Sem ter mais o que fazer, Supremo vai investigar vazamento de decisões

Resultado de imagem para caRMEN LUCIA charges

Charges do Jarbas (da Charge Online)

Deu no Estadão

A presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, determinou nesta quarta-feira (19/4) a criação de uma comissão de sindicância para esclarecer a divulgação de atos processuais do ministro Edson Fachin, relator dos processos da Operação Lava Jato na Corte. A decisão foi tomada depois de o Grupo Estado ter publicado despachos de Fachin assinados eletronicamente no dia 4 de abril. Foi publicada a relação de inquéritos instaurados pelo ministro com base nas delações de 78 executivos e ex-executivos da Odebrecht, além da lista completa de políticos investigados.

O tema foi discutido ao longo dos últimos dias entre Cármen, Fachin e o secretário de Tecnologia da Informação do STF, Edmundo Veras dos Santos Filho. Uma das preocupações dentro da Corte é com a segurança do sistema. A comissão de sindicância deverá entregar um relatório dentro de 30 dias.

COMISSÃO – O grupo será composto pelo assessor-chefe da assessoria processual da presidência, Rodrigo Abreu Martins de Lima, pela secretária de segurança, Regina Alencar Machado da Silva, e pelo coordenador de engenharia de software, Júlio Cesar Gomides de Almeida.

Em declaração enviada à imprensa, Cármen afirmou que o STF “julgará os processos da Lava Jato que são de sua competência independentemente de qualquer percalço ou tentativa de atraso honrando a responsabilidade jurídica e a importância histórica que a guarda da Constituição lhe confere”.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
É mais uma Piada do Ano. Um número enorme de juízes, assessores jurídicos e servidores que trabalham no Supremo teve acesso à decisão do ministro Fachin. Não vão encontrar o “autor” do vazamento. Mesmo que fosse encontrado, como provar? A não ser que todos os computadores sejam devassados, um por um. Mesmo assim, não é garantido encontrar, porque o vazador pode ter usado um simples pen drive. Sinceramente, é uma perda de tempo, num momento em que o país precisa que o Supremo simplesmente trabalhe. (C.N.)

6 thoughts on “Sem ter mais o que fazer, Supremo vai investigar vazamento de decisões

  1. Mais perda de tempo foi a palhaçada(mais uma) da diretoria do “framengo” entrando pela enésima vez na justiça,no caso o STF,para tentar conquistar o campeonato brasileiro de 1987,conquistado,no campo,pelo Sport de Recife.
    Foi o absurdo dos absurdos!
    O STF atolado de processos da LavaJato e essa mulambada a tentar ganhar,no tapetão, um título perdido em campo.

    • Tem toda razão….

      Só mesmo num pais de merda como o nosso a mais alta corte do judiciário tem que perder tempo “decidindo” uma questiúncula futebolística que já perdura trinta anos………..kkkkkkkk

      Estão com tempo sobrando……

      • Vive La France.!!!!!

        Ainda bem que essas coisas só acontece na França.
        Aqui não, somos um Páis Democrático…

        OBS.. E diga-se que foi um Campeonato dividido em “dois” por nada menos do que a nossa famosa “abiguinha” COrruPIssaum Futebolística…..
        Dois famosos Corruptolas estão presos lá na Matrix….

    • Agora o urubu vai apelar para os seguintes organismos internacionais (não necessariamente nesta ordem):
      OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte)
      FMI (Fundo Monetário Internacional)
      OIT (Organização Internacional do Trabalho)
      OMS (Organização Mundial da Saúde)
      OCDE (Organização para a Cooperação do Desenvolvimento Econômico)
      OMC (Organização Mundial do Comércio)
      OEA (Organização dos Estados Americanos)
      ONU (Organização das Nações Unidas)

      E se não conseguir êxito, apelará para o Papa Francisco e, finalmente, Deus.
      Se continuar sem solução aí é só marcá um fra x fru no maraca.
      Deixô xegá !!! …

  2. Tudo isso para ganharem salarios astronomicos e terem mordomias de monarcas . Como disse em uma determinada ocasiao um magistrado europeu , ” o judiciario do brasil é uma piada “.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *