TV Globo refaz a Expedição Xingu, dos irmãos Villas Bôas, patrocinada pela estatal Ancine. Alguém pode explicar o motivo, por gentileza?

Carlos Newton

Oportunamente, a TV Globo vem nos lembrar que, quase 70 anos atrás, os irmãos Villas Bôas – Orlando, Claudio e Leonardo – desbravaram a região centro-oeste, abrindo 1.500 quilômetros de picadas pelo cerrado para descobrir um  Brasil até então desconhecido.

“Os três indigenistas compuseram as vidas mais extraordinárias e belas de que tenho noticia. Pequenos burgueses, condenados a vidinhas burocráticas medíocre, saltaram delas para aventuras tão ousadas e generosas que seriam impensáveis, se eles não as tivessem vivido”, declarou a respeito o antropólogo Darcy Ribeiro.

A TV Globo explica que, durante a segunda guerra mundial surgiu aqui o Brasil um temor de que estrangeiros pudessem invadir as nossas terras, principalmente algumas que eram quase desertas. Por isso, em 1943, o presidente Getúlio Vargas criou a expedição “Roncador Xingu”. A missão era desbravar e depois ocupar a região central do Brasil.

Os irmãos Villas Bôas abandonaram o conforto da cidade para embarcar numa aventura heróica e junto com outros expedicionários abriram perto de 1.500 quilômetrosde caminhos pelo mar. Construíram 19 pistas de pouso para aviões militares, percorreram mais de mil quilômetros de rios, fundaram 43 vilas e cidades e fizeram contato com pelo menos 5 mil índios. Foram de Barra do Garças, no Mato Grosso, até Cachoeira do Creputiá, no sul Pará.

O Fantástico está refazendo boa parte deste trajeto, até o Parque Indígena do Xingu, que foi o maior legado dos Villas Bôas. Hoje será exibida a segunda reportagem de série. Comandados pelo repórter Ricardo Alvarez, oito universitários brasileiros está percorrendo o caminho dos irmãos Villas Bôas. É uma excelente ideia, não há dúvida.

Mas o conteúdo dessa “reportagem” não justifica mesmo o patrocínio da estatal Ancine, que deveria estar usando esses recursos para financiar documentários da nova geração brasileira de cineastas. A “Expedição Xingu” está mais para uma versão daqueles realities shows da Globo.

A linha que separa a linguagem dos documentários e a de uma matéria jornalística é tênue e pode até ser confundida. No entanto, esse formato de uma matéria do Fantástico não tem como classificar essa reportagem de documentário. E se seguirmos essa linha de pensamento todos os programas do Globo Repórter na Amazônia podem passar a merecer patrocínio da Ancine.

Enquanto tantos cineastas lutam para ter algum patrocínio e, se conseguem, lutam novamente para conseguir exibir a produção, a TV Globo obtém facilmente recursos de uma estatal para uma série de reportagens do Fantástico no horário nobre de domingo. Isso é absurdo. A TV Globo não precisa disso.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *