Um ano após o impeachment, contas públicas estão cada vez mais no vermelho

Resultado de imagem para PONTE PARA O FUTURO CHARGES

Charge do Genildo (genildoronchi.blogspot.com)

Lucianne Carneiro
O Globo

Um ano depois do julgamento do impeachment do Senado, a inflação mais controlada e os juros mais baixos são os destaques positivos da economia brasileira. A melhora da situação fiscal, no entanto, na qual se apostou no início do governo Temer, ainda permanece um desafio. A aprovação do teto dos gastos, em dezembro, foi avaliada como uma vitória, mas a turbulência política mais recente dificulta o cenário para a aprovação da reforma da Previdência, que abriria o caminho para a redução do déficit fiscal.

A inflação é de longe o indicador com melhor desempenho no último ano, ainda que a alta menor de preços seja explicada principalmente por um motivo não tão nobre: a recessão. O resultado acumulado em doze meses, que era de 8,97% em agosto de 2016, caiu para 2,71% em julho de 2017 — a menor taxa desde fevereiro de 1999, quando chegou a 2,24%.

REDUÇÃO DOS JUROS – Com os preços sob controle, o Banco Central pôde dar início a um alívio na política monetária, com redução de juros. A taxa Selic, que mede os juros básicos da economia, começou a cair em outubro, de um patamar de 14,25% ao ano, está em 9,25% e deve chegar aos 7,25% no fim de 2017.

“Há um ano, a economia já estava em recessão, com desemprego elevado e uma inflação ainda sem sinal de desaceleração. Até pela recessão, a inflação perdeu fôlego, o que permitiu a flexibilização dos juros” — afirma o economista Leonardo Carvalho, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Na avaliação de Eduardo Velho, economista-chefe do INVX Global Partners, o ano foi de “mudanças rápidas e bruscas especialmente em expectativas”. Ele cita a inflação menor e o ciclo de redução de juros, além da recuperação da Bolsa de Valores: “Os efeitos na economia real começaram a ser sentidos mais recentemente, mas já vemos algum impacto em comércio e serviços e também no mercado de trabalho”.

NÃO HÁ VAGAS – O desemprego é o reflexo mais evidente da crise na vida das pessoas. A taxa disparou ao longo dos últimos meses, ainda que o último dado aponte uma queda, e está quase em 13%. Existem hoje 13,5 milhões de desempregados no país. Há quem já veja sinais de estabilidade no mercado de trabalho, mas há um longo caminho pela frente para a recuperação diante de um contingente tão grande de desempregados.

Ao mesmo tempo, a situação fiscal se deteriorou e o cenário imaginado de uma aprovação integral da reforma da previdência parece distante.

“Quando a nova equipe econômica assumiu, houve uma reação forte na confiança pelo compromisso com o ajuste fiscal. A orientação do governo ainda é de ajuste, mas a crise política tornou mais difícil a aprovação de medidas e reformas que possam dar um horizonte melhor para a situação fiscal” — diz Leonardo Carvalho, do Ipea.

5 thoughts on “Um ano após o impeachment, contas públicas estão cada vez mais no vermelho

  1. Um ano depois do impeachment: não há crime de Dilma.

    Compra de Pasadena: inocentada pelo TCU
    Obstrução da lava-jato: não houve, segundo a PF
    Dinheiro no exterior: não há, segundo o MPF
    Pedaladas: não é crime para o MPF
    Abuso de poder: absolvida pelo TSE

    https://goo.gl/WJ72aY

  2. Os roubos na Petrobrás não foram praticados pelos seus cúmplices petistas;

    Os roubos em fundos de pensão também não foram praticados pela quadrilha petista;

    Os roubos cometidos contra os empréstimos consignados não foi praticado pelo ministro do PT, o corno e ladrão Paulo Bernardo, ses e conveniências atrelados à funesta figura ou, então, trata-se de um solene idiota e imbecil!

  3. INTERESSANTE E PREOCUPANTE!!!!!!!!

    ALÔ NEWTON, ALÔ NEWTON!!!!

    Pela segunda vez escrevo um comentário contra o PT e tenho o texto sendo deletado letra por letra!!!

    Postei acima incompleto o que eu queria, de modo a registrar parte do que escrevi, mas tu precisas investigar o que acontece!
    Grato.

  4. O Temer, deve e vai ser investigado pelos seus supostos atos de corrupção. Isso é correto e certo. Querer inocentar a Dilma e o PT, que são os verdadeiros responsáveis da crise que atravessamos, com 14 milhões de desempregado com comércio e indústria em situações precárias, com a roubalheira em suas gestões e culpar o atual governo é para enganar o inocente alienado. Segundo alguns analistas e economistas, o Brasil só voltará ao normal dentro de 20 anos, tamanho é o buraco que o PT deixou o Brasil.
    ,O grande erro do governo Temer/Meirelles é querer vender estatais estratégicas e, ainda obrigar o governo do RJ a vender a CEDAE, empresa lucrativa. Essas vendas servirá para enriquecer a iniciativa privada em prejuízo da população, que irá pagar mais caro para ter água e luz, Evitar esse crime deveria ser a principal luta de todos brasileiros, neste momento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *