Só os pigmeus intelectuais defendem o socialismo

Horácio Mello

Depois do assassinato de 100 milhões de pessoas no século passado, sob a égide marxista, sob o comando de açougueiros como Pol Pot, Stálin, Lenin, Mao Tse Tung et caterva, só mesmo os pigmeus intelectuais, da estatura moral deste Sr. Santayana, para defender o socialismo, e, ao mesmo tempo, atacar o liberalismo político e econômico.

Sob o liberalismo econômico-político, as liberdades e o desenvolvimento econômico atingiram o mais alto nível. Vide os dados estatísticos socioeconômicos da E.U.A e da extinta U.R.S.S, em igual período, que comprovam a superioridade do capitalismo.

Todos os questionamentos feitos por grandes intelectuais como Mises, Popper, Hayek, Aron, Ortega y Gasset, mostrando a precariedade intelectual do marxismo ficaram sem respostas por parte dos marxistas, mostrando que o marxismo se sustenta sob mentiras, vigarices.

Muito do que assistimos hoje de horroroso, como o relativismo moral, uso de drogas, banalização do sexo, destruição dos valores cristãos, controle das ideias através do politicamente correto, foram frutos da “maravilhosas ideias” urdidas pela Escola de Frankfurt, visando destruir a base moral da sociedade ocidental, em nome de “um novo homem marxista”.

Textos dos pigmeus, Santayana, Nogueira, entre outros, das “figurinhas fáceis” que pululam neste Blog, estes textos prestam desserviço à inteligência, e apregoam um marxismo vencido, pela força das ideias, pela realidade.

Como disse o filósofo brasileiro Mário Ferreira dos Santos: “Sob o socialismo troca-se a liberdade por um prato de lentilhas”. O que podemos esperar daqueles que desprezam a sua autonomia, a capacidade de gerir os seus projetos, e que optam pela escravidão socialista? NADA, a não ser textos mentirosos.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

74 thoughts on “Só os pigmeus intelectuais defendem o socialismo

  1. Esse tal de Horácio provou que não entende nada de nada. É realmente um néscio e portador de um QI simiesco. FORA DO SOCIALISMO NÃO HÁ POSSIBILIDADE DE SALVAÇÃO NA FACE DA TERRA. Tenho dito.

  2. A economia de mercada ou capitalismo como queiram, é produto da natureza.
    Eu caço, eu acho, eu armazeno, eu construo, enfim eu trabalho, depois vendo ou troco). Até os animais armazenam, poupam.
    Já, socialismo, não passa de um produto da mente e a mente mente, como sempre. É um ideal e, todo ideal termina em religião que, por sua vez, distorce a realidade da natureza com fantasias de mundos perfeitos e falsa-moral, escravizando aqueles seduzidos por elas.
    Enfim, tudo que contraria a natureza humana fracassa inevitavelmente. A URSS taí para não nos deixar mentir.

    Nietzsche e o socialismo:
    “O socialismo é o fantasioso irmão mais jovem do quase decrépito despotismo, do qual quer herdar; suas aspirações são, portanto, no sentido mais profundo, reacionárias. Pois ele deseja uma plenitude de poder estatal como só a teve alguma vez o despotismo, e até mesmo supera todo o passado por aspirar ao aniquilamento formal do indivíduo: o qual lhe aparece como um injustificado luxo da natureza e deve ser transformado e melhorado por ele em um órgão da comunidade adequado a seus fins.”

  3. Prezado, quem contou 100 milhões? qual a fonte? Observo de longa data que em cada artigo que escrevem contra o socialismo vão aumentando as cifras. As guerras que o Ocidente provocou tb mataram muito. Sou a favor do socialismo cristão que está na Bíblia, nos Evangelhos, no Novo Testamento. Pigmeu é uma etnia africana, penso que devemos respeitar todos os povos.

  4. Um dos textos mais imbecis que já li. Mas, vamos à sua desconstrução:
    -Ele começa falando acerca da morte de mais de cem milhões de pessoas, mortas pelos regimes “marxistas” (detalhe, jamais houve regime marxista algum, só para começar). De onde ele tirou este número? Da própria leviandade congênita. Se, apenas meia dúzia de países, conjuntamente, tivessem eliminado cem milhões de pessoas, alguns estariam em sérios apuros demográficos, já que a população que compõe os países da ex-URSS, hoje, somados à população cubana, norte coreana, cambojana etc, não chega a meio bilhão. Se mataram tudo isto, como puderam recuperar sua população tão rapidamente? Devem ser coelhos disfarçados de gente!;
    -Sob o liberalismo, as liberdades e o desenvolvimento econômico aringiram o mais alto nível. Meia verdade! Todos os avanços ocorreram no pós guerra, numa fase na qual a expansão do capital era possível, em face à necessidade de recuperação econômica e estrutural de boa parte do mundo e, consequentemente, com a implementação do welfare state, que longe de ser uma conquista social, foi a solução para evitar o crescimento dos partidos socialistas nos elis mais fortes da corrente. Tais avanços sociais já foram devidamente solapados e a pobreza não para de avançar nos EUA e na Europa Ocidental, a olhos vistos e indisfarçáveis. Por outro lado, nestes países de capitalismo avançado, os mais ricos estão cada vez mais ricos. Medidas de austeridade, só para os pobres;
    -Um dos jênios preferidos do Horácio, Hayek, escreveu um líbelo em homenagem aos donos do poder, contra o povo “The road to serfdom” A estrada para a servidão. Somente com pensamentos jeniais. Um dos trechos mais emblemáticos, do guru da Thatcher: “O conflito entre a justiça formal e a igualdade formal diante da lei por um lado e, por outro, as tentativas de realizar os diversos ideais da verdadeira justiça e igualdade também são responsáveis pela confusão generalizada sobre o conceito de “privilégio” e seu consequente abuso. Para mencionar apenas o maior exemplo deste abuso: a aplicação da palavra privilégio à propriedade…chamar de priviléfio a propriedade privada QUE TODOS PODEM ADQUIRIR SOB AS MESMAS REGRAS PORQUE SÓ ALGUNS CONSEGUEM ADQUIRI-LA é tirar da palavra privilégio o seu significado.” (The road to serfdom, pag 60).Vejam bem, segundo este babuíno, todos, ele disse todos, podem adquirir propriedades sob as mesmas regras. Devem ter todos as mesmas condições. Maravilha! Mas o senhor Hayek é generoso em suas falácias. Em “The fatal conceit: the errors of the socialism”, ele veio com esta: “sem os ricos – os que acumularam o capital – os pobres que existissem seriam mais pobres” (é mole?). Mas ele não para por aí. Veja: “as pessoas que vivem nas periferias…por mais doloroso que seja este processo, também elas, ou melhor, especialmente elas SE BENEFICIAM DA DIVISÃO DO TRABALHO FORMADA PELAS PRÁTICAS DAS CLASSES EMPRESARIAIS…ainda que isto signifique morar POR ALGUM TEMPO EM FAVELAS” (Hein? Quer dizer que o povão excluído do produto do seu trabalho, cujo acesso é apenas ao resto é beneficiário da desigualdade? Hahahaha! E a maioria vai passar apenas um tempinho nas favelas);
    -Vigaristas são os pensadores que ele cita, que buscam justificar um sistema injusto por excelência, que enaltecem o privilégio e a desigualdade;
    -Quanto ao uso das drogas, o consumo per capita nos EUA, o grande modelo de país dos liberais, nada teve a ver com ideais socialistas. Muito pelo contrário! O tráfico obedece a toda uma lógica baseada no grande capital, cujo objetivo é o lucro;
    -A destruição dos valores cristãos?Bem, essa foi de doer. Nenhum dos ideólogos dele estavam preocupados com valores cristãos! Afinal, são excludentes e defensores de privilégios e, portanto, da desigualdade! Quais valores cristãos são estes? O lucro? Hahaha!

  5. “A economia de mercado…é um produto da natureza”(sic). Eu li isto mesmo? Não é possível. Bem, eu começo a dar créditos à Bíblia, especialmente à história da burra de Balaão. Agora já sei que os muares tem tal capacidade.

  6. Na minha caminhada de descendente de primatas que comiam bananas de boa qualidade, viraram bípedes, adquiriram varizes, juntaram os dedos para segurar uma caneta, aprendi alguma coisa com outros descendentes daquela australophitecus affarensis chamada Lucy. Agora que passamos a frequentar churrascarias, ou casas de sushi, fizemos uso de algum raciocínio.
    Aprendi, por exemplo, como necessàriamente materialismo está irremediavelmente conectado com comunismo e socialismo. Tanto o materialismo Francês (Descartes) como o materialismo Inglês desenvolveram uma oposição à metafísica de Spinopza, Malebranche, e Leibnitz, formulada no século dezessete. É verdade que o materialismo Cartesiano acabou desaguando na ciência natural. Mas a outra parte do materialismo Francês se dirige diretamente ao comunismo e ao socialismo.
    Claro que não são todos os atuais descendentes de primatas considerados homens que podem perceber isso. Mas desde a noção de senso e a experiência que ela nos oferece, a noção empírica deve ser formulada de tal modo que nela o homem se dê conta do que de fato seja humano, tornando-se ele próprio conhecedor do que o que significa ser humano.
    Se corretamente entendido, toda a moral está baseada no interesse humano. Em outras palavras, o interesse é o princípio de toda moral, sendo o homem dirigido por interesses e preferências. O interesse privado do homem deve coincidir com o interresse de toda a humanidade. É o senso materialista que determina limites à liberdade humana através do poder positivo de assegurar sua verdadeira individualidade, devendo ser destruida a fonte antissocial de todo crime. Se o homem é um ser social por natureza, sua verdadeira natureza só poderá ser desenvolvida através do socialismo. E o poder de sua natureza deve ser mensurado pelo poderda sociedade.
    Na História da Filosofia, de Hegel, ele representa o materialismo Francês como a realização da substância de Baruch Spinoza. Bauer, no entanto, enxerga o materialismo Francês destacado da escola de Spinoza.
    Hegel trabalha com a idéia de que deísmo (Cristianismo, portanto) e materialismo são duas partes representando uma só e o mesmo princípio básico, concluindo que Spinoza desenvolveu duas correntes que disputavam o mesmo significado do sistema.
    Hegel diferencia os termos para o mesmo significado, no seu trabalho denominado Fenomenologia. “Com referência a Ser Absoluto, Iluminismo se detaca de si próprio … e é dividido entre as visões de duas partes … Uma delas chamada de Ser Absoluto que não se refere a objeto … a outra é denominada Matéria. Ambas são inteiramente a mesma noção. A diferença reside fora do fato objetivo, estando puramente na diversidade do ponto inicial adotado pelos dois desenvolvimentos” (Hegel, Fenomenologia, pp. 420, 421, 424).
    Está pois bem clara a conexão entre o materialismo do iluminismo Francês com o comunismo Inglês e Francês do século dezenove, embora ainda haja necessidade de exposição detalhada, a qual chega com o tempo. Alguns já deram início à supracitada exposição, como Helvetius, Holbach e Bentham.
    Pierre Bayle, como se sabe, preparou a recepção do materialismo Francês e também da filosofia do senso comum na França. Ele glorificou a sociedade ateísta, que logo se fortificou, mostrando que uma sociedade formada apenas por ateístas não só é possível como também desejável. Bayle mostrou que um ateísta pode ser um homem tão respeitável quanto “alguns” deístas. Declarou que não é pelo ateísmo, mas pala superstição e pela idolatria que o homem se degenera.

  7. Horacio Melo, saudações.
    Eu, você e muitos outros comentaristas, aqui, temos colocado nossas ideias e convicções sobre o que vem a ser a melhor forma de governo; qual o melhor “ismo” para os povos. Consequentemente, muitas “verdades eternas” são escritas e glorificadas.
    Peço que analise e pondere. Logo no início do século 20, ao norte dos Estados Unidos, tribos inteiras foram dizimadas pelo exército ianque: Cheyenne, Sioux e as demais. Índios lutavam pelas suas terras com arco e flecha, contra soldados armados com fuzis, canhões e espadas. Morreram milhões. As terras ficaram para que surgissem novas cidades e o agro-negócio. Os Estados Unidos deram uma arrancada formidável rumo ao desenvolvimento, rumo a prosperidade. Quando sobreveio a crise de 1929, causada pela desenfreada corrupção e a mais terrível jogatina, o presidente Franklin Delano Roosevelt, fazendo uso das teorias de John Maynard Keynes (“O Estado deve reger a Economia”)implementou o “New Deal” e salvou o país de uma falência total. Tenho um DVD no qual podemos vê-lo dizer que daria ( e deu) todos os recursos (do Estado) necessários para fortalecer as indústrias, a fim de que pudessem recuperar o nível de emprego. Foi assim que a indústria do aço (Schwab), fotografia (Eastman), pneus (Good Year), petróleo (Rockefeller) e automóveis (Ford) progrediram extraordinariamente na ocasião e fizeram as fortunas dos seus donos. Fizeram, sim, mas … com o dinheiro do contribuinte, do povo.
    E o que aconteceu em 2008? Novamente, após uma jogatina desmedida patrocinada por Wall Street, o país viu-se em graves apuros. Quem salvou – mais uma vez – os Estados Unidos da mais vergonhosa quebradeira? O presidente Barack Obama entrou (como Roosevelt) com bilhões de dólares do Estado, num socorro urgentíssimo, e muitas empresas aguentaram-se de pé. Mais de cem milhões de cidadãos, em todo o mundo, foram atirados a exclusão. Número conservador, se considerarmos a situação na qual se encontra a Europa, também duramente castigada, em decorrência.
    Afinal, que sistema é este que beneficia os privilegiados de sempre, com os recursos dos contribuintes/trabalhadores?
    Afinal, que sistema é este, no qual um por cento dos cidadãos ficam com 50% do meio circulante, enquanto os outros 99% lutam pelo que sobrou?
    Afinal, que sistema é este, no qual o bilionário Warren Buffett gargalha na tv, diante do fato de que ele paga menos impostos do que sua secretária?
    Afinal, que sistema é este, que sobrevive graças à exploração dos povos, fomentando guerras, promovendo invasões e mantendo campos de concentração vergonhosamente administrados por eles mesmos – estou falando de Guantánamo, onde os prisioneiros não tiveram direito a advogados, nem julgamentos e … são torturados até a morte. Outro campo de concentração, a Faixa de Gaza, é mantido e financiado através do irrestrito e hediondo apoio dos Estados Unidos a Israel.
    Afinal, que sistema é este, existente num país onde um ex-presidente – James Earl Carter – escreve no New York Times que sua própria nação, os Estados Unidos, votou e aprovou uma lei, sancionada pelo presidente Obama, que garante o direito da CIA sequestrar, torturar e matar qualquer cidadão, em qualquer lugar do mundo, sempre que, a seu juízo, entender como necessário. “Estamos desfigurados juridicamente”, escreveu Carter(e este blog publicou tudo). “Os direitos humanos faleceram, para nós. Já não mais reconheço esta tão grandiosa nação, construída com o sacrifício dos nossos pais-fundadores”…
    Os Estados Unidos, Horacio, jogaram duas bombas atômicas, em 1945, atingindo civis. Mataram quase 400 mil pessoas instantaneamente. Até hoje a radioatividade decorrente mata e aleija milhões de cidadãos. No Vietnã, jogaram napalm e outras bombas químicas (proibidas em Tratados Internacionais) novamente em populações civis; mataram dois milhões de vietamitas. Os Estados Unidos, Horacio, financiaram abertamente Augusto Pinochet, um sujeito que foi condenado internacionalmente por Crimes Contra A Humanidade. O ator norte-americano Jack Lemmon, ao protagonizar o filme “Missing” (Desaparecido), de Costa Gravas, sobre a invasão norte-americana no Chile, chorou durante as filmagens; “Eu não sabia que o meu país fazia isto com outros países”.
    “Desenvolver” o mundo às custas da tortura, morte e exploração dos povos … foi o que aconteceu.
    Não posso defender Lênin. Embora tenha sido uma inteligência brilhante e reconhecida até hoje desta forma em dezenas de países, tão logo iniciou sua gestão mandou sua polícia secreta – a Tcheca – matar 200 mil pessoas que discordavam dele. Estive visitando minha filha em Varsóvia. O comunismo de Stalin matou por matar … covardemente … centenas de milhares de poloneses, pelas armas e pela fome. Ouvi histórias de idosos … até hoje traumatizados com o que sofreram brutalmente.
    Este mundo, Horacio, mais parece um campeonato macabro. Não sabemos e jamais saberemos quem matou mais, quem matou menos.
    Uma coisa, entretanto, vejo com muita clareza: como disse o Premio Nobel de Economia Paul Krugman, todos, de alguma forma, dependem do Estado para viver e sobreviver.
    Quanto a Karl Marx … ele apenas escreveu: nunca foi candidato a nada, nunca ocupou cargos públicos, nunca indicou ninguém para coisa alguma. Já o mataram e ressuscitaram mil vezes. Interpretam-no de várias maneiras, tudo bem.
    A pergunta é: por que razão, em dezenas de países,seu livro (e de Engels) O Capital, está sendo reeditado, neste momento tão complicado para todos? Por que, no Reino Unido, ele foi considerado O Filósofo de Todos os Tempos, em 2005? Por que razão nos países nórdicos, onde os índices de educação e desenvolvimento humano são quase que imbatíveis, destacam fortemente as teorias marxistas? Por que razão a Alemanha reza pela cartilha marxista e … hoje tem que carregar quase que sozinha, toda a Europa?
    Karl Marx escreveu sobre quase 30 disciplinas e ciências. Mas … quem aprecia jogatinas … não pode, realmente não pode admirá-lo, como eu o admiro.

  8. O curioso é que nos EUA, em que Paulo Solon que não é bobo nada mora, o operário ganha mais de 3 mil dólares, enquanto na falida URSS não ganhava nem 100 dólares.
    Por falar em socialismo, no caso “democrático”, na França, Holland, o socialista, caiu na real e já se deu conta que, a teoria na prática é outra.
    Podem sonhar à vontade, mas uma árvore nunca deixará de ser uma árvore:
    Não existe almoço de graça para o povão em países socialistas radicais como em Cuba. Só para Fidel e bando.

  9. O SOCIALISMO LULAPETISTA, É A FORMA MAIS DESCARADA E NEFASTA DE APLICAR UM O ESTELIONATÁRISMO COMO FORMA DE GOVERNO.

    Esse Santayana, coitado! Está decrepito e senil feito um mendigo indiano. Outro dia enaltecia a estátua de barro de Lula, num artigo de dar pena de seus dedos nas teclas.

    Coitado de quem pensa como ele.

    O socialismo como quer aplicar o PT e seus melicianos aloprados e bebuns, não passa de conto-do-vigário para cima da população analfabeta do Brasil Bananeira. Lula não passa de um estelionatário!

  10. O erro e ignorância de alguns é achar que na URSS, ou na atual Russia, o socialismo foi alguma vez implantado. Outro erro crasso é pensar que comunismo seja forma de governo, não maneira de interpretação da História. Toda vez que se fala em comunismo, ou socialismo, citam o exemplo da URSS, o que é uma grande bobagem.
    O mundo caminha inexoravelmente para o socialismo. os Estados Unidos são um forte exemplo da implantação do socialismo. Estudem mais. Observem mais. Comparem. Verifiquem. Saiam do seu quadradinho primeiro, para não falatrem besteira.

  11. Ao oligofrênico que escreveu o texto:
    Temos belos exemplos, bem atuais, em nosso querido Brasil do que o maravilhoso capitalismo é capaz de fazer. Perguntem ao “empregadinho da ford foundation”, o brilhante FHC.

  12. Todos são livres para pensar e expressar suas idéias como quiserem. Deste modo, assim como tem gente que defende o Socialismo, e outros o Capitalismo, o Horácio Mello poderia defender e louvar até Satanás, se ele entendesse por bem fazê-lo. Mas quando parte para ataques diretos a quem pensa diferente dele, saindo do campo do debate intelectual para o das ofensas pessoais, isso é deplorável. Acaba mostrando uma intolerância que repele e que deslustra-o como debatedor. Simplesmente lamentável.

  13. Nos EUA existe de tudo. Essa de benefícios sociais para os operários ou “socialismo” já existe lá há tempos. Inclusive, os benefícios que a GM dava a seus empregados eram tantos que isso foi uma das causas de sua falência. Agora, recuperada, ela paga muito bem a eles, porém com mais realismo.
    É assim lá, a realidade dita as normas e procedimentos. Sabem aproveitar o que aprendem com a prática.
    As melhores universidades do mundo estão nos EUA e os americanos não são imbecis a ponto de embarcar em misticismos ideológicos.

  14. O que esta´ acontecendo nos Estados Unidos que faz com que esta nação seja o exemplo mais recente de um país socialista é a implantação profunda de um sistema educacional, mas não educação no senso ordinário. Educação no sentido total das condições individuais da vida, que forma o homem. Se uma reforma é necessária para abolir a contradição entre interesses privados e os interesses da sociedade, uma transformação, por outro lado, sempre ocorre para realizar tal reforma. Grandes reformas nos Estados Unidos são implementadas atualmente enfraquecendo o respeito estúpido que as pessoas dedicam a velhas e carcomidas leis e costumes. Em outras palavras, abolindo a ignorância.
    Para surpresa de muitos caretas e apegados a antigas tradições e à moral burguesa, menciono os Estados que já aprovaram casamento entre pessoas do mesmo sexo, o que seria inconcebível há cinquenta anos, considerado uma atitude socialista de agressão à família.
    Vai chegar ao Brasil. O socialismo é inevitável. No Brasil custa a chegar, mas chega.

  15. Não posso deixar de concordar com você, Mauro Julio!!! A GM foi recuperada,sim!!! Mas … com o dinheiro do Estado!!! Do contribuinte!!! Sozinha, não teria conseguido sobreviver. Na ocasião, divulgou-se que, embora com um capital (registrado) de US$135 milhões, devia US$35 bilhões!!! Nos Estados Unidos existe a figura do CEO – Chief Executive Officer – o verdadeiro administrador das empresas. Ganham fábulas, ficam riquíssimos para determinar o que pode e o que não pode ser feito, independentemente dos resultados. Após o recebimento do socorro financeiro do Estado, as empresas (como a GM) distribuíram montanhas de dinheiro para seus CEOs. Obama foi para a tv e chamou-os de desavergonhados (unashamed): “Devolvam o dinheiro! O dinheiro pertence ao povo!” O fato é que a GM, após pertencer 80% ao Estado (por causa do socorro), hoje recuperou-se, vem pagando, e já reverteu em boa parte a situação. Ora, num socialismo verdadeiro, os contribuintes – os novos donos da GM – deveriam ficar com os lucros que SEU capital proporcionou. Mas não. O contribuinte entrou com o dinheiro … ninguém o consultou se concordava ou não com a operação … e agora o CEO é quem está faturando (muitos milhões; há CEOs que ganham mais de US$200 milhões/ano).
    Como seja: quem não trabalhou, ficou com tudo. Os donos do dinheiro … não ganharam absolutamente nada. Tudo igualzinho como em 1932, por causa da crise de 1929.
    Abraham Lincoln disse: “Hei de fazer deste, um governo do povo, pelo povo e para o povo”. Mais socialismo do que isso … impossível. E efetivamente realizou uma Reforma Agrária extraordinária, deu terras para a plantação, implementou a maior revolução na Educação em todos os tempos, com recursos do Estado, praticamente sem custos para ninguém. E libertou os negros, acabou com a escravatura. Em homenagem a isso … foi assassinado.
    Se este mundão tivesse outros Lincolns … bem, teriam tido o mesmo fim deste Gigante do Socialismo. Um Estado forte e honesto, dirigido pela filosofia socialista, tornou-se a maior nação do mundo. Hoje … bem, hoje a história é diferente. Bastante diferente. Vagabundos dão golpes e mais golpes com suas jogatinas, num cassino manchado de vermelho, a cor do sangue de quem trabalha e é cruelmente torturado e humilhado.

  16. Existe os mediocres que acham que não existe nada melhor que o capitalismo. Existe outras formas melhores que o capitalismo selvagem que não é o comunismo. A lógica é o seguinte evitar a exploraçao dos trabalhores e pequenos produtores, na Escandinavia o Cooperativismo é muito forte. 2. A China tem um modelo errado dai o medo dos seus dirigentes da corrupção. Por que não um sistema a base de salários, que remunere pela produção assim como o proprio sistema capitalista remunera os grandes gerentes de empresas?

  17. O prezado Reginaldo Oliveira abordou a questão que pretendo repeti-la.
    Horácio Mello é conhecido pelas suas posições.
    Iniciou a sua participação neste Blog incomparável através de comentários muito bem feitos sobre o Capitalismo, Socialismo e Comunismo. Foi duramente atacado por alguns comentaristas, que não o respeitaram.
    Fez o mesmo com eles posteriormente. De lá para cá, seus textos passaramm a ser caracterizados por uma certa contundência quanto às idéias apresentadas, palavras secas, sem margem à interpretação, pensamentos claros e definidos, muitos deles de forma áspera, haja vista que foi assim tratado quando apresentou seus pontos de vista.
    Portanto, os mesmos ataques pessoais que acima lhe desferiram perdem completamente a razão e a exposição de conceitos diferentes porque não se justificam as ofensas como base à contestação!
    Sabemos que temos colegas agressivos quando discordam de alguns comentários ao respondê-los. Já fui alvo desse pessoal, que não se modifica, lamentavelmente.
    Assim, deploro este método que não se discute o tema, mas envereda pelo caminho perigoso e injustificável de ataques à pessoa, de menosprezá-la, ofendê-la, ridicularizá-la.
    Walter Martins é inteligente, professor, possui um texto enxuto, mas a sua norma de atuação contra os registros que não lhe agradam é o axincalhe, o deboche, o menosprezo. E continua nesta maneira de responder aos que são contrários às suas idéias, que não aceito e o critico como faço neste momento, independente do conteúdo de seus comentários.
    E quanto aos cem milhões de mortos que o Comunismo e pretenso Socialismo ocasionaram, vale lembrar o assassinato de milhões de chineses por Mao Tse Tung, os milhões de soviéticos por Stálin, os dois milhões de Pol Pot, os milhares em Cuba, Coréia do Norte, América Central, o período da Cortina de Ferro onde foram mortos outras milhares de pessoas na Polônia, Romênia, na Iugoslávia antes da sua desmembração, Hungria, antiga Tchecoslováquia, Letônia, Estônia, Lituânia, Alemanha Oriental, enfim, se somarmos a quantidade de vítimas desses dois sistemas, certamente o número ultrapassa com folga cem milhões, diga-se de passagem mencionados em livros, reportagens, jornais…
    Se eu for contra-atacado com as mortes ocasionadas pelo Capitalismo, tais como, a Guerra da Coréia, Vietnã, Chile, Argentina, a miséria de muitos povos explorados pelo capital sem oportunidade de trabalho e ganho justo pelos trabalhadores, a conclusão será exatamente a de que nenhum sistema criado e desenvolvido pelo homem é o ideal!
    Desta forma, a discussão e com ofensas a quem defende o Socialismo ou o Capitalismo prova, inequivocamente, que AMBOS ESTÃO ERRADOS, no entanto, demonstra que, a EDUCAÇÃO, que deve ser o pressuposto para debates não pode ser abandonada, sob pena de os socialistas serem mal educados e capitalistas também, e a Tribuna da Imprensa passar a ser mera intermediária de briguinhas de colégio, manifestações puerís tardias conforme a idade dos participantes deste espaço democrático.
    Apelo para o bom senso, para o respeito, às boas relações, haja vista que as ofensas e agressões trocadas entre alguns comentaristas denigrem o maculam sobremaneira o árduo trabalho do incansável Carlos Newton e do notável Hélio Fernandes, que nos colocam à disposição o MELHOR BLOG DO BRASIL, e que não pode servir como palco para demonstrações antissociais, intolerantes e preconceituosas!

  18. O primeiro comunista do Brasil foi o português Pero Vaz de Caminha. Em 1500, na Carta do Descobrimento, ele pediu e obteve do rei de Portugal, um emprego público para o genro. Nasciam então o PT, PMDB, PSDB, etc.

  19. Este texto é dedicado aos homens livres, que andam com as próprias pernas, e pensam, por si próprios.

    “Comunismo: Uma igualdade de águias e pardais, de colibris e morcegos, que consistiria em colocar todas as envergaduras na mesma gaiola e todas as pupilas no mesmo crepúsculo, não quero saber”. V.Hugo. Tas de pierres.

    O socialismo é um fracasso, não só os seus pressupostos teóricos são falácias, bem como, os resultados econômicos, sendo que a tirania , dor, sofrimento, infringido aos povos que adotaram esta doutrina , resultaram na morte de100 milhões de pessoas, já sendo motivo suficiente para descartar esta ideologia sinistra, se tivéssemos aprendido com a Historia.
    O socialismo é uma praga de difícil erradicação, expulso definitivamente da área econômica por seu fracasso empiricamente comprovado, refugia-se na mística , evocando o seu “alto teor moral”. Confirma, assim, a presunção avançada pela primeira vez por Nietzsche há mais de cem anos, de que a ideologia perversa é um substituto, um Ersatz, um medíocre sucedâneo de uma fé cristã em declínio. Muitos outros filósofos modernos, como H. Arendt, Aron, Kolakowsky, concordam com a tese de que o socialismo representa aquela pseudo “religião civil” que Rousseau pretendeu criar, para substituir a Igreja com o culto patriótico do estado ressacralizado.
    As “profecias” de Marx falharam miseravelmente. As forças econômicas, por si só , não explicam o triunfo do cristianismo no Império Romano, a queda de Roma, as Cruzadas, a Revolução Francesa, o imperialismo moderno, a I Guerra Mundial ou a ascenção de Hitler. As grandes lutas do século XX não foram travadas entre classes, mas entre nações. Os trabalhadores dos países ocidentais não se tornaram a classe oprimida e empobrecida que Marx descreveu nos meados do século XIX. Os trabalhadores ocidentais contemporâneos, por causa do aumento da produtividade e dos esforços dos sindicatos e governos, melhoraram consideravelmente sua condição, desfrutando o mais alto padrão de vida da história. O imenso desenvolvimento de uma classe média constituída de profissionais, funcionários públicos e pequenos comerciantes desmente o vaticínio de Marx de que a sociedade capitalista seria polarizada num pequeno grupo de capitalistas muito ricos e uma grande massa de trabalhadores carentes. Todas essas predições e esperanças do “profeta “, K. Marx, foram fracassadas , e parece contradizer a sua afirmação de que suas teorias se apoiavam em “bases científicas”.
    O historicismo, base fundamental da doutrina de Marx, não se sustenta, como provou K. Popper, na sua obra a “Miséria do Historicismo”. O autor afirma que o progresso não é uma necessidade da História. O historicismo é a base comum do fascismo e do marxismo, segundo Popper, é absolutamente falso acreditar que o futuro está condicionado ao presente. Nada, no presente, permite prever o futuro. Por quê? Porque é na realidade, o contrário: vivemos aspirados pelo futuro, todos os nossos comportamentos de hoje são ditados pela ideia do que temos do amanhã. Se acontece de o futuro parecer com o que anuncia dele, é geralmente porque quem prevê influi também no curso dos acontecimentos. A idéia de Marx de que o socialismo estava fadado a acontecer “com a inexorabilidade de uma lei da natureza” , não tem base alguma.
    O brilhante economista austríaco V. mises, na sua obra magna “Ação Humana”, defende o princípio praxeológico, e constrói um tratado de economia de forma dedutiva. O princípio praxeológico afirma que sempre buscamos um estado maior de satisfação, em todas as esferas da vida, sendo este um dado irredutível. Negar ao homem o direito de empreender livremente, de participar da vida econômica, violenta brutalmente a liberdade humana. Propor o fim do Mercado, o único mecanismo que permite o cálculo econômico não só é um estupidez, como levou ao debacle econômico dos países do Leste Europeu.
    O socialismo foi derrotado. A prova histórica está ai: com exceção da Coréia do Norte e Cuba, mesmo, nações da “fraternidade socialista”, adotaram receitas liberais para sair do marasmo econômico que viviam. O Muro da Vergonha caiu, o império soviético ruiu como um castelo de cartas, Deng Xiaoping privatizou as comunas agrárias chinesas e abriu “novas áreas econômicas” ao capitalismo e comércio internacional.
    Os socialismos, comunismos, coletivismos, et caterva, buscam um único fim: o planejamento central, onde um grupo de pretensos sábios julgam-se aptos a decidir em todas as esferas, na economia, em todas as outras áreas da vida social, criando a chamada engenharia social. O controle, planejamento, de uma empresa é justificável, o controle e planejamento de uma nação é uma monstruosidade, pois o mapa é diferente da realidade. Só a iniciativa individual, de agentes econômicos, sob liberdade política e econômica pode-se gerar riqueza e criar um clima de liberdade. O marxismo é uma miséria moral e intelectual. Uma ideia que se traveste de moderna, mas não passa de ouro de tolo, e faz a humanidade retroceder, buscando as antigas formas de organização tribal onde o indivíduo nada valia.
    Outono,2013.
    Horácio Melo.

    PS1. O Sr. Darcy, grammaticus bull shit, continua o mesmo homem grosso e incapaz de escrever um artigo que mereça ser lido, mesmo com a pretensão de ser revisor gramatical deste Blog.
    PS2 . O Sr. Walter Martins, pretenso intelectual de esquerda, aquele que “leu Marx”, os 50 volumes, a obra completa, mas não leu os argumentos demolidores contra este sistema-ideologia morta e sepultada. Leia a obra : Socialism: an Economical and Socilogical Analyis. Ludwig von Mises; e tente depois disso ser marxista, SE PUDER.
    PS3. Agradeço ao Sr. Carlos Newton, verdadeiro democrata, por ter publicado o meu texto, que difere diametralmente das suas ideias.
    PS4. Tenho ideias completamente divergentes do Sr. Almério Nunes, mas não posso negar a educação superior que ele tem. Admirável.
    PS5. O Sr. Paulo Solon, sem dúvida, tem cultura, mas, infelizmente, não filtrou, e não teve a sabedoria para separar o joio do trigo. Como disse Tolstoy: “ a leitura em demasia produz indigestão mental”.
    PS5. O texto acima busca abordar, em linhas gerais as insuficiências do marxismo, de forma sucinta, em outro momento continuarei os meus comentários.

  20. ATENTAI BEM, BRASILIANOS!!!
    Foro de São Paulo manda Brasil importar 6 mil “médicos” cubanos para propagandear “socialismo”.
    … No Brasil, o Foro de São Paulo quer implantar a experiência ideológica bem sucedida na Venezuela de Hugo Chávez. Se a medicina cubana não foi capaz de curar o comandante do socialismo bolivariano do século 21, os médicos formados na linha ideológica dos irmãos Castro tiveram um importante papel no atendimento à população carente. Não só na prestação de serviços de saúde, mas, principalmente, como formadores de opinião e líderes ideológicos nas comunidades, propagandeando e fortalecendo as ideias chavistas.
    Mais, aqui: http://www.alertatotal.net/

  21. Certo Almério Nunes, só que a GM pagou até o último centavo o que o governo emprestou. E pagou antes antes do prazo combinado. Assim, a intervenção do estado, como neste caso, é aceitável, pois obedece a lógica matemática, clara. Positiva.
    Mas, voltemos ao nosso país , que já paga impostos de países socialistas:
    1. O estado deveria dar terras a quem quer plantar, pois as possuem e não incentivar e dar dinheiro ao MST para invadir quem já está produzindo.
    2. O estado deveria fornecer educação a todos e não o faz.
    3. O estado deveria dar segurança ao cidadão e não o faz, proibindo ainda o uso de porte de armas para a legítima defesa.
    4. O estado deveria construir a infraestrutura para baratear os custos da produção e não o faz.
    Enfim, o país é rico, mas o povo é pobre. Isto, porque aqui, o estado é dos mais fortes do mundo e não serve ao povo, ao contrário dos EUA que a constituição de mais de 200 anos determina que o estado é para servir ao povo e não o contrário. É para isso que o povo paga seus ocupantes.

  22. Bem, já que fui citado nominalmente…mesmo com um defensor pretensamente (aliás, nem pretensamente, é só saber ler direitinho) imparcial, o senhor Horácio merece o deboche, o aCHIncalhe e o menosprezo, pois quem chamou os outros de “pigmeus intelectuais”, “cães”, “prostitutas” (em comentário acerca de um artigo após a vitória de Chavez) etc, foi ele. Portanto, ele achincalhou, menosprezou, pisou e o são Francisco nada reprimiu acerca destes disparates! Aqui ó pra imparcialidade!
    Segundo, quanto aos cem milhões de mortos, assassinados, nesses países, isto é de uma idiotice tão grande, que mesmo hoje, mesmo nos livros de historiadores americanos e europeus, ninguém cita esta cifra absurda. Nem as duas guerras mundiais, somadas à guerra da Coréia, do Vietnã, da Bósnia, entre outras, juntas, mataram tanto! Outra, nestes países, os antigos membros dos politburos, não estão sentados nos bancos dos réus, mesmo com seus opositores, hoje, no poder. Não há pedido de julgamento por genocídio em lugar algum. Inventar, para debater, é fraqueza moral, intelectual, enfim, uma cretinice!
    Outra, Marx não foi um profeta. Suas analises, para o tempo em que viveu, estavam corretíssimas e, ainda hoje, são válidas. A luta de classes é uma realidade viva e está ao nosso redor. Até os cegos sabem disso. O Horácio se engana ou se faz de morto, quando diz que a classe trabalhadora não está oprimida ou empobrecida. Ela foi enganada, isto sim, pelo welfare state, a grande saída para evitar o avanço socialista nos países centrais do capitalismo. O welfare state, foi a solução encontrada para, justamente, calar a classe tranalhadora, em suas reivindicações. Mas esta prosperidade durou, aproximadamente 30 anos, do final da Sefunda Guerra, até a ascensão de Thatcher (aquela moça, fã de Hayek, que dizia “não existir sociedade, só indivíduos) e Reagan. Mas, como este welfare state foi mantido? Através, em grande parte, pela expansão do grande capital para a periferia do mundo e pela taxa de exploração diferenciada, que permitia à Ford, por exemplo, pagar à um operário brasileiro CR$4,00 a hora (em moeda desvalorizadíssima) e ao seu equivalente estadunidense, aproximadamente U$15,00. Remessa de lucros é isso aí. Nada há com isto de governos mais honestos ou que pensem mais no seu povo. É apenas a miséria de uns, que faz a alegria de outros. Não é bacana? Foi isto que, em grande parte, calou muitos trabalhadores e sindicatos ao norte do equador. Até que os neoliberais chegaram ao poder epuseram uma pá de cal nisso tudo, através de ataques desmedidos aos benefícios sociais e afagos pornográficos e orgásmicos ao grande capital. Este terremoto que sacode a Europa, os EUA e faz com que o Japão não cresça há 20 anos, vem daí. A reza, de terço nas mãos, é para que a China continue sua marcha, para evitar o colapaso, que, aliás, já está aí.
    O número de gente econômicamente fragilizada, marginalizada e beirando a miséria no “Primeiro Mundo”, não para de crescer. Mas, devemos ser austeros! Ah! Mas lá, a fortuna dos mais ricos também não para de crescer! Ou seja, esta crise só existe, por que para defender o grande capital é necessário atacar as classes trabalhadoras. E viva este “sucesso” chamado capitalismo!

  23. De fato errei na palavra “axincalhe”, que é com CH. Minhas desculpas aos leitores.
    Agora, Walter, tu não és um debatedor, mas um provocador. Há uma diferença abismal entre ambos.
    A tua maneira de te reportares às pessoas, expressões, a forma que usas para enfatizar o que escreves não são condizentes com a tua profissão de professor, muito menos com uma pessoa educada.
    Eu sabia que tu irias me responder, independente de eu te citar ou não, e não variaste o teu estilo, sempre do mesmo jeito, querendo ganhar a discussão na ofensa, no rotular o oponente, desmerecê-lo.
    Por outro lado, assim como me enganei com o “x”, presta atenção, Walter, com as vírgulas que usas. Algumas estão mal empregadas, alterando o “x” da questão e do sentido da frase. Igualmente o uso da crase antes da palavra “um”, erro grotesco e primário porque advindo de um mestre!
    Ah, sim, algumas pontuações estão mal colocadas no teu texto.
    Enfim, fico imaginando tu corrigindo as redações dos teus alunos!

  24. Parabéns ao Sr. Francisco Bendl por seus comentários. A verdadeira questão não são os sistemas econômicos e/ou religiosos, que em síntese sendo gestados pelos seres humanos, são falhos e incompletos. Não podemos radicalizar em nada, podemos ter opiniões pessoais, respeitando as opiniões dos outros.

  25. A questão senhor José, não reside na opinião pessoal. A história, a sociologia, a ciência política não se baseia em opiniões pessoais, verdadeiros “achismos”, saídos do nada, como os levianos cem milhões de assassinados, dados tirados sabe-se lá de onde, de fonte desconhecida. É preciso ter uma base sólida, com argumentos baseados em pesquisas, para, aí sim, emitir opiniões.

  26. Pobre do Walterzinho, não percebeu que o seu texto carece de fundamento, razão pela qual improcede qualquer comentário a respeito.
    A única questão que restou ser contestada foi a forma esdrúxula, expurgante, como registrou a sua resposta.

  27. Walter desconhece que qualquer dado referente à História pode ser contestado com exceção de raros episódios.
    Quando a questão se resume a números, então as diferenças são abissais, mas não se pode e não se tem o direito de ignorá-los.
    Se foram cem, oitenta ou cinco milhões de mortos cometidos pelo Comunismo não importa. O sistema matou pessoas para ser introduzido em vários países e ainda continua aniquilando gente, da mesma forma como o Capitalismo que despreza populações de vários países pela fome, doenças e miséria, afora a exploração do ser humano pelo chamado vil metal.
    Assim, querer menosprezar os comentaristas que mencionam números obtidos de fontes históricas – que Walter ao não aceitá-los também não apresenta autores que escrevem o que afirma -, torna-se uma discussão ridícula, e mais ainda deplorável porque se transforma em ataques pessoais, em ofensas, agressões, desconsiderando, no mínimo, as mais comezinhas regras de civilidade!
    Decididamente não serão através de meios criticáveis e que devem ser rejeitados pelas pessoas que desejam um nível elevado na troca de idéias o confronto neste sentido.
    Se, eu e Horácio Mello, escrevemos cem milhões de mortos pelo Comunismo foi porque lemos tais referências em vários livros; se Walter Martins encontrou em outras fontes índices diferentes, ele me autoriza a chamá-lo de idiota, haja vista que foi assim que se referiu aos que mencionaram tal número de vítimas anteriormente.
    Por que a discordância tão mal educada?!
    E por que propiciar que o debate seja estabelecido com bases em quem souber melhor debochar de quem se manifestou diferentemente?
    Ora, Walter ainda deve sofrer da Síndrome de Peter Pan, um homem que se nega a crescer, conforme as reações que apresenta quando o assunto aborda o socialismo.
    Walter, que tanto defende este regime, tem demonstrado apoiá-lo na sua teoria tão somente, pois na prática revolta-se facilmente com as pessoas, contradizendo-se no conteúdo, mas querendo apresentar uma forma de socialista desde que não seja conviver com as diferenças porque resgata o passado da maneira como os povos foram tratados pelo sistema: à base de chicotadas, intolerância e severas punições, culminando com seus assassinatos!
    O tratamento que Walter destina a seus oponentes nas idéias é exatamente aquele que os livros registram na sua maioria com relação ao modo como o ser humano foi considerado pelos falsos líderes socialistas e comunistas: o desprezo, o desrespeito, a vida sem qualquer valor em benefício do regime que foi escolhido para que o homem vivesse melhor!
    Haja contradição mais extraordinária e incontestável que essa, além de a História registrar sem qualquer discussão os agentes que mais aplicaram as regras e determinações desse sistema: Mao, Stálin, Pol Pot, Fidel Castro, a dinastia norte-coreana, Ceausescu, as bestas humanas que transformaram a vida de homens, mulheres, crianças e idosos em miséria, falta de liberdade, ódio, segregação, e obediência cega às ordens expedidas pelos seus comandantes criminosos!

  28. Para os Sr. Walter Martins e para o Sr. Darcy fake da Silva:
    Sr. Walter Martins, o Sr. é um fanático comunista, ignorante, que leu a cantilena marxista, e nada mais. Não leu os argumentos que desmoralizam o marxismo, não conhece os textos de Hayek, Mises, Rothbard, Ortega y Gasset, Aron, e se conhece estes autores, não entendeu com profundidade. O tom dos seus textos é de analfabeto funcional, de homem grosso, típico socialista sul americano, ignorante. Lhe falta cultura básica, conhecimento fundamental, e o Sr. com certeza, não conseguiria resolver um problema básico de matemática, uma simples demonstração de geometria, ou a aplicação do calculo diferencial, em problemas elementares.
    Falta-lhe cultura, conhecimento essencial, mas o Sr. tem a demência de se mostrar culto. Culto para as suas prostitutas, e as suas amantes. O Sr. fala horrores de Hayek, mas não leu os seus textos. Este autor ganhou o premio Nobel de Economia, este Sr. foi um gênio em economia, e do direito, e nunca tivemos um brasileiro que chegasse a esse nível.
    O Sr. tem um grande consolo, Walter Martins, associado a nulidades, excrescências, como o GRANDE FAKE E ESTELIONATÁRIO DARCY, formam uma grande dupla de cretinos.
    O SR; pobre Walter Martins, não difere de nenhuma forma da tropa de choque de alienados marxistas, do adeptos do velho marxismo tardio-requentado e miserável da América do Sul.
    Walter Martins, Darcy fake da Silva, cresçam, estudem, evoluam, e apareçam.
    Horácio Melo.

  29. Sr. Darcy, estelionatário, e fake-cibernético:
    Aponte um erro intelectual em meu texto, uma mentira, lhe pagarei uma viagem a Paris, e lhe entregarei pessoalmente o dinheiro. Assim conhecerei a sua face oculta, porque o Sr. nunca foi Darcy, e esta é uma mascara que o Sr. criou para se esconder da sua covardia homérica.
    Horácio Melo.

  30. Com relação a esta versão de Cristo ter sido socialista, eu me divirto com esta idéia tão infantil para qualificar a passagem na Terra do personagem mais importante da História deste planeta e, nossa, por consequência.
    Entretanto, os apressados querem dar ao Socialismo uma aura inexistente de solidariedade, de preocupação com o próximo, com seu alimento, educação, quando na verdade os exemplos ao longo de nosso desenvolvimento social e econômico têm sido exatamente o oposto ao enunciado.
    Cristo nos ensinou a forma como devemos viver em acordo com as demais pessoas mas, principalmente, como devemos evitar as tentações que nos tornam dependentes de sensações, prazeres, poder, orgulho, inveja, de sentimentos pequenos.
    Foi mais longe:
    Mostrou-nos a verdadeira liberdade, a legítima independência do homem para com o homem, a não ser somente de Deus.
    Diante de Pilatos, mostrou-se altaneiro, imponente, ocasionando que seu julgador exclamasse:
    “Não vejo neste homem mal algum.”
    Caso jesus tivesse adotado o socialismo, certamente teria um séquito de pessoas trabalhando de graça para que ele enriquecesse e cada vez se tornasse mais poderoso!
    Nada diferente do capitalismo, somente com outra roupagem.
    A vantagem deste é que podemos ganhar na loteria e melhorar de vida, enquanto que no socialismo nem bilhete ou sorteio existem!
    Por favor, mais respeito com Cristo e sua mensagem de fé e amor para com a Humanidade, diemetralmente oposta às obras pelo homem erguidas em supostos aperfeiçoamentos e melhorias à convivência pacífica, que contraditoriamente são exemplificadas com as guerras constantes e permanentes ocorridas neste mundo.

  31. Senhor francisco, cite, apenas um livrinho que você tenha lido tal cifra. Só unzinho. Mas vou adiantar a mentirada: não leu em livro algum! E quem cita a cifra que você citou, além de idiota, é mal intencionado. Já disse e repito, você nada consegue refutar. Fica apenas no campo da falsa indignação por não ter como rebater os contraargumentos às suas falácias.
    Quanto às minhas amantes e prostitutas, eu não sabia que o senhor conhecia minha virilidade. Está com inveja das meninas? Está barrado, fique logo sabendo!
    Quanto ao premio nobel de economia, honestamente, ele foi feito para glorificar os arautos da destruição e do enaltecimento da desigualdade. Hayek não passaca de um babuíno e é o pai intelectual de toda esta crise.
    Quanto ao que o Francisco falou sobre Jesus que, se caso este tivesse adotado o socialismo (quanta bobagem), certamente teria um séquito…trabalhando de graça para que ele enriquecesse (sic) e cada vez se tornasse mais poderoso. Vejam bem, estas palavras foram do Bendl. Quer dizer, então, que se Jesus adotasse o socialismo, ele teria servos (trabalham de graça, em prol de um senhor, algo incompatível com o socialismo. Servos são típicos do feudalismo), para que ele enriquecesse? Mas, isto não é uma prática capitalista. Explorar o trabalho de outrem para enriquecer? Quanta contradição. Este senhor é uma piada pronta.

  32. Bendl está certo. Cristo como Buda tentaram mostrar alternativas para a felicidade do indivíduo com o desapego aos prazeres ilusórios da matéria. Nada a ver com esse mundo mesquinho material e da política de poder. “Nem só de pão vive o Homem”, “A César o que é de César e “Meu reino não é deste mundo mundo (material). Cristo e seu tio Buda, pois este era 500 anos mais velho, não fundaram religião alguma.
    Religião ou ideologia são feitas para escravizar.
    Cristo como Buda queria libertar o Homem das mesquinharias que o iludem.
    Essa de Cristo socialista é a maior de todas as piadas feitas com Ele.

  33. Afora as confusões que fazes, Walter, sequer identificando corretamente as pessoas, tu te tornas cada vez mais ridículo nas réplicas, haja vista que a tua raiva impede que raciocines a contento.
    Quem disse que Jesus foi um grande socialista e eu retruquei esta afirmação foi o Rodrigo de Carvalho.
    Desta forma, posso ser uma piada pronta, mas tu estás pronto para uma ala de isolamento em qualquer hospício… socialista, lugar de muitos dissidentes deste regime e lá mantidos à força porque o sistema era para melhorar as relações entre os seres humanos, desde que não desobedecessem as ordens dos chefetes e as regras implantadas, logicamente.
    Neste Blog incomparável tu te destemperas e mostra a tua ira incontida porque não podes encarcerar ou silenciar aqueles que discordam de ti, então apelas irracionalmente para palavras que não fazem jus à importância e grandiosidade deste espaço democrático, vociferando, desrespeitando quem quer que seja, e causando frouxos de riso pelos chiliques que demonstras, a tua instabilidade emocional patética e, de modo que eu não esqueça, a tua já notória má educação!
    Mais a mais, os assassinos socialistas que a História registra para teu desespero, foram ou são muito ricos, pois o povo é explorado despudoradamente para fortalecer o regime e servir para o enaltecimento da personalidade do pseudo líder.
    Fidel Castro é um homem abonado; a dinastia norte-coreana transfere de pai para filho a fortuna acumulada e extraída da infeliz população; Stálin, Mao, Ceauscescu, viveram nababescamente bem, enquanto que o povo era massacrado e sequer ganhava um salário que pudesse comprar comida, afora os que compunham a Nomenklatura, também ricos e poderosos.
    Desconhecer esta verdade não é ignorância, mas exclusivamente má fé ou extrema besteira em querer acobertar tais fatos.
    Aliás, eis dois pontos onde o capitalismo e Socialismo se identificam: na falsa liberdade que apregoam conceder, e na exploração do homem através de seu trabalho. O capitalismo porque remunera mal e, o socialismo, haja vista sequer possibilitar um salário condizente às necessidades básicas do cidadão!
    Repito:
    Posso ser uma piada pronta mas, a tua, é muito mal feita!

  34. Francisco Bendl e Mauro Vieira, ao meu ver, socialismo e comunismo são absolutamente distintos. Jesus foi socialista sim, pois a essência desse sistema político, o qual Darcy Ribeiro dizia que o Brasil tinha que criar seu próprio modelo, autêntico, baseia-se em assegurar o bem estar da coletividade. Muito diferente do capitalismo que trata tão somente de enriquecer milhares de amigos dos reis em detrimento dos bilhões de excluídos e do próprio planeta Terra.

  35. Rodrigo de Carvalho,
    Aponta-me, por favor, algum país comunista/socialista que tenha trazido bem estar ao seu povo, só um.
    Não vale a transformação que fizeram em suas economias (China, Rússia, Vietnã) abrindo-as para o diabólico mercado capitalista, pois perderás a razão na origem.
    Quanto a Cristo socialista, discordo veementemente desta afirmação ou conclusão intempestiva e infantil, que não é tua, diga-se de passagem, mas de muita gente que a adotou sem qualquer análise mais criteriosa a respeito.
    Muito antes do bem estar físico está o equilíbrio mental ou, no mínimo, os dois juntos (Mente sã em corpo são).
    Apenas contentar e precariamente a fome, no entanto, impedindo que a pessoa busque ela mesma o seu destino, tenha a sua liberdade, seus direitos assegurados, tais carências irão dividir o corpo da mente, impedindo o indivíduo absoluto, dono de si mesmo, mas simplesmente um mero participante da massa anônima que trabalha como escrava das vontades de socialistas muito bem encastelados em suas fortalezas, que comem e bebem do melhor, transitam em veículos de luxo e seguros, viajam pelo mundo, enquanto que o povo sonha, e seus líderes os concretizam para si próprios!
    Como é bom este socialismo/comunismo!

  36. Abstraindo-se das palavras ríspidas, do título do texto do Prof. Horácio Melo, “Só Pigmeus intelectuais defendem o Socialismo”, e certas respostas de Colegas Comentaristas, muito bem fez o Colega Sr. Francisco Bendl, em pedir moderação e argumentação com idéias. Quanto ao emprego da Língua Portuguesa, a meu ver o que importa são as idéias, e se nossas “Secretárias” fossem Professoras de Português, nossos textos seriam perfeitos, mas talvez, ôcos de conteúdo, que é o que interessa. Aprendemos na Escola que o SOCIALISMO difere do CAPITALISMO por 2 aspectos: 1: Relações de Propriedade e, 2: Ideologia. O SOCIALISMO é caracterizado pela: Propriedade Social dos Meios de Produção. O CAPITALISMO pela Propriedade Privada ( Individual, Sociedades e Corporações) dos Meios de Produção. Em termos de Ideologia o SOCIALISMO é ancorado em 3 ideais: Igualitarianismo, a Irmandade do Homens e a Cooperação. O principio Igualitário diz que todos os Homens em qualidades básicas são “de mesmo valor”. Deriva da nossa herança Teológica Judaica-Cristã que diz que: “todos os Homens tem o mesmo valor infinito perante Deus”. A Irmandade de todos os Homens implica na preocupação e ajuda a todos os que estão necessitados, principalmente Comidas/Roupas/Casa/Escola, (os Pobres). O princípio de Cooperação implica em rejeição do Individualismo, e da rivalidade, em função da Ação de Grupo. O SOCIALISMO se traduz por 3 vertentes: Marxismo (Comunismo, que na prática se traduziu na URSS por Capitalismo de Estado), Anarquismo que só é viavel em pequenos Espaços, Cooperativismo, etc, e a Social-Democracia da Inglaterra, Países Escandinavos principalmente. O CAPITALISMO como sabemos é baseado nos princípios de Individualismo, da livre competição no Mercado e na acumulação de Capital pelos Chefes de Famílias. Na prática o Socialismo sob a versão Marxista (Capitalismo de Estado), faliu, sob a forma Anarquista de Cooperativas, etc, é próspero dentro do Capitalismo de Mercados, e na versão Social-Democrata atingiu grande Padrão de Vida, mas tem dificuldade de aumentar os Investimentos e crescer ainda mais, os Impostos chegaram a um limite.
    O CAPITALISMO como sabemos vai mudando e se adaptando, começou Comercial, passou a Industrial de Livre-Competição, Industrial de Estado-semi-Monopólios-Livre Mercado, virou Capitalismo Financeiro, etc, e ainda está em evolução. É um processo aberto. Um grande cérebro, Joseph Schumpeter em seu Livro “Capitalism, Socialism and Democracy (1942), sintetizou: A longo Prazo.
    Pode o SOCIALISMO funcionar? Claro que pode.
    Poderá o CAPITALISMO sobreviver? Não. Eu penso que Não.
    Se como diz o Prof. Horácio Melo, citando o Filósofo Brasileiro ” o Comunismo é a troca da Liberdade por um prato de Lentilhas”, e concordo com ele, antes temos que entender o: Porque o Povo, em certas circunstâncias, URSS 1917, China 1949, preferiu essa troca!. Ninguém troca por Lentilhas, algo que está muito bem. Abrs.

  37. Não existe povo que opta por alguma coisa fora da democracia. No caso da redentora de 1917 na Rússia , o povo se atirou à revolução para aproveitar os privilégios da desordem. Acabada a desordem o povo voltou à sua condição de escravo, que sempre teve, desde o dilúvio e a terá até o juízo final, como diz Cioran.
    Quanto a Cristo ser socialista, Caro Rodrigo Carvalho, deve ser pela bondade e amor ao próximo Dele. Nada com ideologia política, mesmo porque em sua região, a Galileia, sob a ocupação romana, nem tinha clima para essas fantasias da salvação da humanidade.
    A maioria das pessoas são solidárias por natureza. Nada a ver com imposição disto pelo estado, com o nome de socialismo.
    Nos EUA o operário ganha mais de 3 mil dólares e o país sempre se disse capitalista que , como todo mundo sabe , não é nenhuma perfeição, mas é o menos pior, desde que não se permita monopólios ou especulações financeiras comandadas pelos banqueiros de sempre. O capitalismo produtivo já provou em um século pelo menos, a sua superioridade inconteste em relação a outros tipos de sistema.
    Por falar em socialismo, Hollande, o socialista, já está mudando de idéia depois de sentir na prática que a teoria é outra.
    O Brasil jamais foi capitalista. Se fosse, pois o país é rico, hoje o operário aqui ganharia pelo menos uns 2 mil dólares.
    E por aí vai.

  38. Senhor Horácio Melo,

    Saudações socialistas!

    O senhor, como bom polemista que é, certamente conseguiu o que queria: a polêmica. A ponto de vermos o engalfinhamento de colegas desta Tribuna. Eu digo que não vale a pena polemizar. Capitalismo e Socialismo são idéias-conceito que continuarão a ser debatidas durante vários séculos ainda…Meu avô dizia que enquanto houvesse farinha, existiria bobo no mundo…Sacou a genialidade dessa frase? Mutatis mutandis, eu digo: enquanto houver uma mídia manipuladora, canalha e golpista, haverá trabalhadores defendendo o capitalismo; escravo pós-moderno defendendo seu senhor, olhando a si mesmo com os olhos do dono…Quanto a Jesus, o Cristo, ser capitalista, como defendem alguns, aí realmente não dá…Aí realmente o caso é de QBUsite aguda, como bem entende o nosso querido Paulo Solon, versado nos códigos militares…Qualquer adolescente que já leu a Bíblia sabe da profunda incompatibilidade entre capitalismo e Cristianismo! Querer usar o Cristo para justificar as incongruências e paradoxos do capitalismo é de uma desonestidade intelectual sem tamanho! Cristo disse que “o espírito é mais que o corpo, e o corpo mais que o vestido”! Essa assertiva está muito acima das veleidades capitalistas, estas sim, situadas ao rés-do-chão das ambições e ferocidades humanas…

    Da trincheira,

    Um abraço cordial aos contendores Walter Martins e Francisco Bendl.

  39. Nada de novo no front ocidental, muito menos no oriental…

    Quanto desperdício!

    A verborreia pseudo-intelectual que despejamos aqui poderia fazer uma grande sopa para alimentar as massas ignorantes do planeta! Isso sim seria o socialismo perfeito! Com grandes pitadas de marxismo.

    Mas poderíamos também vendê-la somente a quem pudesse pagar ou troca-la por “massagens” em nossos egos, esse seria o capitalismo, levado ao máximo em perfeição! A lá Mises.

    E la nave va…

  40. Prezado Bortolotto,
    Este Blog incomparável não pode prescindir de comentaristas. Walter Martins é um dos mais aguerridos, polêmicos e combativos que temos.
    No entanto, quando ele está presente no meio de uma discussão, invariavelmente ela deriva para o aspecto pessoal, pois Walter não mede as palavras que emprega para que a sua opinião prevaleça.
    Eu também fico contagiado para entrar na peleia sem qualquer regra, desobedecendo a calma, prejudicando o bom senso porque o Walter tem esta propriedade consigo, de acirrar os ânimos.
    Corre sangue nas minhas velhas veias, mas flui rápido e forte. Desconheço colesterol no meu organismo, razão pela qual ele ferve rapidamente. Portanto, meu caro amigo, também estou te confessando que, ao pedir por moderação, estou solicitando-a em meu nome também, caso contrário, eu não seria tão contido nas expressões que uso, mas utilizaria um palavreado nada convencional.
    Mas respeito os frequentadores deste espaço democrático. Vejo-me obrigado a impedir que o trabalho majestoso de Newton e Hélio Fernandes seja conspurcado porque eu quis retribuir na mesma moeda o tom ríspido e jocoso que foi usado contra mim. Ora, um erro não justifica o outro, diz o ditado, então recolho o trem de aterrissagem e arremeto o meu voo.
    Obrigado pela compreensão e apoio, além de teres entendido perfeitamente bem a minha intenção desde o início desta troca de farpas desnecessária e absolutamente injustificável, pelo qual peço humildemente desculpas por alimentá-la em certos momentos.
    Um abraço, Bortolotto.

  41. Ué, o sujeito no título do artigo chama de pigmeus intelectuais, quem dele discorda. Diz que eu ando com amante e prostituta e eu é quem sou o carbonário? Aliás, só uma coisinha: jamais andei com prostituta. Nunca precisei pagar por sexo, pois, louvado seja, sempre fiz sucesso entre elas.

  42. Sr. Flávio Bortollotto:
    Saudações. Em parte alguma, nos países que grassou a peste socialista, as massas chegaram ao poder, mas sim um grupo de ideólogos, espertalhões, conduziram-nas, a chamada “maioria”, sempre foi a minoria. Foi assim na URSS, e em boa parte da Europa. As massas nunca foram avisadas, a priori, que seriam escravizadas. O que de fato ocorreu foi a consequente servidão.
    Cem milhões de pessoas foram assassinadas em nome do socialismo, tudo isso em busca dos “mais altos valores morais marxistas”. No livro intitulado “O livro negro do comunismo”, de vários autores, disponível para download na internet, traz detalhadamente, onde, como, e quando, foram perpetrados os genocídios.
    A sua previsão de que o capitalismo perderá é engano, ledo engano. Como o Sr. é social-democrata, torce pelo socialismo, mas perderá.
    A socialdemocracia é a ante sala do comunismo, nunca apreciei as teses dos fabianos.
    Horácio Melo.

  43. Seytrym,
    Os Protocolos dos Sábios de Sião, o livro que tu te reportas, jamais existiu!
    Foi uma farsa, inventado para colocar os judeus em situação de conflito perante a comunidade internacional.
    A verdade é que qualquer movimento ou religião possuem seus erros, defeitos, mas também alguns benefícios. A razão pela qual contabilizamos altos e baixos, deve-se à instabilidade do ser humano, sua falha de caráter, sua inconstãncia, que põe em jogo idéias elaboradas justamente para melhorar a sua condição perante à sociedade, que ele ignora e, muitas vezes, rejeita.
    Assim, Comunismo, Capitalismo, Socialismo, Democracia, Ditadura, Monarquia, Parlamentarismo, Teocracia, Judaísmo, Islamismo, Catolicismo, têm registros criticáveis, mas têm igualmente em seus anais obras elogiosas.
    Entre nós mesmos, existem pessoas extraordinárias, no entanto, convivemos com ladrões, corruptos, assassinos, gente de má fé, excelentes amigos, falsos amigos, bons parentes, péssimos parentes, exemplos de vida, modelos de existências que não se deve imitar jamais, enfim, somos caracterizados exatamente por não termos nada em comum com as demais pessoas, a não ser a nossa constituição física (carne, sangue, pele e ossos).
    Portanto, precisamos muito crescer mentalmente, equacionarmos nossos conflitos interiores, satisfazermo-nos pessoalmente e, básica e principalmente, sermos úteis!
    Claro que escrevo na condição de sexagenário, a vida indo embora rapidamente e eu já vendo no horizonte o meu ocaso.

  44. Senhores,

    Permitam-me fazer um alerta: Jesus cristo não veio trazer nenhuma teoria social à humanidade. Ele veio espiritualizar o ser humano; dizer ao homem que antes de ser um animal racional ele é uma partícula divina a ocupar o espaço terrestre. O homem, antes de qualquer coisa, deve estar a serviço de Deus!

    Não sabemos o que ocorreria com o planeta se os seus habitantes seguissem fielmente os ensinamentos do Cristo, pois, são raros os casos em que isto se deu.

    Todas as teorias sociais inventadas pelo homem já foram testadas; e, nenhuma delas mostrou-se capaz de satisfazer o convívio pacífico e harmonioso do homem com seus irmãos. Daí a humanidade estar patinando à milhares de anos. E, continuará. Até que o homem se torne receptivo às palavras do Cristo.

    Por enquanto, insistimos em sermos apenas os animais um tanto quanto racionais, sempre olhando na linha do horizonte, sem termos a preocupação de verticalizar as coisas. Viemos lá de cima; a nossa origem é lá! E o nosso destino também! Quanto mais tempo levarmos para entender isso, pior para nós mesmos!

    De qualquer forma, lembrem-se disto: todas as teorias sociais são inócuas no sentido de dar plenitude à vida humana. Porque, todas elas pecam pelo individualismo, e a vida não foi feita apenas para um, ou alguns no trato vulgar dela. A nossa vida é de relação, comunhão (não comunismo), o importante não sou eu, somos nós seguindo os ensinamentos do Cristo. Não o de Marx ou o de Adam Smith.

    O sentido de comunhão – participação ativa na solução dos problemas vivenciados por nós mesmos e pelos nossos irmãos – pregado pelo Cristo, é muito superior ao que é ensinado pelo comunismo ou socialismo.

    Nenhuma teoria social alcançará tais ensinamentos. Entendam isto e não façam mais confusão!

    A figura do Estado, no capitalismo, tem de funcionar como um distribuidor de riquezas e oportunidades. Lembrando que não é, nem de longe, um sistema que irá trazer a felicidade ao homem. Não é por aí!

    O sistema tem de dar oportunidade a todos de exprimirem seus talentos, inteligência, disponibilidade de trabalho etc., sem ferir a integridade das pessoas e sem causar quaisquer distorções valorativas. Não chegamos lá, ainda.

    Somos crianças teimosas, e vamos apanhar no popô até nos darmos conta destas coisas.

  45. Gostei do seu último comentário Bendl. Sexagenário? Interessante, lhe imaginava mais jovem.

    O que precisamos como humanidade é parar de se debater diante desse leque de opções existentes. Precisamos buscar algo novo! “não se põe vinho novo em odre velho”.

    Acreditamos ser livres, porém apenas podemos escolher entre as opções que nos são dadas!

    Que tal romper com tudo isso e buscar algo verdadeiramente novo?

    Wagner Pires, bom comentário. Até hoje não entenderam a Jesus Cristo. Ele foi o ser humano mais radical que já pisou na terra.

    Que tal tentarmos dar a outra face? Ou até mesmo negar a nós mesmos? Nossas convicções?

    Viver verdadeiramente o “seja feita a sua vontade”, independente do que o destino nos trouxer!

    Temos coragem para isso?

  46. Foi sim Seytryn, foi o mais radical. Rompeu com toda a hipocrisia humana. Lembrando que “dar a outra face”, não é oferecer o outro lado do rosto para ser agredido. É virar as costas (a outra face nossa) e sacudir a poeira dos pés e ir embora sem revidar.

  47. Seytrym,

    É isso mesmo. A ninguém é dado se impor pela força. Acaso Deus faz isso? Você mesmo já não está farto das coisas que lhe foram impostas por esta realidade que te cerca?

    Foi o que Ele fez ao evitar a sua terra natal; e orientou seus discípulos a fazerem o mesmo onde não eram bem-vindos.

    Não são palavras dEle? Quem sou eu para discordar!

    Se prestar a atenção, verá que esta atitude quebra um círculo vicioso, impede o erro de sua parte e desestimula a outra parte a cometer mais erros; além de respeitar o livre arbítrio – atributo maior de Deus aos homens.

  48. Prezado Wagner,

    Concordo.

    Mas será que nós somos esse “homem”, que teria sido feito a imagem e semelhança de DEUS e que possui o livre arbítrio?

    Somos mesmo a imagem de Deus?

    Possuímos mesmo o livre arbítrio?

    Algo não se encaixa…

  49. Seytrym,
    Sem querer me intrometer no diálogo que estabeleces com o prerzado Wagner Pires, a questão do livre arbítrio tem dado margem à discussão sem que haja uma definição a respeito.
    A maioria “acha” que se trata da opção entre o bem e o mal, um maniqueísmo simples, que tu arcarás com a consequência dos teus atos caso eles não correspondam com a verdade e o bem.
    Ora, então não é livre arbítrio, mas a pessoa ter derivado pelo caminho errado muitas vezes ocasionada pelas circunstãncias, menos escolha ou por propósito.
    O livre arbítrio, a meu ver, é mais complexo e, de fato, nos faz à imagem e semelhança de Deus.
    Observa o meu raciocínio:
    Qual é a única ocasião que nos aproximamos Dele, do poder de Deus?
    Quando somos pais. Quando nos unimos com uma mulher (falo na condição de homem, lógico) e esta consente em ter um filho conosco.
    Esta possibilidade de trazermos uma vida para este mundo que poderá se tornar boa ou má, dependendo da educação, exemplos e da existência que lhe for proporcionada pelos pais e pela sociedade, é a grande responsabilidade do ser humano.
    A paternidade é o ato mais sagrado do homem e da mulher, haja vista a importãncia de uma pessoa no contexto deste planeta.
    Exemplo:
    Os pais de Hitler, imaginaram algum dia que ele seria um dos responsáveis pelo maior conflito da História da Humanidade?
    Stálin, Mao, Átila, o Flagelo de Deus, Gengis Khan, Nero, Calígula, para citar os mais famosos apenas, foram frutos de um relacionamento teoricamente amoroso, convenhamos e, no entanto, foram personagens que representam a morte, o sofrimento, a dor, os assassinatos em nome de conquistas e poder.
    Pois o filho advém da junção de um casal que escolheu, decidiu, optou por ter um ou vários filhos.
    Esta decisão é o livre arbítrio pelo seu significado que transcende ao domínio dos pais sobre a criança, que vai até a sua maioridade. A partir dos seus dezoito anos ou vinte ou até menos, esta vida está por conta de si mesma, e ela poderá ser muito boa à civilização ou ruim; poderá ser uma ótima pessoa ou uma assassina; poderá servir de exemplo pelo comportamento ou de modelo pela conduta nefasta; poderá ser um pai excelente ou um daqueles que abandona seus filhos; poderá ser alguém honesto ou desonesto; caridoso ou simplesmente alguém que ignora o sofrimento alheio; poderá ser útil à sociedade ou um pária conforme a sua índole, que independe dos pais que o geriram.
    Enfim, esta responsabilidade de se ter um filho, nos assemelha a Deus pelo poder de criação que têm os humanos e cuja vida poderá transformar a Terra ou não; poderá nos trazer benefícios ou decepções; poderá ser um homem ou mulher que a Humanidade se lembrará positivamente ou negativamente ou, como a maioria de nós, mais um participante desta massa anônima que move o mundo, ilustres desconhecidos em busca de uma forma para seu sustento.
    Olha só a responsabilidade do livre arbítrio, de eu ser pai ou não e, sendo um genitor, a extrema importãncia da minha criação para com o filho, seu sustento, sua educação, formação universitária, mas não mais uma vida para viver em dificuldades, sem esperança, vítima das circunstãncias porque seus pais não pensaram nas consequências e na sacralidade desta vida, mas, tão somente, no ato que culminou no nascimento desta criança que foi meramente profano, foi com vistas ao prazer, à satisfação sexual, sem que ambos imaginassem – homem e mulher – as repercussões deste poder que seus corpos possuem de produzir VIDA!
    Eis o livre arbítrio na minha ótica, cujo ato meu e da minha mulher poderá redundar em uma vida que será elogiada ou amaldiçoada se for um célebre artista ou um terrorista, respectivamente.
    Desta forma, os pais trazem para este mundo ou gente boa ou gente má, e é esta a responsabilidade do nosso livre arbítrio, que podemos ser pais, que temos poder de criação, no entanto, estamos preparados para esta grandiosidade de gerar vidas?
    Estamos preparados para ter um filho bom ou ruim?
    E, nós, como nos saímos perante nossos pais?
    Honramos seu acasalamento ou os magoamos pelo que nos transformamos?
    A punição de nossa irresponsabilidade, Seytrym, do livre arbítrio mal usado, vem na forma de uma vida indesejável.
    Pergunto:
    Haveria pior castigo para os pais que sabem e sentem na carne que seu filho não presta, que matou, roubou, que é um indesejável?!
    Por acaso os pais que o geraram vão para a cadeia pelos atos criminosos de seu filho?
    Não. Em compensação, a dor, o sofrimento, o desespero, é transferido para os que exerceram o livre arbítrio de gerar um filho, que não serão punidos pelo ato em si, mas serão penalizados pelo filho que negligenciaram, que não teve o amor necessário, que teve uma existência infeliz e repleta de carências afetivas e materiais.
    Evidente que o contrário também é válido, ou seja, quando os pais envergonham seus filhos.
    Sim, a imagem nossa é de Deus, mas a semelhança reside nos atos caridosos, solidários, na compaixão que devemos ter para com nossos semelhantes que foram gerados e naqueles que geramos, neste ciclo interminável da vida que ainda não lhe damos o devido valor e importãncia, razão pela qual o sofrimento e a tragédia que é viver!

  50. Sábias as palavras do Sr. Bendl.

    Seytrym, sabe aquele ditado que diz que “a minha liberdade vai até onde começa a do próximo”?

    Pois é, é isso aí! O ser humano não sabe respeitar isso por conta do individualismo que nenhuma doutrina social vai conseguir anular, daí a sua confusão e incredulidade com a lei maior de Deus: o livre arbítrio. Mas, isso é coisa do ser humano, e não de Deus. É simples desobediência humana.

    O homem é a imagem e semelhança de Deus sim. Você está certo: guardamos dentro de nós o bem ou o mal – Deus ou Satã. E é pelo livre arbítrio que escolhemos. Daí a necessidade de extirpar a ignorância pela edição de leis por Moisés e o novo evangelho de Cristo, para sabermos escolher entre o bem e o mal. Já que as leis divinas são imutáveis.

    O evangelho de Cristo é a perfeição, jamais alcançada pela humanidade.

  51. Caro Bendl e Wagner,

    Fico muito grato em poder conversar sobre assuntos tão sérios com desconhecidos e pela internet.

    Permitam-me porém exemplificar melhor minha instigações.

    – Quando questionei se somos imagem e semelhança de Deus, quero que vejam além das limitações das nossas medidas.

    Deus é perfeito! Somos perfeitos? Deus é bom! Somos bons? Deus é tudo e é uno. Nós somos consciências egocêntricas separadas, o que por si só, é a causa de todos os conflitos e males da humanidade.

    Somos como uma gota de água que insiste em manter sua identidade como gota, ao invés de se “perder” no Oceano e assim assumir sua identidade como o próprio “Oceano”.

    Assim acreditamos que mantendo nossa consciência “EU” seremos, um dia, perfeitos como DEUS.

    Não! Nosso único caminho é o perder-se em DEUS.

    É deixar a nossa consciência separada pela ignorância e voltar a fazer parte do “TODO”.

    É sobre isso que reza a frase: Homem, conhece-te a ti mesmo!

    É sobre isso que João fala: Ele (o outro em nós, divino) deve crescer e eu (EGO) devo diminuir.

    Jesus e outros grandes vieram para mostrar “como” podemos fazer essa mudança. E ela acontece pela negação não forçada de tudo o que constitui a base de nosso EGO.

    – Não possuímos e nem possuiremos livre-arbítrio enquanto não perdermos nossa consciência “EU”, separada do “todo”.

    Pois “em parte conhecemos e em parte profetizamos; quando, porém, vier o que é perfeito, o que é imperfeito desaparecerá… Agora, pois, vemos apenas um reflexo obscuro, como em espelho, mas então veremos face a face. Agora conheço em parte; então, conhecerei plenamente, da mesma forma como sou plenamente conhecido”

    Essa é a promessa para aquele que aceita perder-se a si mesmo, tão conspurcada pela única maldade: Nossa própria ignorância.

  52. Seytryn,
    Não podes esquecer que tais palavras – as de Cristo – foram promulgadas há mais de dois mil anos, e que este mundo de lá para cá – entenda-se o homem – mudou sobremaneira.
    Claro, a moral, a ética, os bons costumes, jamais podem ser alterados ou substituídos por valores que possam ser contestados ou porque vivemos em outro momento, no entanto, precisamos considerar que necessitamos ser mais tolerantes e compreensivos até mesmo conosco.
    Disto isto, quero salientar que colocar em prática os ensinamentos de Cristo ou interpretá-los à altura, poderemos estabelecer uma existência extremamente difícil, quase impossível, haja vista imaginarmos querer nos aproximar de Deus mediante as tentações seculares e nossa fragilidade em resistirmos aos apelos que prazeres, sensações e sentimentos, ocasionam em nosso ser.
    Deus sabe disso, que somos imperfeitos, que dependemos uns dos outros, que somos facilmente vencidos pelas ilusões, então exigir que sejamos corretos no caminhar pela trilha do tempo que duraremos neste planeta será uma tarefa tão árdua que, além de não conseguirmos lograr êxito nesta empreitada, simplesmente deixaremos de lado a própria condição que nos caracteriza: de sermos humanos, falíveis, que mais erramos que acertamos, ou seja, no final das contas nenhuma e nem outra coisa conseguiremos ser, nem santos ou pecadores, mas desperdiçamos o milagre da vida por algo que não era do nosso alcance, imitar a perfeição de Cristo.
    Temos que fazer o melhor mediante a vida que nos deram nossos pais e a sociedade, o ambiente, a rua, o bairro, a cidade, o país onde nascemos.
    Lembra do livre arbítrio e a interpretação que dou para esta expressão?
    Como exigir uma vida exemplar se a existência que nos contemplaram impede esta possibilidade?
    Ora, se vim um aborígebe australiano serei um deles; se membro de uma tribo africana continuarei sendo mais um a fazer-lhe parte com seus rituais, modos e costumes; da mesma forma se esquimó ou índio brasileiro ou filho de pobres catadores de lixo.
    Por acaso Deus me cobrará atuação no sentido de eu não ter feito nada à paz mundial?
    Que não colaborei à paz entre judeus e árabes?
    Por que simplesmente segui os passos de meus pais e dos meus próximos em seus meios de vida?
    O básico das religiões, Seytryn, a regra primordial, vital para que pelo menos possamos viver equilibrados é:
    Não faça aos outros o que não queres que te façam!
    Olha, tomando por meta este célebre ditado, certamente estaremos colaborando para um mundo melhor, menos violento, mais pacífico, tolerante, caridoso, solidário, infinitamente melhor para se viver.
    Esquece a vida de Cristo porque Ele era Deus entre nós, no meio de humanos e seus problemas, e segue a tua vida tendo como meta este ensinamento deixado por Ele mesmo, e tu será um agente de felicidade e, em decorrência, irá-la encontrar nas outras pessoas que as fizeste feliz, pois este será o lema que elas também levarão consigo, e assim sucessivamente.

  53. Seytrym,

    É isso mesmo, de novo. Homem de Deus, você foi em cima de onde eu iria chegar. Seu tirocínio está aguçado. Somos a imagem e semelhança de Deus. Por isso Paulo disse essas palavras – em Corintios, acredito.

    Apesar de sermos partículas divinas, caímos por não sabermos amar. Por isso Paulo fala do elemento maior – o amor incondicional. Cansados do esgoto, ou inferno – como queira chamar-, pedimos uma oportunidade para voltarmos ao topo do TODO. Digo todo, porque Deus é o TODO. Não podemos separar nada de Deus pois se separarmos estaremos diminuindo o que é Deus. “Via Satanás cair do céu como relâmpago”, assim disse o Cristo aos seus apóstolos.

    Para aliviar a sua angústia, digo-te para não ter a preocupação de anular a sua personalidade. Se Deus lhe deu, foi porque era necessária. Para que você visse o que você é e, dentro do seu livre arbítrio, decidisse se melhorar. Difícil é fazer o que Francisco de Assis fez. Anulou a si mesmo em favor do próximo, e não apenas pensando na própria evolução.

    Faça como Francisco de Assis falou para fazer – devagarzinho – vá modificando as coisas ao seu redor pela força da tua individualidade que é maior que a da sua personalidade. Mas, se confundem.

    É o que você chamou de: “CONHECE-TE A TI MESMO”. Inscrição em Delfos. Isso é um exercício que você tem de fazer o resto da vida.

    E você acertou novamente, somos como gotas a voltar para o oceano. O caminho de volta, acredite se quiser, somos nós mesmos que escolhemos.

    E não Bendl, Deus não te cobrará aquilo que não faz parte do seu destino cármico. Deus não te cobrará nada. Quem fará isso é a sua consciência. É ela quem te julgará. Naquele momento verás face a face o que você é. Verás o que é o perfeito e o que é o imperfeito, e se julgará.

    Nossa segurança e a nossa sentença é o evangelho de Cristo.

  54. Estou gostando da profundidade que estamos tomando…

    Bendl,

    “Esquece a vida de Cristo porque Ele era Deus entre nós” isso para mim não basta.

    Se perguntássemos a 99% da população: “Conheceis o cristianismo?” Todos diriam: “Sim, há muito tempo! Não tem algo novo para nos oferecer?”

    Porém me permita a impertinência de afirmar que desconheceis o cristianismo! Ao menos a manifestação verdadeira de sua realidade vivente.

    “quero salientar que colocar em prática os ensinamentos de Cristo ou interpretá-los à altura, poderemos estabelecer uma existência extremamente difícil, quase impossível, haja vista imaginarmos querer nos aproximar de Deus mediante as tentações seculares e nossa fragilidade em resistirmos aos apelos que prazeres, sensações e sentimentos, ocasionam em nosso ser.”

    Aqui você tocou fundo no cerne da questão. Não fazemos pois por milhares de anos a igreja se ocupou em fazer uma separação entre o divino e nós! Fizeram que acreditássemos que uma nova atitude de vida é algo impossível ou até mesmo indesejável.

    “Ora, se vim um aborígebe australiano serei um deles; se membro de uma tribo africana continuarei sendo mais um a fazer-lhe parte com seus rituais, modos e costumes; da mesma forma se esquimó ou índio brasileiro ou filho de pobres catadores de lixo.”

    Boa! Veja bem, nós somos seres separados e portanto “classificáveis”. Porém o ser divino que é prisioneiro em meu peito é uno com o que habita o seu. Se nós dois déssemos conseguíssemos despertá-lo, então seríamos um só. Assim ocorre com a humanidade inteira. Não há separatividade em Deus.

    Acontece que cremos veemente que alimentar as nossas consciências egoicas seja a nossa única opção de vida.

    “Olha, tomando por meta este célebre ditado, certamente estaremos colaborando para um mundo melhor, menos violento, mais pacífico, tolerante, caridoso, solidário, infinitamente melhor para se viver.”

    Jesus disse duas frases muito importantes:
    Meu reino não é deste mundo.
    Eu não vim trazer a paz, e sim a espada.

    Eis aí outra chave interessante que faz com que as coisas se encaixem. Jamais alcançaremos a paz nesta terra, muito menos no além, que é apenas um espelho do que ocorre por aqui.

    Existe uma “metade desconhecida” do mundo, que não é o reino dos mortos.

    Ela está além de tudo o que conhecemos e somos. É desse reino que Jesus falava, não um mero “céu” para se esperar o reencarne.

    Nós, imperfeitos, não podemos nos alçar a esse Reino, porém o ser divino que habite em nosso peito, ele sim, pode!

    O mundo é o que é, e é bastante louvável as ações para torná-lo menos caótico.

    Porém as aspirações mais profundas de nosso ser não encontram “um lugar para encostar a cabeça” nessa dura realidade.

    Nosso mundo é chamado de “mundo da queda”. A alegoria do Gênesis exemplifica bem como isso aconteceu. Fomos expulsos do paraíso. Comemos hoje da “árvore do bem e do mal” onde um está intrinsecamente ligado ao outro.

    Se retornarmos a esse outro “reino” poderemos novamente comer da “árvore da vida”, sem sofrer as dores dos opostos.

    “Esquece a vida de Cristo porque Ele era Deus entre nós”

    Te digo, e a todos que estão lendo:

    DEUS ESTÁ EM NÓS, “mais próximo do que mãos e pés”.

    Ele aguarda como uma rosa em botão, que finalmente ouçamos o seu chamado.

    Que assim seja!

  55. Wagner,

    Vamos lá! Com muito prazer!

    “Para aliviar a sua angústia, digo-te para não ter a preocupação de anular a sua personalidade. Se Deus lhe deu, foi porque era necessária.”

    Esse é o engano. Deus nos deu essa personalidade TEMPORAL de forma TEMPORÁRIA!

    Não nascemos para sofrer sob o jugo da morte e dos constantes reencarnes.

    A única razão de nossa existência é “Conhecermos a nós mesmos” para então entender a que ponto caímos e OUSAR fazer o caminho de volta.

    “Faça como Francisco de Assis falou para fazer – devagarzinho – vá modificando as coisas ao seu redor pela força da tua individualidade que é maior que a da sua personalidade. Mas, se confundem.”

    Não! Justamente é a força de minha individualidade que me faz prisioneiro, que alimenta ainda mais a “persona” (máscara em grego, não por acaso!).

    É essa individualidade que faz com que eu me considere certo, enquanto todos os que discordam estão errados! Percebe?

    Existe uma força maior que dormita em nosso peito. Ela sim poderá romper com todas as amarras que nos prendem. Ela se chama AMOR. O verdadeiro AMOR.

    Insisto que desconhecemos essa força! Ela é inerente ao ser divino em nós.

    Quem sabe um dia conseguiremos possuir um pouco desse Amor!

    Mas cuidado! Se tentarmos “tocá-lo” com mãos ímpias, não encontraremos nada.

    E como Jesus disse: Porque me chamas bom? Ninguém é bom, nem mesmo um.

    “Todos os nascidos de carne e do sangue deverão renascer novamente”

    É desse renascimento (morrer para esta individualidade e nascer para a outra vida) que falo.

    Saudações!

  56. Certo Seytrym.

    Tenho de ir trabalhar. Devo ser breve.

    O que te faz prisioneiro é o mundo e o teu corpo que limita o teu espírito. Somos uma tríade: corpo (plexo físico), alma (personalidade) e espírito (partícula divina).Os dois primeiros são transitórios. O terceiro é eterno. Não se subdivide Deus. Há apenas uma transitoriedade que é quem você é – um ser transitório. O Seytrym é transitório. O espírito do Seytrym, não.

    Não precisa eliminar a sua personalidade. É só buscar a simplicidade das coisas em harmonia com o seu coração.

    E você está certo, novamente. Um alerta (!): O evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo é a nossa segurança. Ou a nossa sentença.

    Grande abraço!

  57. Seytryn,
    Serei breve desta vez.
    Estamos hoje falando de Deus e interpretando as escrituras com uma literalidade que não tem paralelo na história da religião. Tomás de Aquino e Maimônides ficariam horrorizados ao ouvir a maneira simplista como falamos de Deus hoje em dia. No passado, as pessoas entenderam que o que chamamos “Deus” está fora do alcance do discurso e dos conceitos mas, hoje, temos a tendência a domesticar a transcendência, e nossa ideia de Deus é muitas vezes simplista – até mesmo primitiva. Ouvimos pela primeira vez sobre Deus mais ou menos na mesma época em que ouvimos falar de Papai Noel, mas a nossa compreensão do Papai Noel muda e amadurece ao longo do tempo, enquanto que a nossa compreensão de Deus permanece em um nível infantil.
    Assim, meu caro, não te apegas de forma literal às palavras de Cristo e por várias razões:
    Para o povo que Ele as proferia;
    O tempo, dois mil anos atrás;
    A deformação que as traduções ocasionaram nos textos do Novo Evangelho;
    As interpretações desses registros que diferem de pessoa para pessoa, de acordo com seus níveis intelectuais, culturais e condição de vida.
    O importante é o que está ao nosso alcance, que é simplesmente HUMANO, e assim deve ser.
    Se fizermos o mais perto possível de obras adequadas e tivermos um comportamento correto dentro de nossas limitações HUMANAS, salve! Viva a nossa passagem neste Planeta.
    Agora, querermos conciliar uma “vida” divina com uma terrena, bom, aí nem mel e nem porongo, além de nos punirmos de forma masoquista pelas imperfeições que não somos culpados.

  58. Prezados Bendl e Wagner,

    A conversar esta boa, mas o post está velho. Nos encontraremos por ai no “futuro”.

    Independente das divergências, dos embates passados ou futuros, desejo-lhes compreensão e agradeço a oportunidade de debater tema tão interessante.

    Despeço-me afirmando que a única maneira de ser um verdadeiro Cristão é OUSAR seguir a Jesus Cristo, independente das dificuldades inerentes e da incredulidade que permeia hoje o nosso mundo.

    O Cristianismo verdadeiro transcenderá os dogmas hoje vigentes e poderá se tornar vivente e ativo!

    Na verdade é essa ousadia que tanto ansiamos quando vemos a situação corrupta de todos os setores da sociedade. Porque continuamos a aceitar toda essa situação?

    Porque não acreditamos que algo possa ser verdadeiramente diferente!

    Entendam que a postura individual está ligada a postura de todos como sociedade.

    Se ousarmos viver de um novo modo, o mundo não será mais o mesmo.

    Teremos então verdadeiramente nos tornado imagem e semelhança de Deus!

    Abraços!

  59. Sr. Shossland. Já lhe disse e vou repetir. Atenha-se ao evangelho de Cristo – o que ele disse.

    O irmão Rubens trouxe uma historicidade muito bacana. Mas, preste atenção e verás que muitas coisas que ele diz não condiz com a verdade.

    A propósito: a palavra bacana – ver no dicionário – quer dizer muito bom, excelente. Nada a ver com bacanal, que vem de baco.

    Continuarei chamando o salvador de Jesus Cristo. É este o seu verdadeiro nome. Não tenha dúvidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *