Um morto prazenteiro, na visão de Baudelaire

O francês Charles Baudelaire (1821 // 1867) é um dos maiores poetas de todos os tempos e até hoje inspira outros autores, com sua obra-prima “As Flores do Mal”.

Charles Baudelaire

###
O MORTO PRAZENTEIRO

Onde haja caracóis, n’um fecundo torrão,
Uma grandiosa cova eu mesmo quero abrir,
Onde repouse em paz, onde possa dormir,
Como dorme no oceano o livre tubarão.

Detesto os mausoléus, odeio os monumentos,
E, a ter de suplicar as lágrimas do mundo,
Prefiro oferecer o meu carcaz imundo,
Qual precioso manjar, aos corvos agoirentos.

Verme, larva brutal, tenebroso mineiro,
Vai entregar-se a vós um morto prazenteiro,
Que livremente busca a treva, a podridão!

Sem piedade, minai a minha carne impura,
E dizei-me depois se existe uma tortura
Que não tenha sofrido este meu coração!

Charles Baudelaire, in “As Flores do Mal”
Tradução de Delfim Guimarães

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *