Suplentes dos candidatos ao Senado so os mais ricos e atuam como patrocinadores

Rodrigo Burgarelli
O Estado de S. Paulo

Na disputa deste ano, os substitutos imediatos dos postulantes ao Senado declararam ter fortuna de R$ 7,3 milhes per capita, mais de 15 vezes o patrimnio mdio de todos os 25 mil concorrentes; posto costuma ser de quem banca a campanha do titular.

Um apartamento de R$ 8 milhes no Leblon a poucos metros da praia, quadros de Di Cavalcanti, Cndido Portinari e Iber Camargo, R$ 67 milhes na conta do banco e at um time de futebol na primeira diviso estadual. Esses so alguns dos bens que compem a polpuda lista de patrimnio dos suplentes de senador, os candidatos mais ricos desta eleio. Na mdia, os primeiros-suplentes declararam ter fortuna de R$ 7,3 milhes – mais de 15 vezes o patrimnio mdio de todos os 25 mil candidatos registrados para concorrer neste ano.

Os suplentes compem a chapa do candidato a senador e exercem o mandato caso o titular seja afastado por motivos de sade ou pea licena para concorrer a outro cargo pblico (como o governo de um Estado) ou assuma um ministrio, por exemplo.

ENTRAM COM O DINHEIRO

A explicao de por que razo eles so to mais ricos que a mdia est na ponta da lngua dos polticos. “O primeiro-suplente normalmente um cara muito rico porque quem banca a campanha do senador. Ele tem o voto e o primeiro-suplente costuma ser o cara que tem o dinheiro. uma regra geral”, diz Saulo Queiroz, secretrio-geral do PSD, sigla com os dois suplentes mais ricos desta eleio: Ronaldo Cezar Coelho (PSD-RJ) e Joel Malucelli (PSD-PR). Ambos tm patrimnio maior que R$ 200 milhes.

Para testar essa hiptese, o Estado Dados analisou os nmeros da eleio de 2010. Eles mostram que, quanto mais rico foi o suplente do candidato naquele ano, maior foi a chance de a chapa ser eleita. Na mdia de todos os suplentes, no houve correlao entre o seu patrimnio e o sucesso eleitoral da candidatura. Mas quando so analisados apenas os suplentes com patrimnio maior que R$ 4 milhes, o ndice de sucesso foi de quase 85% – 20 das 24 chapas com suplentes ricos assim foram eleitas.

Isso significa que o patrimnio dos suplentes provavelmente se relaciona com a vitria nas eleies no caso dos megarricos, embora no impacte definitivamente o resultado da eleio para o candidato mdio. Uma das possveis explicaes para esse fenmeno estar concentrado na ponta a de que os possveis suplentes mais ricos escolham participar de chapas que tenham mais chance de ganhar, ou seja, que tenham um candidato conhecido ou j eleito anteriormente como cabea.

MO DUPLA

Seria uma via de mo dupla: o partido quer um suplente rico que ajude a bancar a campanha e o suplente, um candidato com boas chances de ganhar.

“A quantidade de recursos prprios que o candidato aporta para a campanha uma das variveis que impacta a possibilidade de sucesso eleitoral. Essa relao existe para deputados estaduais e federais”, diz Bruno Speck, professor de Cincia Poltica da USP e estudioso do assunto.

Ele diz que o mecanismo de montagem de uma chapa ao Senado ainda pouco estudado e que so necessrias mais pesquisas nesse sentido. “Mas me parece razovel crer que h o impacto do patrimnio nas eleies para senadores.”

EVIDNCIA.

Os dados de 2010 parecem apontar nesse sentido. Todos os 24 candidatos a senador que tinham suplentes com fortunas maior que R$ 4 milhes j haviam ocupado cargos eletivos de destaque. Csar Maia (DEM-RJ), titular do suplente mais rico de 2014 e do segundo mais rico de 2010, j foi prefeito do Rio por 12 anos. Outros estavam concorrendo reeleio em 2010, como Delcdio Amaral (PT-MS), Romeu Tuma (PTB-SP) e Demstenes Torres (DEM-GO), todos com suplentes entre os dez mais ricos daquele ano. E ainda havia os que foram eleitos deputados em 2006 com grande votao – caso de Ciro Nogueira (PP-PI), cujo suplente era o mais rico de 2010.

As doaes de suplentes para as campanhas tambm so relevantes. Dos 24 mais ricos de 2010, 19 deram contribuies a candidatos, comits ou partidos naquele ano. A maior foi de R$ 960 mil, feita por Raimundo Lira (PMDB-PB) ao titular da chapa, Vital do Rgo (PMDB-PB), eleito senador. Se vencer a disputa ao governo da Paraba em outubro, Lira assume a vaga no Senado em definitivo.

Aps os suplentes, o cargo que concentra os candidatos mais ricos o dos prprios senadores, com mdia de R$ 4,9 milhes. J os mais pobres so os que concorrem a deputado estadual (R$ 305 mil), distrital (R$ 318 mil) e federal (R$ 557 mil).

3 thoughts on “Suplentes dos candidatos ao Senado so os mais ricos e atuam como patrocinadores

  1. O problema no a riqueza , a esperteza.Se a ditadura tivesse sido boa, teria pelo menos educado os polticos, teria praticado a tica na conduo da poltica, se cercaria das melhores cabeas. Infelizmente no foi o que aconteceu. A ditadura selecionou mal, mas o pior foi o legado humano. A prova do que digo est nos homens que governam o Brasil. So daquela poca, filhos e netos da ditadura. O senado uma casa sem brilho, o presidente do senado representa o Estado mais pobre da Federao. A gerao da ditadura no poder foi um fracasso. Acio um bom exemplo dessa herana humana sem brilho algum. Todo mundo sabe que Acio riqussimo, mas ningum sabe o que ele faz com a riqueza. Tem fazenda, cria gado, faz manteiga, queijo, tem siderrgica, constri ,produz o que com a riqueza que tem, empreende, gera o qu para o pas ?

  2. A proposito, tem um candidato pelo partido dos pelegos, desses que “entram” pelo futebol e ligadssimo aos filhos bilionrios do marinho, era pobrezinho de “marraqueshi,”
    Entrou no “clube do corao” somente com as calas e cuecas, e saiu mais rico do que todos os jogadores do clube……eh!eh!eh
    Hoje tenta a sorte como candidato a dePUTAdo pelo peleguinhos, talvez para “um salvo conduto” posterior para no ter problmeas com o Super Kim,,,ops, este j saiu do preo….
    Essa nossa poltica brasileira, um verdadeiro BORDEL a cu aberto….

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.