Um desastre completo, com MEC e INEP reprovados pela “desorganização” do ENEM

Estudantes relatam que não puderam fazer o Enem após salas 'excederem capacidade máxima' no RS | Rio Grande do Sul | G1

Metade dos inscritos não conseguiram fazer a prova

Pedro do Coutto

 Em matéria de organização, tanto o MEC quanto o INEP foram reprovados pela realização do ENEM neste domingo, quando estudantes foram barrados em vários pontos do pais porque as salas destinadas aos alunos já se encontravam lotadas e o planejamento para manter a distância entre um aluno e outro não se realizou ou a omissão representou uma agressão aos que foram prestar a prova.

Na Folha de S. Paulo desta segunda-feira, reportagem de Isabela Palhares e Paulo Saldanha destaca a relação dos erros de logística (palavra que está na moda) que foi incapaz de prever o impasse e se traduziu na desinformação a respeito da mistura do horário com a superlotação das salas.

TUDO ERRADO – Os estudantes foram avisados de que o acesso às provas deveria ser condicionado ao número de lugares disponíveis. Por isso, os estudantes chegaram sem precipitação e formaram filas. Na hora de ingressarem nas salas, foram surpreendidos com a informação de que não havia mais vagas uma vez que a lotação das salas estava condicionada à distância social. O

 INEP recebeu a instrução de organizar o ENEM mas não previu ou informou que a realização da prova dependia de haver lugar. O pior é que o ministro da Educação, Milton Ribeiro, considerou a organização um sucesso.

Esqueceu, entretanto, que com isso, a abstenção chegou a 51% dos inscritos.

SEM COMPROVANTE – Como os inscritos totalizaram 5,7 milhões de pretendentes, o índice de ausência atingiu 2,8 milhões. Os que não puderam ingressar por excesso de lotação não receberam nenhum comprovante de que a ausência teve por motivo o sistema de organização. Ficaram sem saber o que fazer.

Nesta segunda-feira o MEC revelou que a nova chamada será realizada em fevereiro. Mas o fato absurdo ficou caracterizado. MEC e INEP saíram reprovados no episódio.

DUELO NA VACINAÇÃO – O governador paulista João Doria e o ministro Eduardo Pazuello protagonizaram um choque político.            O início da vacinação contra a Covid-19, no domingo, levou a um enfrentamento direto entre o Doria e o ministro da Saúde.

Havia uma disputa para saber quem deveria vacinar primeiro. O governador de São Paulo atacou duramente o titular da Saúde acusando-o de faltar a verdade em torno do assunto e de não ter previsto as mortes ocorridas em Manaus por falta de oxigênio.

A esse respeito foi excelente o comentário da jornalista Natuza Nery na tarde de ontem na Globo News. O general da Logística não conhece Lógica.

2 thoughts on “Um desastre completo, com MEC e INEP reprovados pela “desorganização” do ENEM

  1. Sr. Pedro do Couto se o sr. continuar a beber Absinto misturado com Caninha 51 pode passar a sofrer a mesma moléstia de Luladrão. Não faça isso, cuide-se.
    Pano rápido.

Deixe uma resposta para Marcio Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *