Será preciso que o mundo nos abandone para que se entenda que somos governados por fantasmas do passado?

TRIBUNA DA INTERNET | Surge uma nuvem de tempestade a ameaçar os caminhos da democracia brasileira

Charge do Aroeira (Portal O Dia/RJ)

Fernando Gabeira
O Globo

A tese da conspiração internacional contra o Brasil foi ressuscitada pelo discurso de Bolsonaro na ONU. Ela vem acompanhada de um lamento pela ajuda de maus brasileiros aos que conspiram contra o país.

Modestamente, tenho sido um desses maus brasileiros, ao longo de meio século. Relato algumas memórias, comemorando bodas de ouro.

CERCO À DITADURA – Na década de 70, a conspiração contra o Brasil consistia em divulgar notícias sobre torturas e assassinatos sob o governo militar. Usávamos lembranças pessoais, relatos dos presídios e até documentos levados ao exterior por abnegados diplomatas.

Com esse material, construímos uma teia na qual a ditadura se enredou, caiu no isolamento e foi estigmatizada. O ponto alto desse trabalho foi o Tribunal Bertrand Russell, em Roma, onde foram denunciadas as agressões aos direitos humanos no Brasil.

Contamos com notáveis conspiradores sul-americanos: o colombiano Gabriel García Márquez e o argentino Julio Cortázar.

PÓS-CHICO MENDES – As atividades conspiratórias ressurgiram após o assassinato de Chico Mendes. Outros seringueiros morreram antes dele. Chico Mendes era um líder extraordinário, e sua morte coincidiu com uma crescente consciência ecológica mundial e, dentro dela, o reconhecimento do singular papel da Amazônia.

No embalo desse movimento, houve o encontro dos povos indígenas em Altamira. Inúmeros conspiradores internacionais presentes. Entre eles, Sting e Anita Roddick, dona da Body Shop.

O tema: construção da Usina de Belo Monte, mais tarde concluída por um governo de esquerda, sinal de que a conspiração não respeita os parâmetros ideológicos.

TUDO DE NOVO – Semana passada, em Nova York, em campanha pela Amazônia, Harrison Ford lembrou que o primeiro grande concerto pela Amazônia foi de Sting, há 30 anos.

Ford não mencionou, mas de lá para cá a floresta perdeu 300 mil quilômetros quadrados de vegetação. Novas vozes surgiram espontaneamente: Brad Pitt visitou a Amazônia, Gisele Bündchen pediu pela floresta.

A novíssima geração é mais poderosa. Greta Thunberg, a jovem sueca, já foi recebida por Angela Merkel para falar do acordo econômico Mercosul-UE.

FAVORITA AO NOBEL – Apesar da má vontade com que é vista por alguns, é uma das favoritas ao Prêmio Nobel da Paz. Como assim, uma menina? As meninas de hoje vão muito além do que possam imaginar.

A conspiração ganhou ares mais solenes. Fundos de pensão falam na defesa da Amazônia e na proteção dos povos tradicionais. Empresas e bancos aproximam-se do conceito de exploração sustentável.

Não é preciso ser inocente quanto aos outros. Quando surgiu, no Canadá, a falsa notícia de que havia a doença da vaca louca no rebanho brasileiro, imediatamente reagi.

FOMOS VITORIOSOS – Apesar de vegetariano, integrei a comissão parlamentar destinada a revelar a verdade e defender a carne brasileira. Creio que fomos vitoriosos.

Adiante, discordamos. Era pelo rastreamento do rebanho, transparência na origem e condição do gado. Houve quem achasse isso caro, reduzia a competitividade. Hoje há muitos que compreendem e defendem o rastreamento. A melhor maneira de competir é ter qualidade.

Aí estão a trama da nossa conspiração e o conteúdo de nossa maldade. A ideia da preservação do meio ambiente pode ser também a garantia de nossos mercados — uma visão que abarca o futuro das gerações brasileiras.

MENTIRAS NA ONU – O discurso de Bolsonaro é tão mentiroso que talvez nem ele acredite no que fala. As Forças Armadas têm compartilhado seu delírio. É assustador, pois indica uma distância da realidade incompatível com a tarefa de defesa nacional.

Cada vez mais o planeta depende de respostas globais, e é preciso manter a soberania num quadro de cooperação. O general Heleno cogitou boicote nacional aos produtos escandinavos, mas não conseguiu se lembrar de nenhum. Não houve uma alma caridosa para informar que São Paulo é o segundo centro industrial da Suécia. Na ausência de escandinavos, ele se volta para produtos alemães passíveis de boicote. Talvez o Fusca, general.

Será preciso que o mundo nos abandone para que se compreenda que somos governados por fantasmas do passado?

14 thoughts on “Será preciso que o mundo nos abandone para que se entenda que somos governados por fantasmas do passado?

  1. Um dos trilema mais difícil de dissociá-lo é o nó: homem, ator e personagem. Do mesmo modo, ao falarmos dos feitos Ad Rem (à coisa) de uma pessoa, institivamente, somos empurrados para o Ad Hominem (ao homem). “Vixe! Essa obra é bela, mas o autor dela tem fama de gay, drogado, ladrão, deprvado…..” Alguém ROTULOU.
    Gabeira, independementemente, do que dizem dele; se no rodeio político, ele não foi o PEÃO, mas o papel de “palhaço”, para distrair o touro, que tenta investir contra o peão protagonista, isso ele fez muito bem durante a ditadura.
    Aliás, por mencionar RÓTULOS, o vocabulário do regime militar era carregado deles: A COISA TÁ RUÇA: dito popular que denota uma situação embaraçosa. Ruço, pardo acento. Sutiil e sugestivamente, evoluiu para: A COISA TÁ RUSSA. Na linguagem verbal, não dava para as pessoas perceberem nunhuma alteração gráfica, por se tratar de um homônimo homófono: som igual; escrita diferente. Moral da estória: o que importava era impregnar, no inconsciente coletivo, a ideia de que russo (comunista) não presta!
    Como é sabido, no período ditatorial, cuba era o maior exportador da revolução socialista, principalmente, entre as nações de línguas neolatinas. E o portão de entrada da ideologia revolucionária cubana era o campo. E como não poderia ser diferente, o meio propadador das guerrilhas só tinha de ser a população campesina. Logo, foi nesse cenário que os pedagogos da ditadura estigmatizaram uma formiguinha de cor alaranjada, a qual era conhecida por ter uma picada dolorida e por ensejar danos aos cultivares como: FORMIGA CUBANA. Resultado Esperado: CUBANO é coisa ruim.

  2. Muito bom o artigo de Gabeira.
    Não foi isento, imparcial, mas demonstrou que a atual administração não sabe como conduzir o problema que algumas nações exigem do Brasil:
    A preservação da Amazônia.

    Entendo Bolsonaro por um aspecto, e o critico por um outro.
    Vejamos:
    Depois que as nações mais ricas do mundo devastaram as suas florestas e de suas colônias, agora se deram conta que a última grande floresta existente no planeta deve ser preservada?!

    Ora, só porque os países agora desenvolvidos querem o verde, temos de obedecê-los em nome do meio ambiente?
    Essa consciência ecológica mundial por que não se manifestou décadas atrás?
    Em termos soberanos, de que o solo é nosso, e dele podemos utilizá-lo para nosso desenvolvimento a questão é pacífica, pois assim as grandes nações fizeram consigo mesmas.

    Mas, e agora a minha crítica, razão pela qual escrevi que o artigo em tela é muito bom:
    Somos dependentes de ciência e tecnologia dessas nações que hoje nos criticam;
    Somos dependentes desses países na venda de nossas commodities;
    Somos dependentes de países que possuem suas empresas instaladas no Brasil, e dão emprego para milhões de brasileiros, tais como Scania, Volvo, Mercedes Benz, Volkswagen, Ford, Chevrolet, Renault, Nissan, Honda, Toyota, Jeep, Pfizer, Roche, Google, Nestlé, BMW, Microsoft, Johnson & Johnson, Sony, Nike, Danone, Samsung, Apple, IBM, P & G, Santander, Total, Allianz …

    Aonde o erro crasso estratégico de Bolsonaro?

    Se a questão é preservação da Amazônia, muito bem. Reunimos as maiores economias do mundo, EUA, China, Japão, Alemanha, Coréia do Sul, França, Noruega, Suécia, Itália, Rússia, e propomos:
    1 – admitimos uma comissão internacional que administre a preservação da Amazônia, sob a presidência do Brasil (questão inegociável);

    2 – queremos 100 bilhões de dólares como doação, que serão investidos em educação especificamente, na federalização do ensino público em todos os níveis, melhorias salariais, aperfeiçoamento dos professores, reformas em escolas e construção de outras, implantação da escola em tempo integral;

    3 – queremos 100 bilhões de dólares que serão direcionados à saúde e saneamento básico, verba controlada também por uma comissão internacional sob a presidência do Brasil (questão inegociável);

    4 – queremos 100 bilhões de dólares como investimentos em ferrovias, rodovias, viadutos, metrôs, pontes, elevadas, túneis e hospitais, que serão pagos mediante a exploração das obras realizadas pelas empresas vencedoras nas licitações, e mão de obra brasileira empregada de diretores em diante, incluindo equipamentos nacionais (máquinas, veículos, caminhões …);

    5 – queremos 100 bilhões de dólares para ser aplicados na união das polícias civil e militar, treinamento desses agentes, aquisição de armas adequadas, veículos modernos, roupas de proteção, de modo a diminuir a violência no país, e acordo internacional para controle das fronteiras quanto ao contrabando de drogas e armas;

    6 – queremos 100 bilhões de dólares injetados pelas multinacionais que operam no Brasil, na ampliação de suas fábricas e contratações de trabalhadores;

    7 – queremos 100 bilhões de dólares que serão aplicados na melhoria das comunicações, mormente banda larga, e alcançar a Internet para todo o país;

    8 – queremos 100 bilhões de dólares como doação para injetarmos em pesquisas as mais variadas quanto a alimentos, medicamentos, vacinas, e laboratórios nacionais;

    9 – queremos 100 bilhões de dólares para serem destinados ao tratamento de dependentes químicos, de modo que sejam retirados das ruas e tenham locais adequados para se curarem de um dos males do planeta, incluindo drogas, álcool, doenças mentais;

    10- queremos 100 bilhões de dólares para investimentos na formação de jovens quanto ao sexo, gravidez precoce, saúde especial e específica, escolas especiais para deficientes, asilos para idosos e creches públicas;

    11 – queremos 100 bilhões de dólares para despoluirmos nosso rios e lagoas, preservação da mata ciliar, transporte lacustre.

    A Amazônia seria preservada por uma comissão internacional com a expulsão das ONG que lá operam, regularização dos terrenos indígenas, áreas demarcadas onde o homem branco não entraria porque das tribos lá existentes, áreas demarcadas que possam ser exploradas comercialmente ou criação de gado ou lavoura, cuidados especiais quanto à poluição dos mananciais de água doce com relação ao garimpo ilegal.

    Preço, para acabar com essa lenga-lenga, e cuidados internacionais com a região que restou no planeta, e sermos beneficiados pelas nações preocupadas com o meio-ambiente:
    Um trilhão de dólares!

    Prazo para o acordo:
    Seis meses.
    Nesse meio tempo, que se extingam as barreiras comerciais contra o Brasil.
    Acordo assinado com a Amazônia sendo exclusivamente brasileira (a parte que nos toca territorialmente, claro), e prazo definido para essa comissão internacional permanecer nesta função:
    50 anos!

    Orgulho-me de jamais ter lido um plano como esse, de mantermos a nossa região, e desenvolver o Brasil como nunca antes possibilitado ao longo da nossa História!

    (E eu sendo desperdiçado aqui, no Sul)!!!

  3. Pior do que um incompetente, é um incompetente motivado! É isso que está acontecendo. Se JB fosse competente jamais seguiria o Guru da Virgínia, ou seus três patetas. É só bola fora.

  4. Parabéns novamente Gabeira !
    Sempre lúcido , justo e senhor de belos artigos.
    Deveria ser mais aproveitado neste País!
    Esta escória que está aí nunca terá as suas abundantes qualidades e tenho a absoluta certeza que também não entendem nada do que você tem nos passado ao longo de tantos anos e tantas batalhas…

  5. Gabeira, ex-terrorista que lutou e conspirou, junto a outros marxistas degenerados, para transformar o Brasil numa colônia cubana, foi dos primeiros a aderir ao neo-esquerdismo, tornando-se um verdolenga assumido. Enfiado na bolha progressista, continua conspirando contra o povo brasileiro.

    • Tudo isto que aconteceu Carlos, teve o seu valor suas desvantagens e, além de tudo, um preço enorme por decisões equivocadas de ambas as partes. Não acho que se deva punir eternamente uma pessoa que em certa época tomou decisões compatíveis com o seu idealismo e suas paixões em um determinado contexto.
      O Gabeira é referência de honestidade, sabedoria, hombridade e respeitado por suas idéias e inteligência admiráveis…
      Abra seu coração e entenda que teremos sempre adversários em todas as situações que tomarmos partido.
      Devemos sempre respeitar o outro lado, desde que este se mostre um combatente de honra…
      E, sem dúvida, O Gabeira é um destes, que você simplesmente desmoraliza, talvez por não ter sido agraciado com a capacidade humana com a que foi o nosso espetacular Fernando Gabeira…
      Sorry.

  6. Pois é, carlosp.

    Por que o teu amo e senhor ou vocês, robôs de Bolsonaro, tropa de defesa do ex-capitão, não propõem pena de morte aos comunistas?

    Se Gabeira conspira contra o povo, o que posso dizer de Bolsonaro, que desdenha da pandemia que já matou mais de 142 mil mortos neste país que ele administra?

    Às vezes, dás umas derrapadas tão absurdas, que custo a crer que tenham sido escritas até por um robô.

    Te orienta ou vai te regular porque estás com curto circuito.

  7. Perdão:
    No segundo parágrafo, eu quis dizer 142 mil pessoas e não mortos, mencionado antes essa palavra.

    Um pleonasmo ridículo, ” … matou mais de 142 mil mortos …”

    Grato pela compreensão.

  8. Tive vontade de dizer que os revolucionários dos anos 60 eram medíocres e copiavam um mau exemplo por lhes faltar um modo inteligente e original de mudar o país pacificamente.
    Mas pra quê relembrar se lembranças não vão mudar a desgraça que hoje vivemos: o Scumbozo vai permanecer no poder. as queimadas vão continuar, lambe-botas vão ocupar o STF, o pão vai faltar ao pobre. Mas o carnaval voltará no ano que vem, seu deus quiser. Èta pátria amada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *