Um simples pé de milho, que nasceu no jardim de Rubem Braga

Braga, no quintal aéreo onde floresceu um belo pé de milho

Carmen Lins

Envio mais uma crônica do mestre Rubem Braga, que somente espaços como a Tribuna da Internet se interessam em prestigiar. E lembro de Artur da Távola, a quem não conheci pessoalmente, mas ele dizia que a gente  pode ter um querido amigo morto há mais de 100 anos. É o que acontece comigo em relação ao Rubem Braga e também ao inesquecível Artur da Távola, que costuma perguntar: “Quem tem medo de música clássica?”

###
UM PÉ DE MILHO
Rubem Braga

Os americanos, através do radar, entraram em contato com a Lua, o que não deixa de ser emocionante. Mas o fato mais importante da semana aconteceu com o meu pé de milho. Aconteceu que, no meu quintal, em um monte de terra trazida pelo jardineiro, nasceu alguma coisa que podia ser umpé de capim – mas descobri que era um pé de milho. Transplantei-o para o exíguo canteiro da casa. Secaram as pequenas folhas; pensei que fosse morrer. Mas ele reagiu. Quando estava do tamanho de um palmo, veio um amigo e declarou desdenhosamente que aquilo era capim. Quando estava com dois palmos, veio um outro amigo e afirmou que era cana.

Sou um ignorante, um pobre homem da cidade. Mas eu tinha razão. Ele cresceu, está com dois metros, lança suas folhas além do muro e é umesplêndido pé de milho. Já viu o leitor um pé de milho? Eu nunca tinha visto. Tinha visto centenas de milharais – mas é diferente.

Um pé de milho sozinho, em um canteiro espremido, junto do portão, numa esquina de rua – não é um número numa lavoura, é um ser vivo e independente. Suas raízes roxas se agarram no chão e suas folhas longas e verdes nunca estão imóveis. Detesto comparações surrealistas – mas na lógica de seu crescimento, tal como vi numa noite de luar, o pé de milho parecia um cavalo empinado, de crinas ao vento e em outra madrugada, pareciaum galo cantando.

Anteontem aconteceu o que era inevitável, mas que nos encantou como se fosse inesperado: meu pé de milho pendoou. Há muitas flores lindas no mundo, e a flor de milho não será a mais linda. Mas aquele pendão firme, vertical, beijado pelo vento do mar, veio enriquecer nosso canteirinho vulgar com uma força e uma alegria que me fazem bem. É alguma coisa que se afirma com ímpeto e certeza. Meu pé de milho é um belo gesto da terra. Eu não sou mais um medíocre homem que vive atrás de uma chata máquina de escrever: sou um rico lavrador da rua Júlio de Castilhos.

3 thoughts on “Um simples pé de milho, que nasceu no jardim de Rubem Braga

  1. Mais um poema numa crônica de Rubem Braga. O pé de milho foi o acontecimento mais importante do que a ida dos americanos à Lua. É realmente, um cronista genial. Ficamos com a imagem surrealista quando ele compara o pé de milho com a crina do cavalo empinado. Sempre fico encantada com as crônicas do Mestre – o velho Braga, como ele se denominava.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *