Um País falido, jogando dinheiro fora!

Resultado de imagem para Estado capitalista charges

Charge do Wilmarx (Humor Político)

Percival Puggina

O governo federal anuncia aumento de impostos para compensar um gasto público que está ampliando o déficit previsto. Ah! Que coisa! Quem poderia imaginar qualquer desses dois fatos, ou seja, o gasto “superior ao previsto” e a solução fiscal encontrada? Estamos diante de uma situação recorrente, apenas agravada pela prolongada recessão que só as toupeiras não anteviam diante do regime de Copa franca e Olimpíada por conta da casa, que vigorou nisso e em tudo mais ao longo dos últimos oito anos do governo petista. Quem dizia que tudo acabaria em roubalheira e prejuízo era muito mal visto.  Faz 10 anos, mas eu lembro.

Era o tempo das vacas gordas e a nação jazia sob um governo, partidos e corporações funcionais suficientemente tolos para imaginar que aquilo iria durar para sempre. Como resultado dessa malfadada conjugação, a despesa continuou crescendo mesmo quando a receita começou a cair.

COMPARAÇÃO – Em sua coluna de sexta-feira (21/07) no site “Diário do Poder”, o jornalista Claudio Humberto registra algo que mencionei durante recente palestra que fiz a um público convidado por entidades empresariais de Passo Fundo. O número é impressionante: o Palácio do Planalto, sede do governo brasileiro, tem 10 vezes mais servidores do que a Casa Branca, sede do governo dos EUA. São 3,8 mil no Planalto, 377 no staff de Trump e na cúpula do seu governo.

Não tenho os números do Congresso deles, mas duvido que a proporção seja muito diferente. Nossas duas Casas, juntas, têm 28 mil servidores, na soma dos efetivos, comissionados e terceirizados. Não é diferente a situação, com mordomias e penduricalhos, nos órgãos do Poder Judiciário, seus conselhos e no TCU. Nem é diferente a explicação para o “fundão” de R$ 3,5 bilhões que deverá irrigar a campanha eleitoral do ano que vem.

A questão que proponho aos leitores é esta: houve algum movimento, por menor que seja, no sentido de reduzir os custos fixos nessas posições privilegiadas do serviço público? O contexto de dificuldades que afeta postos de saúde, hospitais, escolas, obras de infraestrutura tem algum reflexo no topo das instituições? Nada! Restrições passam longe dessas cadeiras de espaldar alto.

EXEMPLO CLARO – Observem a Venezuela. Enquanto incendeia sua miséria na valeta do comunismo caudilhesco, Maduro proclama que as dificuldades da economia são resultado da resistência dos empresários e do capitalismo. Aqui, seus parceiros ideológicos não ensinam diferente: a culpa dos problemas do país é do tal mercado e sua lógica. No entanto, a situação nacional seria bem outra se o setor público respeitasse a lógica de mercado na composição de seus quadros e na remuneração de seu pessoal.

Qual é o artifício capaz de justificar o fato de que, no Primeiro Mundo, certas funções tenham um décimo do número de servidores custeados pelo pagador de impostos brasileiro? Isso descreve uma das essências do socialismo: o Estado como grande empregador, remuneração privilegiada para o topo do poder político e o restante trabalhando para pagar a conta. Tudo bem de esquerda, não é mesmo?

14 thoughts on “Um País falido, jogando dinheiro fora!

  1. Por coincidência, eu estava justamente me referindo aos dois mundos que hoje coabitam no Brasil: os políticos e o povo (este dividido em três outros mundos, mas é outro assunto).
    Os políticos perderam completamente a noção do mundo em que o povo vive. Basta prestar atenção nas suas palavras e nas suas decisões. Hoje, essa minha certeza se fortaleceu quando li a notícia abaixo.
    http://www.amodireito.com.br/2017/07/nova-regra-indenizacao-por-dano-moral-sera-limitada-e-baseada-no-salario-da-vitima.html?m=1

  2. Que o diga a Grande Obra do Efeagá-Tucanistão com a Despoluição do Esgotão do Covas.
    Promessa há mais de 30 anos, e a dinheirama que era para Despoluir o Esgotão foi parar em Malas e Mais Malas das Famíglias Coveira e Filiais (al-cklimim, FHC, Aloisio, Anibal, Serra, Dória).
    Dizia á época o Grande Francês, ‘Vou Despoluir esse Esgoto á Céu Aberto e vou fazê-lo novamente pescável e navegável., iguais aos Grandes Rios deste Planeta…….
    30 anos se passaram e o Esgotão continua forte em seu cheiro que corre pelas Marginais.
    Por falar em Marginais, alguns Tucanólogos de carteirinha já começam a abandonar seus Bandidinhos de Estimação. (será.?)

    https://www.youtube.com/watch?v=8Bn9VmQ25SA

  3. Há alguns anos atrás, um conhecido, do interior, pobre e honesto, na sua sabedoria de pessoa humilde, já me dizia: “o Brasil só vai dar certo, a hora que trocarem deputados e senadores por jegues. Com os jegues só gastariamos em alfafa, e eles não atrapalharam em nada”. Hoje vejo que esse humilde cidadão tinha razão.

  4. Sr. Puggina, mais um policial morto no Estado Parlamentarista do Sudeste, onde as estatísticas de violência são melhores que no Japão, Suiça, etc….
    A propósito, nas raríssimas aparições pública do protegido e blindado General Ditador-Democrático, saiu-se com essa frase ao ser perguntado se gostaria de concorrer mais uma vez ao Planalto…
    Diz o General do PSDB…
    “Estou mais maduro, e sim, vou “pleitear” ao Partido a vaga de candidato a Presidência.;”””

    Um policial militar (PM) foi morto após uma tentativa de assalto na Zona Norte de São Paulo. No fim da madrugada deste sábado (21), dois criminosos em uma moto roubada abordaram o PM na Avenida Imirim, na altura do número 2.700.

    Fernando Pereira Almeida estava de folga e reagiu quando os bandidos anunciaram o assalto.

    O soldado foi atingido por dois disparos, chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.

    No local do crime, a polícia apreendeu um revólver calibre 38 com a numeração raspada.

    O PM conseguiu balear um dos assaltantes, que foi levado ao Pronto Socorro de Taipas. O outro bandido já está preso.

    http://noticias.band.uol.com.br/cidades/noticia/100000868015/policial-morre-apos-reagir-a-tentativa-de-assalto-em-sp.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *