Soldado também é cidadão

Carlos Chagas

Tem acontecido, de quando em quando. É raro, mas em certas ocasiões os repressores negam-se a reprimir a multidão em revolta, integrando-se nela e contribuindo para o sucesso de suas reivindicações. Quando o povo cercou a Bastilha um corpo de Artilharia foi enviado para dispersá-lo, mas usou os canhões para derrubar muros da fortaleza.  Há outros exemplos, na História.

Já imaginaram se hoje no Rio, São Paulo, Brasília ou qualquer capital, soldados das Polícias Militares se reunirem aos manifestantes, de braços dados, marchando juntos para exprimir protestos iguais? Porque os militares, tanto quanto estudantes, operários, funcionários civis e povo em geral sofrem pela desídia do poder público. Ganham pouco, enfrentam os mesmos percalços e sacrifícios, do transporte coletivo à falta de hospitais e escolas. Enfrentam a bandidagem e irritam-se ao saber dos abusos e da bandalheira dos governantes. Como regra, curvam-se às determinações ditadas pela hierarquia e a disciplina, mas não terão seus momentos de indignação?

Na hora de investir contra o povo, poderão hesitar. Não se fala dos baderneiros, depredadores, black blocs e sucedâneos, mas do vizinho de quarteirão, do jovem que conheceu no trem, no ônibus ou na fila do posto de saúde. Um belo dia essas coisas acontecem: em vez de usar cassetetes e bombas de gás, poderá quem usa farda engrossar as fileiras do povo? Será aplaudido. É tanto cidadão quanto soldado.

AS CONSEQUÊNCIAS

Contando-se com o sucesso das manifestações de hoje em todo o país, com votos para que tudo transcorra pacificamente, a pergunta seguinte envolve suas consequências. Fará o quê, o governo Dilma, se centenas de milhares de pessoas tiverem expressado sua rejeição? Seria hora de mudar, não havendo nenhum desdouro em mudanças ditadas pela necessidade. Mas teria a presidente percepção e coragem para tanto? A sombra do desemprego paira sobre a Petrobras e afins, com previsões assustadoras.Não haverá nada a fazer?

Dos 39 ministros pelo menos a metade não disse a que veio.Que tal despachá-los? Os impostos e taxas subiram, os combustíveis também, além do preço de gêneros de primeira necessidade. Cortes no orçamento da educação, da saúde e da segurança pública prejudicam a vida da maioria da população. Não haverá forma de compensá-los com parte do lucro dos bancos ou o imposto sobre grandes fortunas? Antes de tudo, e muito mais, porém seria com que Madame ouvisse a voz das ruas. Descesse do pedestal para sentir o cheiro de povo.

3 thoughts on “Soldado também é cidadão

  1. Chagas, você trabalhou e viveu perto dos golpistas de 1964, hoje sofre com a síndrome do golpe. Agora sonhas com a PM engrossando a fileiras dos protestos. Todos esses movimentos além da corrupção já detectada e enfrentada, tem o dedo dos EEUU. Maduro, Cristina e Dilma não fazem o jogo dos americanos. Consequentemente eles se aproveitam dessas críses reais ou fabricadas, para tentar desestabilizar esses governos. Os americanos torcem para que aconteça uma guerra civil nesses países para eles intervirem. Mas teu sonho não se realizará. Os culpados pelo roubo serão penalizados. Você parece amiguinho do Dirceu, nunca falaste deste pilantra a cabeça criminosa de tudo que está acontecendo. Não estou querendo defender ninguém, mas até agora Dilma não é passível de impeachment. Se ela tivesse pedido diretamente dinheiro a qualquer dos envolvidos aí sim, não tinha jeito. Saber que os partidos pedem ajuda financeira para suas eleições, lógico que ela sabe. Agora os desvios de parte do que recebiam, tenho dúvida. Ninguém pode ser incriminado porque alguém supõe que soubesse. Vamos materializar o seguinte: Você que trabalhou profissionalmente com os militares em 1964, poderia ser chamado e processado na “Comissão da Verdade”, supostamente porque soubesse das torturas praticadas? Lógico que não. A não ser que haja um golpe de estado, e aí sim Dilma seria entregue aos americanos. Voltando para o real: Acho isso tudo uma frescura de maus perdedores. O certo é exigir punição dura para os corruptos.

  2. Os governantes estão tão preocupados com nossa exigência de punição para os culpados, mas tão preocupados, que até já escolheram um JUIZ _ A DEDO_ para saciar nossa fome de justiça…

    Saudações,

    Carlos Cazé.

Deixe uma resposta para Antonio Santos Aquino Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *