Um assassino beneficiado com a liberdade

Milton Corrêa da Costa

O jornalista Pimenta Neves matou, com dois tiros pelas costas, de forma fria e covarde, a ex-namorada, também jornalista, Sandra Gomide. O fato se deu no ano de 2000. Somente em 2011, após condenado a quinze anos de reclusão, foi para Penitenciária de Tremembé (São Paulo), onde deu início ao cumprimento da pena.

Ainda que tenha cometido homicídio doloso (com a intenção de matar), a benevolência da lei penal brasileira lhe concede agora, após 1/6 do cumprimento da pena, em razão do bom comportamento no cárcere, o benefício do regime semiaberto. Nos EUA poderia teria sido condenado à pena de morte ou à prisão perpétua.

Os pais da vítima envelheceram e adoeceram durante estes 13 anos. Uma recente reportagem de televisão mostrou o sofrimento deles. Certamente que agora, com a notícia que favorece o assassino, a dor ante a complacência da lei e a saudade da filha amada será ainda maior.

Este é o país cuja lei protege assassinos em detrimento dos direitos humanos de suas vítimas e de seus familiares enlutados. Aqui a vida humana pouco vale. Basta matar e ter bom comportamento no cárcere que a progressão do regime carcerário e a liberdade plena serão breves Ao que tudo indica, o crime compensa.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

14 thoughts on “Um assassino beneficiado com a liberdade

  1. Falam mal dos politicos.Mas eles podem ser eliminados da vida pública pelos eleitores. E os membros do judiciário?São intocáveis e fazem a interpretação das nossas leis (feitas para recursos de quem tem dinheiro) o que sempre beneficiam os poderosos e ricos.Preso com bom comportamento? Isso é obrigatório.Agiu mal vai para a solitária e ou tem a pena agravada.Enfim cada noticia desse tipo revoltam e faz a gente desejar um terremoto provocado pelo povo, evidentemente com liderança lúcida e sem contar com os babacas que estão fazendo os atuais protestos

  2. Até hoje não entendo esse “bom comportamento” nas prisões.
    Qual seria o “mau comportamento” do preso para que ele ficasse mais ‘tempo” “fazendo” nada”?
    Será um “mau comportamento” fazer “xixi’ fora da bacia?
    Fazer cocô no chão.?, não tomar banho todos os dois?
    Eis a questão.!!

  3. O Armando Martins, está certo, bom comportamento, é obrigação do preso, mau comportamento,
    deveria ter a pena aumentada, simples assim. As nossas leis são por demais elitista, usando os
    rigores das leis para os pobres e os favores das leis para a elite. Vejam os envolvidos no
    mensalão, como demora para transitar em julgado. Se fosse um qualquer já estaria condenado em
    regime fechado a muito tempo.

  4. NO BRASIL PRENDE-SE QUEM PROTESTA CONTRA CORRUPTOS E CORRUPTOS.

    Já os corruptos e corruptores tem laços sociais e de negócios com Juízes, desembargadores e ministros da alta corte.

    Daniel Dantas, disse. Na primeira instância não consegui sair sem punição. Já nas altas cortes eu mando geral. CANCELO ATÉ INVESTIGAÇÕES CONTRA MIM.

  5. ”Ainda existem juízes em Berlim (?)

    07fev08…Esta é uma lenda muito ao gosto da magistratura e representa um ideal de juiz que vive em nossos sonhos. É mais comum que os poderosos encontrem outro tipo de resposta. Veja-se o comportamento dos juízes alemães sob o nazismo e de certos magistrados franceses durante a ocupação germânica.

    Não é necessário ir muito longe, sendo que, por aqui mesmo, podemos relembrar o nosso Supremo Tribunal Federal indeferindo a petição inicial do habeas corpus em favor de Olga Prestes porque não veio com a adequada estampilha…
    O juiz é um funcionário das classes dominantes e tem como tarefa fazer cumprir as regras da dominação, ou seja, um conjunto de comandos que representam o resultado de uma certa correlação de forças na luta de classes política, econômica e cultural. Para que o magistrado seja operacional, ele precisa estar convencido da ideologia legitimadora do Direito, sendo imbuído da convicção de que aquilo não é a paz imposta pelos vencedores mas, o projeto de paz resultante de um contrato social. O juiz formado nesta ideologia, contudo, pode se tornar uma pedra no sapato das classes dominantes quando a realidade se modifica e as leis se tornam obstáculo às necessidades da dominação…
    http://palavrassussurradas.wordpress.com/2008/02/07/ainda-existem-juizes-em-berlim/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *