Toffoli envia para a PGR pedido de Geddel para progressão ao semiaberto

Defesa diz que Geddel fez 17 cursos na prisão em 2.900 h de estudo

Deu no Correio Braziliense

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, enviou para parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR) um pedido do ex-ministro e ex-deputado Geddel Vieira Lima para progredir do regime fechado para o semiaberto. Ele está preso desde setembro de 2017 a atualmente encontra-se num presídio de Salvador.

Geddel foi condenado, em outubro do ano passado, pela Segunda Turma da Supremo, a 14 anos e 10 meses de prisão pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa no caso dos R$ 51 milhões em espécie encontrados num apartamento de Salvador. A partir de então, sua prisão, que era preventiva, passou a contar para efeitos de cumprimento de pena.

 REQUISITOS – Ao Supremo, o advogado Gamil Föppel, que representa Geddel, argumentou que seu cliente já preenche os requisitos necessários para progredir para o regime semiaberto: o cumprimento de ao menos um sexto da pena (29 meses) e o bom comportamento dentro da prisão.

Outro argumento é o de que Geddel fez 17 cursos na prisão, num total de 2.900 horas de estudo, de acordo com o advogado, o que resultaria na redução de 241 dias de sua pena, conforme a legislação. O ex-deputado fez capacitações nas mais diversas áreas, entre elas a de auxiliar de pedreiro, eletricista, vendedor, lavanderia hospitalar e direto penal e constitucional, entre outros.

OFERTA DE EMPREGO – Mais quatro dias de pena devem ser subtraídos da pena devido à leitura dos livros Inteligência Emocional e Crime e Castigo, argumentou o advogado. Foi anexada também uma carta com a oferta de um emprego de auxiliar administrativo em uma distribuidora de combustíveis de Salvador.

 A defesa queria que o pedido fosse apreciado durante o recesso judiciário, em que Toffoli encontra-se responsável pelo plantão judicial, mas o ministro determinou que, ao retornar da PGR, a solicitação seja encaminhada diretamente ao gabinete do relator do caso, Edson Fachin, que retorna aos trabalhos somente em fevereiro.

CORRUPÇÃO – Ex-ministro dos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Michel Temer, Geddel ainda responde a outros processos por corrupção na Justiça Federal do Distrito Federal, relacionados a supostas irregularidades no período em que foi vice-presidente da Caixa Econômica Federal.

8 thoughts on “Toffoli envia para a PGR pedido de Geddel para progressão ao semiaberto

  1. Este país, roubam descaradamente, fingem que declaram tudo, levam uma grana por relatar é são soltos, ou seja vale roubar do erário público, é uma vergonha ser brasileiro e os processos levam tanto tempo que prescrevem, se houvesse realmente justiça, iriam mofar na cadeia.

  2. O fofinho da mamãe na cadeia deve ser uma gracinha, pagando favores e pedágio para todo tipo de meliante, abomino o estupro, crime de monstro, que ele merece não há dúvidas, seria o equivalente ao que fez ao país.

  3. Antes de soltar esse geléia, deveriam ouvir a opinião daqueles parentes e “amigos” necessitados que pediram uma merreca emprestada e receberam ” não tenho “, como resposta!

  4. Um catador negro de reciclagem , portava 0,6 gramas de maconha e um pinho sol. Prova: apenas o relato dos policiais, os objetos foram descartados. Pena: 11 anos e 3 meses de prisão.
    No Brasil a punição tem cor e classe social

  5. ESTE CRITERIO NÃO DEVERIA BENEFICIAR CRIMES COMO CORRUPÇÃO, ESTUPRO ENTRE OUTROS O CARA LEU FEZ CURSOS E TEM O BENEFICIO DE REGRESSÃO DE PENA,AS LEIS SÃO FEITAS POR ELES COM O FINANCIAMENTO DA GRANDE ELITE FINANCEIRA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *