre Pedro do Couto

    O juiz escolheu abandonar a magistratura mirando o SFT ou qui a presidncia em 2022, aceitando o cargo frgil de Ministro de Estado como um trampolim para seus objetivos futuros na carreira poltica. Ocorre, que pode ser demitido a qualquer momento e hora, a depender dos humores presidenciais.
    Mais uma vez o “cip de aroeira” atinge algum e dessa vez foi o Moro. A vida paga o seu preo para todo mundo. inexorvel.
    Se ele est sendo desgastado, alguma razo h para isso. Creio que o ministro no avaliou bem, a possibilidade do presidente decidir pela reeleio em 2022.
    O poder irresistvel, logo nele entrando ningum quer perder. Veja o caso da ex-presidente Dilma, que tinha um acordo com Lula para ficar at 2014. Pois bem, chegada a hora, a presidenta rompeu com Lula e se candidatou para mais 4 anos, vencendo o senador Acio Neves no segundo turno.
    A meu juzo, esse gesto da Dilma acabou de enterrar o PT. Adveio a crise econmica e ela no teve capacidade e jogo de cintura com os agentes econmicos e com o Congresso para debelar o desemprego que se avizinhava no horizonte.
    O resto histria para boi dormir.
    Voltando ao tema inicial, no restar outra alternativa para o xerife de Curitiba: Ou sai por livre e espontnea vontade ou ser sado pela porta dos fundos. a vida a vida com todas as suas tragdias intermediadas por espasmos de comdia.

    • Antonio, voc mais um como muitos que depois nunca assumiram ter votado no Collor, FHC, Serra, Alckmin, Acio e Mito… Esse o grande vexame… Logicamente que no segundo turno o nobre colega deve ter votado do Amoedo, n mesmo?

  5. Aposto e ganho que, se Moro deixar o executivo federal, o playboyzinho de SP ir afag-lo com o cargo de secretrio de justia de sp, ou algo parecido.
    Moro no precisaria disso. Apenas, esperar, pacientemente, dando cursos e palestras aqui e no exterior, para se eleger Presidente.

  6. Falando em Moro, os quadrpedes do binarismo j marcaram a prxima bolsomicaretinha pedindo “COAF com Moro”??????????????????????

    Por que os otrios no pedem mais “COAF com Moro”????????????????????????

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk xD

    • 23:59 – Congresso tira COAF de Sergio Moro.

      Reao das bolsonetes——> Zurros e gritinhos histricos: “Aiinnnnn, s corrupto no quer COAF com Moro!!!!!!!!!!!!”

      —————————————–

      00:00 – Bolsonaro edita e assina MP que tira COAF de Sergio Moro.

      Reao das bolsonetes——> …… ……. ….. (Silncio tumular)

  7. Bolsonaro e Moro esto inseparveis.

    S a impren$a mortadela publica fofocas e pesquisas datafoice “fabricadas”.

    Ainda h por a inmeros mortadelas chorando o fornecimento de benesses como no governo esquerdista.

  8. Interessante que sobre (e sob) esta matria no encontrei a rotineira e contumaz especialmente quando se trata de matria falando de Lula e do PT notinha de rodap:

    ” ###
    NOTA DA REDAO DO BLOGa###”

    carregada de dio, preconceito e principalmente de sede de “justia”

  9. Boa tarde , leitores ( as ) :

    Senhores Pedro do Coutto e Carlos Newton , acontece que o Presidente Jair Bolsonaro ” REFM , CAPACHO e FANTOCHE ” de seus prprios filhos ” degenerados, criminosos e desqualificados ” , por isso o Presidente no se d ao respeito e no respeita mais ningum , com o agravante de ter se associado aos mais diferentes criminosos ” POLTICOS – JURDICOS INSTITUCIONAIS ” e lideres religiosos , sabidamente criminosos .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.