Um poema de amor a Carolina, a musa de Machado de Assis na vida real

Um retrato da intimidade de Machado

Carolina de Novais, a musa de Machado de Assis

Paulo Peres
Poemas & Canções

O jornalista, crítico literário, dramaturgo, folhetinista, romancista, contista, cronista e poeta carioca Joaquim Maria Machado de Assis (1839-1908) é amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. O poeta escreveu “A Carolina”, este belíssimo soneto sobre o amor.

A CAROLINA
Machado de Assis

Querida, ao pé do leito derradeiro
Em que descansas dessa longa vida,
Aqui venho e virei, pobre querida,
Trazer-te o coração do companheiro.

Pulsa-lhe aquele afeto verdadeiro
Que, a despeito de toda a humana lida,
Fez a nossa existência apetecida
E num recanto pôs um mundo inteiro.

Trago-te flores, restos arrancados
Da terra que nos viu passar unidos
E ora mortos nos deixa e separados.

Que eu, se tenho nos olhos malferidos
Pensamentos de vida formulados,
São pensamentos idos e vividos.

3 thoughts on “Um poema de amor a Carolina, a musa de Machado de Assis na vida real

  1. Machado de Assis , um gênio da literatura brasileira.

    Versos dedicados pela partida de sua amada ,que era , pelo que se ver no retrato(pintura), uma mulher bonita.

    Amigos da TI, carinhosamente bom dia .

  2. Temos que ir devagar quando se trata do famoso Machado. Sobre esse soneto, tão apreciado, sinto rejeição por dois versos:

    1. Aqui venho e virei, pobre querida.
    A morte não apequena ninguém – ela acontece, é natural, todos morrem. Por que POBRE querida?

    2. Trago-te flores, restos arrancados
    Restos arrancados? Restos?! Qualquer homem enamorado procuraria flores frescas e cheirosas em vez de RESTOS.

    Quanto ao resto, uma maravilha, como tudo de Machado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *