Silêncio e isolamento

Na quinta-feira eu falava no fracasso de Copenhague, e na fuga de presidentes e Primeiros Ministros, sem sequer se despedirem. E traduzia esse fracasso na mesa em que estavam Lula e Obama, mais : Dona Dilma, Marco Aurélio Garcia e Celso Amorim. Que desperdício. Unanimidade da mídia, até a amestrada: Dona Dilma não devia ter ido a Copenhague, que fracasso.

Serra na escuta e
no marquetismo

Já disse aqui, e não apenas uma vez: “Carlos Minc é a grande revelação desse governo, eu mesmo estou surpreendido”. Agora, o governador de São Paulo, atento, depois de um debate com Minc em Copenhague, sopra para os amestrados: “Adorei ter debatido com Minc em Copenhague, ele realmente conhece a questão que se debate ali”.

O fracasso do
sistema eleitoral

Minc foi sempre deputado estadual, dizia: “Não quero sair do Rio”. Saiu, vitorioso, aplaudido, triunfante. Só que nesse regime de 29 partidos, ele ficou apenas com o mesmo lugar de deputado estadual.

Nas cúpulas, NÃO HAVIA VAGA para ele como senador ou governador. Pode haver análise mais verdadeira da urgência da REFORMA PARTIDÁRIA?

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *