Três alqueires e a vaca de Serra

Sebastião Nery

No doce bar “Sereia do Leme”, onde se tomava o melhor chope do Rio, Ary Barroso conversava com amigos, fim de tarde. Estava irritado:

– Não vou deixar que a Mariucha se case com ele. Ele bebe muito.

Edu da Gaita, magrinho, miúdo, silencioso, com sua sonora alma infinita, punha panos quentes:

– Mas, Ary, ele é um bom rapaz. Beber bebemos todos, bebe você.

– Bebo, sim. Mas eu não quero casar com a Mariucha.

Mariucha era a filha de Ary Barroso. Casou com o bom rapaz que bebia.

José Serra, já ministro, estava na fazenda de Pimenta da Veiga, também ministro, perto de Brasília, quando ouviu um barulho lá fora. Pimenta acalmou:

– É uma vaca, Serra. De bezerro novo. Elas ficam agitadas assim.

– Ótimo, Pimenta, vou ver. Preciso conhecer uma vaca. Nunca vi.

Serra levantou-se, abriu a janela e viu, lá fora, na penumbra da noite, o vulto fosco de uma nervosa vaca. Com quase 60 anos, Serra tinha sido secretário de Planejamento de São Paulo, deputado federal líder dos tucanos na Câmara e no Senado, duas vezes ministro, e nunca vira uma vaca.

Ninguém é obrigado a conhecer vaca. Mas, em um país que tem um dos maiores rebanhos do mundo, alguém querer ser presidente da República sem conhecer uma vaca é, no mínimo, uma fraude pública.

###
UMA VACA PARA VICE

Gustavo Corção, engenheiro, católico, conservador e escritor talentoso, deu um susto no País com seu primeiro grande livro: – “Três alqueires e uma vaca”. (Depois publicou “Lições de Abismo”, um poderoso romance).

Em 2002, José Serra, candidato dos três piores alqueires nacionais (Fernando Henrique e os banqueiros nacionais e internacionais), estava desesperado atrás de um candidato a vice que disfarçasse sua cara de representante da plutocracia paulista e da agiotagem internacional.

Serra queria o impossível, uma vaca de mentira. Queria que o PMDB lhe indique uma vaca, que nunca viu e imagina que exista: um representante do PMDB governista “que não tenha telhado de vidro”. (Ele falava assim para uso externo. Com a cúpula tucana e o bando de seus mosqueteiros, ele dizia que precisava de “um vice e que não seja corrupto”).

Era melhor ter voltado à fazenda de Pimenta da Veiga. Lá as vacas são de verdade.

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *