Tribunal expede mandados de prisão, mas Queiroz e Márcia continuam em casa

Fabrício Queiroz deixa condomínio para fazer exames

Queiroz saiu de carro, mas depois voltou para casa

Fábio Grellet
Estadão

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) informou pouco antes das 19h desta sexta-feira, 14, que expediu os mandados de prisão preventiva para Fabrício Queiroz e sua mulher, Márcia Oliveira de Aguiar, em cumprimento à ordem do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que na quinta-feira, 13, revogou a prisão domiciliar do casal.

Queiroz, ex-assessor parlamentar do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), é investigado por suposto esquema de ‘rachadinha’ (divisão do salário de funcionários) no gabinete de Flávio Bolsonaro quando ele era deputado estadual no Rio de Janeiro.

PRISÃO DOMICILIAR – Até as 19h10, Queiroz e a mulher permaneciam na casa deles, na Taquara, zona oeste do Rio, onde cumprem prisão domiciliar. Na frente do prédio o movimento é apenas da imprensa, que aguarda a saída do ex-assessor. Antes de seguir para o presídio, o casal deve ser conduzido ao Instituto Médico Legal (IML), para exame de corpo de delito.

O ex-assessor parlamentar saiu de casa no final da manhã para um atendimento médico que já estava agendado, mas, após esse compromisso, voltou para o prédio em que está cumprindo a prisão.

SEM DESTINO – Tribunal de Justiça do Rio expede mandados de prisão de Queiroz e Márcia. De acordo com despacho do desembargador Milton Fernandes, relator do processo no Órgão Especial do TJ-RJ, Queiroz, que é ex-PM, não pode ser levado para o Batalhão Especial Prisional (BEP), unidade prisional especial para policiais do Rio.

Ainda não há informação sobre o presídio para onde o casal será conduzido. Antes de ter a prisão transformada em domiciliar, o ex-assessor parlamentar esteve detido no complexo penitenciário de Gericinó, em Bangu (zona oeste), de onde saiu em 10 de julho.

3 thoughts on “Tribunal expede mandados de prisão, mas Queiroz e Márcia continuam em casa

  1. Esse Podre Judiciário virou uma esCULHÃObação. Trava-se hoje uma guerra interna, para saber quem pode mais piorar o que já está ruim.
    -E como ficam os outros presos, para os quais foram negado o mesmo benefício, no STJ, pela celestial vontade do ministro Otávio Noronha?
    -Onde foi parar o tal do Efeito Vinculante e a Isonomia?
    -Seria Otávio Noronha o Alter Ego de Gilmar Mendes no STJ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *