Tesouro admite que o rombo das contas públicas em junho foi bem pior do que o esperado

alt

Charge do Amorim (Correio da Cidadania)

ROSANA HESSEL
Correio Braziliense

As contas do governo federal encerraram junho com deficit primário de R$ 73,6 bilhões, conforme dados do Tesouro Nacional divulgados nesta quinta-feira (29/07). O saldo foi pior do que o esperado pelo mercado para o resultado do governo central — que inclui Tesouro, Banco Central e Previdência Social. Conforme dados do Prisma Fiscal, do Ministério da Economia, a mediana das expectativas dos agentes financeiros era de um deficit de R$ 56,9 bilhões.

O resultado negativo de junho é o segundo pior da série histórica do Tesouro, iniciada em 1997, reflete a soma dos deficits de R$ 18,4 bilhões, nas contas do Tesouro e do Banco Central, e de R$ 55,1 bilhões, nas da Previdência Social. Vale lembrar que o desequilíbrio das contas públicas é recorrente, pois as despesas do governo superam as receitas desde 2014.

UM MÊS RUIM – O secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, evitou fazer comparações com o resultado primário de 2020, que apresentou os piores resultados da história por conta da pandemia, mas reconheceu que o saldo negativo de junho também foi muito ruim, apesar da melhora em relação aos dados do ano passado.

”As magnitudes das medidas envolvidas no combate à covid-19 tem dificultado as comparações do resultado do Tesouro. Neste mês, em particular, estamos comparando um deficit forte com o maior deficit da história. Não só temos um saldo negativo que é pior do que o padrão, como a base de comparação é muito depreciada para comparações pontuais”, disse.

SEM REAJUSTE SALARIAL – De acordo com o subsecretaria de Planejamento Estratégico da Política Fiscal, Pedro Jucá Maciel, a falta de reajustes salariais neste ano tem ajudado os órgãos do governo federal cumprirem com folga os limites de gastos previstos na regra do teto — que limita o aumento das despesas à inflação do ano anterior — no primeiro semestre de 2021.

Bittencourt reforçou a importância de o governo continuar respeitando as regras fiscais e defendeu o discurso da consolidação fiscal para reequilibrar as contas públicas. Mas ao ser questionado sobre os riscos de um desequilíbrio a partir do próximo ano, já que o presidente Jair Bolsonaro sinalizou que pretende conceder reajuste aos servidores, o secretário do Tesouro evitou comentar sobre o assunto.

O secretário do Tesouro considerou positivo a possibilidade de o governo reduzir o valor o rombo projetado na meta fiscal “para qualquer ano”, mas não confirmou uma iniciativa da pasta nesse sentido. “Sempre que pudermos alterar meta para melhorá-la, isso será visto com bons olhos”, disse Bittencourt.

DADOS CONFUSOS – Na avaliação do especialista em contas públicas Fabio Klein, da Tendências Consultoria, essa melhora dos resultados fiscais em 2021 em relação aos dados de 2020, que foram um ponto fora da curva por conta da pandemia, não é motivo de comemoração.

“Os dados ainda estão muito confusos e há um componente inflacionário que está ajudando a melhorar as receitas e que não é positivo, do ponto de vista estrutural. É preciso um olhar mais detalhado para os números para poder comparar melhor”, disse.

O analista lembrou que a inflação que está corroendo o poder de compra do brasileiro está ajudando o governo a registrar uma receita com tributos maior que é resultado dos reajustes de preços ao consumidor, principalmente.

EFEITO DA INFLAÇÃO – Além disso, a inflação também ajuda a melhorar a previsão da dívida pública bruta em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), que está diminuindo porque o denominador, que é o PIB nominal, está sendo corrigido para cima. Logo, uma base maior reduz a relação dívida-PIB, o que é um efeito contábil e que não necessariamente reflete uma maior austeridade do governo no combate ao aumento de despesas.

“A inflação explica, em grande parte, a surpresa no aumento da arrecadação federal, mas também ajuda a aumentar o PIB e, por conta disso, o país deverá encerrar 2021 com um percentual ainda abaixo do registrado em 2019, que foi 20,8% do PIB”, alertou. Pelas estimativas de Klein, neste ano, a arrecadação federal “não deve chegar a 20% do PIB”.

One thought on “Tesouro admite que o rombo das contas públicas em junho foi bem pior do que o esperado

  1. O papel dos congressistas é representar o povo, estar do seu lado – por isso são escolhidos pelo voto. No entanto o que a gente vê é uma afronta á democracia: os safardanas se embevecem pelo poder e a fortuna e agem como canalhas. A mais gritante safadeza, para ficar na atual, é o Fundo Eleitoral. A sigla do Congresso deveria ser FDP: federação de partidos (if you know what I mean).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *