Um nó dos diabos

Carlos Chagas

Mais uma semana passou sem que a presidente Dilma tenha nomeado os sete integrantes da Comissão da Verdade. Há esperanças, mesmo vãs, de que não demore muito a designação daqueles que deverão, durante dois anos, promover uma devassa nos porões da ditadura militar. Indaga-se o porquê da protelação e a resposta é essencialmente uma: porque até agora os cidadãos cogitados e sondados vem saltando de banda, refratários a investigar malfeitos cujos autores são em grande parte conhecidos, mas poderão, quando convocados a depor, apontar os responsáveis maiores, aqueles que sabiam, autorizavam e até estimulavam a tortura, os assassinatos e os desaparecimentos dos adversários.

Nessa hora, o país pegará fogo. Imagine-se um major, um coronel, um delegado ou um agente de polícia chamados a elucidar sua participação naqueles atos de horror, diante da indagação sobre se agiram sozinhos ou cumprindo ordens. De quem? Do general, do comandante, do ministro? E o presidente da República, sabia?

Tome-se o Riocentro. Um sargento morreu, um capitão teve suas vísceras expostas, mas as bombas, de onde vieram? Quem programou e autorizou o atentado? Sabe-se que havia muito mais gente envolvida no episódio, uns que se escafederam quando as coisas deram errado, outros que permaneciam de plantão em seus gabinetes, à espera dos resultados.

A quem se subordinavam? As ligações se estenderiam do Ceiex ao Doi-Codi, do I Exército ao ministro do Exército e ao chefe do SNI? Mesmo desinformado da operação, que motivos levaram o presidente da República a aceitar a ridícula conclusão de um IPM a respeito de terem sido os comunistas os responsáveis? Teria sido para poupar amigos ou por perceber que o regime explodiria, destruindo a abertura política em andamento e levando a um endurecimento inevitável?

Cada um dos múltiplos episódios eivados de violência e animalidade tem sido dissecados ao longo das décadas através de farta literatura. Mas uma investigação oficial poderá despertar a reação daqueles que hoje, sem terem participado de nada, mostram-se prontos a defender a memória dos antigos camaradas.

Para a grande maioria das forças armadas de hoje, da ativa e da reserva, os velhos chefes cumpriram seu dever. Não podem ser execrados e ter sua memória exposta no pelourinho. Se for essa a conseqüência natural da Comissão da Verdade, no mínimo os militares exigirão a exposição dos excessos também praticados pelo lado do terrorismo e da subversão.

Em suma, um nó dos diabos no desenvolvimento democrático a duras penas conquistado. E com o risco de que não pode, à maneira do nó górdio de Alexandre, ser desfeito com a espada. É óbvio que tendo sido praticados por agentes do estado, os crimes praticados assumem proporções muito maiores, mas nem por isso ocultam sequestros, assassinatos, assaltos e apropriações variadas, também facilmente comprovados. Talvez por isso demore a designação dos sete indigitados que a lei aprovada pelo Congresso impõe sejam conhecidos…

###
A CACHOEIRA SECOU

Depois de ameaçar com a possibilidade de jogar barro no ventilador, Carlinhos Cachoeira parece haver aceitado em gênero, número e grau os conselhos de Márcio Thomas Bastos, seu advogado. Dia 15, quando for depor na CPI, se for, deverá revelar apenas nome e número de seu registro, negando-se a detalhar atividades de qualquer espécie.

É claro que essa disposição pode mudar ao sabor das circunstâncias e das emoções do bicheiro, mas as informações de hoje são de que pretende chegar mudo e sair calado. Falaria o mínimo possível, por certo que proclamando sua inocência. Como deverá ser provocado, resta saber se disporá de nervos para tanto.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *