Um país sensível

ALPINO E A POLÍTICA DE COTAS RACIAIS NA EDUCAÇÃO E NO TRABALHO

Sylo Costa

O melhor e maior amigo que tive, falecido há pouco, atendia pelo apelido de Zé Cachorro. É sabido que o cachorro é o melhor amigo do homem. Eu, e todo mundo que o conhecia, amava o Zé. Mais que melhor amigo, era um irmão. Sou padrinho de seus filhos, e, na juventude, quando estudantes, moramos no Grande Hotel, na rua da Bahia, no lugar onde hoje está o Maletta. Outro amigo, este de infância, era chamado de Jegão. Gente com nome ou apelido de bicho conheço às pencas…

De repente, nosso país, tido e havido sempre como um lugar acolhedor e alegre, se transforma numa chatura insuportável. Qualquer ruidozinho vira um auê. O Brasil, antes um país varonil, de povo patriota e fagueiro, de repente parece que mudou de clima e se transformou em terra de gente nervosa, rancorosa, apátrida, fuxiqueira, preguiçosa e, pior, desonesta… Qualquer problemazinho vira caso de polícia, uma frescura só…

Não tenho medo de falar em racismo, transformado em crime hediondo por essa onda de frescura e modismos que assola o país, e que dizem ser consequência da política do politicamente correto, fruto do entendimento dos tais direitos humanos. Não tenho medo de falar de racismo, nem mesmo cuidados ao falar do assunto, porque deve ser o único preconceito que eu tenho certeza que não tenho. Mas a pele do país está tão sensível que por qualquer bobagem a opinião pública se levanta em estado de guerra, enquanto a libertinagem campeia ao comando de alguns órgãos de comunicação. Esse nervosismo é fruto desse tempo de ação exacerbada de pseudossocialistas, padres e pastores de seitas que pululam por todos os lados e até comerciantes que vendem a cura e salvação de almas em suaves prestações mensais livres de impostos.

LIVRE PENSAR

Não existe no mundo nada mais pessoal, subjetivo, que o pensamento humano. O pensar é livre, não existe meios para quem acha que pode proibir o pensamento. Pensar é o que nos faz ser diferentes dos irracionais e do macaco, nosso primo mais próximo na escala evolutiva. São tantas as semelhanças genéticas e comportamentais entre homens e macacos que até assustam. Se querem acabar com a comparação entre homens e macacos, não será com leis demagógicas que conseguirão. Que tal começar acabando com esses preconceitos por meio da educação? Com a educação, penso que ninguém mais se sentirá ofendido por ser chamado de “macaco”, “cachorro”, “burro”, “cavalo” ou “égua”. Mas educação será a última coisa que os poderosos deixarão acontecer neste país, isso enquanto existir gente maliciosa e canalha mandando.

Enquanto fica entretido pela sorte de uma menina que chamou Aranha de “macaco”, o povo curioso nada sabe sobre o infame Decreto 8.243, que cria o Plano Nacional de Participação Social (PNPS) e acaba com nossa incipiente democracia. E para terminar, lembro que no colégio eu era chamado de “branquelo”. Ninguém foi punido, muito menos o colégio.

E a chuva, gente? O “mundo” está seco como língua de papagaio… (transcrito de O Tempo)

 

20 thoughts on “Um país sensível

  1. É A “ERA PT”.
    QUE SEMPRE TRATOU DE JOGAR UNS CONTRA OUTROS
    E HOJE QUALQUER BRINCADEIRA É VISTA COMO BULLYING

    Há 30 anos, na faculdade, tinhamos um amigo
    bastante desajeitado e todos o chamavam de
    “RÉ DE JEGUE”. Nunca se sentiu ofendido. Este é
    um exemplo entre centenas. Hoje ” RÉ DE JEGUE”
    mora nos estados Unidos. Lá ele é conhecido por
    muitos como “BACK OF DONKEY”

  2. Senhores cotistas,

    Não se iludam.

    -Cota só vale para EMPREGO RALÉ!

    Veja se tem cota para MINISTRO do Executivo, para DEPUTADO, para SENADOR, para PROCURADOR, para MAGISTRADO, para MINISTRO DO SUPREMO, para CONSELHEIRO DOS TRIBUNAIS, para cargo de diretoria da PETROBRÁS e das outras ESTATAIS, …etc… etc…

    Confira na relação dos denunciados na Operação LAVA-JATO se tem algum COTISTA!

    Você, que tem direito à cota para ARMAR A REDE e ficou contente com essa concessão do SENHOR LEÔNCIO, é melhor ficar logo sabendo:
    – Com a sua cota você até poderá comprar a rede, mas terá armá-la, no máximo na varanda da SENZALA…

    Abraços.

  3. Gerontocracia ou Efebocracia? Governo de velhos ou governo de jovens, respectivamente. Outrora, faz muito tempo, o fio do bigode de um senhor servia de cheque ou carta de crédito para compra, barganha, escambo ou mesmo fiança; já que se trata de fio. E olhem lá, naqueles idos, nem havia teste de DNA para confirmar ou negar a “paternidade” do bigode! Mais tarde, Rui Barbosa lançou tudo por água abaixo: “Cabelo branco não é documento, os canalhas também envelhecem!”
    Nas últimas semanas, o Brasil virou um tremendo teatro a céu aberto, cujo protagonista são vetustos, com as traquinices de um adolescente e a malícia de raposas octogenárias, Pelo visto, o povo brasileiro está no breu: se de um lado, os governantes idosos são bandidos; doutro, vê-se a cada dia moços tornando-se milionários precocemente: tráfico, tráfico, tráfico, assalto, golpes de toda sorte. Aqueles que se dizem universitários, no peito da maioria arde a seguinte gana: “Vou sair daqui doutor para roubar os mais bestas que eu….Diplomado, tenho de buscar urgente um prefeito para fazer aliança!” Essa coisa de dizer que se vai formar para ser útil a sua pátria, não passa de perjúrio, falácia. Numa sociedade corrompida, a educação tem a torpe função de requintar os já pervertidos.
    Possível solução: recrutar babás extraterrestres para cuidar e educar os brasileirinhos de um ano (anejos). Nós, os demais, por sermos irrecuperáveis, seríamos exterminados. Porque, nesta nação, ser honesto é não ser flagrado, e do crime, pune-se a imperícia!

  4. Na antiga URSS o goleiro Yashin usava roupas pretas e era conhecido como Aranha Negra. O Aranha brasileiro deve ter recebido esse apelido pq as aranhas normalmente são escuras. Pq ele aceita ser reconhecido como inseto e deu chilique quando o chamaram de primata não humano? Morgam Freeman sobre o racismo: http://youtu.be/ZpNNIMpfrcg
    Ademais, os brancos cheios de pelos pelo corpo são mais parecidos com os macacos que os negros que poucos pelos têm…
    Ótimo e oportuno texto e mais uma obra de arte do Alpino.
    Saudações Carlos Newton e demais colaboradores deste trincheira virtual de resistência verdadeiramente livre e independente.

  5. Cotas, Planos de Saúde e PROUNI , foram criadas pelos governos para
    se desobrigarem a atender a população com melhores escolas, hospitais
    e universidades, dando a todos os mesmos direitos, cumprindo assim, o
    que reza na Constituição.

    • Nélio e demais colegas que opinaram acima
      As contribuições, por vezes fortes e contundentes, que cada um de vocês prestam nos mais diferentes comentários, são as provas vivas de que ainda há vida e esperança.
      Um abraço fraterno em todos.

    • KKKKKKKKKK Planos de saúde, hoje, existem para enriquecer os administradores. Médicos são mal pagos – recebem esmolas, posso dizer. Nós pagamos muito além do que deveria e agora em tudo vem a coparticipação. Pelo menos fossem como clubes que a gente paga mensalmente, e tem todos os direitos. Já pensou você pagar um clube e quando quiser nadar, participar do volei, futebol, dançar, pagar coparticipação? Acho que o gov erno deveria equilibrar o SUS – admito até quem pode, pagar uma taxa extra, e quem não pode, receber o serviço gratuito. Mas como estão os Planos de Saúde = aqueles planos de previdência. Não vejo nenhum candidato preocupado com tais Planos de Saúde.

  6. Em princípio, toda a cota é uma idiotice.
    Mas temos de entender a moral da história.
    O PT nasce de uma elite pensante. Elite sempre foi e será a parte menor da sociedade. Para crescer buscaram aglutinar todos os segmentos que sentiam-se “discriminados”. A partir dai foi fácil: intermináveis debates, fóruns disto e daqui, tranca ruas, greves e tudo mais. Criaram os espaços para os revanchistas, combativos e conquistadores. agora, todos embaixo das “asas” petistas seria fácil usá-los. E é o que eles tem feito. Apoderaram-se dos movimentos. assumiram suas lutas e ainda hoje são aqueles que vão às ruas. Peguem fotos de 1980 e as de hoje – lá estão as mesmas frases, mesmas bandeiras. Alguns mais velhos e a nova geração.
    E aos longo das últimas três décadas tem se alimentado do sangue dos mais necessitados,
    O caso dos sem terra é o maior deles. Até agora ninguém me explicou como João Pedro Stedile, economista e ativista social brasileiro, graduado em economia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, e pós-graduado pela Universidade Nacional Autônoma do México era líder do MST. Pergunto: os economistas aceitariam um sem terra lhes representando? Até isto eles usurparam.
    Mas nada é eterno e tudo que sobe, um dia, desce. A menos que eu esteja enganado, parece que já estão caindo.
    Da desgraça devemos retirar as lições. É nossa obrigação, aqueles que enxergam, abrir os olhos dos que vem seguindo nossos caminhos.

  7. Caro Antonio,

    É, no mínimo, curioso saber que o PT fez, ou faz, parte de uma “elite pensante”, já que durante o seu governo aumentou o número de analfabetos no país e diminuiu o de formandos.

    Abraços

    (pensando morreu um burro!)

    • Francisco

      A construção do PT ocorreu dentro das universidades e por um grupo de “filósofos” de fundo de quintal. Não há como esquecermos que, o núcleo pensante da política nos anos 60/70/80, notadamente os comunistas e seus descendentes, estavam nas universidades e no exílio.

      Os camponeses e os segmentos segregados/esquecidos não tinha capacidade de organização e filosófica para construir tamanho monstrengo. Eles foram a cabeça e os incautos o corpo.

      O tempo e a natureza se encarregou de esvaziá-lo. Felizmente uma grande parcela das “cabeças iluminadas” já morreram ou fugiram do hospício que ajudaram a construir.

      Os novos loucos, de cultura curta mas ávidos pelo poder, mudaram as bases filosóficas e a coisa fugiu ao controle.

      Hoje, se procurar no núcleo petista, verá que sobrou só o lixo. a perda de qualidade foi imensa. A turma da bandalheira e da safadeza está no comando.

      Abraço

  8. Parabéns ao articulista e comentaristas, a partir do final da década de 50, a HIPOCRISIA, virou “velha companheira” e a corrupção ganhou velocidade, vencendo a MORAL e ÉTICA.
    Nos idos tempos, as marchinhas de carnaval, as musicas, o relacionamento entre as pessoas, era fraternal, independente da cor da pele e status social, havia real solidariedade. As Escolas, as Unidades de Saúde, a Policia e o Transporte, serviam ao trabalhador e sua família, Hoje é o “CAIM” no “topo do altar” a esganar.
    Mentira virou verdade, religião transformou Jesus em Cabo eleitoral, e estamos colhendo o fruto de nossos desatinos. Reclamar de quem: DE NÓS, SOMOS OS CULPADOS, POR CONVENIÊNCIA E OMISSÃO.
    Mudar é preciso, banindo a hipocrisia, Não REELEGENDO, em beneficio do LAR QUE DEUS NOS DEU!!!!, votando com consciência e dignidade.
    85 anos de vida, mas, com um “Fio DE ESPERANÇA” de volta a MORAL E PROGRESSO, para a juventude.

  9. Já contei mas vou contar de novo.
    Estava eu respondendo ao IBGE.
    De repente, não mais que de repente o recenseador me pergunta:
    -Qual é a sua raça?
    Calmamente tento explicar:- Meu amigo. A ciência provou exaustivamente que só existe uma raça, a raça humana. Portanto sou da raça humana.
    O jovem recenseador, universitário, me diz que eu tenho que escolher entre alguns dados tais como branco, negro, asiático, indio.
    Eu de pele clara, olhos azuis fico sem palavras.
    -Vou ter que responder apenas com estas opções?
    -Vai.
    -Então coloque aí, sou negro.
    O jovem me olha de modo estranho
    Repito: – Sou negro.Marca aí.
    Com o rosto assustado e contrariado ele marca a minha opção.
    Ora,ora,ora neste pais miscigenado, neste caldeirão de misturas quem afinal não tem sangue negro?

    • Também acho que é por ai.
      Assim, seguindo a cartilha dos “debiloides”, temos o direito de entrar nas cotas.
      Até hoje não me responderam como funciona as cotas nos estados onde há predominância de negros.
      Bela resposta ricciotti piana.

  10. Caro Jornalista,

    Antes desses intelectuais assumirem o comando do país só havia um Brasil e quem nascesse do lado de cá da fronteira seria chamado de brasileiro. E ponto final.
    Hoje o país já está dividido em, pelo menos, 1.281 nações quilombolas (em processo de oficialização) e em 691 nações indígenas, cada qual com a sua denominação politicamente correta.

    Haja imposto para tanta “passada de mão na cabeça”!

  11. Senhores,

    Não existe almoço de graça. Veja parte desta reportagem da BBC:

    “Ficamos muito felizes que alguém se autodeclare negro, mas em hipótese alguma Marina representa a luta dessa população”, diz o professor Paulino Cardoso, presidente da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN) e pesquisador da cultura afrobrasileira há 30 anos.

    DOZE BILHÕES DE REAIS DE “FINANCIAMENTO”
    “Somos [os negros] os mais miseráveis entre os miseráveis no Brasil”, afirma Cardoso. “Será que o Estado enxuto que ela promete, de caráter neoliberal, com Banco Central independente, vai conseguir financiar nossas políticas sociais?
    Os negros dependem muito dessas iniciativas, elas custam mais de R$ 12 bilhões ao governo e são mal vistas pelas oligarquias”, diz o professor.

    OS SENHORES, PELO VISTO, FAZEM PARTE DESSA “OLIGARQUIA”.

    Artigo Completo:
    http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/09/140910_salasocial_eleicoes2014_marina_movimentonegro_rs.shtml

  12. Na minha modesta opinião, dou nota 10 para o texto do senhor Sylo Costa.
    Quanto aos comentários, como sempre, com suas convicções e estilos, todos, muito adequados na analise do artigo.
    Parabéns a todos.

  13. Odeio tudo isso. Branco é branco; negro é negro. E todos somos brasileiros. Hoje em dia se você olhar para um negro e ele acha que é racismo te processa e você não tem direito à defesa – somente ele. Acho que pele negra, ou branca, é como uma rosa que pode ser amarela, rosa, vermelha. Nunca vai deixar de ser uma rosa! A gente tá correndo o risco até de uma -pessoa de cor invocar ou não gosta da gente e sair caluniando, se defendendo por ai. Digo pessoa de cor, não querendo dizer só negros, porque existem os branquelos, os sardentos, etc. Agorinha mesmo vão inventar: gordo é ofensivo, magro também. Hajaaa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *