STF cancela 3,4 milhões de títulos, a maioria no Nordeste, maior reduto do PT

Resultado de imagem para títulos de eleitor charges

              Charge do Sponholz (sponholz.arq.br)

Carolina Brígido
O Globo

O Supremo Tribunal Federal (STF) negou nesta quarta-feira pedido do PSB para permitir que os eleitores que perderam o prazo do cadastramento biométrico sejam autorizados a votar nestas eleições. De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), há 3,4 milhões de títulos nessa situação, porque seus portadores não compareceram à revisão eleitoral, ocorrida entre 2016 e 2018. O recadastramento ainda não foi totalmente concluído no país. Até agora, a maior parte dos títulos cancelados está na Região Nordeste, com 45%.

Os ministros do STF explicaram que o recadastramento servia não apenas para cadastrar os dados das impressões digitais dos eleitores, mas também para verificar quem está apto a votar.

INSEGURANÇA – Ainda segundo os ministros, inserir todas essas pessoas na lista de votantes às vésperas das eleições provocaria insegurança na votação. Em parecer enviado ao STF, o TSE afirmou que uma liminar concedida agora poderia prejudicar o calendário eleitoral, por falta de capacidade técnica de ampliar a lista de votantes agora. Ainda segundo o setor, a demanda envolveria “custos e eventuais licitações ou aditamentos de contratos já firmados”.

Barroso lembrou que a Justiça Eleitoral divulgou amplamente a necessidade de recadastramento por meio da biometria no período em que foi feito o procedimento. Ele também afirmou que, com base em dados do TSE, para restabelecer a validade dos títulos, seria preciso refazer a listagem de eleitores de 1.248 municípios afetadas pelos cancelamentos – o que seria operacionalmente complicado.

BAHIA PERDE MAIS – O estado onde mais eleitores tiveram os títulos de eleitores cancelados foi a Bahia, com 586.333, o que representa 5,6% do eleitorado local, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em São Paulo, o número de cancelamentos foi de 375.169 (1% do total de eleitores do estado). No Paraná, foram 257.941 títulos cancelados, o equivalente a 3,2% do total de eleitores. Já no Ceará, a quantidade de cancelamentos foi de 234.487 (3,7% do eleitorado).

Em termos percentuais, depois da Bahia, o maior impacto aconteceu em Goiás, onde 4,9% dos títulos foram cancelados (219.426), e no Maranhão, onde a taxa de cancelamentos foi de 4,7% (216.576 títulos).

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
É claro que o cancelamento de 3,4 milhões de títulos terá efeitos nas eleições. Mas ninguém pode dizer quem sofrerá mais prejuízos, porque urna é igual a cabeça de juiz, ninguém sabe o que tem dentro. Mas todos sabem que o Nordeste é reduto do PT. (C.N.)

22 thoughts on “STF cancela 3,4 milhões de títulos, a maioria no Nordeste, maior reduto do PT

  1. O recadastramento visava também eliminar os eleitores fantasmas (falsos e/ou mortos). Portanto neste número que não se recadastrou existem MUITOS MORTOS-VIVOS que jamais irão fazer biometria pois simplesmente não existem.
    E curiosamente o maior número de POSSÍVEIS eleitores fantasmas parece que se encontra no Nordeste…

  2. Independente de cancelamento, essas duas múmias PARALÍTICAS(PAU-MANDADO & BUNDA SUJA) estão deixando a população, o eleitorado e o país sem saída, sem válvula de escape, à moda se ficar o bicho do petralhismo come, e se correr o bicho do militarismo pega, restando assim o tira-teima entre o “incarnado” versus militarismo, uma espécie de nova versão requentada do velho FLA-FLU.

    P.S.: – Por ser um perdedor, Nas entranhas do ADDAD exala derrota. Não é à toa que ele sofre da síndrome do primeriro turno. VALE O AVISO: Quem plantar Haddad, vai colher Maduro!!!

  3. Pois é…
    Bem disse o Aranha…

    Desse jeito não vai dar para votar com o título do compadre que morreu na década passada, nem o coronel poderá votar com o titulo do caseiro dele, a menos que corte o dedo do empregado…

    -Acredito que tenha sido dado mais um passo no longo percurso da moralidade. É
    Deus usando o inferno e seus anjos para fazer a sua obra…
    “Glória a Deuxxx”

  4. Com isso acho que o maior objetivo do recadastramento vai se cumprindo: uma bela faxina nas usuais falcatruas, que fazem proliferar eleitores fantasmas pelos grotões brasileiros, e por toda a parte. Que bela limpeza quando o cadastramento biométrico estiver implantado em todo o país…

  5. Uma outra medida profilática, junto com a urgente reforma eleitoral, seria uma varredura completa nos cadastros de filiações aos partidos.

    Muita filiação nas coxas, muita gente filiada meio na marra, recrutadas em votações episódicas, convenções de diretórios zonais, municipais, etc., e por aí vai.

    Que resultam em organizações sem vida, máquinas azeitadas e mobilizadas apenas nesses momentos, na busca de posições nas instâncias burocráticas internas.

  6. Banqueiros se conformam com Haddad/Lula, diz consultoria

    A consultoria de negócios G.O. Associados encomendou ao professor Sergio Wechsler, do Instituto de Matemática e Estatística da USP, estudo sobre as probabilidades dos principais candidatos a presidente. O resultado é surpreendente: Se a eleição fosse realizada hoje, o candidato do PT, Fernando Haddad, teria nada menos do que 99,4% de chance de vencer.

    A G. O. Associados é uma consultoria de negócios ligada ao mercado financeiro. Ou seja: conhece muito bem o mercado. E o título da matéria publicada pelo dono dessa consultoria no UOL e trecho do texto explicam muito bem a ironia.

    Sai efeito Bolsonaro, entre efeito Haddad

    “A reação do mercado financeiro aos últimos resultados deveria ser negativa, especialmente em dia de crise argentina. Houve sinais de queda da Bolsa e elevação do dólar, mas foram passageiros. Com a ajuda do preço das commodities, o mercado parece se acostumar às súbitas mudanças nos ventos da política.”

    O que esse parágrafo quis dizer é, basicamente, que o mercado parou de apostar na vitória de Bolsonaro e, agora, aposta na vitória de Haddad simplesmente porque o petista está encostando no candidato da extrema-direita e o vence no segundo turno.

    Gesner de Oliveira disse em seu Blog no UOL que o mercado deveria estar estressado com Haddad, mas parece que já está se acostumando à ideia de um presidente petista.

    https://goo.gl/ryzjkx

    • Haddad representa o partido que mais se salientou com a iniciativa privada, resultando na Lava Jato e o imenso rombo que só apareceu em números quando a investigação explodiu. O petista segue a linha de seus antecessores, é incompetente e pau-mandado do partido. Haddad se elegendo trás de volta a todo continente, o fantasma URSAL. A estatização de empresas e a prisão sumária dos algozes do PT, em uma segunda etapa. Atirar no próprio pé, neste caso, não representa o que realmente acontecerá. Conversando com uns e outros temos a exata noção da infantilidade e ignorância que floresce na cabeça de imensa proporção dos eleitores brasileiros. Nem o exemplo deplorável de nosso vizinho, fez este povo acordar. Precisam sentir na pele. Fazer o que?

  7. No oeste do país a única coisa que movimenta as cidades são as bolsas qualquer coisa, as aposentadorias fraudadas de pessoas jovens, as aposentadorias rurais dos idosos e o cultivo e a venda de maconha para o resto do país.

    • É Francisco, parece que o OESTE do país agora está no litoral, segundo alguns “especialistas”.
      Às vezes ler antes de replicar ajuda, mas as crianças são afobadas para falar…

  8. Mas a alegação de que o voto é um dever do eleitor, isso é uma distorção da democracia brasileira. Uma ova que é dever. Dever na cabeça arbitrária e prepotente de quem tem errado contumazmente com a nação. A nossa realidade assina o que digo.

  9. Pelo menos essa bola dentro do STF, não “ressuscitar” os eleitores fantasmas, que por acaso são maioria na minha região nordeste e em seu interior. Será que nessas eleições teremos algo semelhante a vitória de madame em 2012 e Jaques Wagner na sua fantástica reta final quando apareceram os votos do interior em 2006?

  10. O recadastramento é uma farsa!

    A uma porque a eliminação de eleitores fantasma é suposta. Como fraude eleitoral também.

    Impôs um ônus não razoável ao eleitor. Procurar a zona eleitoral para cadastro biométrico.
    O fato é que poderia o seu processamento ocorrer quando da própria eleição, ao votar, ou, de forma a impactar menos nos trabalhos desta, através de convênio com outros órgãos públicos e instituições privadas, como nas eleições, que cedem seu espaço para o pleito, pois as eleições são processadas em locais diversos para se chegar ao maior número de eleitores.

    No caso do recadastramento biométrico realizado, as zonas eleitorais não ficam acessíveis a todos, como as consequências de sua não realização, não atinge como deveria a consciência do eleitor, e por isso mesmo, jamais deveria se chegar a exclusão da participação do processo de escolha de maneira tão abrupta.

    Um processo de cadastramento como esse, para invalidar um processo anterior, não poderia ter consequências tão drásticas, comparativamente parece como o banimento eleitoral.

    Se se apresentou e não tem o cadastro biométrico, que se libere a votação e aplique-se uma multa.

    Por uma irregularidades muito piores que são, por exemplo, o cidadão não tem um direito subtraído, como àquelas infrações de trânsito, requerendo um processo administrativo para tal…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *