Subprocurador aciona o MPF e pede a abertura de inquérito contra o presidente da Fundação Palmares

Sérgio Camargo chamou o movimento negro de ‘escória maldita’

Rodrigo Sampaio
Estadão

O subprocurador-geral da República Wilson Rocha de Almeida Neto entrou com uma representação nesta quarta-feira, dia 3, junto ao Ministério Público Federal (MPF) pedindo a abertura de inquérito contra o presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo.

O motivo da ação são os supostos crimes de racismo cometidos pelo atual chefe do órgão, que chamou o movimento negro de ‘escória maldita’, além da ameaça da adoção de medidas contra servidores com ideologias de esquerda. As falas de Camargo foram ditas a portas fechadas durante reunião na sede da fundação. Os áudios foram revelados pelo Estadão.

DESVIO DE PODER – “A primeira parte do discurso revela possível desvio de poder, tendo em vista transparecer a intenção de prejuízo administrativo a servidores da entidade, apenas em razão de divergências ideológicas pessoais. De fato, a conduta de ameaçar servidores ‘esquerdistas’ de exoneração ou ‘demissão’, se comissionados, e de remoção ou redistribuição, se efetivos, em decorrência da visão ideológica pessoal de cada um, em tese, não se coaduna com os princípios constitucionais da impessoalidade e moralidade administrativas (CF, art. 37, caput), além de violar outros valores, tais como a finalidade, a indisponibilidade do interesse público e a probidade”, diz o documento.

No áudio da reunião, Camargo diz com veemência, e abusando de palavrões, que tiraria o cargo de qualquer funcionário com ideologias de esquerda. “Se tiver um esquerdista aqui, vocês me digam onde está esse filho da p*** que eu quero exonerar ou demitir ou mandar para outro órgão, se for efetivo”.

AFRONTA – “O segundo trecho do discurso, ainda em tese, também pode ser considerado afrontoso à ordem jurídica. Em primeiro lugar, porque as palavras depreciativas destinadas ao “movimento negro”, genericamente referido, mostram-se incompatíveis com as finalidades institucionais para as quais se destina a entidade presidida pelo Sr. Sérgio Camargo”, ressaltou o subprocurador na representação.

Nesta quinta-feira, dia 4, organizações de direitos civis e representantes de religiões de matriz africana já haviam enviado uma representação ao Ministério público Federal cobrando a instauração de inquérito contra Sérgio Camargo pelas ofensas ditas contra o movimento negro, além de pedir seu afastamento do cargo.

Ainda de acordo com as organizações, Camargo vem “desafiando os limites da ordem jurídica e o real compromisso da sociedade brasileira em acertar contas com o seu passado escravocrata”, além de demonstrar “incompatibilidade” com o cargo que ocupa. O permanência do jornalista na função também seria uma maneira de impedir o financiamento e implementação de políticas contra o racismo.

REPRESENTAÇÃO – No Congresso, um grupo de parlamentares apresentou representação ao Ministério Público Federal contra Camargo, acusando o presidente da Palmares de desvirtuar os objetivos legais da fundação, configurando crime de desvio de finalidade, abuso de poder e improbidade administrativa.

Entre os deputados que assinam o documento, estão Áurea Carolina (PSOL-MG), Benedita da Silva (PT-RJ), Talíria Petrone (PSOL-RJ), Bira do Pindaré (PSB-MA), Damião Feliciano (PDT-PB), David Miranda (PSOL-RJ) e Orlando Silva (PCdoB-SP).

11 thoughts on “Subprocurador aciona o MPF e pede a abertura de inquérito contra o presidente da Fundação Palmares

  1. Estes deputados estão de parabéns:

    “Entre os deputados que assinam o documento, estão Áurea Carolina (PSOL-MG), Benedita da Silva (PT-RJ), Talíria Petrone (PSOL-RJ), Bira do Pindaré (PSB-MA), Damião Feliciano (PDT-PB), David Miranda (PSOL-RJ) e Orlando Silva (PCdoB-SP).”

  2. Este tal de Sérgio Camargo não passa de um canalhaa que desvirtua a própria raça. Ele se esquece que é NEGRO !!! Racismo é coisa do passado. Esquerdista é o outro lado de direitista. Cada um pode ser o que quiser.

  3. O “dom” de Bolsonaro escolher péssimos assessores tem sido uma pandemia para o funcionamento de sua administração.

    Waintraub fez escola, assim como Sérgio Camargo quer destruir a história do Brasil com relação ao papel fundamental do negro até o presente momento!

    Inacreditavelmente, volta-se contra a própria etnia o presidente da Fundação Palmares, símbolo da luta dos escravos contra a perda de liberdade, maus tratos, e as mais cruéis e hediondas torturas já vistas na história da espécie humana!

    Independe de quem foi Zumbi dos Palmares, a questão não seria o seu líder, pois como qualquer outro é contestado ou admirado.
    O motivo principal é a o desejo de se ver livre, dono do seu destino, que escreverá a sua própria história e dará o rumo que quiser para a sua vida.

    Camargo quer deletar essa condição inata da pessoa, do afro-descendente, daqueles que vieram em navios negreiros ou tumbas, mediante s mais humilhantes e degradantes condições de transporte, onde menos da metade descia nos portos brasileiros, pois a maioria morria durante o transcurso da África para esta colônia, e depois império.

    E foi assim por mais de 300 anos!

    Se o seu recado seria transmitir a celebração da Consciência Negra como motivo para o racismo ainda perdurar, o ódio ser mantido, o preconceito preservado, a bem da verdade não seria voltar-se contra os seus, mas erguer a Consciência NACIONAL, que seria transferida para a paz e integração multiétnica brasileira, onde se unem negros, indígenas, brancos, amarelos … que caracterizam esta nação como absolutamente cosmopolita, e aquela que ainda melhor convive com tais diferenças.

    O racismo ainda existe?
    Sim, evidente, e velado, dissimulado, sorrateiro, sutil, então ainda perigoso, e que precisa ser mudada a consciência de muitos, para que se possa uni-las com as demais existentes, então a minha ideia da Consciência Nacional, menos a Negra, Branca, Indígena … e assim por diante, mas com a intenção da separação, algo que devemos definitivamente deletar de nossas mentes e, ainda mais, do nosso comportamento como humanos!

    Logo, Camargo deveria ser demitido sumariamente.
    No entanto, assim como o ministro da (des) Educação, o presidente faz questão de tê-los em seu staff porque polêmicos, preconceituosos, nos mesmos molde de Bolsonaro, que aplaude, vibra, e até condecora o assessor que mais acentua as diferenças sociais e raciais!

  4. Os racistas do “bem” fingem-se de indignados … na verdade, querem voltar a mamar nas tetas da vaca sagrada. Bota todo esses picaretas vermebiles pra correr, Secretário … não se intimide.

  5. Em um tempo não muito distante neste Brasil, pelo que lemos, não haverá mais gente presa, não haverá mais mortos pela polícia, não haverá mais formados em universidades públicas e muito menos pessoas empregadas, pois se hoje em dia a população negra já é maioria, imagine-se mais à frente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *