Um prelúdio de Luiz Vieira, que sintetiza, em poucas palavras, a força de um grande amor

Morre o radialista, cantor e compositor Luiz Vieira, aos 91 anos | RCIA Araraquara

Luiz Vieira, um músico que deixou muita saudade

Paulo Peres
Poemas & Canções


A letra de “Paz do meu amor (Prelúdio nº 2)” idolatra de uma forma poética a conquista do amor infindo pelo radialista, cantor e compositor pernambucano Luiz Rattes Vieira Filho. Um dos maiores sucessos de Luiz Vieira, que ele próprio gravou, em 1963, pela Copacabana. O grande músico morreu em 2020, aos 91 anos.

PAZ DO MEU AMOR (Prelúdio nº 2)
Luiz Vieira

 

Você é isso: Uma beleza imensa,
Toda recompensa de um amor sem fim.
Você é isso: Uma nuvem calma
No céu de minh’alma; é ternura em mim.

Você é isso: Estrela matutina,
Luz que descortina um mundo encantador.
Você é isso: É parto de ternura,
Lágrima que é pura, paz do meu amor

5 thoughts on “Um prelúdio de Luiz Vieira, que sintetiza, em poucas palavras, a força de um grande amor

  1. 1) Grande compositor e cantor da Era do Rádio, 1963, que eu ouvia na Rádio Nacional do RJ.

    2) Aliás, hoje, 25/09/21, é o Dia do Rádio e da Rádiodifusão. Eu tenho saudosas memórias dessa época.

    3) E por falar em lembranças notáveis, vamos a mais uma ML = Memória Literária.

    4) A dica de Leitura é o livro “Diário da Patetocracia – Crônicas Brasileiras de 1968”, do jornalista e escritor José Carlos de Oliveira, também conhecido como Carlinhos de Oliveira. Escrevia no JB – Jornal do Brasil (onde o Pedro do Coutto atuava) e na revista Manchete.

    5) Carlinhos de Oliveira , era considerado um dos maiores cronistas do século XX, da Língua Portuguesa.

  2. Teve um dia, que não sei quando foi, nem o ano nem o mês, conheci pessoalmente Luiz Vieira.

    Foi na casa do meu grande amigo, o jornalista Geraldo Lopes (Geraldo da Conceição Lopes). em Botafogo, RJ. Geraldo e Luiz eram amigos há anos.

    Luiz Vieira tocou violão, cantou e nos emocionou. Quanta sonoridade, vocal e instrumental. Simpático, meigo, carinhoso, inspirado… Uma pessoa genial.

    Ele cantou e tocou antes do almoço, durante o almoço e depois do almoço. Luis Vieira, Geraldo e esposa e minha esposa e eu (éramos 5), fomos jogar cartas. Jogar “buraco”. Luiz Vieira ganhou todas e de todos. O jogo era a “leite de pato”, como se dizia antigamente quanto não rolava dinheiro. Porque se fosse “à vera” (a dinheiro) Vieira teria ganho muita grana. Tempos que não voltam mais. Geraldo também não está mais entre nós.

Deixe um comentário para Antonio Rocha Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *