Sem apoio no Planalto, Pazuello está perdido e Congresso é pressionado a assumir combate à pandemia

Após meses de submissão, Pazuello agora pede ajuda a gestores

Camila Mattoso
Folha

Em meio à omissão, ineficiência e negacionismo de Jair Bolsonaro em um ano de pandemia, articula-se em Brasília um arranjo para colocar a cúpula do Congresso no comando do combate à crise da Covid-19, com o respaldo de governadores e até a participação do próprio ministro da Saúde.

Após dez meses de submissão à cartilha bolsonarista e agora sob investigação, Eduardo Pazuello tem sinalizado com pedido de ajuda a gestores. A costura tem sido feita nos bastidores e com cuidado para não provocar a ira do presidente.

AÇÃO NACIONAL – A articulação envolvendo o Congresso parte de dois entendimentos em meio ao colapso nacional da saúde. Primeiro, os governadores querem evitar o desgaste de atuar sozinhos no pico da pandemia. Segundo, a polarização de Bolsonaro com eles chegou a um ponto em que a única forma de ter uma ação nacional é com o Legislativo junto.

Aliados de Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG) tentam tratar o assunto como uma pacificação entre os Poderes e não como um atropelo ao governo federal. O discurso é que Bolsonaro está ciente que deve agir e uma participação do ministério mostrará esse comprometimento.

O plano é que um grupo criado por Lira com governadores na semana passada concentre as principais ações do país contra o avanço da Covid-19, coordenando a atuação do ministério e esvaziando as ordens negacionistas de Bolsonaro. A ideia é colocar mais pessoas nesse comitê, como secretários de saúde, parlamentares, especialistas, médicos. O Supremo foi procurado para dar apoio à iniciativa.

SEM RESPALDO – Os principais pontos a serem comandados: fabricação e compra de vacinas, leitos de UTI, equipamentos suficientes para hospitais, e medidas de restrição para frear a transmissão. Depois de quase dez meses obedecendo todas as diretrizes do presidente, Pazuello passou a indicar a gestores nos últimos dias que não consegue tomar as medidas que lhe são cobradas por não ter respaldo no Palácio do Planalto.

Apesar de políticos criticarem a atuação do ministro e o chamarem de incompetente nos bastidores, a leitura é a de que não é possível tirá-lo agora nem tirar a pasta da linha de frente do combate à pandemia, inclusive por questões legais (assinatura de documentos, divisão de dinheiro, etc). Para pessoas que falaram com o general nos últimos dias, a impressão é a de que a sinalização dele agora é reflexo da preocupação com a investigação de que é alvo em meio ao crescente número de mortes, que não para de bater recordes.

SEM RETORNO – A Folha revelou neste domingo, dia 8, que a White Martins pediu transporte de oxigênio a coronéis que assessoram Pazuello e não foi atendida. O jornal também mostrou que o Brasil rejeitou no ano passado proposta da farmacêutica Pfizer que previa 70 milhões de doses de vacinas até dezembro deste ano.

O ministro acumula erros e acusações na condução da Saúde. As reclamações se dão também por ele ter chegado com o status de um especialista em logística, área que apresentou diversas falhas desde então, como as confusões em voos na entrega de vacinas, etc.

DIVISÃO – Entre governadores, há quem defenda que a mobilização deveria isolar completamente o governo federal, deixando inclusive Pazuello de fora. João Doria (PSDB-SP) escreveu no grupo de WhatsApp dos gestores que é contra qualquer relação com genocidas, mentirosos e incompetentes, segundo suas palavras. Outra parte, porém, entende que a participação da União é obrigatória, inclusive para divisão de responsabilidades.

“Se o governo federal não quiser participar, vamos ao Supremo para obrigá-lo. Entre os direitos de quem exerce a presidência da República não está o de se omitir criminosamente”, disse Flávio Dino (PCdoB-MA) ao Painel.

3 thoughts on “Sem apoio no Planalto, Pazuello está perdido e Congresso é pressionado a assumir combate à pandemia

  1. E quando o General da Banda podre, vulgo “Zuzu”, não esteve perdido?
    Não conhece a linha do Equador !!!
    Rsss…
    Tragicômico !
    Credo !

  2. Depois de recorrer ao STF (Supremo Tribunal de Facínoras) para limitar as atribuições constitucionais do Presidente da República, dando-lhes poderes de vida e morte sobre as populações dos seus estados e facilitando a roubalheira generalizada da grana da saúde, os governadores unem-se para que o STF anule a decisão anterior e devolva ao Presidente os poderes que ele mesmo castrou. Se esses malfeitores não fossem ladrões, eu os chamaria de pândegos.

    Notícia do NYT, jornal dos democratas (o psol norte-americano): Brasil é o 1. do BRICS, em vacinação e o 2. da América Latina. Precisamos de mais Pazzuelos e mais milicos. Chega das ratazanas tucano-petralhas que infectam a administração, a limpeza deve ser ampla, geral e irrestrita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *