Temer vai aguardar a lista da Odebrecht para nomear o substituto de Geddel

Ilustração reproduzida do site Metropoles


Isabel Braga
O Globo

Sem seu coordenador político Geddel Vieira Lima, que foi forçado a deixar o cargo, o presidente Michel Temer já assumiu a função, e vai, pessoalmente, cuidar das negociações com o Congresso até encontrar um sucessor para a Secretaria de Governo. Temer já marcou, inclusive, reunião com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e líderes partidários para a próxima segunda-feira. Está prevista para terça no Senado, a votação da proposta de emenda constitucional que trata do limite de gastos da União. Na Câmara, deve ser votado o projeto das medidas contra a corrupção.

Em conversa com Temer, o líder do PSD na Câmara, deputado Rogério Rosso (DF) apoiou o movimento do presidente de assumir, neste momento, a coordenação política, enquanto define com tranquilidade o nome que irá substituir o ministro Geddel Vieira Lima. Temer está viajando hoje de São Paulo a Brasília.

O presidente está analisando nomes e encontra dificuldades porque tem que conseguir alguém com trânsito entre os parlamentares, mas sem o risco de ser alvo das revelações da delação da Odebrecht, na Lava-Jato.

Sexta-feira, em São Paulo, o presidente esteve com o Moreira Franco, secretário executivo do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI) e com Rosso.

EXPERIÊNCIA ESPECÍFICA – Em abril do ano passado, como uma alternativa para ajudar na relação desgastada entre Dilma Rousseff e o Congresso, Temer assumiu a coordenação política do governo. Ficou no cargo até agosto. Temer que já foi deputado e duas vezes presidiu a Câmara, transita bem pelas duas Casas do Congresso. No Senado, a votação da PEC que limita o teto de gastos está prevista para esta semana.

Nos bastidores, Temer foi aconselhado a escolher um nome entre os deputados que pudesse inclusive pacificar a disputa em torno da sucessão de Rodrigo Maia (DEM-RJ) na presidência da Câmara. Entre os nomes citados estão o de Rosso e do também candidato do centrão, o líder do PTB, Jovair Arantes (GO). Rosso disse que não houve convite.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
A reportagem necessita de tradução simultânea. Temer vai esperar a divulgação da lista definitiva da Odebrecht, que já começou a “vazar” para a imprensa, com a divulgação dos nomes de Geral Alckmin, José Serra e Aécio Neves. Temer quer escolher um político que seja menos vulnerável à Lava Jato, e isso é muito difícil. De toda forma, antes só do que mal acompanhado. Temer não é nenhuma Brastemp, mas está no cargo e tem de trabalhar contra a crise ou pedir o boné. (C.N.)

29 thoughts on “Temer vai aguardar a lista da Odebrecht para nomear o substituto de Geddel

  1. “Temer e Dilma são um só (O Antagonista)

    Brasil 27.11.16 09:44

    Lauro Jardim confirmou a notícia do Momento Antagonista de que Herman Benjamin não pretende separar as contas de Michel Temer e Dilma Rousseff no processo de cassação da chapa.”

  2. ATÉ LÁ ELE JÁ CAIU…

    O TSE cassará a chapa Dilma-Temer, nem precisará do julgamento do impeachment protocolado recentemente.

    Sem contar a delação da ODEBRECHT que implodirá todo o centro duro de poder do Planalto.

    O governo Temeroso de Temer, o breve, acabou !!!

    Já vai tarde !!!

  3. O PSOL e a Rede carregam o DNA do PT e vão entra com pedido de impeachment do Temer, como é desejo de vingança de todos os petista, em ver o Temer fora e o circo pegar fogo.
    Queria saber dos petista: saindo o Temer, quem deveria entrar,? qual a solução? O volta querida, não dá mais.

  4. Carlos Newton, jogou o “barata voa”… e faz todo sentido, pois a realidade para os políticos, com raras e honrosas exceções, chegou ao ponto do pescoço dialogar com a guilhotina…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *