STJ marca para dia 9 julgamento sobre a candidatura de Arruda

José Carlos Werneck

O Superior Tribunal de Justiça marcou para a próxima terça-feira o julgamento do recurso do candidato do PR, José Roberto Arruda,  que poderá viabilizar sua candidatura ao  Governo do Distrito Federal.

Incurso na chamada Lei da Ficha Limpa pela Justiça Eleitoral, Arruda tenta no STJ reverter sua condenação por improbidade administrativa. Se vitorioso, poderá disputar as eleições de outubro.

Líder nas pesquisas de intenção de votos para o governo do Distrito Federal, ele está recorrendo, em diferentes tribunais, das condenações que o impedem de disputar a eleição.

Além deste recurso no STJ, ele obteve vitória no Tribunal Superior Eleitoral cujo presidente  ministro Dias Toffoli,  em decisão monocrática, negou, nesta segunda-feira, o pedido do Ministério Público Eleitoral para que o TSE encaminhasse ao Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal comunicação no sentido  de cancelar o registro e suspender seus atos de campanha.O mérito do pedido deverá ser apreciado pelo Tribunal hoje ou na próxima terça-feira .

Caso seu recurso seja negado pelo TSE, o candidato do PR, aposta no STJ para viabilizar sua candidatura.

18 thoughts on “STJ marca para dia 9 julgamento sobre a candidatura de Arruda

    • Ainda há espaço para, legalmente, qualquer partido trocar o seu candidato a presidente. Talvez, por isso, a turma petista do Volta, Lula ainda resista. Em geral, atuando nas sombras. Mas desde ontem, uma parte dessa turma resolveu sair da toca. E botou no ar um site ( veja aqui ).

      Um dos textos agradece a Dilma, diz que sua missão “foi cumprida com louvor”, mas manda brasa:

      – Queremos Lula candidato à presidente agora em 2014. A conjuntura destas eleições pedem medidas contundentes para garantir que o país continue crescendo e mudando para melhor. De acordo com a lei eleitoral, temos até o dia 15 de Setembro para trocar candidatos. Este movimento é para unir todos!! Lula é o maior líder que o Brasil já teve!! O país precisa de sua força e liderança.

      Por Lauro Jardim

  1. Boa tarde Antônio. Conheço essa questão de muito perto. Fui petista, mas já tive alta. Conheço esse pessoal desde o tempo de recolher assinaturas para a formação do Partido. A 1.ª sede do PT foi em uma garagem na Rua Santo Amaro, no Bixiga. Esse pessoal, depois que o Lulla se aproximou do ‘cumpádi’ só quis entrar em esquemas, começando na CMTC, durante a Gestão Erundina, onde os cupinchas do Zé, compraram um estoque de parafusos e peças para ônibus, suficiente para 300 anos. Depois estourou o escandalo CEPEM em São José dos Campos, aí já surge a figura do cumpádi. Isso está bem documentado no proibido livro ” O Chefe” do Ivo Patarra, que se encontra em PDF na Internet. Abraços.

  2. Voltando ao assunto em tela,o Arruda não deveria estar na cadeia junto com a turma do mensalão ou não?acredito que ainda tem gente defendendo o mesmo, inclusive nesse blog,pois este assunto não sai da pauta.

      • Virgilio
        Se trocar pela esposa, ainda acho que a eleição é ainda mais barbada. inclusive, ela tem bem mais cabelo do que ele.
        Jamais imaginei ver petistas defendendo vigaristas e escondendo cadáveres de companheiros atrás de Arrudas, Malufes e outros.
        Seria interessante indicares o “remédio” para quem desejar se curar deste mal.
        Abraço.

  3. Patético !.. no mínimo…
    A exclamação-reação, vale tanto para o Arruda, que se gruda como pode, como para a Justiça, que permite tanta embromação criminosa e ilegal, e para você, eleitor de Brasília, que, pelo visto quer mesmo merecer um Governador desse naipe, sabendo que é um tremendo corrupto, e ainda assim. garantindo, pelo que se sabe, liderança na conquista dos votos brasilienses…

  4. O Poder Judiciário é um enigma. Vejam esta matéria, a título de curiosidade:

    HOMEM NÃO PODE SER PROTEGIDO POR LEI MARIA DA PENHA, DIZ TJDFT

    O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) decidiu que um homem vítima de violência doméstica não pode ser protegido pela Lei Maria da Penha.
    O órgão, em decisão unânime, arquivou um caso de um rapaz que temia pelas integridades física e psicológica e entrou na justiça contra a ex-namorada. Inicialmente, o Tribunal havia levado em conta que, segundo o Código Penal, tanto homens quanto mulheres podem ser vítimas de violência doméstica. Entretanto, os julgadores registraram que “as medidas de assistência e proteção previstas na Lei n.º 11.340/06 possuem aplicação restrita à mulher, uma vez que lhe é garantido tratamento diferenciado ante a sua presumida vulnerabilidade e fragilidade”.
    (Correio)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *