TCU dá 48 horas para que o Banco do Brasil suspenda propaganda em sites ligados a fake news

Instituição estaria descumprindo decisão tomada pelo tribunal

Mônica Bergamo
Folha

O ministro Bruno Dantas, do TCU (Tribunal de Contas da União), deu 48 horas para que o Banco do Brasil comprove que cumpriu a ordem do órgão de suspender imediatamente toda a publicidade feita em sites e blogs acusados de disseminar fake news.

O TCU recebeu informações de que a instituição estaria descumprindo a decisão tomada pelo plenário do tribunal, de que os repasses de recursos para as páginas fossem suspensos. O banco havia cortado anúncios feitos em páginas como o Jornal da Cidade Online, alinhado com as posições do governo de Jair Bolsonaro e já condenado por divulgar notícias que não seriam verdadeiras.

CENSURA – Quando a iniciativa veio a público, o vereador Caros Bolsonaro, filho do presidente da República, reclamou de censura ao que chama de imprensa livre e independente. O chefe da Secom (Secretaria de Comunicação), Fabio Wajngarten, anunciou no Twitter que já estava “contornando” a situação –e a publicidade voltou.

O TCU considerou que a ingerência era indevida, já que a União é acionista do Banco do Brasil e não poderia impor a ele, que tem outros sócios, uma política publicitária que atendesse a seus próprios interesses, e não aos da instituição financeira. Além disso, afirmou que o banco não pode injetar recursos em veículos que divulgam fake news.

One thought on “TCU dá 48 horas para que o Banco do Brasil suspenda propaganda em sites ligados a fake news

  1. Ante as barbaridades que se praticam com o dinheiro do contribuinte, e neste caso, do acionista minoritário, cabe perguntar se já não está passando da hora de desobediência civil. No caso do BB, eu pretendo, amanhã sem falta, vender minhas ações, assumindo o prejuízo pela desvalorização dos últimos meses.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *