Simon votaria pelo impeachment de Dilma: “Pelo amor de Deus, ela é culpada”

Resultado de imagem para pedro simon

Simon diz não haver dúvida de que Dilma é culpada

Julia Chaib
Correio Braziliense

Aos 86 anos, dos quais 60 na política, o ex-senador pelo PMDB Pedro Simon (RS) avalia que o Brasil passa pelo momento mais importante da sua história. Simon, que chegou a defender a renúncia do presidente em exercício Michel Temer e da presidente afastada Dilma Rousseff para que fossem convocadas eleições gerais antecipadas, hoje acredita que a melhor saída para o Brasil é que o processo de impeachment seja concluído.

Para a provável presidência efetiva de Temer, porém, Simon defende trocas no Ministério e um governo de diálogo, em que o Congresso seja consultado em qualquer mudança. O ex-governador do Rio Grande do Sul defende também que o presidente interino se comprometa efetivamente a não disputar a reeleição.

Ex-líder de governo do ex-presidente Itamar Franco, Simon acredita que o principal fator que levou o país à crise política é a corrupção. Cita também erros, incluindo falta de diálogo do governo da presidente Dilma. Simon ainda avalia que o PMDB foi escanteado no governo Dilma, mas não conspirou para o afastamento da petista.

Na avaliação do senhor, quais os fatores que levaram à crise política?
Havia o sentimento de que o presidente pode fazer o que quer, o ministro pode fazer o que quer, o militar pode fazer o que quer. O cara que tem dinheiro pode fazer o que quer. Pela primeira vez na história do Brasil, gente importante está indo para a cadeia. Estamos vivendo o momento mais importante do país.

A Operação Lava Jato tem uma função importante?
É a coisa mais importante que aconteceu no Brasil. O líder do governo no Senado foi para a cadeia, três tesoureiros foram para a cadeia, o empresário foi para a cadeia.

Há quem critique excessos por parte do juiz federal Sérgio Moro. Um rigor extremo em determinadas condutas, inclusive contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O senhor concorda?
Em um país onde a impunidade foi permanente, eu não posso atirar pedra assim. Agora temos que avançar. Ainda mais que esses gritos vêm dos grandes advogados, das grandes empreiteiras, dos grandes processos de colarinho branco. Querer terminar com ficha limpa é uma desgraça.

O senhor acha que há perseguição a Lula?
Não acho. Mas não precisava da condução coercitiva. O Lula estava querendo a cabeça do ministro da Justiça, porque ele não estava sendo firme. O ministro disse não, eu sou firme. Porque queria que ele demitisse o chefe da polícia.

Agora, em meio à Operação, Temer assume e coloca um ministério com nomes de investigados…
Eu imagino que ela (Dilma) vai ser afastada. Se ela for, aí o personagem Michel Temer entra em cena. E, na minha opinião, Michel vai viver uma fase fantástica da vida dele. Temer tem que garantir que, na Lava-Jato, não se mete. Nomear um ministro da Justiça de alto gabarito. Esse que está aí não deve ficar, é muito jovem. Eu colocaria o Ayres Britto. O Collor foi um cometa que passou, caiu e não sobrou nada dele. O PT, não. O PT tem ideias, pensamentos. É o Lula, a Dilma e muita gente que está aí. Mas Temer tem capacidade, tem gabarito, é um jurista, constitucionalista e, ao contrário do Itamar, é um homem de entendimento.

O senhor foi líder do governo Itamar Franco. Temer já vinha montando um governo antes do afastamento. Com Itamar foi assim?
O Itamar, como não tinha compromisso com o partido, com ninguém, só foi montar governo quando Collor tinha caído fora. Itamar convocou todos os presidentes dos partidos. E ele disse: eu não fui eleito presidente, foi o Collor. Eu estou aqui porque o Congresso cassou, então o Congresso tem que me ajudar a levantar as teses. Em primeiro lugar, eu não sou candidato à reeleição.

Por que tem que estabelecer isso?
Se ele falar que vai sair candidato, a briga começa no dia seguinte.

Voltando, o senhor defende a Lava-Jato, mas o Temer colocou ministros importantes que são investigados pela operação. Eles devem ficar?
Eu acho que quem está sendo investigado pela Lava-Jato não deve ficar.

Além da impunidade, quais foram os outros fatores, na opinião do senhor, que levaram a essa crise política?
Primeiro, foi a corrupção. Foi institucionalizada a roubalheira no Brasil. Isso nunca tinha acontecido antes. Nem no mundo inteiro. Não fui eu que disse essa frase, mas vou dizer, se a gente comparar as razões do impeachment do Collor com as daqui, o do Collor vai para o juizado de pequenas causas.

O senhor acha que houve crime de responsabilidade por parte da presidente Dilma Rousseff?
Não posso falar porque não estou lá dentro. Eu, Pedro Simon, se sou senador hoje, voto com a minha consciência. O juiz pode votar pelo que está nos autos. O político, não. O político vota com a consciência do que conhece. E, do que se conhece, pelo amor de Deus, ela é culpada. É culpada por ação, por omissão, por irresponsabilidade. Agora, achar que ela botou a mão no dinheiro, eu não acredito.

O senhor acha que, para o processo do impeachment, o crime de responsabilidade não deve ser o principal motivo para afastar?
É. Mas, junto com ele, na hora de votar, o parlamentar vai votar com o contexto geral da situação.

7 thoughts on “Simon votaria pelo impeachment de Dilma: “Pelo amor de Deus, ela é culpada”

  1. Será que o pessoal da Tribuna pode me confirmar se Dilma dará mesmo sua última cartada admitindo ilegalidade na campanha com provas contra Temer, para derrubá-lo junto com ela ?!?!

  2. Símon é um personagem que passará para história como um exemplo para muitos. Para mim que tenho sua idade e conheço seu comportamento político, é um exemplo a não ser seguido. Como trabalhista seguidor de Getúlio, Jango e Brizola posso dizer sem errar: Simon em 1964 era um lider trabalista emergente no Rio Grande doSul. Todos os trabalhistas foram presos, mortos e exilados. Simon não foi incomodado. Qual o mistério? Quando alguém arriscando à vida atravessava a fronteira com Uruguai para visitar Brizola e voltava, ele perguntava: Como vai ele? Nem o nome de Brizola ele mencionava. Para nós trabalhistas não tem convicções. Sempre se comportou na tribuna como um artista, muito mais que como político. Nunca esteve na frente de nada.Sempre aproveitou a onda. Reconheço que diz algumas verdades, mas recheadas de de frases de efeito para impressionar nada mais.

  3. Mais uma de Símon: Com a morte de Tancredo eleeito em 1984, quem deveria assumir era Ulisses Guimarães presidente da Câmara dos Deputados. Os senadores se reuniram e estavam decidindo o que fariam. Quando inopinadamente entra o general Leônidas Pires Gonçalves e com uma Constituição na mão diz em alta voz: Quem vai assumir é o vice José Sarney. “Ninguém tossiu e nem mugiu”. Sarney assumiu como USURPADOR o governo do Brasil. Porquê repito isso: Porque vice não é cargo,é expectativa de cargo que se efetiva com a posse do titular. Tancredo não tomou posse. Pergunto: Onde estava Simon que não falou nada? Frouxidão ou oportunismo? Esse é o Simon.

  4. Simon comete outro erro ao dizer que as razões do impeachment de Collor comparando com a de hoje iria para o juizado de pequenas causas.É um erro grosseiro porque o que derrubou Collor foi a compra de um carro Elba com um cheque de propina em seu nome. Mas havia o confisco das cadernetas de poupança. A operação Uruguai para esconder as sobras de campanha e muito mais. Pergunto Dilma fez alguma manobra bancária para esconder dinheiro. Tem alguma coisa em seu nome comprada com dinheiro de má origem? “Simon tem medo que se gaga de Collor e deu essa de João sem Braço para agradá-lo.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *