Um grito de indignação, em forma de poema

O GRITO DE VIDA QUE VEIO DO LIXO

Maria Cleide Pereira

Oh, meu Deus, a que ponto nós chegamos?
Um coração de mãe, tão desumano,
Abandona um frágil bebê no lixo
E eu me pergunto o porquê disso…

Durante nove meses, no ventre, ela o carregou…
De seu próprio alimento, o alimentou.
Sentiu pulsar dentro dela um pequeno coração,
Sentiu crescer, a cada dia, a criança em formação.

O que aconteceu com essa mãe indiferente, insana?
Ela deixou para trás uma pobre e dependente criança.
Ainda que estivesse sozinha e desamparada,
Pelo seu filho, sempre seria amada.

Como ela pode ser tão fria assim?
Como pode ignorar um ser tão indefeso
Que agora sente fome, abandono e medo…
E que pode estar perto do fim.

Será que ela vai sofrer
Quando sentir o seio escorrer?
Será que ela vai se esquecer
De que deixou o seu próprio filho a morrer?

Será que ela terá paz
Sabendo que não o verá nunca mais?
Será que vai manter, desprotegida, outra relação sexual
E abandonar outro bebê de forma banal?

Amarrada num saco, jogada no lixo,
A vida se expressa na forma de um grito!
Formigas atacam o pobre bebê
Que faz de tudo para sobreviver.

Ainda está com o cordão umbilical,
Mas já agoniza, está passando mal.
O saco quase não o deixa respirar,
Mas ainda assim, ele chora e continua a gritar.

É quando, de repente,
Um anjo, em forma de gente,
Ouve o grito do recém-nascido
Que, enfim, encontra um amigo.

O gari abre o saco, afinal,
E livra o pequenino do destino fatal.
Apressadamente, o leva ao hospital,
Onde é tratado com amor fraternal.

Dessa vez a história acabou bem:
O menino encontrou um lar e o amor também.
Mas outros bebês estão sendo abandonados,
Muitas vezes, bem ao nosso lado.

Quantas crianças, agora, estão morrendo?
Quantos meninos e quantas meninas estão sofrendo?
Se você conhece alguém que pensa em abortar,
Ou que rejeita o filho e dele quer se livrar,

Por misericórdia, ouça o que vou dizer:
Jesus quer agir por meio de você.
Encaminhe a mãe aos órgãos responsáveis por adoção
E, em vez de morte, haverá a doação.

Muitas mulheres têm o sonho de engravidar,
Mas nem todas o podem realizar.
Então, por um gesto de amor,
Adotam o filho que outra mulher gerou.

Assim, todos ficam felizes,
Não haverá sofrimento nem cicatrizes.
Ajude uma criança a encontrar um lar,
Ajude uma família a se completar.

(Poema enviado por Paulo Peres,
do site Poemas & Canções)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *