Um país envelhecido

Carlos Chagas

Ganhe Dilma ou ganhe Marina, no segundo turno, já tem gente pensando em 2018. Geraldo Alckmin reivindica o comando da esquadrilha dos tucanos enquanto os companheiros jogam suas fichas no retorno do Lula. Mais do que um vídeo-tape de 2006, uma forma de duas das maiores forças eleitorais voltarem à tona sem salva-vidas, em especial se Marina for a vencedora a 26 de outubro. Porque ela também parece candidata às profundezas,  assim como Dilma, qualquer que seja a mais votada. A pergunta que se faz é se o futuro estará tão envelhecido assim como o presente. Porque dos governadores em vias de se eleger, ninguém desponta em nome da renovação. Muito menos no Congresso ou no PMDB de Michel Temer, cujo tempo se esgotará daqui a quatro anos.

Assistimos, por isso, com tempo marcado, o começo do fim de uma era, se for para examinar o quadro político de amanhã com as lentes de hoje. A verdade é que o país envelheceu. Na teoria, sempre será possível esperar o aparecimento de algum fenômeno, mas as experiências passadas de Jânio Quadros e de Fernando Collor não parecem promissoras, muito pelo contrário. Imaginar nas ideologias uma fonte renovadora estará fora de moda. Assim como nos partidos, o mesmo se verifica no sindicalismo, no empresariado, na intelectualidade ou nas religiões. Nem se fala nos militares. Todos os condutores da vida nacional murcharam, vão saindo pelo ralo sem deixar saudades nem sucessores.

PÁGINA VIRADA

A verdade é que os personagens líderes de cada uma de nossas expressões políticas integram uma página quase virada. Do Lula a Dilma, de Marina a Alckmin, até a Aécio Neves, cuja recuperação só acontecerá por milagre, eles já passaram. Com um pouco de boa vontade, estão acabando de passar.

Há uma razão fundamental para essa conclusão: faltam, no Brasil de hoje, como mais faltarão daqui a quatro anos, inspirações renovadoras. Lufadas de vento capazes de sensibilizar a população e varrer para o passado os esqueletos do presente.

Apenas em termos políticos? Nem pensar. Até no futebol entramos em cone de sombra, mas o que dizer da ciência, há muito carente de candidatos ao Prêmio Nobel, da literatura esvaziada de autores e entregue a acadêmicos de atividades disformes, da medicina sem mais lições e descobertas a oferecer ao mundo, da universidade perdida na produção de greves e reivindicações salariais? E quantas atividades  a mais, igualmente agora insossas, informes e inodoras? A política não poderia ser diferente, mas o que preocupa é o conjunto. O Brasil, como nação, vai perdendo a unidade, se é que algum dia a possuiu.

Geograficamente, mantém a vontade de continuar junto, mas política e mesmo socialmente, constitui um conglomerado amorfo e despojado de estruturas em condições de preservá-lo.

 

6 thoughts on “Um país envelhecido

  1. Chagas,
    O ultimo paragrafo do teu artigo é absoluto.
    Retrata fielmente o que o Brasil vive.
    E, para nosso desgosto, quero acrescentar: a juventude e ai eu digo a Universitária, ignora solenemente a politica e o que acontece no País.
    Acrescenta-se a este quadro a geração nem-nem (nem trabalha – nem estuda) e o movimento, incipiente porem simpático a muitos, o Sul é o meu País, teu vaticínio tem é real.
    SDS
    Vitor.

  2. Deve ser por isso que o Brasil vive rodando em circulo avança muito pouco nas demandas da população sofrida, e só falta agora dizer que tudo que no presta começou de Lula para cá o que não é verdade o país sempre teve pessoas que só olham para os erros alheios e não justificando falhas de Lula para cá mas procuremos ter um pouco de bom senso o nosso problema é falso moralismo.

  3. Estranho, o posicionamento de Carlos Chagas, ele mesmo um veterano mas ainda com um texto bastante enxuto e com idéias sempre muito bem concatenadas. Talvez um dos três melhores analistas políticos em atividade no Brasil. Talvez seria melhor definir os candidatos citados no texto, antes pela sua pobreza de idéias, com o seu comprometimento com o que há de mais escuso na política; por terem os nomes ligados direta e/ou indiretamente a escândalos e compra de voto. Enfim, por representarem o que há de mais sujo na ficha do contexto político, que são coisas que não estão necessariamente(longe disso) ligadas à idade provecta de quem já passou dos sessenta anos. Muito pelo contrário, o mau-caratismo não tem idade.

  4. Jornalista Carlos Chagas, com o discernimento de sempre, produziu o obituário do sistema político brasileiro. Nota 10, jornalista.
    A lamentar, somente, constatar que se o futuro não chega para a Nação, tão pouco os jovens estão interessados em chegar lá…
    O jornalista também toca sutilmente em um ponto que ,mais para a frente, poderá se tornar problemático para a nossa incipiente justiça e autoridades igualmente lenientes com a violência que se espraia pelo pais, ensejando pensamentos separatistas que podem vir a crescer e comprometer a nossa república federativa…
    Algo muito sério, que já aconteceu no Brasil… que o digam paulistas e gaúchos…

  5. Pingback: Um país envelhecido | Debates Culturais – Liberdade de Idéias e Opiniões

  6. Diante do que eu vi no texto, prefiro que os militares tomem o poder de volta. Não temos mais governo e sim bagunça.
    Desculpe se ofendo aos presentes que colocaram suas opiniões. Não aguento mais ver tanta ignorância no cenário político desde o governo Lula.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *