STJ afasta Witzel do cargo por suspeita de participação em esquema de corrupção na Saúde

Força-tarefa aponta esquema com escritório de primeira-dama

Chico Otavio, Daniel Biasetto, Letícia Lopes e Rafael Nascimento de Souza
O Globo

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), foi afastado nesta sexta-feira, dia 28,  do cargo por determinação do ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça (STJ). A medida ocorre no momento em que a Procuradoria Geral da República (PGR), em parceria com a Polícia Federal (PF), cumpre mandados de prisão e de busca e apreensão contra agentes públicos, políticos e empresários envolvidos, segundo a acusação, em crimes de corrupção e lavagem de dinheiro do grupo liderado pelo governador.

Duas viaturas da Polícia Federal, uma delas descaracterizada, chegaram às 6h14 no Palácio Laranjeiras, sede do Governo do Estado. O advogado de Witzel, Roberto Podval, disse que o “ministro Benedito desrespeita a democracia, afasta governador sem sequer ouvi-lo e veda acesso aos autos para defesa. Não se esperava tais atitudes de um Ministro do STJ em plena democracia”.

LOGO CEDO – Já na casa do pastor Everaldo, as equipes chegaram às 5h50. Os agentes esperaram até as 6h para entrar no edifício. Quem acompanha as buscas na casa de Everaldo Pereira é a procuradora da República Fabiana Schneider. Além dela, uma delegada da Polícia Federal – com três agentes – comandam a ação. A assessoria de imprensa do político disse que “o pastor Everaldo sempre esteve à disposição de todas as autoridades e reitera sua confiança na Justiça”.

O esquema, concluiu a investigação, consistiu em cobrar propina para a contratação emergencial e para liberação de pagamentos a organizações sociais (OSs) que prestam serviços ao governo, especialmente nas áreas de saúde e educação. A PGR sustenta que Witzel usou o escritório de advocacia da mulher, Helena, para receber dinheiro desviado por intermédio de quatro contratos simulados no valor aproximado de R$ 500 mil – cerca de R$ 15 mil mensais de cada uma das quatro.

Um e-mail escrito por Witzel, apreendido pela PGR, orienta os interessados a redigir o contrato com o escritório de Helena. Chamou também a atenção dos investigadores a participação da primeira-dama em um processo de execução fiscal da família do médico Gothardo Lopes Netto, ex-prefeito de Volta Redonda e ex-deputado estadual, dona do Hospital Infantil e Maternidade Jardim Amália Ltda (HINJA), maior unidade de saúde privada do município.

PAGAMENTO VULTOSO – O processo,  que tramita na Justiça Federal de Volta Redonda, já tinha como patrono o advogado Lucas Tristão, ligado ao esquema; porém, no decorrer da ação, a primeira-dama entrou com uma petição para avisar que estava ingressando na mesma causa e passando a advogar para o hospital. É quando, segundo as investigações, passou a receber os R$ 15 mil mensais apenas por esse serviço. Não há nenhum outro documento no âmbito desse processo que tenha justificado o vultoso pagamento por apenas uma petição, diz a PGR.

Sob comando de Witzel, o governo canalizou os abundantes recursos do combate ao Covid-19 para a contratação de organizações sociais e autorizou compras direcionando as licitações com o uso de empresas de fachada. Ao mesmo tempo, priorizou o pagamento de dívidas antigas (restos a pagar) dos aliados – restos a pagar são serviços e compras efetuados nos anos (exercícios) anteriores e que não foram pagos.

As revelações da operação de hoje são um desdobramento de outras duas ações da força-tarefa deflagradas há três meses: a Favorito, que prendeu o empresário Mário Peixoto, um dos cabeças do esquema; e a Placebo, 12 dias depois, chegando às casas de Witzel e do ex-secretário estadual de Saúde Edmar Santos, investigados por desvios de dinheiro público destinado à montagem de seis  hospitais de campanha do estado para o tratamento da Covid-19. A delação de Edmar foi fundamental para a decisão do STJ.

20 thoughts on “STJ afasta Witzel do cargo por suspeita de participação em esquema de corrupção na Saúde

  1. Garotinho, Rosinha, Cabral, Pezão e agora Witzel (todos já presos).
    Os eleitores do RJ estão mesmo sem sorte.
    Só aparece ladrão no cargo principal do Estado.

  2. Depois de passar a pandemia, o governo deveria reforçar o efetivo da PF, pois o que terá de trabalho para correr atrás dos ladrões do dinheiro público, será uma grandeza.
    Pois é! Em matéria de corrupção e roubalheira, o RJ já é hours concours, também não haveria outros estados com problemas semelhantes? Ou as investigações são por “amostragem”?
    Segundo o IBGE, a “caverna” brasileira já tem milhares de Ali Babas e 220 milhões de ladrões,

    • também não haveria outros estados com problemas semelhantes?

      Claro, o Sr., acha que a Máfia Tucanostra no Tucanistão vai perder essa chance de roubar ainda mais sem licitação..?
      Aqui nesta Terra desvastada pelo Quadrilhão do Fhcorrupto e Lulaladrão roubam até Merenda das crianças…..
      O grande problema é que os tucanalhas corruptos fizeram um serviço digamos assim bem feito, a estrutura corrompeu o Judiciário e a Promotoria e grande parte da Mídia-Pode-Corrupta , deixando o caminho livre e costa-quente para a Quadrilha roubar a vontade.
      Enquanto isso….
      vive le corrompu

  3. Esse governador era aquele que se elegeu dizendo-se que combateria ferrenhamente a corrupção e a bandidagem. Dizia-se uma pessoa vestal na política. Discurso fácil, mas que ilude a população.

    Sem nenhuma experiência anterior como gestor ou até como político, ele se elegeu, muita gente votando somente pela paixão.

    Escolhas de candidatos que nada provaram (ou que até provaram sua incompetência e outras coisas mais em cargos públicos) dificilmente dão certo. A probabilidade de dar errado é grande, como estamos vendo em vários exemplos.

    • Witzel se elegeu porque as outras opções não eram nada atraentes. O Eduardo Paes certamente tinha muita experiência, mas que não era nada inspiradora para boa parte do eleitorado. Quanto ao principal concorrente de Paes nas pesquisas, o Romário, um outro favorito da mídia, também não tinha qualquer experiência de gestão. Os políticos “experientes” estavam francamente desacreditados em 2018, para qualquer pessoa que acompanhasse o noticiário. Hoje é fácil culpar as pessoas por votar em figuras pouco conhecidas como Witzel. Não sei se as coisas estão melhores no universo paralelo onde Eduardo Paes é governador. Provavelmente lá alguns culpam os eleitores do Rio por não aprenderem nunca e não arriscarem alguma mudança.

      • Caro Pedro Meira,
        taí, Eduardo Paes foi para o segundo turno, mesmo que seu histórico não fosse recomendável.
        As coisas se repetem. Hoje lidera as pesquisas para a prefeitura do RJ.

  4. Venho escrevendo há tempos sobre o poder da corrupção no Brasil.
    Ninguém a resiste; não há quem possa combatê-la; não existem meios práticos e diretos para punir os envolvidos.
    O caminho é longo para julgar, condenar e colocar na cadeia os ladrões que agem contra o povo e país.

    Não sei muitos detalhes sobre a eleição do atual governador fluminense mas, imediatamente à sua posse, já se cogitava que seria o sucessor de Bolsonaro, diante da sua folha corrida, ou seja, um ex-juiz, logo, uma figura impoluta, culta, conhecedor profundo das leis que nos delimitam nossos comportamentos.

    Bolsonaro, ao assumir, trouxe consigo problemas com a corrupção, que ainda o tira do sério quando questionado a respeito; de certa forma, também se deixou conduzir pela corrupção, quando percebeu que, sem o Centrão, nada feito.

    Portanto, o poder da corrupção é invencível nesse país. Trata-se do “buraco negro” que existe nesse território e deste lado do planeta, que suga qualquer luz de seriedade, honestidade, probidade, decência e dignidade, que possam surgir no horizonte.

    A sua atração gravitacional é imensurável, e nada a resiste, nada pode enfrentá-la.
    A confirmar o que escrevo, eis que fomos atacados por uma pandemia, o coronavírus.
    Ora, se a corrupção está instituída no Brasil, e fartamente alimentada pela total ausência de caráter, ética e moral dos nossos governantes, a doença foi o prato cheio servido para os insaciáveis, os predadores, que trataram de comer o que poderiam.

    O mais grave é que, além da corrupção destruidora, secretários de saúde, prefeitos e governadores, assim como muitos empresários desonestos, se aproveitaram do pobre do contaminado, do hospitalizado, da pessoa que precisava de aparelhos para sobreviver, e roubaram impiedosamente o povo de maneira cruel, superfaturando os preços de materiais imprescindíveis à sobrevivência!

    Tenho postado que o Brasil não tem mais solução.
    Se me faltava uma razão indiscutível, insofismável, ei-la:
    Nossos governantes não respeitam nada e ninguém!
    O sistema é absoluto; o buraco negro suga quem dele se aproxima, e o seu centro está na Praça dos Três Poderes, em Brasília!

    Não se sabe ao certo – e jamais saberemos -, os valores desviados dessas aquisições de aparelhos, testes, máscaras, que tanto fizeram falta porque as verbas destinadas foram para contas particulares, para o bolso de muita gente.
    Assim tem sido até mesmo com o dinheiro das merendas escolares; igualmente com o leite; em qualquer aquisição feita pelos poderes constituídos a característica é a desonestidade, o roubo, os preços superfaturados, e a indefectível propina, evidentemente!

    Julgar, condenar e prender Wietzel ajudará na reposição do que roubou e participou desse esquema sórdido e criminoso?
    Nada.
    Quem morreu por falta de recursos não ressuscitará.

    Querem outros gastos desnecessários, que CERTAMENTE, rolou muito dinheiro por fora??!!
    Os hospitais de campanha!
    Absolutamente inúteis, despesas imensas e desnecessárias, pois temos dezenas de hospitais militares que poderiam atender a demanda;
    centenas de alojamentos em quartéis que poderiam ser transformados em hospitais; hotéis vazios, que poderiam ter sido requisitados, que possuíam uma infraestrutura pronta.

    Comentei sobre isso na ocasião.

    Quanto foi roubado do povo nesta pandemia, que ainda segue matando mais de mil brasileiros por dia?
    Não tenho a menor ideia.
    Algum colega sabe algo a respeito?
    Agora, que foram quantias muito altas, isso é inegável.

    Enfim, eis uma nação destroçada;
    um país que parte dele implode a cada período;
    um território governado por ladrões e criminosos da mais alta periculosidade que se pode imaginar;
    uma terra maravilhosa e inigualável, comandada pelo que de pior existe na espécie humana!

    O Brasil me lembra os campos de concentração nazistas, na Segunda Guerra Mundial.
    Somos os prisioneiros e, nossos poderes constituídos, os guardas da SS nos matando de fome, de doenças, queimados vivos em fornos crematórios, e praticando o que existe de mais hediondo praticado por uma pessoa!

    Houve momentos, que se duvidou que Deus existisse, de modo a permitir tamanha crueldade, tamanho sadismo com gente da mesma espécie!
    Não vejo diferenças daquela época para essa, pois a pandemia comprovou a maldade daqueles que nos governam, que deixaram morrer milhares de cidadãos porque ficaram com o dinheiro das aquisições de materiais que os salvassem.

    Definitivamente o Brasil NÃO TEM MAIS SOLUÇÃO!

    Afirmo, textualmente:
    A única chance que temos é recomeçar de novo, porém essa atitude demanda uma guerra civil!
    Nós, o povo, contra os poderes constituídos.
    Tem apenas um detalhe:
    evidente que seríamos massacrados pelas FFAA e policiais militares, pois não restaria uma pessoa viva.
    MAS, EM COMPENSAÇÃO, eles não teriam mais quem roubar, explorar, manipular, e quem os sustentasse nababescamente!

    Resultado:
    eles acabariam se matando!!!!

    Assim, o Brasil seria redescoberto; diante da sua trágica história, nossos novos colonizadores evitaram nossos erros crassos do período colonial, depois imperial e, por último, republicano.

    Quem sabe … quem sabe ….

    • Venho escrevendo há tempos sobre o poder da corrupção no Brasil.

      Bendl,
      Quem reside neste Estado dominado por Quadrilhas há +- 40 anos sabem muito bem o poder da corrupção.
      Infelizmente, dias atrás passei pelo Centro Velho de São Paulo, a destruição foi por completa.
      Ali se pode notar com certeza o poder da corrupção nestes anos pelo Quadrilhão dos irmãos FHcorrupto e Lulaladrão.
      E não vejo com os que estão sentados com seus traseiros flácidos algumas solução para ontem.
      A tendência é pior ainda mais.

      Abrs

      • Prezado Armando,

        Imagino como vocês, cariocas, não estão se sentindo!

        Ontem, um colega nosso da TI, o Espectro, me enviou vídeos da batalha em pleno centro do Rio.
        Inacreditável.
        E, lamento, Armando, de fato esse caos na segurança pública tende a se agravar!

        Agora, pensa comigo:
        De que vale combater o criminoso comum, em face da reclamação e protestos de um povo acuado, SE os demais bandidos, que não se digladiam nas ruas e avenidas das grandes cidades brasileiras, e não usam armas de grande porte, roubam à vontade e muito mais que as facções criminosas existentes??

        Não sei não, Armando, mas dessas autoridades nacionais só podemos esperar traições, roubos, explorações e manipulações.
        Quem pode afirmar que os movimentos nos morros de terrorismo puro, não estariam sendo promovidos para desviar a atenção do cidadão não só fluminense como do resto do país??!!

        Sinceramente, Armando, apesar da minha solidariedade absoluta e preocupação com os meus irmãos que residem na Cidade Maravilhosa, mas a mesma reclamação, o mesmo ímpeto, a mesma verve, a mesma indignação e revolta, TAMBÉM deveriam ser canalizadas à Praça dos Três Poderes!

        Che, mais de 200 mil mensais que a casta legislativa EXTORQUE dos bolsos dos já combalidos contribuintes, afora a corrupção que a instituíram, a meu ver é nulo o combate aos bandidos, pois deixamos os maiores e mais perigosos leves, livres e soltos, de modo que sigam enriquecendo e nos matando de várias formas, inclusive através desse pessoal!

        Concordo plenamente que não é a solução a polícia sair matando a esmo quem quer que seja, muito menos usar de aeronaves para essa finalidade, onde fatidicamente mataria inocentes.
        Falta às secretarias especializadas PLANEJAMENTO, logo, alegam falta de recursos, treinamento, armas, munições, sempre com o intuito de se isentarem de suas responsabilidades.

        Caso tivéssemos secretários inteligentes, cônscios dos problemas que devem solucionar ou combater, diminuir, pelo menos, as facções já poderiam ter sido desintegradas.
        A MALDITA POLÍTICA, Armando, impede que ações efetivas sejam concretizadas, então o aumento indiscriminado desse Velho Oeste americano refeito no Rio de Janeiro, após mais de um século e meio, onde as questões se resolviam à bala!

        Digo mais:
        Hoje é impossível o combate às facções instaladas nos morros cariocas.
        Para qualquer combatente militar, eles sabem que esses bandidos têm uma vantagem:
        encontram-se em cima do morro!
        A visão, o domínio, o controle, que possuem sobre a região é imenso.

        Logo não será nem de cima para baixo, tampouco de baixo para cima, que se poderá travar uma luta encarniçada com as facções.
        No entanto, a solução existe:
        Se por ar ou terra a questão é complicada, difícil, as baixas serão inúmeras, então que as FFAA e a polícia militar que FECHEM AS favelas mais perigosas!

        Como?
        Me contratem como secretário ou membro do gabinete de segurança, que mostro o plano!

        Lembro apenas um detalhe:
        até meados dos séculos XIII e XIV, os castelos e as fortalezas eram construídos sobre montes, morros, elevadas.
        A visão da ravina e dos campos era fantástica.
        Por que deixaram de de ser erguidos nesses locais?

        Tomara que o Rio encontre meios de sobreviver ás facções e aos governos que tem eleito!

  5. Chico e Armando, eu confesso que estou começado a enjoar do assunto “corrupção” e o enjoo sempre vem depois que a indignação chega ao ápice, e é dessa circunstância que o Sistema se aproveita para continuar agindo descaradamente.
    Cidadãos de bem se indignarem, condenar e denunciar diuturnamente, não alterará uma palha no furor patrimonialista dos corruptos, já que não podemos esperar de que eles alterem de moto próprio, as regras que os beneficiam.
    Resultados efetivos só serão viáveis, no meu entender,através de idéias e propostas para mudar as causas, já que os efeitos, como acabo de afirmar, são imutáveis e tendem a aumentar.
    Ideias e propostas enunciadas debatidas e disseminadas metódica e intensamente até alcançar o nível de clamor público, única autoridade que eles aceitam.
    Tenho um plano, mentalmente delineado, com uma operacionalização dificílima, mas não impossível, que poderia progredir até nível nacional com resultados fabulosos, logicamente, num espaço de tempo dilatado, mas para plantar uma primeira semente precisaria de um grupo de cabeças pensantes e um veículo de discussão e difusão.
    Uma ideia de um tópico a ser lançado?
    Um projeto de lei tipificando o crime de corrupção como “crime hediondo”, um grão de areia na extensa malha legal impunitiva.
    Com a palavra, os senhores comentaristas e o Sr Editor, figura basilar em qualquer iniciativa de discussão pautada.

    • Caro F.Moreno,
      falas em clamor público, então proponho uma questão imaginada para ser respondida sinceramente:
      se agora, neste momento, fosse possível lançar uma eleição presidencial de dois turnos, com vários candidatos e entre eles Bolsonaro e Lula, quem achas os que seriam escolhidos no primeiro turno?

      Atacar as causas da corrupção? Quais causas seriam? E punir ainda mais a corrupção (material) não seria atacar as consequências?

      Veja o caso da Petrobras. Quais as causas da corrupção na empresa? Pelo meu modo de ver foram a falta de mecanismos de controle que permitiram a alguns diretores participar de falcatruas (e faz muito tempo). Mas parece que foram criados mecanismos que dificultarão futuros desvios.

      • Eu já disse várias vezes do meu entendimento de que a causa básica da corrupção, sem mais análises históricas ou sociológicas que sejam, está na natural cupidez e ganância humana e isso, só uma nova era civilizatória talvez concertasse.
        Agora, entendo que a leniência legal e impunidade consequente são o adubo que faz essa praga florescer e crescer na prática política e administrativa e o aumento das punições e o aperfeiçoamento das normas legais de fiscalização podem diminuir significativamente a atividade criminosa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *