STF concede prisão domiciliar para Picciani e agora só falta soltar Sérgio Cabral

O presidente afastado da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), Jorge Picciani (MDB) (Foto:  JOSE LUCENA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO)

Picciani foi libertado porque usa fralda geriátrica

Renata Mariz e André De Souza
O Globo

Por dois votos a um, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) converteu a prisão preventiva do presidente afastado da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), Jorge Picciani (PMDB), em prisão domiciliar. Votaram assim os ministros Dias Toffoli e Celso de Mello, que apontaram razões de saúde para conceder o benefício. Toffoli falou ainda que a vida dele está em risco.

Apenas Edson Fachin foi contra. Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski, que também integram a Segunda Turma, não estavam presentes e, por isso, não participaram do julgamento. O pedido foi feito pela defesa de Picciani e teve parecer contrário da Procuradoria-Geral da República (PGR).

“INFECÇÃO” — “Os argumentos lançados pela PGR (contra o habeas corpus) no sentido de que a possibilidade de o paciente vir a ter um infecção não seria fundamento para concessão da prisão domiciliar não altera meu convencimento na matéria, porque seria excessivo e desproporcional aguardar que um paciente recém-operado de câncer fique extremamente debilitado em face das condições prisionais inadequadas” — disse Toffoli, relator do habeas corpus, acrescentando: “É a própria vida dele que se encontra em risco do ponto de vista médico”.

Fachin discordou. Para ele, a perícia produzida por determinação do ministro Dias Toffoli não autoriza a aplicação de trecho do Código Processo Penal que permite prisão domiciliar quando o detendo está “extremamente debilitado por motivo de doença grave”. Além disso, na sua opinião, a decisão deveria ser tomada pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), com sede no Rio de Janeiro, que foi quem determinou a prisão de Picciani.

LEVEMENTE DEPRIMIDO – A avaliação determinada por Toffoli, feita por um perito da Polícia Federal (PF) no último dia 15, descreve Picciani como “calmo, lúcido, orientado no tempo e no espaço”, mas “levemente deprimido”. Segundo o laudo, o preso tem incontinência urinária diurna e noturna, necessitando de fisioterapia para esvaziamento da bexiga e exames de imagem e laboratório.

O perito se disse impossibilitado de responder se a prisão tem condições adequadas à condição de Picciani porque não visitou a cela. Mas destacou que “a resposta é sim” desde que atestadas determinadas condições, como higiene pessoal, vestes e fraldas em quantidade suficiente, que “são pertinentes a qualquer lugar”.

JAMAIS PASSOU MAL – O laudo registra que quatro servidoras do setor de saúde do presídio afirmaram que “até onde se lembram nunca houve solicitação expressa do senhor Jorge Sayed Picciani para atendimento de saúde na unidade”. O perito assinalou que não “é possível avaliar o estado atual da neobexiga do periciado”.

Picciani está preso desde novembro, por decisão do TRF-2, em decorrência da operação Cadeia Velha. Em 15 de março, o tribunal o tornou réu, juntamente com os deputados estaduais Edson Albertassi e Paulo Melo, também presos e filiados ao PMDB, pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Deputados estaduais, empresários e intermediários são acusados de manter uma caixinha de propina destinada à compra de decisões na Alerj para o setor de transportes.

CÂNCER GRAVÍSSIMO – O advogado de Picciani, Nelio Machado, disse que o cliente tem um “câncer gravíssimo”, passou por quatro cirurgias na próstata, corre risco de infecções no pós-operatório e usa dez fraldas por dia. Segundo ele, o político está há quatro meses sem exames necessários ao controle da doença. Machado criticou o fato de o perito que fez a avaliação de Picciani não ter sido autorizado a inspecionar a cela, mas que, ainda assim, teria verificado as condições graves de saúde. E afirmou que a assistência ofertada no interior dos presídios é ainda pior que o serviço público de saúde em geral.

“Ele corre risco de vida significativo. O quadro é delicadíssimo” — disse o advogado, acrescentando: “Qual o mal para a sociedade se se ministrar um tratamento mínimo digno a este senhor?”

Em nota divulgada após o resultado, a defesa afirmou que a decisão “possibilita o tratamento médico especializado que o deputado necessita”.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
A que ponto chegou o Supremo… A doença gravíssima de Picciani é exatamente igual à de Paulo Maluf, Eliseu Padilha e Sílvio Santos. Todos usam fraldas geriátricas. Maluf está na cadeia, Padilha e Silvio trabalham normalmente. O câncer de Picciani é “fake news”, e ele nem está fazendo quimioterapia, radioterapia ou iodoterapia. Mas o que esperar de juízes como Dias Toffoli e Celso de Mello? Diante disso, a gente sente uma falta danada do Saulo Ramos, que aprendeu a diferenciar um juiz de verdade e um juiz de merda. Agora, falta o Supremo soltar o Sergio Cabral, que tem câncer na alma.  (C.N.)

19 thoughts on “STF concede prisão domiciliar para Picciani e agora só falta soltar Sérgio Cabral

  1. NR assino, como sempre, os sinistros hediondos, coniventes com bandidos hediondos. Como crer na justiça brasileira, parceira e conivente com ladrões do cofre público. Só creio na Justiça Divina, que faz Justiça, por nossas Obras, no pós túmulo. Almas trevosas, já tem garantido o “Ranger de dentes” pelo Tribunal Divino da Consciência, por suas Obras malignas.

  2. …não sou médico, tampouco veterinário; entanto, causa-me estranheza a maioria dos políticos quando vão à prisão ficam “extremamente debilitados, depauperados…”; quando no afã de roubar, estão lépidos e fagueiros…perícia do INSS neles…serão todos declarados sãos…

  3. E o meu mantra cada vez mais se confirma: somos inviáveis financeira, economica e politicamente. Há quem alegue que também culturalmente com o que eu concordo. Quem tem axé, sertanejo universitário e padre cantor (conforme Ruy Castro) como referencias culturais não pode dar certo.

  4. Neste lixo de país os poderosos não ficam muito tempo na cadeia. Podem sempre contar com benevolência dos “nobres” ministros do STF.

    Caminhamos mesmo para uma venezuelização tupiniquim.

  5. Comprova que os ministros do STF são bandidos, da mesma gangue daqueles que eles estão soltando. Temos uma corte de bandidos, só mesmo no Brasil. Que infelicidade ter nascido neste país que não tem um mínimo de civilidade, terra onde bandidos riem da cara do povo. Lamentável.

  6. Ontem o Tóffoli aboliu a ficha limpa com Demóstenes preparando o campo para Lula e agora prepara o campo para acabar com a prisão em 2 instância. Só mesmo com sangue nas ruas como disse o ex-presidente Figueiredo. A caravana do Lula procurando motivos para uma guerra entre irmãos, a morte da vereadora no Rio. Realmente, o país está entrando em um campo perigoso, as Forças Armadas deveriam agir para evitar o pior. Não podemos aceitar a violência como forma de resolver o impasse político.

  7. Não é de um Saulo Ramos que precisamos, seu redator. Precisamos de um exército responsável que cumpra seu dever constitucional de proteger o povo. Nós estamos sendo destruídos por juizes desonestos e políticos da mesma laia.
    Precisamos de exermicida, um dedetizador feito de canhões e fuzis para tomar Brasília e exterminar com os ratos. O pior é que o dedetizador existe – só faltam culhões.

Deixe uma resposta para Leibniz brésilien Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *