“Temos que reduzir o desmatamento ao mínimo aceitável”, afirma o vice Mourão

Mourão tem tentado acalmar investidores e empresários

Sarah Teófilo
Correio Braziliense

Após videoconferência com empresários, na tarde desta sexta-feira, dia 10, o vice-presidente Hamilton Mourão, que preside o Conselho Nacional da Amazônia, disse que a meta é “reduzir o desmatamento ao mínimo aceitável”.

Mourão tem tentado acalmar investidores e empresários, que questionam o aumento constante de desmatamento e degradação na Amazônia. Nesta semana, uma carta que já foi assinada por mais de 50 empresas no Brasil e fora, manifestando preocupação com o meio ambiente no país.

MÍNIMO ACEITÁVEL – “Todos eles colocam a questão de que a gente tem que ter uma meta. Olha, nós temos que reduzir o desmatamento ao mínimo aceitável e obviamente as pessoas também entenderem que não pode mais desmatar. Você tem duas soluções: a difícil, que é manter a repressão, e a fácil,, que é o comprometimento das pessoas”, disse.

O vice-presidente afirmou que seria leviano chegar e dizer que irá reduzir o desmatamento em 50% e não possui meios para tal. “Eu prefiro que a gente consiga terminar o nosso planejamento e eu dizer que até 2022, a cada semestre eu vou reunir em ‘X’% até chegarmos no ponto aceitável. É algo factível, e não eu ficar fazendo promessa que eu não vou cumprir”, pontuou.

DESMONTE – Mourão admitiu que existe uma defasagem grande na força de trabalho das agências ambientais, e que por isso, ele não vislumbra, ao mesmo a curto prazo, operar no combate ao desmatamento na Amazônia sem o apoio das forças armadas. O decreto que autorizou a atuação das Forças Armadas, na Garantia da Lei e da Ordem (GLO), na região da Amazônia Legal terminaria nesta sexta-feira (10), mas foi estendido até novembro.

Conforme o vice-presidente, existe uma carência de 50% do efetivo, sendo que do quantitativo existente, só um terço está no combate direto, enquanto o restante fica em trabalho administrativo. “E não é só a Amazônia que o Ibama e o ICMBio tem que fiscalizar”, disse.

Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgados nesta sexta-feira mostraram o contínuo avanço do desmatamento na Amazônia Legal. Observando a série histórica, foi o mês de junho com mais degradação desde 2007.

5 thoughts on ““Temos que reduzir o desmatamento ao mínimo aceitável”, afirma o vice Mourão

  1. Não acredito que as FFAA não tenham condições de coibir o desmatamento ilegal na Amazônia e no Brasil todo. Sei q o Brasil é imenso. Porém mesmo com as motoserras, não se desmata quilômetros quadrados em uma semana. Já ouviram falar em satélites? Querendo, é possível. Mas tem que ser força militar para esta missão. Se deixar para órgãos ambientais, podem ter a certeza de que não vai funcionar.

  2. Essa afirmação me lembrou de uma outra, também recente, de um vereador de uma pequena cidade do RJ, seguir como princípio “fazer muito e roubar pouco”
    Não tem que desmatar nem um tantinho de floresta não (!) Os importantes biomas da Amazônia, do Pantanal, do Cerrado, da Mata-Atlântica, Caatinga, Pampas precisam ser preservados
    É preciso cuidar para não destruir mais.
    A exploração dos recursos de maneira sustentável e ecológica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *