Serra Pelada voltará a produzir ouro em 2012

Paulo Peres

Em 1980, o então Ministro da Fazenda, Ernani Galvêas, afirmava que o ouro existente em Serra Pelada, no Pará, daria para amortizar a dívida externa brasileira, tanto que foi instalada na região uma agência da Caixa Econômica Federal destinada a guardar o ouro, que o governo passaria a explorar logo que acabasse a chamada lavra de aluvião, explorada por garimpeiros oriundos de todos os lugares.

Quase 20 anos depois de o governo fechar aquela que foi a maior mina de ouro a céu aberto do mundo, a exploração será agora toda mecanizada e, infelizmente, não pelo governo brasileiro, conforme o prometido, anteriormente, visto que a permissão para tal exploração foi conquistada pela empresa de mineração canadense Colossus Minerals Inc. associada à Cooperativa de Mineração dos Garimpeiros de Serra Pelada (Coomigasp).

Os primeiros levantamentos feitos em uma parte do terreno de 100 hectares com permissão para ser explorado indicou a presença de, pelo menos, 50 toneladas do metal. Esse número deve ser atualizado pela empresa ainda este mês e, a expectativa dos ex-garimpeiros é que o volume seja bem maior, já que a própria mineradora informou que o potencial de novas descobertas na propriedade é elevado.

“É basicamente ouro amarelo, paládio – que é um ouro branco -, prata e platina. Sendo que a incidência menor é de platina, mas, em compensação, o preço é dobrado em relação ao preço do ouro”, explicou Antônio Ferreira Milhomem, diretor da cooperativa.

A antiga mina, que na década de 1980, foi alvo da maior corrida a metais preciosos da história da América Latina, chegou a ser conhecida como “formigueiro humano”, com mais de 80 mil garimpeiros trabalhando ao mesmo tempo. O ouro retirado deveria ser vendido exclusivamente à Caixa Econômica Federal. Na época, foram extraídas cerca de 40 toneladas do metal precioso, sem contar o que foi vendido clandestinamente. O grande buraco que os trabalhadores cavaram é hoje um lago com mais de 100 metros de profundidade.

Até a entrada em operação, a multinacional canadense terá investido R$ 320 milhões na construção da mina subterrânea, batizada de Nova Serra Pelada. O lucro, no entanto, será contado em bilhões de reais. Segundo o acordo feito entre a Colossus e a Coomigasp, que levou à criação da Serra Pelada Companhia de Desenvolvimento Mineral (SPCDM), 25% do lucro serão repartidos com os mais de 38 mil ex-garimpeiros da região associados à cooperativa e o restante ficará com a multinacional.

Para esses trabalhadores, que depois do fechamento da mina, há duas décadas, passaram a viver de bicos ou da renda que conseguiram com a venda do ouro, a retomada da produção em grande escala em Serra Pelada é a esperança de uma vida mais tranquila financeiramente.

Pouquíssimos conseguiram enriquecer na época e, entre eles, raros souberam investir o que ganharam. Agora, organizados em cooperativa, esperam ganhar o suficiente para viver melhor.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *