Um desafio para o papa Francisco: assumir plenamente a humanidade


Leonardo Boff

Como comentário a uma entrevista que dei ao jornal “La Libre Belgique” de 9 de agosto de 2013, um leitor, Marc Den Doncker, escreveu estas palavras, que considero dignas de ser refletidas.

“O bom papa Francisco anuncia francamente uma revolução na linha de uma humanidade mais plenamente humana. Ele diz: ‘Se alguém é um homossexual que procura a Deus e é de boa vontade, quem sou eu para julgá-lo?’. Pode bem ser que em algum tempo o papa expressará amor por uma pessoa homossexual que não procura necessariamente a Deus, mas que é, malgrado tudo, alguém de boa vontade. Aí estaria a influência do Espírito Santo.

Pode bem ser que, em algum tempo, o bom papa Francisco refletirá sobre uma pobre mulher que se perfura com uma agulha de tricô para se livrar de um feto, fruto de um estupro, porque se encontra desesperada. Pode bem ser que Deus fará o bom papa entender a situação dessa mulher. Pode ser que compreenderá que um casal que decidiu não ter mais filhos utilize tranquilamente a pílula.

A vida nos dá uma abundância espantosa de fatos trágicos. Face a essa situação real, estaria a Igreja pronta para deslizar por um caminho escorregadio, mas na direção de uma humanidade plenamente assumida, animada pelo Espírito Santo, que não tem nada a ver com princípios e casuísmos que acabam matando o amor ao próximo? É preciso esperar. Sim, confiantes, esperaremos”.

O BOM SENSO

De fato, não poucas autoridades eclesiásticas, com dignas exceções, perderam, em grande parte, o bom senso, esqueceram-se da imagem do Deus, de Jesus Cristo. A característica principal desse seu Deus é o amor incondicional e a misericórdia sem limites, pois Ele ama os ingratos e maus e dá o sol e a chuva aos bons e aos maus, como nos dizem os Evangelhos.

Para Jesus, não basta ser bom como o filho fiel que ficou na casa do Pai e seguia todas as suas ordens. Precisamos ser compassivos e misericordiosos com os que caem e ficam perdidos nas estradas. O único que Jesus criticou foi esse filho bom, mas que não teve compaixão e não soube acolher o irmão que estava perdido e que voltou para casa.

O papa Francisco, em sua fala aos bispos no Rio, cobrou-lhes uma “revolução da ternura” e a capacidade ilimitada de compreensão e de misericórdia. Bispos e padres devem mudar radicalmente a relação com o povo: nada burocrática e fria, mas calorosa, simples e carregada de enternecimento. Esse era o estilo do bom papa João XXIII. Há um fato curioso que revela como entendia as doutrinas e a importância do encontro com as pessoas. O que conta mais: o amor ou a lei? Os dogmas ou o encontro?

COM OS PÉS EM CIMA

Giuseppe Alberigo, leigo de Bologna, comprometido com a renovação da Igreja, foi um dos maiores historiadores do Concílio Vaticano II (1962-1965). Seu grande mérito foi ter publicado uma edição crítica de todos os textos doutrinários oficiais dos papas e dos concílios, desde os primórdios do cristianismo: o “Conciliorum Oecumenicorum Decreta”. Ele mesmo conta no “II Corriere di Bologna” que, em 16 de junho de 1967, viajou, orgulhoso, a Roma para fazer a entrega solene ao papa João XXIII do volumoso livro. João XXIII tomou-o em suas mãos, sentou-se em sua cadeira pontifícia e colocou o livro no chão. E pôs ambos os pés em cima.

Foi um ato simbólico. Tudo bem que haja doutrinas e dogmas. Existem para sustentar a fé, não para servir de instrumento de enquadramento e de condenação. Pode bem ser que o bom papa Francisco se anime a fazer algo parecido, especialmente com referência ao direito canônico e a outros textos oficiais do magistério que pouco ajudam os fiéis. Em primeiro lugar vêm a fé, o amor e a esperança para uma humanidade atordoada. Depois, as doutrinas. Oxalá o bom Deus conduza o papa Francisco nessa direção corajosa e simples.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

16 thoughts on “Um desafio para o papa Francisco: assumir plenamente a humanidade

  1. Quando o argentino, Bergolio se fez papa, e teve o apoio das esquerdas, senti um cheiro podre no ar, e pressenti que este papa não era sério, que era um comunista incubado, a se fazer de cristão, mas que era um simulacro, uma falsificação de papa.
    O último discurso deste cara, Bergolio, o falso papa, foi ridículo, quando afirmou que os homossexuais, os gays, deveriam ser respeitados pela Igreja. Como podemos nós, católicos, como podemos respeitar os gays, se estes são inimigos do cristianismo e querem destruir o cristianismo.
    Os cristãos estão sendo perseguidos na China, no Egito, nos países muçulmanos, e ele se cala covardemente.
    Ele, o argentino, traz todas as vigarices de Leonardo Boff, Gutierez, e outros charlatães do Cristianismo, afirmando que quer um a Igreja dos Pobres. Como assim, Igreja dos Pobres? A Igreja é de todos, ricos,abastados, pobres, etc. O êxito material, a realização material deve ser enaltecida, pois é árduo conquistá-la. Se ele quer uma Igreja dos Pobres que venda os museus do Vaticano que só é menor do que o Louvre.
    Desejo que este papa tenha curto pontificado, e logo desapareça, pois dar sinais de ser um grande vigarista, estelionatário, dos verdadeiros preceitos bíblicos.

  2. ” A vida nos dá uma abundância espantosa de fatos trágicos. Face a essa situação real, estaria a Igreja pronta para deslizar por um caminho escorregadio, mas na direção de uma humanidade plenamente assumida, animada pelo Espírito Santo, que não tem nada a ver com princípios e casuísmos que acabam matando o amor ao próximo? É preciso esperar. Sim, confiantes, esperaremos.”

    ” Para Jesus, não basta ser bom como o filho fiel que ficou na casa do Pai e seguia todas as suas ordens. Precisamos ser compassivos e misericordiosos com os que caem e ficam perdidos nas estradas.”

  3. Mário Leme, vc não é Cristão, muito menos católico…..procura outra Igreja pra vc, tá?…..E que Deus tenha misericórdia de sua alma no dia do seu julgamento!

  4. O que Mario leme coloca aqui , mesmo eu concordando ou não, demonstra seriedade. Alto nível. Coloca muito bem os argumentos sempre respaldados em fatos.

    Quanto àqueles que se desagradam com suas teses, deveriam tentar rebatê-lo com outras no mesmo nível. Mas, isto é impossível para semi-cultos, demonstrado cabalmente com aquilo que sabem fazer de melhor: vomitar as baixarias de sempre.

  5. Sr.Kjado:
    Não lhe pedi conselhos,admoestações, sobre a forma como reverencio o Altíssimo e ao Nosso Senhor Jesus Cristo.
    O que escrevi acima corresponde ao fatos, e se estivesse com Bergolio, diria pessoalmente a ele o que afirmei.
    A minha fé em Cristo, em Deus, é uma questão que diz respeito somente a mim mesmo.
    Dispenso as suas preces, pois não preciso de procuradores, que interceda por mim, junto a Deus.

  6. Caro amigo Mauro J. Vieira:
    Obrigado por suas palavras de solidariedade.
    Sempre tratei todos os que visitam este Blog, com respeito e educação, ainda que tenha usado, algumas vezes, palavras duras. Nunca afrontei a moral, a dignidade, dos meus interlocutores. Mas tenho limites, e não aceito afrontas, insultos, sem que eu não tenha que devolver com a mesma moeda, ou com maior intensidade.
    Canalhas, desqualificados, devem tem o tratamento cabível.
    Cordiais Saudações.

  7. Os comentário do Denorex são divertidos.
    Parece homem, mas não é;
    Parece magro, mas não é;
    Parece gente, mas não é;
    Parece corajoso, mas não é;
    Parece sincero, mas não é;
    Parece inteligente, mas não é;
    Parece o mediador do Blog, mas não é.
    Mas, então, quem é este elemento pernicioso?
    Quem é este porco que se arvora juiz ou mediador de quem escreve neste espaço?
    Quem é este crápula, mentiroso, ordinário, cretino, que se julga com moral de acusar quem quer que seja?
    Quem é este covarde, que se esconde atrás do anonimato?
    Quem é este pústula, esta aberração, este deformado mental e moralmente, que se acha em condições de chamar à atenção de quem quiser?
    Quem é este canalha, vagabundo, infame, que pensa ter o domínio deste blog e pode escrever suas ofensas?
    Quem é esta besta que comprova ser este espaço democrático e incomparável pelo fenômeno que ocasiona, de também as aberrações se manifestarem?
    Quem é este desregrado, este biltre, este poltrão, que imagina estar imune de ser repreendido pela forma grotesca e desprezível como se apresenta?
    Pois se denomina Darcy, que até o nome é comum de dois gêneros, comprovando a sua crise de identidade, certamente doentia após ter sido traído por um obeso ou por que este não o quis, razão pela qual a sua frustração, ódios e paranóias que todos nós conhecemos!

  8. Eminente Leonardo Boff:
    E se sua crença estiver errada. Leia o que disse um Sábio: “Aquele que sabe que sabe, é um BUDA; aquele que sabe que não sabe, é um Sábio(Sócrates e outros); aquele que pensa que é sábio, é um tolo(PhDs); aquele que não sabe nada, é um MORTAL COMUM(nós)”. E acrescentou, “Em todas as Terras do Universo das Dez Direções só existe UM VERDADEIRO ensino, e não dois nem cem”. Acrescentou, ainda, “As pessoas levadas pelos maus mestres e ensinos errôneos e, por isso, cairão nos maus caminhos da existência após a morte, são tão numerosas quanto os grãos de pó que podem se transformar a terra; aquelas que praticam a Verdadeira Lei e serão iluminadas são tão raras quanto os grãos de pó da terra que se pode acumular no espaço de uma unha”.(Buda Nichiren Daishonin-Japão-1222/1282 – Gosho Zenshu).

  9. Alto nível o texto do Mario Leme? Faz-me rir! “Xingando” todo mundo! Até eu que não sou católica me sinto ofendida.

    Vida longa ao primeiro Papa que veio fazer a diferença! E ser de esquerda hoje, não necessariamente é ser comunista.

  10. Sra. Mônica:
    Alto lá, Sra. Mônica. Não vivo xingando as pessoas aqui, como afirma. Respondo à altura aqueles que querem me sacanear, me esculhambar, pois não admitem o meu posicionamento político, as minhas idéias, que boas ou ruins, são respaldadas em pensadores como Burke, v. Mises, Frankl,Thoureau, e outros luminares
    E mais, Sra. Mônica, a sua avaliação sobre o nível dos meus textos pouco me importa, pois a Sra. não é juíza para me julgar.

  11. Papa Francisco: “Não arrumem encrenca com os idosos”

    Penso que neste momento a civilização mundial entrou em parafuso. Há uma “rosca”, porque é tal o culto que tem feito ao deus dinheiro, que estamos presenciando uma filosofia e uma práxis de exclusão de dois polos da vida que são as esperanças dos povos: idosos e jovens. Exclusão dos idosos, é claro, porque alguém poderia pensar que poderia haver algum tipo de eutanásia escondida. Não se cuida dos idosos, mas isso significa também uma eutanásia cultural. Não os deixam falar e nem mesmo agir. Exclusão dos jovens! A porcentagem de jovens sem trabalho e sem emprego é muito alta; e é uma geração que não tem a experiência de dignidade conquistada pelo trabalho. Ou seja, esta civilização nos levou a excluir as duas pontas que são o nosso futuro.

    Então os jovens têm que sair e lutar para serem valorizados e por seus valores; e os idosos têm que abrir a boca para ensinar, transmitir a sabedoria dos povos.

    Dentre a população argentina eu peço de coração aos idosos, não vacilem em ser a reserva cultural do nosso povo que transmite a justiça, que transmite a história, que transmite os valores, que transmite a memória do povo. E vocês, jovens, não se coloquem contra os idosos; deixem que eles possam falar; escutem e procurem seguir seus conselhos. Mas saibam, saibam que neste momento vocês, jovens e idosos, estão condenados ao mesmo destino: a exclusão. Não se deixem excluir.
    Está claro? É por esta causa que penso que devem trabalhar.”

  12. Boff, Boff…, religião, Deus não é bom senso, não é razão; é fé que nada prova, salvo a intensidade com que se crê.
    Não invejo os homens de bom senso, tampouco de boa vontade, mas e sobretudo os de muita e inabalável fé.

    Lamento ler isto: “Tudo bem que haja doutrinas e dogmas. Existem para sustentar a fé, não para servir de instrumento de enquadramento e de condenação”
    .
    Doutrinas e dogmas não existem para sustentar a fé, mas para a indispensável ordem que sem ela sequer o universo existiria, menos ainda a sociedade.

  13. Mario Leme

    Eu falei deste seu texto em particular, em relação as pessoas DO TEXTO e se o senhor o publicou, deve estar preparado para receber críticas. APOSTO que se fosse elogio, iria se importar… rsrs

  14. Dona Mônica:
    Prefiro uma crítica abalizada, de um mestre, do que o elogio de um bobo.
    Emil Cioran, escritor romeno de peso, dizia que todo artista morre infeliz, pois gostaria de ter a aprovação dos seus mestres inspiradores, mas estes já se foram.
    Os textos que escrevo aqui são descompromissados, e escrevo direto, sem rebuscar.
    Já falei aqui que só os doentios criam antipatias por aqueles que não conhecem. Não sou doentio, amo a vida, as pessoas. Nada tenho contra a Sra; ou contra qualquer outro, frequentador deste Blog.
    Sou muito claro, defendo o que penso, expresso as minhas verdades, mas estou pronto a reavaliar, sempre, o meu ideário.
    A vida é um sonho, só percebemos uma espuma da realidade.
    Saudações, Dona Monica.

  15. Existem várias cobras sibilando, enquanto permanecemos aturdidos pela ilusão dos opostos irreconciliáveis.

    Religião x Ciência x Arte…

    Quem conhecer a unidade destes, será o ganhador da corrida!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *