Sem redução da obesidade estatal, a economia caminha para um colapso

Charge do Genildo (genildoronchi.blogspot.com)

Wagner Pires

Não há débito sem crédito nem crédito sem débito, já dizia o frei Luca Pacioli, matemático italiano, considerado pai da contabilidade moderna. Para toda origem de recursos temos o mesmo correspondente em aplicação desses recursos, e vice-versa. A origem de recursos é a criação de riquezas que a iniciativa privada (empresas e trabalhadores) promove. E na aplicação de recursos, o correspondente a 35,42% do PIB está sendo para a manutenção desse estado obeso e ineficiente, fator impeditivo do desenvolvimento do país.

O Estado tornou-se tão grande que está promovendo uma verdadeira sucção destrutiva de capital do setor privado (empresas e trabalhadores), destruindo fatores produtivos e levando a economia à recessão com inflação. Um absurdo!

FREIO DE ARRUMAÇÃO – Ou se promove um freio de arrumação agora, com o corte visceral de gastos, diminuindo o tamanho do Estado, ou essa situação, devido ao desequilíbrio fiscal, vai nos manter sem perspectiva de crescimento econômico e de melhoria das condições de vida da população.

Veja-se que não há outras opções para o governo resolver o problema do país, porque desde 2014 o governo está apresentando déficit primário, isto é, suas despesas são maiores do que as receitas.

Ora, se as receitas são menores do que as despesas, como o governo está pagando as suas dívidas, se não está imprimindo dinheiro para isso?

Simples, o governo está emitindo títulos em troca de empréstimos bancários para se financiar, isto é, o governo está se financiando através do irresponsável aumento da dívida pública.

TRAJETÓRIA EXPLOSIVA – A dívida pública está em uma trajetória explosiva e insustentável, crescendo sem parar de maneira cíclica. E isso está ocorrendo também em vários estados, como o Rio de Janeiro e o Rio Grande do Sul.

Portanto, é necessário promover um corte expressivo na máquina estatal, de modo a limitar os gastos, no máximo, ao montante das receitas.

Por isso, o governo Temer foi obrigado a reconhecer o tamanho do déficit primário que irá impactar o exercício de 2016, de modo a permitir a expansão das despesas, sem incorrer na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e sem contrariar a Lei Orçamentária Anual (LOA).

BONDE ANDANDO – Temos de reconhecer que não é culpa do Temer, que assumiu o país já na metade do exercício de 2016. Pegou o bonde andando.

A respeito de seu governo, temos que formar um juízo daqui por diante. O que está ficando cada vez mais claro para o brasileiro, é que o maior problema do país, o problema fiscal, é gerado pela classe política – que não quer largar o osso e ameaça levar o Brasil até à bancarrota, isto é, até às últimas consequências.

Ou o brasileiro acorda e revoluciona isso, destruindo o intuito deletério dessa classe política que não representa os do país, ou os políticos vão colocar fogo no que resta do Brasil.

O que tem de ficar claro para todos nós é que não há saída para o Brasil se não houver ajuste fiscal sustentado no corte de gastos do governo, e que, para isso, o governo tem de diminuir o tamanho da máquina pública.

REFORMAS VITAIS – Não há saída para o país se não houver reforma tributária que retire de sobre o setor privado esse tremendo peso financeiro e burocrático que o Estado exerce sobre o setor.

Não há saída sem a reforma da previdência, sem a reforma trabalhista, devolvendo ao setor privado a condição de aumentar a produtividade e a competitividade. Fato capaz de permitir ao país criar economia de escala e abrir suas fronteiras com acordos bilaterais e multilaterais, colocando o Brasil em condições de competir, com seus produtos, no mercado externo, de modo a expandir seu mercado consumidor.

Depois de tudo isso feito, poderemos adotar o regime de câmbio fixo, sedimentando equilíbrio monetário, fiscal, cambial e de renda na economia brasileira.

Se nada disso for feito, não haverá solução para o Brasil.

11 thoughts on “Sem redução da obesidade estatal, a economia caminha para um colapso

  1. TEMER = EDUARDO CUNHA !!!!

    Sondagem do PT aponta Sergio Moro no topo das intenções de voto para a presidência
    Por Painel
    Só a toga salva Petistas tomaram um susto ao abrir uma pesquisa interna de intenção de voto para o Planalto. Realizada na cidade de SP entre o fim de maio e o início de junho, a sondagem mostra Sergio Moro no topo da lista de presidenciáveis, com 14%.
    Eu, tu, eles Marina Silva aparece na segunda posição (12%), seguida por Lula (11%), Geraldo Alckmin (10%) e José Serra (10%).
    Até tu, Brutus Michel Temer e Eduardo Cunha também pontuam, mas estão tecnicamente empatados, com 2% e 1%, respectivamente. O ex-ministro Ciro Gomes tem 4%, e Jair Bolsonaro, 3%.

  2. Excelente análise do Sr. WAGNER PIRES referente aos Planos do Governo TEMER/MEIRELLES para nos tirar da RECESSÃO/DESEMPREGO, e voltarmos a crescer nosso Potencial 3,5% aa ( 1,5 %aa cresc. Força de Trabalho + 2%aa Produtividade) + Multiplicador, podendo chegar em voo de cruzeiro a +- 5%aa, quando dobraríamos nosso PIB a cada +- 15 anos.
    Para isso é necessário APROVAR no Congresso Nacional as REFORMAS.
    E o Governo TEMER/MEIRELLES já mostrou que tem Votos no Congresso.
    Ainda temos uma boa Reserva de +- US$ 370 Bi.
    A empreitada é grande, mas o Brasil tem condições mais do que suficientes para voltar a crescer, e com crescimento tudo ” vai para os eixos”.
    Agora, como bem diz o Sr. WAGNER PIRES, depois de sair do “sufoco”, teremos que calibrar um Estado que caiba com folga dentro de nossa Economia.

  3. Porcos nos fornecem o bacon, a costelinha, lombo dentre outras partes deliciosas para nossos pratos de cada dia. agora, na charge acima comparar os porcos com políticos e uma grande sacanagem com os PORCOS.

  4. Muito obrigado aos amigos da TI pela ratificação do artigo. Especialmente ao Sr. Carlos Newton que transformou alguns comentários meus neste texto, dando-o coesão.

    Grande abraço a todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *