Uma mentira goebbeliana: PT e CUT usam dinheiro do povo na campanha contra o STF

Altamir Tojal

O brasileiro perdeu a paciência com a corrupção, mas não perdeu o bom-humor. Agora mesmo, uma frase – “A pizzaria fechou!” – traduz assim, com jeito de troça, o sentimento que cresce no Brasil de que a regra da impunidade começa a perder força nesse país, onde o direito protege desde sempre os poderosos e a lei pesa mais sobre o povo.


Parece mesmo que a corrupção passou a ser uma prática mais arriscada no Brasil. Há poucos meses, quase ninguém acreditava que essa mudança poderia acontecer. Mas a sociedade compreendeu que pode fazer as instituições cumprirem os seus papéis. Está aí o julgamento do mensalão condenando figurões com José Dirceu e José Genuíno, parlamentares, banqueiros e empresários.

Está sendo condenado, sobretudo, o modelo de fazer política que se tornou hegemônico nos últimos anos, baseado na corrupção, no aparelhamento do estado, na troca de favores, na compra de apoio político e na traição às idéias e compromissos apregoados nas campanhas eleitorais.

O julgamento do mensalão vinha sendo adiado por pressões e chantagens. E logo que começou, surgiram os ataques para desqualificar a denúncia, o processo, os procuradores, os juízes e o tribunal.

Essa estratégia é elaborada com requintes de marquetagem política. O terreno foi preparado com o bombardeio das teses do “julgamento pela imprensa” e do “era só caixa dois”. O início das sessões foi marcado pela alegação de desrespeito aos direitos dos acusados e a farsa do recurso a cortes internacionais se houvesse condenações. Agora é a afirmação de que os réus estão sendo condenados sem provas.

###
JULGAMENTO DE EXCEÇÃO

Os laboratórios intelectuais petistas contribuíram com a fórmula “julgamento de exceção”, segundo a qual o STF é o Santo Ofício do Planalto e Joaquim Barbosa é a reencarnação de Torquemada. De lá pra cá, uma nota de desagravo ao presidente Lula comparou o julgamento ao Golpe de 64. Genuíno chamou jornalistas de “torturadores da ditadura”. E agora Dirceu e Genuíno repetem que se trata de processo “político de exceção”.

“Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade”. Esse ensinamento de Joseph Goebbels, ministro da Propaganda de Hitler, tem sido usado e abusado pelo PT ao longo de sua história. A “campanha da falta de provas” está sendo agora difundida pela CUT, pelos blogueiros chapa-branca e por todo o resto da máquina de propaganda do PT, todos pagos, é claro, com dinheiro público.

Depois de se associar a Sarney, Collor e Maluf, depois de usar políticas sociais públicas como políticas partidárias, depois de oficializar a corrupção, de aparelhar o estado, de defender o controle da imprensa e de envergonhar e destruir a sua própria militância, o PT agora se volta contra a esperança da sociedade de “fechar a Pizzaria Brasil” e de conquistar uma justiça mais republicana.

(Do Blog Este Mundo Possível, texto enviado por Mário Assis)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *