Um tiro no pé! Expulsão de ‘rebeldes’ vai diminuir as verbas eleitorais de PDT e PSB

Resultado de imagem para ciro gomes

Ciro Gomes defende a expulsão de Tabata e dos rebeldes do PDT

Joelmir Tavares
Folha

Se o PDT expulsar a deputada federal Tabata Amaral (SP) por infidelidade partidária, depois de ela ter votado a favor da reforma da Previdência, estará perdendo mais do que uma integrante vista como símbolo de renovação e rejuvenescimento da sigla.

A legenda colocará a perigo também sua participação no Fundo Eleitoral, mecanismo de financiamento público de campanhas criado em 2017. Como o dinheiro é distribuído de acordo com o número corrigido de cadeiras do partido no Congresso, a diminuição da bancada teria impacto no caixa das candidaturas.

OUTRAS VERBAS – O PDT e o PSB, outra legenda que está às voltas com processos que podem culminar em expulsões, manteriam, contudo, os percentuais a que têm direito hoje tanto no fundo partidário quanto no tempo de propaganda na TV. Nesses dois casos, o cálculo é diferente: considera o número de parlamentares eleitos pelo partido no pleito geral anterior, sem atualizá-lo.

A pendenga dos deputados que contrariaram o fechamento de questão (voto obrigatório) de suas siglas contra o projeto levou Tabata Amaral para o centro do debate desde a aprovação da reforma das aposentadorias, na semana passada.

Por causa da posição, a novata —que é fundadora do Acredito e participou do RenovaBR, organizações que pregam a oxigenação política— entrou em conflito com o ex-presidenciável Ciro Gomes e com outras cabeças do partido. Ciro defende a saída dela.

MENOR BANCADA – Se o PDT mandar embora todos os dissidentes ao fim do processo que pretende instaurar em sua comissão de ética nesta quarta-feira (17), perderá 30% de sua bancada —8 membros, de um total de 27.

No PSB, que iniciou nesta segunda-feira (15) procedimento que pode punir os infiéis com penas que vão de advertência até expulsão, 34% dos deputados estão na berlinda —11 de um grupo de 32. Entre eles está o estreante Felipe Rigoni (ES), colega de Tabata nas duas entidades de renovação. Ele também votou a favor do texto, ignorando a decisão tomada pela executiva do PSB.

Outras legendas registraram defecções, mas em menor grau. Entre os casos está o de uma deputada do PSDB, Tereza Nelma (AL), que desobedeceu à ordem de dizer sim. Com a expulsão, o parlamentar mantém o mandato e pode se filiar a outra sigla.

MENOS RECURSOS – Se a decisão de PDT e PSB for mesmo excluir os dissidentes, as duas legendas terão direito a percentuais menores do fundo eleitoral, caso a lei que regula a repartição da verba continue como é hoje.

Na eleição do ano passado, a maior fatia do fundo foi distribuída levando em conta o número de cadeiras que a legenda possuía até agosto de 2017.

Para as próximas campanhas, a lei prevê que seja considerado como parâmetro o total de parlamentares no Congresso que o partido tiver na última sessão legislativa do ano anterior à eleição. Se chegarem ao fim deste ano desidratados, PDT e PSB poderão ver minguar os recursos à sua disposição para o pleito municipal de 2020. As siglas receberam no ano passado, respectivamente, R$ 61 milhões e R$ 118 milhões.

NOVAS REGRAS – Nada garante, no entanto, que as regras serão mantidas, já que é normal haver alterações até o limite do prazo permitido. Mudanças eleitorais precisam ser aprovadas até um ano antes da eleição.

Líderes de PDT e PSB têm evitado cravar a expulsão dos infiéis como resultado final. Dizem que os processos contra os parlamentares nos conselhos de ética respeitarão os prazos e o direito de defesa. Podem durar mais de 45 dias.

Caso os deputados recebam punição mais branda e fiquem nos partidos, poderão ser penalizados com perda de cargos em comissões e remoção de postos de comando internos.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Ao invés de se aproximar dos jovens parlamentares e tentar reincorporá-los às doutrinas partidárias, os chamados caciques dão faniquitos e exigem a expulsão. Ou seja, não têm medo do ridículo e acabam prejudicando os próprios partidos. (C.N.)

 

12 thoughts on “Um tiro no pé! Expulsão de ‘rebeldes’ vai diminuir as verbas eleitorais de PDT e PSB

  1. Melhor definição de Ciro Gomes:

    “Ciro está fazendo o que sempre fez. Agride e tenta diminuir quem não se submete ao seu controle ou escapa do seu projeto personalista. É uma caricatura intelectualizada dos velhos coronéis da política brasileira. O Brasil não merece figuras assim, que investem no discurso do salvador da Pátria e na divisão do país. É peça de um museu de tragédias.”
    Senador Alessandro Vieira (Cidadania)

  2. O diabo de ser constitucionalista é ter que dizer: substancialmente, a decisão de Toffoli está correta.

    Mas como animal político, tenho a necessidade de dizer que essa decisão não seria dada se o investigado fosse Lula.

    É isso.

    http://bit.ly/2xRLJN7

    Todo mundo esta vendo a “nova política”

  3. Inacreditavelmente, Carlos Lupi é presidente nacional do PDT ! O que esperar, pois?? Trata-se de pessoa de reduzidíssimas luzes. Fica difícil manter a esperança no futuro sabendo que uma pessoa pública tanto diminuta exerce função que, se não é, com certeza deveria ser de alta responsabilidade para um país q vive sob o símbolo do estado democrático de direito.
    Muito difícil!

  4. ciro sendo ciro, como sempre, agora ou o pdt expulsa os rebeldes ou vão perder o controle da manada, e se isso acontecer, vai por terra os planos de ciro de ser o comandante mor da esquerda, sobrepondo-se ao pt.
    Se não lidera seu quintal como vai liderar a esquerda, ciro se fu………

  5. Típico de Circo Gomes e seus esquerdopatas amiguinhos. Este tipo de gente só conhece a velha política, não conseguem conviver ou aceitar que o país não quer mais a corrupção. Ficarão pelo caminho.

  6. Leonel Brizola não admitia inimigos, expulsou aqueles que se fizeram nas costas dele, como: Marcelo Alencar (o que pedia a ele poder),depois que consegui, o traiu, Garotinho e outros.
    Esta deputada é mais uma, se o partido não tomar rumo e se preocupar com tais verbas, ai sim, vai virar baderna, mas não sepreocupe, ela mesma vai mudar de partido, assim como estes que citei e outros, mais uma mercenária traidora, estas pessoas não tem objetivo.

  7. PDT ABRE PROCESSO CONTRA OITO PARLAMENTARES QUE VOTARAM A FAVOR DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA

    O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, afirmou que a deputada federal Tabata Amaral defende uma “democracia da conveniência” e “acha bom quando o partido decide como ela quer e ruim quando decide como ela não quer”, rebatendo artigo da parlamentar publicado no qual ela pede “mais democracia interna” na sigla. “Se ela acha que a esmagadora decisão de uma convenção nacional de mais de 500 membros, em que ela estava presente, não é democrático, quero saber o que ela acha que é (democrático). É ouvir o Jorge Paulo Lemann?”, questionou o presidente do PDT. https://amazonas1.com.br/politica/para-pdt-tabata-defende-democracia-da-conveniencia/

    CIRO PEDE QUE TABATA SE RETIRE: O líder do PDT na Câmara, André Figueiredo (CE), se referiu aos dissidentes como “traidores”. Reação mais dura veio do ex-ministro Ciro Gomes, que foi o candidato do PDT à Presidência no ano passado. Segundo ele, a parlamentar deveria deixar a sigla de forma espontânea porque está fazendo “dupla militância” – uma referência ao fato de ela integrar o movimento Acredito. https://oglobo.globo.com/brasil/pdt-convoca-reuniao-para-comecar-discutir-possivel-expulsao-de-tabata-outros-sete-deputados-23810681

    MAIS GRAVE QUE O IMPEACHMENT: Nas redes sociais o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, subiu o tom contra os dissidentes: “Imoralidade sem tamanho”, disse ele, ao avaliar que a votação de oito deputados federais pedetistas pró-reforma da Previdência “é mais grave” do que a dos parlamentares pedetistas favoráveis ao impeachment da presidente Dilma Rousseff, penalizados na ocasião quando a sigla brizolista também fechou questão contra o golpe. https://blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/2019/07/16/pdt-analisa-situacao-dos-oito-deputados-que-votaram-a-favor-da-reforma/

    FECHAMENTO DE QUESTÃO: “Não tenho nada contra a deputada Tabata. É uma pessoa de grande valor, uma voz em defesa pela educação. Também sou amigo dos deputados que votaram a favor. Mas eu acho que a gente não pode simplesmente ignorar um voto que contraria a decisão partidária, porque de outra forma ela não vai ter qualquer valor. Na hora que a matéria foi votada era de se esperar que os deputados obedecessem a decisão do diretório nacional”, pondera o deputado federal Wolney Queiroz, presidente do PDT de Pernambuco. https://www.folhape.com.br/politica/politica/blog-da-folha/2019/07/15/BLG,11406,7,509,POLITICA,2419-PODCAST-DECLARACAO-GUERRA-PARTIDO-DIZ-WOLNEY-QUEIROZ-SOBRE-ARTIGO-TABATA-AMARAL.aspx

  8. Votar a favor da consciência significa ser macaco fora do bando que vira comida de onça.
    A bonitinha do momento está em evidência e se souber driblar os faniquitos dos caciques, nada de braçada.
    Esse tipo de tribo não comporta índio, só cacique.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *