Thatcher e Erhard

Henrique Meirelles (Folha de São Paulo)

A morte de Margaret Thatcher reaviva uma era de transformação no Reino Unido. Famosa pela coragem política e pelas convicções, liderou seu país numa grande reversão de sociedade regulada para economia de mercado. Seu governo ficou marcado, contudo, por conflitos e protestos decorrentes da perda de benefícios e empregos em indústrias ineficientes.

Menos conhecido, mas talvez mais influente, foi o arquiteto da recuperação europeia do pós-Guerra, o economista alemão Ludwig Erhard. Antinazista convicto, famoso pela inteligência, foi nomeado em 1947 chefe do programa de recuperação econômica alemã.

A economia do país estava estagnada. Não havia produtos, empregos nem esperança de futuro melhor após uma guerra desastrosa. A administração econômica baseava-se num planejamento detalhado da economia pelo governo, com salários, preços e investimentos controlados e sucessivos planos econômicos fracassados. A intenção dos administradores era a melhor possível. A Alemanha tinha que ser ressuscitada para que houvesse paz na Europa, mas a resposta continuava a ser mais planos e intervenção governamental.

A primeira medida de Erhard causou tremendo choque: abandonar todas as intervenções e tornar a economia completamente livre. O general americano Lucius Clay, chefe das tropas aliadas de ocupação, entrou na sala de Erhard dizendo que todos os seus bons consultores econômicos pensavam que ele estava maluco. Sua resposta o surpreendeu: “General, os meus conselheiros dizem a mesma coisa”.

Erhard era um defensor solitário do livre funcionamento do mercado e da ligação da liberdade econômica com a liberdade pessoal e política. Achava que os empresários alemães, grandes e pequenos, eram os que melhor sabiam o que produzir e vender, e que o preço deveria ser definido pela oferta e procura. O general deixou a reunião rezando, mas, em pouco tempo, os produtos voltaram às prateleiras e a enorme máquina econômica alemã começou a renascer. Em 1949, ocorreram as primeiras eleições no pós-Guerra, e Erhard foi nomeado ministro da Fazenda no governo do chanceler Konrad Adenauer.

Juntos, criaram a econo mia social de mercado (“Soziale Marktwirtschaft”), o impressionante Estado de Bem-Estar Social, que os eleitores alemães apoiaram desde então. Mas só conseguiram criá-lo porque foram financiados por uma forte economia de mercado, que trouxe à tona o melhor do país.

Enquanto Thatcher será lembrada pelo choque de liberalismo com cortes de benefícios, Erhard passo

(artigo enviado por Mauro Julio Vieira)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *