Temos uma oposição fraca, muito fraca mesmo

Antonio Fallavena

Quando técnicos afirmaram que a urna não é segura; quando os ministros do Tribunal Superior Eleitoral se negam a ouvi-los; quando nenhuma outra nação utiliza o mesmo sistema– por favor, algo há de errado ou, no mínimo, inseguro o suficiente para ser manipulado.

Se os técnicos afirmaram a viabilidade de manipulação, por que não permitiram análise plena no sistema? Se a urna é invulnerável, por que os técnicos não foram processados pelo TSE? Por quê?

A coisa já passou do razoável e atingiu, em cheio, o absurdo. Num país de fraudes, em todas as áreas, só as eleições seriam respeitadas? Após 12 anos de poder, com domínio total dos fatos, dos atos e dos atores, nem o PT como partido e nenhum petista tem moral ou capacidade para dizer que os “tucanos cometeram crimes”.

OPOSIÇÃO FRACA

Os candidatos de oposição, ao contrário de aceitarem as regras impostas, deveriam ter se negado a participar do processo e denunciá-lo ao mundo! Pergunto: o que mais precisa ser provado e comprovado para chegar-se a conclusão de que os governos petistas estão envoltos em corrupção e são coniventes com ela? Do jeito que está, nem declaração por escrito, com firma reconhecida e testemunhas bastará.

Por quê? A oposição é medíocre, não sabe fazer nada, sem coragem, sem liderança. Estão com medo do que? Acusações contra o que fizeram no passado? Se fizeram, quem cobrará? Nem o PT com ameaças e denúncias, em 12 anos no poder e com tribunais nas mãos, fez o quê?

ANTIGOLPISMO

E a sociedade que deseja mudança e quer seu país de volta? Alguns dirão que é “golpismo contra um governo democrático e contra a democracia”. Golpismo? Não! Golpismo é quando se ataca governo sério, nacionalista.

O atual, por acaso, é assim? Na verdade, estará sendo feita uma ação antigolpismo. Aliás, temos de pensar seriamente em agir, judicialmente aqui e em tribunais internacionais, para acusar os três governos petistas pelas múltiplas irregularidades. Isto aqui está caindo de maduro.

5 thoughts on “Temos uma oposição fraca, muito fraca mesmo

  1. Bom artigo. Além do mais, quem não deve não teme. E sempre será positivo o reforço da democracia. A não ser que o que se pretende de fato seja outra coisa que não a democracia. A auditoria do processo eletivo só vem reforçá-la.

  2. Que governo SÉRIO, NACIONALISTA tivemos nos últimos 50 anos pelo menos, a começar com o entreguista Roberto Campos, vulgo Bob Field, que tomou as rédeas da economia com o apoio dos golpistas militares e em seu primeiro ato LIBEROU GERAL A REMESSA DE LUCROS PARA AS MULTINACIONAIS? Foi SÉRIO, NACIONALISTA o governo Geisel, cujo ministro da Fazenda Simonsen ganhava ao mesmo tempo 100 mil dólares/ ano como diretor do CITIBANK em NY, enquanto negociava a dívida externa brasileira com o próprio CITI, a ponto de ser apelidado na época pelo Helio Fernandes de CITISIMONSEN? Foi SÉRIO o do Figueiredo que amealhou 200 obras de artes levadas a leilão em 2001, 31 das quais deviam pertencer ao Museu da República, e que ganhou de graça de empreiteiro a construção do Sítio do Dragão (35 MIL METROS QUADRADOS), em Nogueira, região serrana fluminense? Foi SÉRIO o do FHC que doou patrimônios públicos e ainda os financiou com grana do BNDEs, além de comprar sua própria reeleição? FALA SÉRIO, ARTICULISTA. Nem todos aqui são desmemoriados.

  3. Excelente artigo, é verdade que golpismo é quando se ataca um governo
    sério e nacionalista, basta ver a história dos golpes na América Latina.
    Contra governo corrupto, é fazer justiça.

  4. Sr. Fallavena, como ter uma oposição forte neste Páis se os caciques que pululam por ai são do tipo fhc, serra, covas/geraldo, aloisio, anibal, alvaro dias, goldman, feldman,.???
    A grande oposição quem faz ao governo é a MIDIA em todos os seus níveis..

  5. BEM VINDOS OS NOVOS CRÍTICOS DAS URNAS ELETRÔNICAS

    Há quase 20 anos desde que o sistema eletrônico de votação foi implantado, em 1996, o Pdt de Leonel Brizola vem denunciando a vulnerabilidade das urnas e até projetos de lei apresentou propondo impressão dos votos para possibilitar auditagens dos resultados eleitorais. Poucos ou quase ninguém, além de técnicos especializados da área ou mesmo acadêmicos e professores da Universidade de Brasília, davam ouvidos à tese de que as urnas eletrônicas são efetivamente inseguras.

    Depois de proclamados os resultados não há previsibilidade de recursos e mesmo os que forem protocolados morrem no âmbito da própria Justiça Eleitoral, isto vale para as eleições presidenciais (dois turnos) ou de quaisquer outras (governadores, senadores e deputados). As cúpulas do PSDB sabem disso e foram coniventes endossando esse sistema contra o qual agora se voltam com pretensão direcionada a tumultuar o campo político depreciando a reeleição de Dilma Rousseff. Por quê não falam da reeleição de Geraldo Alckmin e outros?

    Se há estudos concluídos por especialistas em informática afirmando que o sistema é falho e uma vez proclamados os resultados, por outro lado, não há previsão legal para recontagem dos votos, que afinal tanto podem ter beneficiado petistas quanto tucanos assim como favorecido ou prejudicado outras legendas na disputa, seria bem mais coerente rever essas regras impostas, denunciando-as ao mundo! Do contrário, da forma como agem, a coisa não passa do terreno das especulações e do oportunismo político e tudo seguirá como antes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *