Terceirização abrange mais de 2 milhões de trabalhadores

 Pedro do Coutto
 
Reportagem excelente de Isabel Braga, André de Souza, Andre Coelho e Cristiane Bonfanti, O Globo de hoje, dia 4, focalizou a violenta invasão da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara na véspera, para absurdamente impedir o debate em torno do projeto de lei que regularmente o trabalho terceirizado no país, que reúne mais de dois milhões de trabalhadores de todos os níveis. A invasão foi praticada, de acordo com a matéria, por representantes da CUT, já que o presidente da entidade, Vagner Freitas, manifestou-se contra a proposição. Um duplo absurdo: a invasão e o posicionamento contrário à terceirização. 

Pois a prática é adotada em larga escala, tanto por empresas particulares quanto pelas de economia mista como a Petrobrás, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, e também pelo setor elétrico. Só a Petrobrás, BB e CEF têm em torno de pelo menos 150 mil. O regime, claro, é o da CLT, que portanto assegura a aplicação dos direitos trabalhistas. Mas a regulamentação é necessária para garantir sua aplicação de forma clara, inclusive a permanência no emprego. 


Não vejo sentido no protesto porque os terceirizados contribuem normalmente para seus sindicatos e associações de classe, e também para a própria CUT. Fácil a comprovação. Basta os defensores do projeto exibirem seus contracheques mensais. A CUT que, na realidade, atua na órbita do PT está portanto totalmente equivocada.
 

NÍVEL DE EMPREGO 

A luta da CUT deve estar voltada para assegurar e ampliar o nível de emprego no Brasil, seja sob que forma for. Opor-se à terceirização é contribuir para diminuir a mão de obra do país. Vale lembrar que existem dois fatores essenciais à vida humana: o emprego e a saúde. Sem tais fatores, a dignidade social encolhe e ela é importante para a atividade econômica e para o exercício pleno da própria democracia. Não se deve esquecer que o governo Dilma Rousseff destaca sempre o nível de consumo como uma conquista de sua administração. Muito bem.

O consumo depende diretamente do nível de emprego e salário. Não tem sentido, dessa forma, agir para comprimir as oportunidades de trabalho. O governo do país, que permanentemente levanta a tese do aumento da mão de obra empregada, não pode agir para torná-la menor. Em alguns momentos a terceirização foi fundamental.
 

O CASO DE FURNAS
O governo FHC, por exemplo, com base em estudo da Comissão Nacional de Desestatização, tinha o estranho impulso de privatizar Furnas, vendendo-a a preço irrisório. O presidente da empresa, ex-deputado Luís Carlos Santos, bloqueou a tentativa. Como estava impedido de realizar concurso para repor as aposentadorias que sempre ocorrem, recorreu à terceirização e salvou a economia brasileira de um atentado de enorme dimensão. Na luta que travou teve o apoio total do então governador de Minas Gerais, Itamar Franco. 

Isso de um lado. De outro, se nas empresas estatais os dirigentes podem ser técnicos     não pertencentes aos respectivos quadros, a permanência dos terceirizados deve ser vista como um processo lógico e normal. Claro que o acesso gradativo deve ser através de concurso público para as funções comuns, já que para os postos de confiança não existe concurso cabível em função do caráter de livre escolha que marca a contratação temporária. Os 2 milhões  de terceirizados, que, incluindo suas famílias representam 8 milhões de pessoas, são sindicalizados, consomem e dão base econômica ao desenvolvimento do país. A regulamentação de seu trabalho é questão legítima, de justiça e de bom senso.
This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

16 thoughts on “Terceirização abrange mais de 2 milhões de trabalhadores

  1. Estão querendo terceirizar as atividades-fim. Não. Não podem. É ir na contra-mão do bom-senso. Imagina uma plataforma da Petrobrás sendo ocupada por gente terceirizada, sem concurso, desqualificada e mal paga! Hoje em dia já se terceiriza as atividades-meio. Aí sim, pode.

    É falsa a argumentação de que com a expansão da terceirização aumentaremos os postos de trabalho. Falácia! Substituirão os postos existentes por pessoas desqualificadas. Toda terceirização traz enxugamento dos postos de trabalho e queda na qualidade dos serviços.

    O Deputado Sandro Mabel tem que ir cuidar de sua empresa e parar com essa proposta de terceirização das atividades-fim.

    Está errado o Sr. Pedro!

  2. Neste país está valendo tudo.
    Se os médicos brasileiros não querem trabalhar em condições sub-humanas não tem problema: Vamos melhorar os hospitais?? Não, claro que não!! Vamos importar escravos cubanos que já aprenderam a servir como escravos e a nada reivindicar.
    Hoje importam médicos-escravos e amanhã? O que importarão?

  3. Porque as empresas recorrem a terceirizações? Por economia, certamente não é. Pagam caro
    por empregados ás empresas, os empregados em sua maioria ganham um salário mínimo, que 40% voltam
    para o governo, através de impostos, o pouco que sobra, mau dá para alimentação, e o aluguel, luz,
    água e gás de cozinha. Por isso crescem as favelas. Além disso, a educação, a saúde, o transporte,
    a segurança, são serviços precários prestados pelos governos. Isto é um tipo de escravidão igual
    ou pior que Cuba. Se a empresa precisa de x empregados, em vez de terceirizar, porque não abre
    concurso para admissão, pagando um salário melhor aos empregados, com certeza ficará mais econômico. Terceirizações e ONGs, dão margem a corrupção.

  4. Pedro do Coutto simplificou muito a questão. Hoje, até nos condomínios residenciais se terceiriza, e vejo que só dá problemas. Quem ganha são somente os empresários intermediadores.

  5. Que ridículo sr. pedro. Violência é rebaixar o direito do trabalhador. 19 mi istros do TST se posicionaram contra esse projeto de’lei de um deputado B-A-N-D-I-D-O ladrão de vale-creche. Que asneira.

  6. Hoje, com o PT no poder, houve uma proliferação desennfreda de tercerizados. Totalmente ilegal essa forma de admissão, a qual devria ser excessão, virou regra. Procuram, com isso, desmoralizar a Constituição Federal que dita a forma de ingresso no serviço público, qual seja: por concurso público de prova ou de prova e títulos. Os concursados não assumem porque a vagas são preenchidas pelos tercerizados, afilhados do PT, quase sempre despreparados para os cargos que ocupam. Isso é uma vergonha!!!

  7. Pedro do Couto está viajando na sua maionese. Logicamente está defendendo interesses dos empresários para precarizar ainda mais a mão de obra e a roubalheira nas empresas públicas. Projeto Mabel, o carregado se saco …de farinha,é de institucionalizar as indicações de trabalhadores por políticos na máquina pública e colocar um fim no concurso público previsto na constituição. A terceirização da atividade fim é a institucionalização da roubalheira nas empresas públicas para aumentar o famoso caixa dois dos políticos e de pessoas para trabalhar como cabo eleitoral devido aos favores pela indicação. O mérito pelo estudo e o acesso por provas no serviço público acabam. Os acessos nas empresas privadas que prestam serviços terceirizados para instituições públicas ficam todos por conta de indicação de políticos e isso é início do fim.

  8. Faltou informar que o Sr. Pedro do Couto é terceirizado em Furnas, portanto defende causa própria. É discutível, pelo menos que se deva permanecer com funções de confiança em assessorias etc. Existe uma certa mistura entre o que é trabalhador com direitos legítimos mesmo que terceirizado e cerceamento de direitos de quem não é reconhecido mas poderá ser conhecido através de concurso público. acredita-se no concurso público ou não? É legítimo ou não? Existem vários terceirizados competentes que se submeteram ao concurso público,foram classificados e estão em Furnas trabalhando, como trabalhavam antes sem nem trocar de local e tiveram vários privilégios após a sua admissão como funcionários registrados. mas existem outros que não passaram e continuam trabalhando em Furnas, na maioria das vezes ganhando bem mais que um concursado. Vamos devagar com o andor que o Santo é de barro!

  9. Existe somente UM grande motivo no interesse da terceirização: “possibilitar o enriquecimento dos dirigentes dos órgãos públicos estatais e favorecer seus apadrinhados eleitores na manutenção de seus empregos sem a devida comprovação de capacidade técnica!”
    Vide os poderes executivo e legislativo que tem excesso de cargos comissionados para funções/profissões comuns!

  10. COMO CONSEGUIR UMA VAGA DE ELETROTECNICO EM FURNAS COMO TERCEIRIZADO ME FORMEI EM 2010 E SO ATUEI 6 MESES COMO AUXILIAR DE ELETRICISTA PRECISO DE UMA OPORTUNIDADE COMO TECNICO OU ELETRICISTA QUERO TRABALHAR.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *